Twitter, Facebook e Instagram bloqueiam contas de Donald Trump temporariamente

O atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, teve suas contas bloqueadas no Twitter, Facebook e Instagram, além do Snapchat, que também seguiu as medidas das grandes plataformas. A decisão das empresas foi tomada em resposta à publicação de um vídeo em suas redes sociais, em que ele se comunicava com os manifestantes invadindo o Congresso durante a reunião desta terça-feira (6), programada para reconhecer a vitória do democrata Joe Biden e iniciar a transição de governo. 

No vídeo, o atual presidente solicita que os manifestantes retornem às suas casas, mas apresenta um discurso enfatizando o caráter “fraudulento” das últimas eleições, afirmando, novamente, que as eleições foram “roubadas” dele e de seus eleitores. Em algumas horas, o conteúdo viralizou na internet, alcançando desde a oposição até os apoiadores no mundo inteiro. 

Ações do Twitter

O Twitter autorizou a publicação do vídeo, no entanto, marcou o conteúdo como questionável. Desde o período das eleições, em novembro do ano passado, a plataforma tem apresentado as publicações de Donald Trump como conteúdos questionáveis, principalmente devido às atualizações com acusações de fraude e informações falsas sobre o resultado das eleições. 

Reprodução: Twitter

No entanto, com o caso mais recente deste vídeo, a rede social solicitou que as publicações fossem removidas, adicionando o anúncio de que a conta poderia ser totalmente bloqueada caso o conteúdo continuasse no ar. “Como resultado da ação violenta atual e sem precedentes em Washington D.C, nós pedimos a remoção de três tweets de Donald Trump que foram publicados hoje mais cedo por repetidas e graves violações às nossas políticas de Integridade Civil”, explicou a empresa em uma publicação pela Twitter Safety, conta oficial responsável pelo monitoramento da segurança e das políticas de uso da rede social.

Além de explicar que a conta do atual presidente ficaria suspensa por doze horas a partir da remoção das publicações, a empresa prosseguiu dizendo que caso os tweets continuassem no ar, o acesso se manteria bloqueado. O Twitter também anunciou o banimento permanente do presidente da plataforma mediante a continuidade das violações das regras de uso da rede social, “Violações futuras das regras do Twitter, incluindo políticas de Integridade Civil e Ameaças Violentas, vão resultar em suspensão permanente da conta de Donald Trump”, explicou a plataforma na thread a respeito do bloqueio de suas contas

Reprodução: Twitter

Facebook e Instagram

As contas de Trump no Facebook e no Instagram passaram pelo mesmo procedimento. A veiculação do vídeo publicado no Twitter nessas duas redes sociais resultou em ações imediatas, com o Facebook removendo o vídeo diretamente e informando em seguida que iria bloquear a conta do presidente. 

“Nós reconhecemos duas violações de políticas na página de Donald Trump, o que resulta em um bloqueio de recursos por 24 horas, significando que ele irá perder a habilidade de publicar na plataforma durante este tempo”, anunciou a empresa em seu comunicado pelo Twitter. Ainda por meio da plataforma, o atual presidente do Instagram, Adam Mosseri, retweetou o comunicado do Facebook afirmando que a conta de Trump também estaria bloqueada por 24h no Instagram.

Reprodução: Twitter

Mark Zuckerberg, vice-Diretor Executivo do Facebook e do Instagram, publicou um pronunciamento em sua rede social, afirmando que as ações de Donald Trump na plataforma, perdoando ao invés de condenar a ação de seus apoiadores no Capitólio, são responsáveis por perturbar pessoas nos Estados Unidos e no mundo. “Acreditamos que os riscos de permitir que o presidente Trump continue a usar nosso serviço durante este período são simplesmente grandes demais, por isso estamos estendendo o bloqueio que colocamos em suas contas do Facebook e Instagram indefinidamente e pelo menos nas próximas duas semanas.”, expôs Zuckerberg em seu pronunciamento. 

