23/05/2019 12:58
Curiosidades / Notícias

Morador de zona rural de Minas Gerais pedala 16 km para fazer tratamento de hemodiálise

Seu José tem 53 anos e vai de bicicleta saindo de Elói Mendes até um hospital em Varginha, sul do estado

Adelina
por Adelina Lima

Ainda é cedo quando o seu José de Assis Lúcio, de 53 anos, morador da zona rural de Elói Mendes, pega sua bicicleta rumo a um hospital de Varginha, sul de Minas Gerais. José ficou conhecido no Sul de Minas por pedalar 16 quilômetros, pelo menos três vezes por semana, para fazer seu tratamento, são quatro horas de sessão de hemodiálise. Ao todo, em um mês, são pelo menos 200 quilômetros, ida e volta.



“Saio cedo mesmo. Deu 6 horas, ou 6h30, 7h, já estou saindo. Já pego a bicicleta e estou indo”. O chapéu e a botina são companheiros na rodovia BR-491, que liga a casa do seu José ao hospital. Há seis anos, ele foi diagnosticado com insuficiência renal e, nas primeiras sessões, chegou a ir de carro. Mas sempre sentia um mal estar. “É ruim, eu sentia que meu corpo não gosta, começa a cabeça a doer, corpo dói, pernas adormecem”.

O jeito foi investir na bicicleta e driblar os desafios. Quem conhece o seu José do hospital demorou para acreditar na disposição em chegar de bicicleta. “Eu e meu motorista sempre comentamos: como é que aguenta? A pessoa não sai bem daqui. E ele sai tranquilo, não tem nem cara de quem está doente”, conta a aposentada Maria Aparecida de Carvalho.

O irmão de José também faz hemodiálise há 15 anos e também não entende a disposição do paciente. “Ele é uma força que vem de Deus. Deus fortalece. Porque eu por exemplo não vou, não consigo”, explica o aposentado Valdemir Lúcio.

Durante as quatro horas de hemodiálise, José usa o tempo para ler e escrever, atividades que aprendeu há pouco tempo, como conta a técnica em enfermagem Heloísa Souza. “Não sabia até então nada, faz pouco tempo que ele começou. Ele pede opinião da gente, ouve os áudios, é bem esforçado”.

Em geral, os pacientes que passam por hemodiálise sentem fraqueza, dor de cabeça e tontura. Mas o José, assim que sai da sessão, já pega o caminho de casa, para mais 16 quilômetros de pedal. E garante que não abre mão da companheira por nenhum outro meio de transporte, nem nos dias de chuva. “Não largo não, já acostumei com ela”.

Redação e Imagens: EPTV e G1 Sul de Minas

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Curiosidades

Museu de Belo Horizonte está entre os 100 mais visitados do planeta

Lista ainda contempla os museus mais visitados da América Latina


+ Curiosidades

11 refrigerantes criados em Minas Gerais que (provavelmente) você não sabia

Para muita gente é uma espécie de 'ponto turístico' da região provar um desses


MAIS LIDAS DE HOJE

+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2019. Todos os direitos reservados.