18/09/2018 13:00
Notícias / Conteúdo

Médica goiana é premiada por estudo que relacionou Zika vírus e microcefalia

Ela também entrou para a lista dos 100 mais influentes de 2017 pela revista Times

por Curta Mais

Um levantamento inédito que comprovou a relação entre o surto de Zika Vírus com bebês nascidos com microcefalia no nordeste do Brasil, realizado pela médica goiana Celina Turchi e indicado pela Fundação Oswaldo Cruz, foi o vencedor da 17ª edição do Prêmio Péter Murányi. O estudo também apontou a relação do vírus com o aumento da mortalidade de fetos.
Celina Turchi formou-se pela Universidade Federal de Goiás (UFG) em 1981 e é irmã da presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), de Maria Zaira Turchi. Além da formação em uma academia aqui de Goiás, Celina possui mestrado em epidemiologia pela London School of Higiene & Tropical Medicine/UK e doutorado pelo Departamento de Medicina Preventiva da USP. Atualmente Turchi é infectologista da Fundação Oswaldo Cruz, em Pernambuco.
Segundo a presidente da Fundação Péter Murányi, Vera Murányi Kiss, estudos como o da médica goiana revelam a importância do trabalho dos pesquisadores brasileiros para preservar o futuro das próximas gerações.
Os resultados obtidos devido ao projeto permitiram que fossem criadas medidas de combate ao mosquito transmissor do Zika Vírus por parte do poder público. Como resultado, foram distribuídos repelentes para grávidas moradoras de áreas de risco - além do acompanhamento que foi oferecido para crianças portadoras de microcefalia.
O estudo foi o primeiro que traçou um paralelo entre a microcefalia e a infecção pelo vírus da Zika e acompanhou a gestação de mulheres de oito diferentes maternidades públicas de Recife. Todo processo se deu entre os meses de janeiro e novembro de 2016.
Ademais, o reconhecimento do trabalho de Celina Turchi foi além e ganhou reconhecimento internacional – ela foi eleita uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, eleitas em 2017 pela conceituada revista norte-americana Time.
A cientista brasileira formou uma rede internacional com cerca de 30 profissionais de diversas especialidades e instituições, juntos no Microcephaly Epidemic Research Group (Grupo de Pesquisa da Epidemia de Microcefalia), que conseguiu identificar a relação entre o vírus Zika e a microcefalia em tempo recorde: apenas três meses.

Foto de capa: Celina Turchi/Divulgação/Istoé.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Notícias

Goiânia recebe noite de lançamentos e autógrafos com entrada gratuita

Christie Queiroz lança suas novas obras infantis em noite


+ Notícias

Vocalista do MR. Gyn faz show inédito em Goiânia com participações especiais

Apresentação conta com novos arranjos de sucessos da banda


+ Notícias

Colégios estaduais militares de Goiás abrem 8.075 vagas com inscrições abertas

Ao todo, 47 unidades de ensino do CEMPG deverão receber novos alunos em 2019


+ Notícias

Os vencedores do Emmy 2018 e um pedido de casamento ao vivo; veja o vídeo

Evento foi marcado por discursos denunciando o racismo e também por um lindo pedido de casamento no palco


+ Notícias

Começa em todo o país a 'Primavera dos Museus' e Goiânia tem programação; confira

Eventos ocorrem 15 dias após o incêndio no Museu Nacional do Rio e cidades do interior de Goiás também contam com roteiros


+ Notícias

Morador de Goiás bate recorde ao atravessar quase 1km numa fita a 150m de altura em vídeo de tirar o fôlego

Referência no Higline, Joel Soares da Silva, ‘O Máquina’, já detém o recorde mundial no Waterline e quer novos desafios


+ Notícias

Enquanto 3,7 milhões passam fome na Venezuela, Presidente come churrasco de luxo em Istambul

Marroco visitou churrascaria que cobra até mil dólares por refeição


+ Notícias

Coca-Cola planeja lançar edição da bebida à base de maconha

Marca anunciou hoje seu interesse na fabricação da nova bebida


+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2018. Todos os direitos reservados.