Três cidades em Goiás já não exigem uso obrigatório de máscaras em locais abertos

Subiu para três o número de municípios goianos que decretaram o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em locais abertos. Depois de Cachoeira Alta, que adotou a medida no dia 6 de novembro, as cidades de Caçu e São Luís de Montes Belos seguiram o exemplo neste mês. A justificativa das três prefeituras é o avanço da vacinação contra a covid-19 para desobrigar a utilização do item de prevenção nas áreas externas.
 
No município de São Luís de Montes Belos, na Região Central do Estado, acabou com a obrigatoriedade do uso de máscaras às 11 horas de terça-feira (16/11) em locais abertos. O prefeito Major Eldecírio (PDT) afirmou que apenas quatro casos de covid-19 estão ativos, com isolamento domiciliar. O último dos contaminados descobriu a doença no dia 10 de novembro.
 
De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), 76% dos moradores de São Luís de Montes Belos receberam a primeira dose da vacina. Já com a segunda dose, o percentual cai para 55%. A prefeitura alega que outras 2 mil aplicações ainda não constam no sistema, o que elevaria o total de completamente imunizados na cidade para 65% e 80% com a primeira dose.
 
Em Caçu, a justificativa é o percentual de 67% dos moradores imunizados contra a covid-19. A liberação do uso da máscara em lugares abertos veio no dia 9 de novembro. A cidade tem 81% da população vacinada com a primeira dose e 61% com o ciclo de imunização completo. 

Primeira a liberar
 
Cachoeira Alta, na Região Sudoeste do Estado, liberou o uso da máscara no dia 6 de novembro. As autoridades municipais informaram que em breve toda a população a partir de 12 anos da cidade terá recebido a primeira dose da vacina. Hoje esse percentual é de quase 90% entre os moradores com 12 anos ou mais.

Cachoeira Alta é a única das três que adotou a medida com mais de 70% dos habitantes imunizados com as duas doses ou a vacina em dose única. São 76% os habitantes que completaram o ciclo vacinal contra a covid-19.

Goiânia e Aparecida

Na Região Metropolitana, Goiânia e Aparecida de Goiânia informaram que só vão discutir o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em locais abertos quando atingirem ao menos 70% da população imunizada com as duas doses ou com a vacina em dose única.

Até o início da manhã de terça-feira, a capital imunizou 49,18% dos moradores da cidade contra a covid-19 com duas doses ou a vacina em dose única. Já Aparecida de Goiânia atualizou os dados de vacinação pela última vez na quarta-feira da semana passada (10/11), quando 48,95% de toda a população da cidade estava completamente imunizada.

 

*Fonte Jornal A Redação

Imagem: Arthur Machado / Global Images

Veja também:

Brasil atinge a marca de 73 milhões de pessoas com a vacinação completa contra a Covid-19

Descobrimos um paraíso no interior de Goiás que esconde rios e cachoeiras incríveis

O Curta Mais está sempre desbravando Goiás e desta vez vamos mostrar Caçu, cidade pouco conhecida, mas que esconde várias riquezas no coração do cerrado.

História

No centro do cerrado brasileiro nasce Caçu, cidade com um pouco mais de 15 mil habitantes (IBGE), contando com 21 setores dentro da cidade, localizado no extremo sudoeste goiano, entre os rios: Claro, Verdinho e Paranaíba.

Foi elevado a categoria de distrito de Jataí em 4 de julho de 1924, mas só em 16 de setembro de 1953 passa a ser o mais novo Município Goiano. A economia gira em torno do comércio, nada de turismo. Está totalmente ligada à agropecuária, agricultura, produção de etanol e de energia elétrica. 

