Descubra qual é o menor colégio eleitoral de Goiás

A cidade de Anhanguera é o menor colégio eleitoral de Goiás, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O município conta com 1.632 eleitores, ou seja, 0,03% do eleitorado goiano.

Deste total, 860 (52,7%) são homens, enquanto 772 (47,3%) são mulheres. Solteiros representam 46% do eleitorado, enquanto casados são 43% do total. Os divorciados somam 8% e os viúvos 3%.

A faixa etária com o maior número de eleitores é a de 45 a 59 anos, com 388 eleitores (23,77% do total). Eleitores acima de 60 anos representam a segunda maior faixa etária: 360 (22,05%).

A terceira maior parcela do eleitorado é formada por pessoas de 35 a 44 anos, com 353 eleitores (21,62%). A menor faixa etária é dos jovens com idade entre 16 e 17 anos, com 36 eleitores (2,20%).

A cidade
Anhanguera fica localizada no sudeste goiano a cerca de 270 quilômetros de Goiânia. O município contam com mais de 55 km². Nele, os moradores têm como diversão as praças, um lago formado pelo represamento das águas dos rios Paranaíba e Pirapitinga. A cidade conta, ainda, com restaurante, bares e algumas fábricas.

 

Cresce o número de pessoas filiadas a partidos políticos em Goiás

O número de goianos filiados a partidos políticos cresceu 4,72% em 2024. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o levantamento, atualmente, são 672.519 pessoas filiadas em todo o Estado. Até dezembro do ano passado, o número era de 642.158.

Das 30 legendas existentes e que possuem registro junto ao TSE, a que possui maior quantidade de filiados é o MDB. A legenda presidida pelo vice-governador Daniel Vilela conta, atualmente, com 118.580 integrantes. Na sequência, aparece o PSDB do ex-governador Marconi Perillo, com 68.535 filiados.

O União Brasil, liderado pelo governador Ronaldo Caiado é o terceiro colocado no ranking, com 55.542 membros. A quarta colocação é do PP, com 53.724 pessoas.

Adversários
O PT, mesmo tendo como principal membro o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cresceu pouco em Goiás e ocupa a quinta posição na lista, com 47.368 filiados. Os esforços dos apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro também não ajudaram foram suficientes para que o PL ocupasse as primeiras posições no ranking de partidos goianos. A legenda ocupa a sétima colocação, com 44.797 integrantes. Antes, em sexto lugar, está o PRD, com 46.506 filiados.

Separados
Os partidos de Ronaldo Caiado e Daniel Vilela podem ficar em palanques adversários em Anápolis. É que o MDB articula a indicação do candidato a vice na chapa de Márcio Corrêa (PL) à prefeitura. Entre os cotados para a vaga, está o vereador Leandro Ribeiro, que deixou o PP na janela partidária.

Detalhe
Um dos fatos mais inusitados da aliança entre os dois partidos em Anápolis é que Daniel Vilela deve ser candidato a governador em 2026 e deve ter o senador Wilder Morais, presidente do PL, como adversário. O parlamentar, inclusive, foi um dos responsáveis pela articulação que tirou Márcio Corrêa do MDB.

Climão
Na tentativa de dar um basta nas especulações de que o senador Vanderlan Cardoso (PSD) pode recuar da disputa pela Prefeitura de Goiânia, o deputado federal, Ismael Alexandrino, provocou o empresário e pré-candidato da base caiadista ao Paço Municipal. “Alguns ficam perguntando se a pré-candidatura a prefeito de Vanderlan é pra valer. Eles deveriam perguntar: ‘dura até quando a pré-candidatura do amigo Mabel’”, declarou em publicação nas redes sociais.

Insatisfeitos
Deputados estaduais do PL andam incomodados com as declarações de Sandro Mabel sobre uma possível aliança na corrida pelo Paço. O empresário não esconde de ninguém o desejo de ter um vice indicado pela legenda de Bolsonaro. No entanto, o partido tem o deputado federal Gustavo Gayer como pré-candidato a prefeito.

Em silêncio
O ex-governador Marconi Perillo (PSDB) segue sem fazer qualquer postagem de apoio à pré-campanha do jornalista Matheus Ribeiro à prefeitura. A falta de engajamento causa estranheza dentro e fora do partido, já que Marconi é presença constante nas redes sociais.

