26/04/2018 10:22
Turismo / Turismo em Goiás

Descobrimos uma cachoeira quase intocável no lado oeste do cerrado goiano

Escondidas dentro da mata, são 2 quedas d’água formando piscinas naturais de água cristalina

por Curta Mais

O interior de Goiás esconde belezas praticamente inexploráveis, principalmente quando o assunto é cachoeira. Descobrimos mais uma raridade no meio do cerrado goiano, dessa vez fora do eixo Pirenópolis e Chapada dos Veadeiros.

O Curta Mais está fazendo uma série de reportagens no assentamento Padre Nilo Scur, uma comunidade de sitiantes no interior de Goiás, mais precisamente entre os municípios de Iporá e Amorinópolis, região oeste do estado. Depois de acompanhar a safra do pequi na região e aprender uma receita genuinamente goiana, conhecemos a cachoeira do Divino, um verdadeiro tesouro escondido.

Na verdade, o lugar ainda não tem nome definido. É chamado de Divino (por enquanto) porque fica dentro das terras do Sr. Divino, um modesto sítio dentro do assentamento. Não fosse pelo proprietário, o nome também honra a beleza do lugar. É realmente uma obra divina!

De novembro a março é a melhor época do ano para conhecer as cachoeiras, quando as constantes chuvas garantem quedas abundantes.

Como chegar sem trilha definida

9bdefeb11fd16221a5519f9a95521477.jpg
Para chegar à cachoeira do Divino, não tem muito caminhada. O trajeto é de carro mesmo até a cidade de Amorinópolis, há 130 km de Rio Verde. A cidade não tem placas indicativas para a cachoeira, é preciso perguntar para os moradores qual a saída para o Assentamento e, há 20km em estrada de chão, entrar para o sítio do sr. Divino. Da cidade ao lugar dá para ir de bike, para quem curte um pouco mais de aventura.

Ao chegar no sítio do Divino, tem uma caminha de cerca de 500 metros até a cachoeira. Mas é necessário um guia, preferencialmente alguém que conhece o local, pois não há trilha bem definida até a queda d’água. O caminho é de fácil acesso, por dentro do cerrado, mas se perde facilmente se não conhecer.

As cachoeiras

66d633961e32490f7e9dcb6a4d6eee44.jpg

O final da trilha é a cabeceira da cachoeira. Você chega pelo topo dela, numa riacho de água cristalina, formando uma piscina rasa e com muita sombra. Para avistar finalmente a exuberante cachoeira, é preciso se aventurar 100 metros de descida pela mata. Isso mesmo, as cachoeiras ficam escondidas dentro da mata. Só se conhece se adentrar mesmo.

Por este motivo, um dos melhores horários para visita-las é entre 12h e 14h da tarde, quando o sol está mais alto no céu e ilumina as águas e as pedras. Após estes horários, o local se preenche de sombra.

A primeira cachoeira avistada é a maior delas. Com aproximadamente 7 metros de altura, parece uma escadaria gigante de três enormes degraus que “amortecem” a forte queda d’água. Nela, é possível sentar embaixo das quedas e tomar um banho relaxante. Também forma uma piscina natural com 1 metro de profundida no máximo e areia no fundo para quem não abre mão de um mergulho.

A segunda cachoeira não tem trilha, fica 100 metros mais abaixo. Para conhecê-la tem que seguir o curso do rio, beirando a mata a pé mesmo. É preciso virar o próprio Tarzan e descer segurando em árvores para ficar diante dela. Não é simples chegar lá, mas vale o médio esforço pela beleza do lugar. Essa segunda queda d’água é menor, de 3 metros de altura aproximadamente, mais com maior intensidade de queda d’água. Perfeita para aquele banho de descarrego mesmo. Ela também forma uma pequena piscina natural e pedras em seu redor para sentar e contemplar sem pressa a beleza divina desse lugar quase intocável.

Confira fotos da repórter nesse lugar divino, quase intocável, no lado oeste do cerrado goiano:

a6cb4b03c7fb9c9451288645694f7d6c.jpg

7a15a33d5cf82d9ac85b200773856db3.jpg

858ae15824a960d97116555b2a91841d.jpg

e5fd38b6c9c0366bd40b0ebea58d19a9.jpg

827590745b209d143a6fb1310924c87e.JPG

6e48b0fb8aa3acb0cfba0ea67be363f1.JPG

277545a63eac257c7288c4eda66acdb9.JPG

 

7f1313a99c8abbeb6f7154976a654701.jpg

328f082e3637f8a69cd1de09f407f488.jpg

4fab8bf5612d705f8ca1fc5bbdf9ea12.JPG

00c0cd0af25249345301e2fe203ea66e.JPG

da44ba34bb0a4d2e31083e0254a4bbdf.JPG

8bb9dc0c3f5bac75a73076b62a7161c5.JPG

238d87605fe15a0086c1d5380976a273.jpg

bf35deed20e3f5d7c5298d6fa9cedf1d.JPG

c844cdb6b4f5e33f89445a66fe45ac5b.JPG

7b2d0c3bf2a58030cc9c7eaea938780b.JPG

15ed28b9aab0d8f1ef1d8ca4633750e2.JPG

5d0b9ac8e9ffea328b9aa7803b8c61b6.JPG

4de0f33df54d87e6a1a109c99e066274.jpg

Notícias sobre: cachoeiras ecoturismo

NOTÍCIAS RELACIONADAS


+ Turismo

Caminho da Mata Atlântica terá mais de 3 mil km e passará por 5 estados brasileiros

O caminho já tem um traçado macro que está sendo implementado, mas nada impede que ele cresça no futuro.


+ Turismo

Conheça Piranhas a cidade com uma das maiores cachoeiras de Goiás

Salto de São Domingos, uma cachoeira com 90 metros de queda d'água


+ Turismo

Conheça Teresina de Goiás o mais novo destino da Chapada dos Veadeiros

Considerada a capital do Caju em Goiás a cidade conquistou sua emancipação em 1988


+ Turismo

Os mais belos jardins japoneses para curtir ou fotografar em Goiás e região

Conheça os significados e sabia que nada em um jardim japonês está lá por acaso


+ Turismo

As 10 melhores cidades turísticas de Goiás

Confira as 10 cidades turísticas mais votadas em nossa enquete e as mais conhecidas de Goiás


+ Turismo

Ouroana: o santuário ecológico, turístico e dos esportes radicais que poucos conhecem em Goiás

São mais de 80 cachoeiras cercadas por piscinas naturais, lagos e riachos


+ Turismo

Cachoeira de Goiás um município de famílias tradicionais e refinadas

A segunda menor cidade do estado é o lugar para quem busca paz, calmaria e a simplicidade de um povo hospitaleiro


+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2018. Todos os direitos reservados.