Turismo

A cidade é cercada pelos seguintes rios: Rio Claro, Verdinho e Paranaíba que formam lindas paisagens, saltos e quedas que você precisa conhecer. Além disso existem também várias casinhas antigas que ainda resistem ao tempo. Veja alguns destes destinos:    

b7a427eac71e18e3afa42a74457328a6.jpeg

301e234e9dbff57e167d325d4195f1b0.jpg

f01428a3203b1e974d7e7240adf85d69.jpg

Imagem: Facebook/Reprodução

 

Paróquia Sagrado Coração de Jesus 

95d9f880cbc29760af1be4023206621e.jpgImagem: Carlos Eduardo Nunes Freitas | Sete Fotografia

Ponte sobre o Rio Claro na GO-206 entre os municípios de Caçu e Cachoeira Alta

49b0c0a45094c4bcd58ff7f4c6bb6e10.jpgImagem: Carlos Eduardo Nunes Freitas | Sete Fotografia

c22780d64404f247ddcca38073a50b34.jpg

6c94e962d7491e0218c2d53be843a805.jpg

7ef67ff8696eb12fc374307faef08d7d.jpg

f8184b8ec353cd6d511f650b4dc5af6e.jpg

Ponte sobre o Rio Verdinho na GO-206 entre os munícipios de Caçu e Itarumã

a13e4c3351809688e65ed64f7c7bf708.jpgImagem: Carlos Eduardo Nunes Freitas | Sete Fotografia

Salto Marianinho – Rio Claro

fb6a894f136c887336f727b13ad440d4.jpegImagem: Carlos Eduardo Nunes Freitas | Sete Fotografia

Salto Enoch Franco – Rio Claro

055dd0fd47c8db7e8f80601aa7e73c13.jpg

5833db068a252d396a022ef913936a43.jpgImagem: Carlos Eduardo Nunes Freitas | Sete Fotografia

Condomínio de Ranchos

a5e96b5ac9f1f804dae7d78133b79af8.jpgImagem: Carlos Eduardo Nunes Freitas | Sete Fotografia

Ilha formada pelo Rio Claro próximo as cataratas de Itaguaçu entre os municípios de Caçu e São Simão

f086167d1da03a860baad4d9d08b4d0e.jpgImagem: Carlos Eduardo Nunes Freitas | Sete Fotografia

Cataratas do Itaguaçu – Divisa com São Simão

252448d8212d643f90df7b4fd473265e.jpgImagem: Saulo

Imagens e informações: Facebook do Caçu Goiás e Carlos Eduardo Nunes Freitas

Serviço

Como Chegar: 334,5 km de Goiânia via BR-060

Telefone Prefeitura: (64) 3656-6000

Localização:

Receba notícias do Curta Mais diretamente no seu WhatsApp (clique aqui)

SIGA O CURTA MAIS NAS REDES SOCIAIS

Facebook | Instagram | Twitter 

Cliente recebe cartão com palavrão no lugar do sobrenome; caso aconteceu em Goiás

O episódio aconteceu com um morador da cidade de Caçu em Goiás, a 330 km de Goiânia. William Antunes Severino, de 32 anos, teve duas surpresas desagradáveis nesta quarta-feira (9). O empresário recebeu em casa um cartão de crédito que não foi solicitado, prática considerada abusiva pela Justiça, da empresa de cartão pré-pagos ContaSuper. E para piorar, no lugar dos sobrenomes, havia impresso um xingamento! A notícia veio a público pelo jornal Extra

— Sou cliente há um bom tempo dessa empresa. Não tem cabimento! Não sei se foi uma brincadeira de mau gosto, mas o banco não poderia emitir um cartão dessa maneira.

De acordo com William, que entrou em contato, não há explicações plausíveis para o erro:

— Quero ouvir a versão da empresa, mas ninguém atende e nada justifica. Uma coisa é um nome errado, mas nunca ouvi falar em um absurdo desse tipo. O banco tem meus dados e até cópias dos meus documentos. Como erram assim? Estou indignado com essa situação constrangedora!

Procurada pelo jornal, a empresa afirmou que já abriu uma investigação para o caso do cliente e que o cartão com o xingamento foi solicitado mediante senha do cliente.

cartao

(Via Extra)