LEGISLATIVO:
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara de Goiânia aprovou projeto que proíbe o uso dos termos social e serviço em elevadores de prédios particulares da capital. A matéria estabelece punições em caso de descumprimento, como advertência e multa. A proposta é do vereador Léo José (Solidariedade).

Também na CCJ, foi aprovado projeto de lei complementar para responsabilizar a Prefeitura pela construção, manutenção e adaptação das calçadas nas vias públicas. Pela proposta, de autoria do vereador Paulo Magalhães (União Brasil), o Executivo terá que criar projeto próprio de padronização, atendendo a critérios estabelecidos em Lei Federal sobre acessibilidade.

Conheça os 10 maiores colégios eleitorais de Goiás

Goiás possui 5.081.264 eleitores aptos para votar nas eleições de 2024, marcadas para o mês de outubro, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Do total, 2.664.671 são mulheres, o que corresponde 52,44% do total de leitores e 2.416.593 são homens (47,56%).

O maior colégio eleitoral do Estado é Goiânia, com 1.036.700 eleitores, o que corresponde a 20,4% do eleitorado goiano. Para as próximas eleições, a capital conta com sete pré-candidatos a prefeito: Adriana Accorsi (PT), Gustavo Gayer (PL), Leonardo Rizzo (Novo), Matheus Ribeiro (PSDB), Rogério Cruz (Solidariedade), Sandro Mabel (UB) e Vanderlan Cardoso (PSD).

Aparecida de Goiânia concentra o segundo maior número de eleitores em Goiás. No total, são 345.994, ou seja 6,8% do eleitorado do Estado. Até o momento, três pré-candidaturas foram anunciadas à prefeitura: Alcides Ribeiro (PL), Vilmar Mariano (MDB) e Waterloo Ferraz (Rede Sustentabilidade).

A terceira cidade com mais eleitores em Goiás é Anápolis, com 292.714 pessoas aptas a votar. Pretendem concorrer à prefeitura Antônio Gomide (PT), Eerizania Freitas (UB), Eugênio Lourenço (PSOL), Hélio Lopes (PSDB), José de Lima (PMB), Karim Abraão (PSD), Lisieux José (PSB), Márcio Corrêa (MDB) e Mariane Stival (PDT).

Os demais municípios que compõem o ranking dos dez maiores colégios eleitorais goianos são:

  • Rio Verde: 150.293 eleitores;
  • Luziânia: 134.039 eleitores;
  • Águas Lindas de Goiás: 120.202 eleitores;
  • Valparaíso de Goiás: 95.419 eleitores;
  • Trindade: 94.293 eleitores;
  • Senador Canedo: 89.066 eleitores;
  • Formosa: 78.242 eleitores.

Curiosidade
Das 246 cidades goianas, somente três podem ter segundo turno eleições municipais: Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis. Isso porque, pela regra eleitoral, apenas municípios com mais de 200 mil eleitores têm segundo turno, quando nenhum candidato recebe 50% dos votos válidos (sem contar com os brancos e nulos) mais um. Nas cidades menores, é usado o sistema de maioria simples, ou seja, já no primeiro turno vence quem tiver o maior número de votos, mesmo que não seja mais que a metade.

Laços de família: cidade goiana deve ter tio e sobrinho na disputa pela prefeitura

A cidade de Mineiros, no Sudoeste de Goiás, deve ser palco de uma disputa familiar nas eleições de 2024. O ex-governador e ex-prefeito por dois mandatos, Agenor Rezende (PSD), anunciou, na última semana, que é pré-candidato à prefeitura do município. Agenor também conta com o apoio do PSD, legenda do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Laços de família
No palanque adversário, estará ninguém menos que seu próprio sobrinho, o atual prefeito Aleomar Rezende (MDB). O atual chefe do Executivo foi um dos principais aliados das duas gestões de Agenor. No entanto, a relação dos dois ficou abalada após o sobrinho ter assumido a prefeitura. A tensão chegou ao seu ponto mais alto em 2022, quando o rompimento, de fato, se concretizou.

Agenor era filiado ao MDB, mas como Aleomar tem o controle do partido, decidiu migrar para o PSD e tentar viabilizar sua candidatura. Por outro lado, o sobrinho está prestes a formar uma das maiores coligações da história do município. Até o momento, dez legendas já anunciaram apoio à reeleição de Aleomar. Ele, inclusive, é o pré-candidato da base aliada do governador Ronaldo Caiado (UB) e do vice-governador Daniel Vilela (MDB).