Além disso, o Facebook afirmou que estava “procurando e removendo” as publicações em apoio aos protestos no Capitólio. Os conteúdos em apoio à invasão, assim como os de solicitação de ações armadas, incitamento à violência na série do governo e outras do gênero foram concisamente removidos das redes sociais administradas pela companhia.


Reprodução: Twitter

Pronunciamentos e posicionamentos

Em um vídeo publicado em suas redes sociais, o Presidente Eleito, Joe Biden, reforçou a necessidade da restauração da democracia em um período de grandes conflitos ideológicos e sociais. “O trabalho do momento e dos próximos quatros anos precisa ser a restauração da democracia, da decência, honra, respeito, das regras da nossa lei. Precisa ser sobre a decência, simples e evidente”, afirmou o democrata. 

O ex-presidente Barack Obama também utilizou de suas plataformas para se posicionar sobre os protestos no Capitólio nesta última terça-feira, pronunciando-se a favor do candidato eleito pelo partido Democrata e defendendo a necessidade dos opositores aceitarem a derrota no processo eleitoral. “Neste momento, os líderes Republicanos têm uma escolha clara nas profanas câmaras da democracia. Eles podem continuar nesta estrada, alimentando incêndios violentos, ou podem escolher a realidade e dar os primeiros passos para extinguir as chamas. Eles podem escolher a América”, atestou no texto compartilhado pelo Twitter. 


Reprodução: Twitter

Snapchat

Entre as redes sociais envolvidas no caso, o Snapchat foi a plataforma com medidas mais severas, bloqueando a conta de Trump por tempo indeterminado. A empresa não apresentou motivos pelas quais bloqueou o presidente, como foi o caso das outras redes sociais, no entanto, o CEO do Snapchat, Evan Spiegel, publicou um texto contra os protestos no Capitólio afirmando que “Simplesmente, não podemos promover contas nos Estados Unidos que estejam ligadas a pessoas que incitem a violência racial, mesmo que seja dentro ou fora de nossa plataforma.” 

Ao site TechCrunch, um assessor da empresa afirmou que a ação foi realizada na tarde de quarta-feira, quando o conteúdo do vídeo de Trump viralizou na internet. A companhia irá acompanhar e monitorar os acontecimentos para decidir se o acesso do atual presidente será retomado ou não. 

Em junho de 2020, o CEO da companhia anunciou que o perfil do político deixaria de ser promovido na aba de “Descobertas”, como uma medida para combater ações que incitam violência e injustiça racial na plataforma. 

Até o horário da publicação desta matéria, o presidente Donald Trump permanece bloqueado nessas redes sociais. Novos pronunciamentos e posicionamentos estão sendo publicados continuamente. 

Barack Obama ganha quadro do artista brasileiro Romero Britto

Barack Obama terá um final de ano mais colorido. Na reta final de seu mandato na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos ganhou um quadro assinado pelo brasileiro Romero Britto. Na obra, que segue o estilo de cores múltiplas que é a marca registrada do artista, Obama está ao lado de sua esposa, Michelle – há, inclusive, corações nas bochechas do casal.

Em foto postada no Instagram, Britto mostra o momento da entrega da lembrança, feita por seu filho, Brendan.

“O meu filho Brendan num momento histórico fazendo a entrega do retrato do presidente Obama e a primeira dama quando ao mesmo tempo estava tendo exposições na Europa”, disse o artista na legenda da imagem, justificando sua ausência.

‘Thriller’ na Casa Branca: Obama e Michelle fazem performance no Halloween; assista

A Casa Branca compartilhou nessa segunda-feira (31/10) um vídeo do presidente Barack Obama e da primeira-dama Michelle Obama dançando um dos maiores sucessos de Michael Jackson, o Thriller.

A ocasião foi para dar abertura ao Halloween na Casa Branca, e a coreografia foi bem atrapalhada.

Você pode conferir a dança a partir de 2:22 minutos.

 

Eles bem que tentaram seguir os movimentos de uma monitora, mas ficou claro como eles não levam jeito pra coisa. Ainda bem que tudo foi levado com bom humor e a festa acabou sendo maravilhosa.

