09/12/2018 20:19
Notícias / Conteúdo

Médica goiana é premiada por estudo que relacionou Zika vírus e microcefalia

Ela também entrou para a lista dos 100 mais influentes de 2017 pela revista Times

Kenji
por Kenji Takahashi

Um levantamento inédito que comprovou a relação entre o surto de Zika Vírus com bebês nascidos com microcefalia no nordeste do Brasil, realizado pela médica goiana Celina Turchi e indicado pela Fundação Oswaldo Cruz, foi o vencedor da 17ª edição do Prêmio Péter Murányi. O estudo também apontou a relação do vírus com o aumento da mortalidade de fetos.
Celina Turchi formou-se pela Universidade Federal de Goiás (UFG) em 1981 e é irmã da presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), de Maria Zaira Turchi. Além da formação em uma academia aqui de Goiás, Celina possui mestrado em epidemiologia pela London School of Higiene & Tropical Medicine/UK e doutorado pelo Departamento de Medicina Preventiva da USP. Atualmente Turchi é infectologista da Fundação Oswaldo Cruz, em Pernambuco.
Segundo a presidente da Fundação Péter Murányi, Vera Murányi Kiss, estudos como o da médica goiana revelam a importância do trabalho dos pesquisadores brasileiros para preservar o futuro das próximas gerações.
Os resultados obtidos devido ao projeto permitiram que fossem criadas medidas de combate ao mosquito transmissor do Zika Vírus por parte do poder público. Como resultado, foram distribuídos repelentes para grávidas moradoras de áreas de risco - além do acompanhamento que foi oferecido para crianças portadoras de microcefalia.
O estudo foi o primeiro que traçou um paralelo entre a microcefalia e a infecção pelo vírus da Zika e acompanhou a gestação de mulheres de oito diferentes maternidades públicas de Recife. Todo processo se deu entre os meses de janeiro e novembro de 2016.
Ademais, o reconhecimento do trabalho de Celina Turchi foi além e ganhou reconhecimento internacional – ela foi eleita uma das 100 pessoas mais influentes do mundo, eleitas em 2017 pela conceituada revista norte-americana Time.
A cientista brasileira formou uma rede internacional com cerca de 30 profissionais de diversas especialidades e instituições, juntos no Microcephaly Epidemic Research Group (Grupo de Pesquisa da Epidemia de Microcefalia), que conseguiu identificar a relação entre o vírus Zika e a microcefalia em tempo recorde: apenas três meses.

Foto de capa: Celina Turchi/Divulgação/Istoé.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Notícias

Filarmônica apresenta pela primeira vez Dos Cânions às Estrelas em Goiânia com entrada gratuita

A Orquestra será a primeira instituição musical da América Latina a apresentar a obra


+ Notícias

Médium goiano João de Deus é acusado de abuso sexual em atendimentos espirituais

Famoso por receber celebridades e pessoas do mundo inteiro em Abadiânia (GO), ele foi denunciado no Programa do Bial por mulheres que se dizem vítimas


+ Notícias

Depois de 123 anos, STJ julgou ação movida pela Princesa Isabel

Na última quinta-feira, a Quarta Turma do tribunal julgou o processo mais antigo em tramitação no país.


+ Notícias

Criança envia carta para pai no céu e recebe resposta emocionante

Funcionário do correio afirma ter 'navegado pelas estrelas e outros objetos intergalácticos' para entregar carta


+ Notícias

Idoso socorre cãozinho atropelado e o carrega até o veterinário em carrinho de mão

O aposentado caminhou um quilômetro no sol quente da sua casa ao hospital veterinário


+ Notícias

Novembro registra menor taxa de inflação desde 1994 com negativa de 0,21%

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou resultado hoje (07)


+ Notícias

Noruega irá doar R$ 270 milhões para o Fundo Amazônia

O país é hoje o maior doador dessa iniciativa criada em 2008


+ Notícias

Prepara o lenço: 15 comerciais de Natal para chorar até ano que vem

Marcas apostam em lindas histórias muito parecidas com as reais para emocionar e causar impacto social


MAIS LIDAS DE HOJE

+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2018. Todos os direitos reservados.