Aliados, Caiado e Bolsonaro estarão em palanques opostos em Goiânia, Aparecida e Anápolis

Aliados, o governador Ronaldo Caiado (UB) já deixou claro que pretende contar com o apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para concorrer à Presidência da República em 2026. No entanto, pelo menos nas eleições municipais de 2024, os dois estarão em palanques opostos nos três maiores colégios eleitorais de Goiás.

Em Goiânia, o gestor estadual apoia a pré-candidatura do empresário Sandro Mabel (UB) à prefeitura. Bolsonaro, por sua vez, aposta no deputado federal Gustavo Gayer (PL) para concorrer ao cargo.

Situação semelhante ocorre em Aparecida de Goiânia, onde o prefeito Vilmar Mariano (UB) é o pré-candidato da base governista, enquanto o deputado federal Alcides Ribeiro (PL) é o nome do bolsonarismo. Os partidos de Caiado e Bolsonaro também vão se enfrentar em Anápolis. Eerizania Freitas (UB) é a pré-candidata apoiada pelo governador, ao passo que o suplente de deputado federal Márcio Corrêa, recém-filiado ao PL, conta com o respaldo do ex-presidente.

Reflexos
Nos bastidores, aliados de Caiado garantem que as eleições deste ano não vão prejudicar uma possível aliança entre o governador e Bolsonaro em 2026. No entanto, nomes mais alinhados ao bolsonarismo em Goiás afirmam que o governador não é o primeiro nome da fila para concorrer à presidência caso Bolsonaro continue inelegível.

Inusitado
O Partido da Mulher Brasileira (PMB) terá um homem como presidente em Goiânia. O articulador político Jorge Dias recebeu o convite diretamente da direção nacional e aceitou conduzir a legenda nas eleições de outubro.

Placar
Jorge Kajuru (PSB) foi o único senador goiano favorável ao projeto que recria o seguro para vítimas de acidente de trânsito, conhecido como DPVAT. Wilder Morais (PL) votou contra e Vanderlan Cardoso não participou da sessão, mas poderia ter votado de forma remota.

Animosidade
A saída da vereadora Aava Santiago da presidência do diretório do PSDB em Goiânia não foi tão amistosa quanto os tucanos tentam demonstrar. A parlamentar alega pediu para sair do comando da legenda para se dedicar à reeleição, mas, nos bastidores, existe um desconforto com sua falta de engajamento na pré-campanha do jornalista Matheus Ribeiro, que deve disputar a prefeitura pelo partido.

De cima
A coluna apurou que ordem para que Aava fosse destituída partiu do ex-governador e presidente nacional do PSDB, Marconi Perillo. Tucanos próximos do ex-chefe do Executivo garantem que a troca de comando já estava decidida há pelo menos dois meses, mas foi feita após o fim da janela partidária para impedir que a vereadora trocasse de legenda.

Separados
O PT do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o PSB do vice-presidente Geraldo Alckmin podem também podem marchar em caminhos opostos em Goiânia. O PSB integra o bloco liderado pelo presidente da Assembleia Legislativa, Bruno Peixoto (UB), que já anunciou apoio a Sandro Mabel. O Partido dos Trabalhadores, por sua vez, tem Adriana Accorsi como pré-candidata à prefeita.

Legislativo:
A Câmara de Goiânia aprovou, em definitivo, o projeto de lei que institui a corrida de rua como Patrimônio Cultural Imaterial de Goiânia.

Ainda na Câmara, está em tramitação o veto do prefeito Rogério Cruz (Solidariedade) à emenda ao projeto da data-base de 2023 dos servidores públicos municipais.

Na Assembleia Legislativa, o Plenário chancelou o projeto de lei n° 2631/24, que institui o Dia Estadual do Técnico e Auxiliar em Saúde Bucal no Estado de Goiás, a ser comemorado anualmente no dia 8 de dezembro. A data tem como objetivo reconhecer e valorizar a contribuição desses profissionais para a promoção da saúde bucal da população goiana. O autor é o pedetista Dr. George Morais. Também foi aprovada a matéria que prevê, em Goiás, a instituição da Política Estadual de Conscientização Sobre o Puerpério.

Não fique de fora! Prazo para regularizar título de eleitor termina nesta quarta-feira (08/05)

Eleitores com pendências na Justiça Eleitoral têm até esta quarta-feira (08/05), para fazer a regularização. No mesmo dia, também termina o prazo para a emissão da primeira via do documento, bem como alterar dados.

A partir de quinta-feira (09), o cadastro eleitoral estará fechado para a organização da logística de votação das Eleições 2024. Para votar, é necessário que o cidadão tenha seu título eleitoral regularizado.

Os eleitores com cadastro biométrico podem solicitar serviços pela internet. Não é possível participar das eleições caso a inscrição eleitoral (título) esteja cancelada ou suspensa. Portanto, o primeiro passo é verificar a situação eleitoral:

  • Acesse o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE);
  • Clique na opção “consultar situação eleitoral”;
  • Informe seu número de título de eleitor ou CPF.

Caso haja irregularidades, volte para aba de “Atendimento eleitoral” e clique na opção desejada para o atendimento on-line e enviar a documentação necessária para regularização. Além disso, outra maneira de consultar pendências junto à Justiça Eleitoral é por meio do aplicativo e-Título. A ferramenta também pode ser utilizada como título eleitoral digital, substituindo o documento em papel no dia das eleições.

Importante
O eleitor brasileiro com irregularidades na Justiça Eleitoral pode ter problemas que vão além da impossibilidade de votar. Entre os principais empecilhos, está a proibição de obter documentos, como passaporte ou até mesmo carteira de identidade. A restrição ao passaporte, porém, não se aplica a brasileiros residentes no exterior que solicitem um novo documento ou identificação para retornar ao Brasil.

Sem o título de eleitor regularizado, todos aqueles que forem alfabetizados e tiverem idade entre 18 e 70 anos não poderão assumir cargo comissionado ou efetivo por aprovação em concurso público.

Para os estudantes com irregularidades no título eleitoral, não será possível ingressar em universidades ou renovar sua matrícula em instituições de ensino superior. Quem não regularizar a situação eleitoral também pode enfrentar problemas de ordem financeira, uma vez que não será possível obter empréstimo bancário em instituições públicas com crédito mantido pelo governo.

 

Goiás tem 122 mil mulheres a mais do que homens

Goiás possui 3.589.554 mulheres, ou seja, 50,9% dos sete milhões de habitantes. Os homens, por sua vez, somam 3.466.941, o que representa 49,1% da população no Estado. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As mulheres também representam a maioria dos eleitores goianos.

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dos 5.081.264 eleitores, 52,44% (2.664.671) são mulheres. O eleitorado masculino representa 47,56% do total, ou seja, 2.416.593.

Mesmo com a maioria do eleitorado e com campanhas de conscientização para que tenham sua representatividade respeitada, o público feminino não tem avançado de forma tão significativa entre os vencedores nas urnas. Nas eleições de 2020, por exemplo, somente 34 mulheres foram eleitas prefeitas. Em abril, o número aumentou para 35 com a vitória de Osália Carvalho (PL), em eleição suplementar realizada em razão da cassação do mandato da chapa eleita em 2020.

O Estado de Goiás nunca foi administrado por uma mulher. A ex-senadora Lúcia Vânia foi, até o momento, quem teve o melhor desempenho estre as mulheres que concorreram ao cargo. Ela disputou o segundo turno das eleições de 1994, mas foi derrotada pelo ex-governador Maguito Vilela (MDB). Lúcia, aliás, foi a única mulher a se eleger senadora. Dona Iris de Araújo (MDB) ocupou o Senado entre 2002 e 2006 porque era suplente. O titular, Maguito Vilela, renunciou ao cargo.

Por outro lado, nas eleições gerais de 2022, a presença feminina triplicou na bancada goiana da Câmara Federal. Dos 17 deputados federais, seis são mulheres: Silvye Alves (UB) – a mais votada do pleito, Adriana Accorsi (PT), Flávia Morais (PDT), Lêda Borges (PSD), Magda Mofatto (PRD) e Marussa Boldrin (MDB).

Na Assembleia Legislativa, apesar de ainda ser baixo, o número aumentou. Das 41 vagas, quatro são ocupadas por mulheres: Bia de Lima (PT), Rosângela Rezende (Agit), Vivian Naves (PP) e Zeli Fritsche (UB). Antes, eram somente duas.

Eleições 2024: cartórios eleitorais abrem excepcionalmente neste fim de semana

Faltam só alguns dias para fechar o cadastro eleitoral! Se você ainda não se inscreveu ou está com a situação irregular, é melhor correr, porque a data limite é na próxima quarta-feira, dia 8 de maio. Para facilitar a vida de todo mundo, alguns cartórios vão dar uma esticadinha no expediente neste fim de semana, nos dias 4 e 5 de maio, conforme anunciado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Em Goiânia, a Central de Atendimento ao Eleitor (CAE) vai atender das 7h às 17 h. Já em Anápolis, os cartórios vão abrir as portas à tarde, das 14h às 17 h. Durante a semana, de segunda a sexta, o horário de atendimento em ambas as cidades é das 8h às 18h até o dia 8 de maio.

O eleitor brasileiro com irregularidades na Justiça Eleitoral pode ter problemas que vão além da impossibilidade de votar. Entre os principais empecilhos, está a proibição de obter documentos, como passaporte ou até mesmo carteira de identidade. A restrição ao passaporte, porém, não se aplica a brasileiros residentes no exterior que solicitem um novo documento ou identificação para retornar ao Brasil.

Sem o título de eleitor regularizado, todos aqueles que forem alfabetizados e tiverem idade entre 18 e 70 anos não poderão assumir cargo comissionado ou efetivo por aprovação em concurso público.

Para os estudantes com irregularidades no título eleitoral, não será possível ingressar em universidades ou renovar sua matrícula em instituições de ensino superior. Quem não regularizar a situação eleitoral também pode enfrentar problemas de ordem financeira, uma vez que não será possível obter empréstimo bancário em instituições públicas com crédito mantido pelo governo.

Mulheres são maioria em Goiânia, tanto em habitantes, quanto em eleitores

Goiânia tem 756.475 mulheres, representando 52,63% da população goianiense. Homens somam 680.891, ou 47,37%, do total populacional. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As mulheres também são maioria entre os eleitores da capital.

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dos 1.040.171 eleitores de Goiânia, 568.193 são do gênero feminino e 471.978 do gênero masculino. Com isso, as mulheres representam 54,62% do eleitorado, enquanto os homens somam 45,38%.

Mesmo sendo a maioria entre os eleitores, as mulheres ainda são poucas entre os eleitos. Dos 35 vereadores goianienses, somente quatro são mulheres: Aava Santiago (PSDB), Léia Klebia (Podemos), Luciula do Recanto (MDB) e Sabrina Garcêz (Republicanos). Gabriela Rodart foi eleita, mas teve o mandato cassado no início de 2024 por infidelidade partidária, ao trocar o DC pelo extingo PTB.

Goiânia também nunca foi administrada por uma mulher. A ex-senadora Lúcia Vânia foi, até o momento, quem teve o melhor desempenho entre as mulheres que já concorreram ao cargo. Nas eleições de 2000, a ex-parlamentar obteve 22,83% dos votos e terminou a disputa em terceiro lugar.

Nas eleições de 2024, somente uma mulher se apresentou, até o momento, como pré-candidata à prefeitura: a deputada federal Adriana Accorsi (PT). A parlamentar já concorreu ao Paço em 2016 e em 2020, alcançando a quinta e a terceira colocação, respectivamente.

Gustavo Gayer anuncia Fred Rodrigues como pré-candidato a vice-prefeito de Goiânia

O ex-deputado estadual Fred Rodrigues (PL) será o candidato a Vice-prefeito de Goiânia na chapa de Gustavo Gayer, também do PL. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (29/04), em entrevista coletiva. “É alguém que entende o que eu falo e carrega os mesmos princípios”, afirmou Gayer.

A decisão coloca fim aos rumores de uma suposta desistência de Gayer para apoiar a pré-candidatura do empresário Sandro Mabel (União Brasil). Os boatos incomodaram diversas lideranças do partido. O Deputado estadual Delegado Eduardo Prado chegou a anunciar que seria o candidato do PL à prefeitura caso Gayer não concorresse.

Gayer é o primeiro pré-candidato à Prefeito a anunciar seu companheiro de chapa. Os demais postulantes seguem com articulações em busca de um vice. Sandro Mabel deve ter um nome indicado pelo bloco liderado pelo presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, Bruno Peixoto (União Brasil).

Adriana Accorsi (PT) busca um Vice fora do campo da esquerda. Vanderlan Cardoso (PSD), por sua vez, ainda não sinalizou qualquer pretensão sobre seu futuro candidato a Vice.

Eleitor que não regularizar título até 8 de maio pode ter problemas com passaporte, concursos e empréstimos bancários

O eleitor brasileiro com irregularidades na Justiça Eleitoral pode ter problemas que vão além da impossibilidade de votar. Entre os principais empecilhos, está a proibição de obter documentos, como passaporte ou até mesmo carteira de identidade. A restrição ao passaporte, porém, não se aplica a brasileiros residentes no exterior que solicitem um novo documento ou identificação para retornar ao Brasil.

Sem o título de eleitor regularizado, todos aqueles que forem alfabetizados e tiverem idade entre 18 e 70 anos não poderão assumir cargo comissionado ou efetivo por aprovação em concurso público.

Para os estudantes com irregularidades no título eleitoral, não será possível ingressar em universidades ou renovar sua matrícula em instituições de ensino superior. Quem não regularizar a situação eleitoral também pode enfrentar problemas de ordem financeira, uma vez que não será possível obter empréstimo bancário em instituições públicas com crédito mantido pelo governo.

Prazo
O prazo para o eleitor solicitar a emissão do primeiro título, atualizar os dados cadastrais, regularizar a situação com a Justiça Eleitoral, ou até mesmo pedir transferência de domicílio eleitoral, terminará em 8 de maio. Além disso, a data é limite para quem precisa cadastrar gratuitamente a biometria no cartório eleitoral mais próximo.

Após essa data, o cadastro eleitoral estará fechado para a organização das eleições municipais deste ano. Caso a situação do eleitor esteja irregular, ele não poderá votar nas eleições de 6 de outubro, no primeiro turno, que elegerão prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em mais de 5,5 mil municípios do país, com exceção do Distrito Federal, que não tem eleições municipais. O cadastro somente será reaberto após as eleições, em novembro deste ano.

Central de Atendimento ao Eleitor de Goiânia anuncia plantão de atendimento no feriado de 1º de maio

Com o prazo para cadastros eleitoral e regularização do título de eleitor chegando próximo do fim, a Central de Atendimento ao Eleitor de Goiânia anunciou que manterá o atendimento nesta quarta-feira (01/05), feriado do Dia do Trabalho. O atendimento excepcional será realizado das 7 às 17 horas.

Na ocasião, serão distribuídas senhas, por ordem de chegada, observada a capacidade limitada de atendimento. Nos dias úteis, até a data do fechamento do cadastro, dia 8 de maio, o atendimento será realizado das 8 às 18 horas.

A Central de Atendimento ao Eleitor de Goiânia fica localizada na Avenida T-1, com a Orestes Ribeiro (antiga T-52), no Setor Bueno.

Adriana, Mabel e Vanderlan disputam apoio de bloco liderado por Bruno Peixoto

A reunião entre o governador Ronaldo Caiado (UB) e representantes dos partidos que integram o bloco liderado pelo presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Bruno Peixoto (UB), colocou o pré-candidato a prefeito de Goiânia pela base governista, Sandro Mabel (UB), na disputa pelo apoio do grupo. No encontro, Caiado teria defendido a unidade da base e pedido para que os partidos caminhem junto com Mabel.

O bloco encabeçado por Peixoto pleiteia a indicação do candidato a vice-prefeito e também tem sido sondado pela deputada federal Adriana Accorsi (PT) e o senador Vanderlan Cardoso (PSD), que também pretendem concorrer à prefeitura. Conforme apurado pela coluna, aliados próximos da deputada já sinalizaram que o PT estaria disposto a ceder a vaga de vice ao grupo, formado por políticos de partidos, como PRD, PSD, Avante e Agir.

Entre os nomes que o grupo pretender indicar como candidato a vice-prefeito, estão o presidente da Câmara Municipal, Romário Policarpo, e a esposa do presidente da Alego, Luciene Peixoto.

Não gostaram
Os deputados estaduais Eduardo Prado, Major Araújo e Paulo Cezar Martins não ficaram nada satisfeitos com as declarações de Sandro Mabel sobre o futuro do PL nas eleições. Em entrevista ao programa “Papo de Garagem”, o empresário garantiu que o deputado federal Gustavo Gayer deve abrir mão de ser pré-candidato para continuar em Brasília.

Nome próprio
Os parlamentares garantem que, mesmo com uma possível desistência de Gayer, o partido terá candidato a prefeito em Goiânia. Eduardo Prado, inclusive, soltou o verbo durante sessão na Alego e disse que está à disposição do partido para entrar na disputa.

Desconforto
Por outro lado, a cúpula do PL de Goiás anda incomodada com a pré-campanha de Gayer. Um dos motivos é que o deputado federal tem priorizado os debates de âmbito nacional e deixado de fazer articulações políticas pela própria candidatura em Goiânia. Existe o temor de que Gayer, atualmente empatado em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais, possa perder terreno na corrida pela prefeitura.

Senador Canedo
A base governista está atenta à pré-campanha do prefeito Fernando Pellozo (UB) à reeleição. O chefe do Executivo ainda não conseguiu sair da situação de empate técnico com o ex-prefeito Divino Lemes (PSD) e a ex-primeira-dama Izaura Cardoso (PSD), seus principais adversários, nas pesquisas encomendas pelos partidos.

Aparecida de Goiânia
O ex-deputado federal João Campos (Podemos) declarou apoio à reeleição do prefeito Vilmar Mariano (UB). Em vídeo publicado nas redes sociais, Campos afirma que está confiante na vitória do chefe do Executivo.

Legislativo:

  • O plenário da Câmara de Goiânia iniciou, nesta semana, a discussão sobre a implementação da carteirinha de identificação para pacientes que fazem uso de cannabis medicinal, de forma gratuita. O projeto é do vereador Lucas Kitão (UB).

 

  • Os vereadores da capital rejeitaram veto do prefeito Rogério Cruz (Solidariedade) ao projeto de lei para instituição da Campanha Municipal de Orientação, Educação e Conscientização dos Idosos sobre a Ocorrência de Fraudes e Golpes na Internet.

 

Adeus, anúncios políticos! Google põe fim ao impulsionamento eleitoral em 2024

O Google decidiu banir o impulsionamento de conteúdo político nas Eleições 2024. Isso significa que nenhum anúncio de candidatos poderá ser promovido por meio do Google Ads, incluindo anúncios no buscador e no YouTube. A proibição vale a partir de 1º de maio em todo o País.

A medida deve atingir, especialmente, os candidatos menos conhecidos, que contam com a internet para alcançar eleitores. A decisão do Google foi motivada pelas regras aplicadas na disputa eleitoral deste ano, principalmente a exigência do artigo 27-A da resolução 23.732, de 27 de fevereiro de 2024, que demanda a manutenção de um repositório de anúncios impulsionados e a disponibilização de ferramentas de consulta.

Embora a exigência de prestar contas já existisse, o escopo foi ampliado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e passou a atingir boa parte do conteúdo político-eleitoral. Com isso, o Google concluiu que não seria possível atender aos requisitos sem riscos e optou por não permitir o impulsionamento durante as eleições.

Importante ressaltar que a publicidade governamental não será afetada pela decisão. Segundo o entendimento do Google, a resolução do TSE se limita às eleições.

Delegado Eduardo Prado solta o verbo e diz que será candidato a prefeito em caso de desistência de Gustavo Gayer

Em resposta aos rumores de uma possível desistência do pré-candidato a prefeito de Goiânia pelo PL, Gustavo Gayer, o deputado estadual Delegado Eduardo Prado afirmou na tarde desta terça-feira (23/04), que está disposto a concorrer ao cargo pelo partido do ex-presidente Jair Bolsonaro. “Tenho uma história na cidade, que começou com o meu avô, ex-presidente da Associação do Fisco. Meu pai foi vereador em Goiânia por dez anos”, afirmou.

A declaração de Prado tem como principal objetivo evitar que seu partido passe a fazer parte da base do governador Ronaldo Caiado (União Brasil), que tem o empresário Sandro Mabel como pré-candidato a prefeito. O deputado estadual garantiu que a junção está fora de cogitação.

A composição entre os dois grupos passou a ser cogitada após a ex-primeira-dama de Aparecida de Goiânia, Mayara Mendanha, ter transferido seu domicílio eleitoral para Goiânia e se filiado ao PL. Nos bastidores, a esposa do ex-prefeito Gustavo Mendanha chegou a ser cogitada como vice de Mabel.

Prado também deixou claro que só lançará seu nome à prefeitura caso, de fato, Gustavo Gayer decida permanecer na Câmara Federal. “Caso ele não seja candidato, me coloco à disposição e não abro mão disso”, concluiu. O parlamentar recebeu o apoio de outros dois deputados estaduais do PL: Major Araújo e Paulo Cezar Martins.