Filha mais nova de Barack Obama aproveita férias para trabalhar como caixa de restaurante

Barack Obama chega ao fim do seu segundo e último mandato com popularidade em alta nos Estados Unidos. Uma das razões é o carisma e a postura da família.

Um exemplo, é a filha caçula do presidente americano, Sasha Obama, que está trabalhando como caixa do Nancy’s Restaurant, local especializado em frutos do mar. 

A moça de 15 anos de idade, está em férias escolares e trabalha quatro horas por dia – ela também ganha um salário de 12 a 15 dólares por hora trabalhada. Entre suas funções está registrar pedidos e reservar mesas para os clientes.

Sasha estaria sendo vigiada de perto por seis agentes do serviço secreto norte-americano, tudo para manter sua segurança.

Além de Sasha, Barack e Michelle Obama também são pais de Malia, de 18 anos.

A foto da filha do homem mais poderoso do mundo foi publicada no instagram do TMZ e viralizou nas redes sociais em todo mundo. Confira: 

Barack Obama canta Rihanna com Jimmy Fallon e alfineta Donald Trump; assista ao vídeo

Obama está com tudo. Ele dança, conta piada, faz paródias e… Canta!

O Presidente dos Estados Unidos Barack Obama continua sob os holofotes. Pela primeira vez ele participou do programa The Tonigh Show do Jimmy Fallon (o rei dos vídeos virais) numa entrevista feita em ritmo de balada romântica. No mesmo programa ele conheceu pela primeira vez Madonna pessoalmente e entrou no clima brincado em um dos quadros do durante o último episódio do The Tonigh Show. O homem mais poderoso do mundo lacrou tudo ao cantar um trecho da música Work, de Rihanna.

Para quem não sabe, logo após o single de Riri ser lançado, começou a rolar uma montagem pela web com Obama cantando a música (que foi feita com vários cortes de entrevistas dadas por ele).

Obama entra em seus dias finais de governo com popularidade em alta, o que pode ajudar a candidata democrata Hillary Clinton (ele já anunciou apoio à candidatura dela). 

Em sua participação no programa do humorista, Obama aproveitou para alfinetar o provável candidato republicano Donald Trump.

“Quando assumi, nossa nação enfrentava uma das piores recessões da história”, disse Obama. “Desde então, nós criamos mais de 14 milhões de novos empregos e diminuímos a taxa de desemprego para menos de 5%”, mandou Obama, no ritmo R&B, da banda The Roots.

Mas logo a intervenção de Fallon na performance abriu caminho para referências de figuras pop.

O apresentador chamou, por exemplo, o presidente de “Barack-y-with the good hair”, em alusão ao álbum “Lemonade”, de Beyoncé. E Obama ainda fez citações a “Work”, hit de Rihanna, no qual arriscou uma dancinha, e à série “Orange is The New Black”.

Durante o bate-papo, Obama afirmou que, embora não esteja sentimental na reta final de seu segundo mandato, irá derramar lágrimas com sua filha Malia. Nesta semana, a herdeira mais velha do presidente vai se formar na escola.

“Vou precisar de óculos escuros”, disse ele sobre a expectativa pela cerimônia. Sobre ela deixar a Casa Branca para estudar em Harvard, contou: “Acho que ela está muito ansiosa para sair de lá”.

Ele disse que a família Obama se mudará, a partir de janeiro, para uma residência próxima da atual, mas antes disso o plano é tirar férias para descansar.

“Na última vez de usar o Air Force One, você poder escolher o destino que quiser”, explicou ele, dizendo que pretende ir para “um lugar quente”. “Eu e Michelle [Obama] vamos tirar uma folga em algum lugar, deixe as garotas se virarem sozinhas. Espero que elas estejam bem quando voltarmos”, falou. 

Obama já havia participado de outros talk shows antes do programa de Jimmy Fallon. Entre eles, “Jimmy Kimmel Live!”, “David Letterman’s Late Show”, “The Daily Show” e “The Colbert Report”. A participação do presidente no “Tonight Show” será exibida pelo GNT, na TV por assinatura, no próximo domingo, às 20h. O programa ainda teve apresentação da cantora Madonna, com a música “Borderline”.

Confira o resultado:

Obama tem jantar de 6 dólares no Vietnã

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, abriu mão de um jantar oficial sofisticado e preferiu um pequeno restaurante popular de Hanói, onde provou um “bun cha”, a tradicional sopa vietnamita.

Ao final do primeiro dia de sua visita ao Vietnã, na segunda-feira (23), Obama entrou no restaurante Bun Cha Huong Lien — escoltado por seus seguranças — e se instalou em uma pequena mesa do estabelecimento, em meio aos clientes locais e a Anthony Bourdain, crítico gastronômico da rede CNN.

“O presidente maneja os pauzinhos”, comentou Bourdain nas redes sociais junto a uma foto de Obama diante de uma tijela de bun cha, sopa à base de porco.

“Preço total por um jantar de bun cha com o presidente: seis dólares (R$ 21,5). Paguei a conta”, tuitou Bourdain.

A entrevista de Obama no restaurante deve ser divulgada em setembro, em meio à nova série de programas gastronômicos de Bourdain.

Nguyen Thi Lien, 54 anos, proprietária do restaurante, contou à AFP sua “imensa surpresa” ao ver entrar o presidente americano em seu modesto estabelecimento familiar. 

— Jamais sonharia com isto. Uma equipe de TV veio até aqui há três dias, mas nos disseram que era para seu programa, não falaram em Obama.

Nguyen lamenta “não ter tirado uma foto” com Obama, como fizeram dezenas de vietnamitas diante do pequeno restaurante quando o presidente chegou.

 

The President’s chopstick skills are on point . #buncha #hanoi

Uma foto publicada por anthonybourdain (@anthonybourdain) em

 

The #PartsUnknown crew with special guest, post-bun Cha. Photo by Pete Souza

Uma foto publicada por anthonybourdain (@anthonybourdain) em

Obama e Michelle dançam tango em jantar na Argentina; veja o vídeo

Em visita oficial à Argentina, Barack Obama não resistiu e dançou com uma bailarina durante um jantar oferecido pelo presidente argentino Mauricio Macri, ao som de ‘Por una Cabeza’ de Carlos Gardel

A primeira-dama Michelle Obama também foi conduzida por um dançarino no mesmo evento em Buenos Aires. Muito simpático, o casal presidencial americano arrancou aplausos dos convidados.

Veja o vídeo na íntegra, logo abaixo:

Presidente americano Barack Obama chega a Cuba para visita histórica

Obama desembarca por volta das 17h, no horário local, no aeroporto Jose Marti, em Havana, e será o primeiro dirigente americano a pisar na ilha desde o presidente Calvin Coolidge, em 1928. Acompanhado da primeira-dama, Michelle Obama, e de suas duas filhas, Malia e Sasha, o objetivo do chefe de Estado americano consolidar a reaproximação com Cuba e Raúl Castro, iniciada em 2014.

O ponto alto da visita do presidente americano será um discurso nesta terça-feira no teatro de Havana. Obama também se encontrará com um grupo de opositores na terça-feira, e avisou que a questão dos direitos humanos no país será uma das prioridades de sua visita.

Muitos dissidentes cubanos pediram ao presidente americano que ajudasse a promover uma mudança radical na ilha, para que o governo colocasse um fim à repressão e à utilização da “violência física”  contra a oposição, que continua sendo ilegal em Cuba.

Obama quer evitar que sucessor “congele” reaproximação

Outro objetivo de Obama é consolidar a reaproximação com o país para impedir que seu sucessor, caso seja republicano, congele novamente as relações com Cuba. Nos últimos meses, a Casa Branca adotou uma série de medidas contra o embargo econômico imposto à ilha desde 1962, que só pode ser derrubado no Congresso.

Paralelamente, a rede hoteleira Starwood anunciou neste sábado ter obtido a autorização do Tesouro americano para abrir dois hotéis em Havana, se tornando a primeira multinacional a se instalar em Cuba desde a Revolução Castrista de 1959.

Senhora de 106 anos dança de alegria em encontro emocionante com casal Obama; veja o vídeo

“Nunca pensei que viveria para entrar na Casa Branca”… “Um presidente negro. E uma esposa negra. Estou muito feliz”…

Esta foi algumas das frases que Virginia McLaurin, de 106 anos, disse muito emocionada ao visitar o casal Obama na Casa Branca.

Era a realização de um sonho de quem sofreu na pele o auge do racismo nos Estados Unidos e viveu toda a história até ver o primeiro presidente negro ser eleito em sua terra natal.

McLaurin, que é negra, foi ciceroneada pelo casal Obama na residência oficial do presidente dos Estados Unidos.

Ela chegou a arriscar alguns passos de dança e disse estar muito feliz com a visita.

McLaurin foi convidada pelo casal Obama para comemorar, segundo ela, a “história dos negros”.

Assista ao vídeo emocionante:

Barack Obama é o primeiro presidente dos Estados Unidos a visitar Cuba em mais de 80 anos

Um dos tópicos mais importantes da história mundial é o desentendimento político entre os Estados Unidos e Cuba, que reflete a diferença ideológica das políticas capitalistas e comunistas, adotadas por cada um dos países durante a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria.

Mas, o distanciamento entre os Estados Unidos e Cuba está prestes a diminuir. O presidente norte americano Barack Obama anunciou nesta quarta-feira, 18 de fevereiro, por meio da sua conta oficial no Twitter, que ele e sua esposa, Michelle Obama, visitarão Cuba em março deste ano, na primeira visita de um presidente americano à ilha comunista desde o ano de 1928. A visita vai acontecer nos dias 21 e 22 de março, e depois Obama prosseguirá para a Argentina.

“No próximo mês, viajarei a Cuba para avançar com nossos progressos e esforços de melhorar a vida do povo cubano”, afirmou o presidente em uma séries de tuítes. E continou: “Ainda temos diferenças com o governo de Cuba e vou tratar delas diretamente. Os Estados Unidos sempre se colocarão ao lado dos direitos humanos em todo o mundo”.

 

Com informações do Zero Hora

Obama foi convidado para discursar na formatura da filha e a resposta…

Não basta ser pai, tem que participar. A frase vale também para o homem mais poderoso do mundo, Barack Obama, presidente dos Estados Unidos.

Segundo a ABC News, Obama foi convidado pela escola da filha mais velha, Malia Obama, para fazer um discurso durante a formatura dela, e respeitosamente declinou:

“Estarei usando óculos escuros… E vou chorar”, disse o Mr. President.

Barack Obama serve comida a pessoas carentes e veteranos de guerra em Dia de Ação de Graças; veja o vídeo

O Dia de Ação de Graças foi comemorado na última quinta-feira (26). Trata-se do feriado mais comemorado nos Estados Unidos. E o presidente americano Barack Obama participou da data de uma forma, digamos, bastante prática ao servir comida para pessoas carentes e veteranos de guerra que fazem parte da instituição Friendship Place.

De acordo com a agência Grosby Group, Obama e toda a sua família estavam no porão da igreja metodista St. Luke’s, localizada em Washington, para servirem os mais necessitados.

Em sua mensagem de Ação de Graças nesta quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu aos americanos que demonstrem generosidade aos refugiados sírios, lembrando que os peregrinos que chegaram nos EUA em 1620 fugiam de perseguição. “Quase quatro séculos depois que o Mayflower zarpou, o mundo ainda está cheio de peregrinos, homens e mulheres que não querem nada mais do que a chance de um futuro mais seguro e melhor para si e suas famílias”, disse Obama em seu discurso.

O plano de Obama para aceitar 10.000 refugiados da Síria tornou-se alvo de críticas políticas após os ataques, reivindicado por militantes do Estado Islâmico, que mataram 130 pessoas em Paris há duas semanas. A Câmara dos Deputados dos EUA aprovou uma lei que suspende o plano para os refugiados e intensifica as medidas de triagem, antes de os congressistas deixarem Washington para a celebração do Dia de Ação de Graças. Além disso, vários candidatos republicanos às eleições presidenciais de novembro 2016 disseram que os refugiados representam um risco.

Assista ao vídeo: