10 escritores da língua portuguesa que você precisa conhecer

No dia 5 de novembro é comemorado o Dia Nacional da Língua Portuguesa. A data, instituída no Brasil pela Lei nº 11.310 em 2006, foi escolhida em homenagem ao aniversário do escritor Ruy Barbosa, um dos defensores da língua portuguesa no Brasil. O idioma expressa a identidade e cultura de um povo.

Durante o período de colonização, o idioma português chegou ao Brasil e se misturou com as palavras dos dialetos indígenas e africanos. Sendo assim, a língua portuguesa é falada de diversas formas em diferentes regiões do País.

O português é o idioma oficial em oito países, como Brasil, Portugal, Angola, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Timor Leste.

Países falantes de língua portuguesa possuem tradição na literatura. Escritores cujas obras não apenas ajudam a ilustrar gêneros linguísticos e regionalismos como também estimulam a reflexão sobre assuntos contemporâneos e servem como inspiração para uma escrita criativa.

A língua portuguesa é detentora de grandes escritores, mas hoje listamos 10 desses nomes para você conhecer.

 

Manuel Bandeira

e112f25f0995cce944fdd7687a144fdb.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Seu verso livre e linguagem coloquial, presente em poemas como “Os sapos” e “Libertinagem” revolucionaram a poesia brasileira, aproximando-a do prosaico e da fala. Manuel Bandeira (1886-1968) foi um dos mais importantes escritores da Primeira fase do Modernismo e um dos pontos mais altos da poesia lírica nacional. É considerado um clássico da literatura brasileira do século XX.

 

Fernando Sabino

46cae29582737ba3151962de5cdcd22c.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Autor dominava escrita simples e retratou cotidiano de Minas Gerais. Fernando Sabino (1923-2004) foi um escritor, jornalista e editor brasileiro. Recebeu diversos prêmios, entre eles, o Prêmio Jabuti pelo livro “O Grande Mentecapto” e o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras. Foi condecorado com a Ordem do Rio Branco, no grau de Grã-Cruz, pelo governo brasileiro.

 

João Cabral de Melo Neto

ddef771b0bc1b95c7d08752a9659909f.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Escritor transformou geografia e problemas sociais do Nordeste em poesia, possui também temas presentes em sua obra, como o rio Capibaribe e as comunidades. João Cabral de Melo Neto (1920-1999) foi um poeta e diplomata brasileiro autor da obra Morte e Vida Severina, poema dramático que o consagrou. Tornou-se imortal da Academia Brasileira de Letras. 

 

Ferreira Gullar

147d6a2285a48e01be9ba29e1a16ba53.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Ferreira Gullar (1930-2016), pseudônimo de José Ribamar Ferreira, foi um poeta, crítico de arte e ensaísta brasileiro. Abriu caminho para a “Poesia Concreta” com o livro “A Luta Corporal”. Organizou e liderou o movimento literário “Neoconcreto”. Recebeu o Prêmio Camões, em 2010. Em 2014, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras.

 

Guimarães Rosa

21369c45af29ce28095faa76abebaae5.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

As subversões na sintática, a transcrição literária da fala sertaneja, a ressignificação de provérbios e ditos populares, além da invenção de novas palavras são alguns dos elementos que marcam o caráter inovador da prosa de um dos maiores escritores brasileiros. Guimarães Rosa (1908-1967) foi uma das principais expressões da literatura brasileira. O romance “Grandes Sertões: Veredas” é sua obra prima. Fez parte do 3.º Tempo do Modernismo, caracterizado pelo rompimento com as técnicas tradicionais do romance.

 

Zélia Gattai

c17372bd8860037a48a36c2114f95b5e.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Escritora narrou infância e perseguição do governo de Getúlio Vargas em suas autobiografias. Suas memórias ajudam a entender a imigração italiana e o Estado Novo. Zélia Gattai (1916-2008) começou a escrever com 63 anos. Estreou na literatura com o livro de memórias “Anarquistas Graças a Deus”. Recebeu o Prêmio Paulista de Revelação Literária. Foi casada com o escritor Jorge Amado durante 56 anos. Em 2001, foi eleita para a Academia Brasileira de Letras, para a cadeira n.º 23, a mesma que pertenceu a Jorge Amado.

 

Lima Barreto

9d7a4642120e06bfa38ae17d8db125bd.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Lima Barreto (1881-1922)  foi um importante escritor brasileiro da fase Pré-Modernista da literatura. Sua obra está impregnada de fatos históricos e de uma perspectiva da sociedade carioca. Analisa os ambientes e os costumes do Rio de Janeiro e faz uma crítica à mentalidade burguesa da época.

Lima Barreto foi um escritor do seu tempo e de sua terra. Anotou, registrou, fixou e criticou asperamente quase todos os acontecimentos da República. Tornou-se uma espécie de “cronista” da antiga capital federal.

 

Lygia Fagundes Telles

dc6a9767f2433135aaee5955a2678e72.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Lygia Fagundes Telles (1923-2022) foi uma escritora brasileira. Romancista e contista, foi a grande representante do movimento Pós-Modernista. Foi membro da Academia Paulista de Letras, da Academia Brasileira de Letras e da Academia de Ciências de Lisboa. 

 

Eça de Queirós

fc087a945408640136942e087ab7baa5.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

Eça de Queirós (1845-1900) foi um escritor português. “O Crime do Padre Amaro” foi o seu primeiro grande trabalho, um marco inicial do Realismo em Portugal. Foi considerado o melhor romance realista português do século XIX.

Foi o único romancista português que conquistou fama internacional, nessa época. Foi duramente contestado por suas críticas ao clero e à própria pátria. A crítica social unida à análise psicológica aparece nos livros O Primo Basílio, O Mandarim, A Relíquia e Os Maias.

 

José Saramago

3e5a9f6204460a2d515cbd6b25357d32.jpg

Foto: Reprodução/Ebiografia

José Saramago (1922-2010) foi um importante escritor português. Destacou-se como romancista, teatrólogo, poeta e contista. Recebeu o Prêmio Nobel de Literatura o Prêmio Camões. José Saramago nasceu em Azinhaga de Ribatejo, no concelho de Golegã, distrito de Santarém. Portugal, no dia 16 de novembro de 1922. 

 

 

Academia Goiana de Letras realiza concurso que premiará melhor obra com R$10 mil

O Prêmio Colemar Natal e Silva ira premiar a melhor obra literária publicada no Estado nos últimos dois anos, com R$10 mil. Os concorrentes precisam residir no Estado de Goiás há, no mínimo, cinco anos e ter obra publicada em 2016 ou 2017.

Segundo a AGL, o objetivo do concurso é valorizar a literatura goiana, promovendo interação entre Academia e sociedade, além de divulgar a cultura do Estado. As inscrições estarão abertas até o dia 23 de fevereiro.

Para mais informações acesso o site da Academia Goiana de Letras

capa: trilike / reprodução da internet

5 escritores goianos que todo mundo deveria ler

A cultura goiana é rica em seus mínimos detalhes. Desde a história, a culinária maravilhosa, a cultura, festas, festivais e procissões, os goianos mandam bem em todos os aspectos. Dessa vez, no entanto, o destaque vai para os grandes nomes da literatura que fazem das palavras suas obras de arte.

É importante destacar que, a literatura tem um papel fundamental na formação de todos os indivíduos. Ela é a responsável por estimular a criatividade, a imaginação e por auxiliar na construção de diversos conhecimentos. 

Pensando nisso, listamos abaixo 5 escritores goianos que merecem sua atenção e que são muito importantes para a Literatura Goiana. Confira:

 

Cora Coralina

Provavelmente é uma das autoras mais reconhecidas na literatura brasileira. Tendo concluído apenas a 4ª série do ensino fundamental, Cora encanta a todos que entram em contato com seus livros, poemas, poesias e artigos que destilam a alegria de viver. Seu primeiro livro foi lançado em junho de 1965, quando já tinha quase 76 anos de idade.

3ac37dfed15849d09500cff6a20a02e5.jpg

”Aninha e suas pedras

Não te deixes destruir…

Ajuntando novas pedras

e construindo novos poemas.

Recria tua vida, sempre, sempre.

Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.

Faz de tua vida mesquinha

um poema.

E viverás no coração dos jovens

e na memória das gerações que hão de vir.

Esta fonte é para uso de todos os sedentos.

Toma a tua parte.

Vem a estas páginas

e não entraves seu uso

aos que têm sede.”

 

 

José Godoy Garcia

Natural de Jataí, José morou no Rio de Janeiro na década de 30 e ao retornar para Goiás publicou o “Rio do Sono”, que fala do fazer poético e do que inspira um escritor. Além disso, o autor teve diversas obras publicadas como: Araguaia Mansidão (1972); Aqui é a Terra (1980); Entre Hinos e Bandeiras (1985); Os morcegos (1987); Os dinossauros dos sete mares (1988) dentre outros.

c984f2600bf57cb8acc077ad5413f745.jpg

”Os Sobreviventes

Quando todos imaginavam a vida sem sentido

chegaram de manhã os sobreviventes,

e levantaram suas moradas, estiveram no rio,

procuravam o rebanho disperso, preparavam

o alimento, cantavam, derramavam

o suor nos campos, faziam fogo à noite

rememoravam o corpo de suas mulheres,

despachavam os barcos, pela manhã.

As chuvas eram sempre bem-vindas,

as chuvas levantavam o pó da terra

e enchiam de confiança a face da vida.

As mulheres viam nascer dentro de si

um novo rebento, os seus ventres cresciam.

Nenhum sinal de confiança quando as mulheres

apareciam de ventre crescido.

Os dias eram os mesmos, a esperança

e a desesperança eram as mesmas.”

 

J.J. Veiga

Veiga entrou para o rol dos escritores notáveis da literatura nacional com obras como “Os cavalinhos de Platiplanto”, “A hora dos ruminantes” e “A Máquina Extraviada”. Recebeu o prêmio Machado de Assis pela Academia Brasileira de Letras em 1997. O autor nasceu em Corumbá de Goiás e é considerado um dos maiores escritores em língua portuguesa do realismo fantástico.

48120fef3d1b08d8cbcdf709faa7e73a.jpg

”Escrevo para conhecer melhor o mundo e as pessoas. Quem prestar atenção verá que os meus livros são indagativos, não explicativos. Isso faz deles um jogo ou um brinquedo entre autor e leitor; ambos indagando, juntos ou não, e descobrindo – ou não. Os meus textos são um exercício, ou uma aventura, ou um passeio intelectual. Eles não ‘acabam’ no sentido tradicional, e nesse não acabar é que entra a colaboração do leitor. Mais tarde encontrei esta frase num livro de Julien Gracq: ‘Escrevo para saber o que vou encontrar’. Fiquei feliz.”

 

Bernardo Élis

Também nascido em Corumbá de Goiás, Élis foi o primeiro e único membro goiano da Academia Brasileira de Letras. Foi poeta, contista e romancista, além de advogado e professor.

38a9b88f300ca59596b73ca3c732d54d.jpg

”Tarde de Novena

Ingenuidade macia das tardes de novena,

com os sinos dos Passos batendo,

pausado, molengo,

sobre o poente que pegou fogo.

Fervores honestos gemendo

sobre o poente que se alarga e se estende,

congesto,

pela noite adentro,

pondo rubras palpitações

nas trevas do ocidente,

– grandes borboletas de fogo

espanejando cegas sobre as essas.”

 

Gilberto Mendonça Teles

O escritor faz parte do seleto grupo de autores de Goiás que ultrapassaram as fronteiras do estado e ganharam visibilidade na literatura brasileira. Nascido em Bela Vista de Goiás, é conhecido tanto pela sua produção poética como pelos seus importantes estudos sobre o modernismo e a vanguarda na poesia.

3d110ae643a41c22adf1148147f40f49.jpg

”No Foz do Tejo

E todavia a trave na garganta

e a grossa mão medrosa sem poder

interpretar sequer o que repete,

o que soletra, o que rumina há séculos,

nós, gagos de Babel, babamos versos.”

 

Acompanhe o Curta Mais no Facebook, Instagram e Twitter.

 

 

 

Revista Bula lança primeiro livro com tiragem inicial esgotada em tempo recorde

A Revista Bula, um dos maiores fenômenos editorias da internet, acaba de lançar o livro “Os Melhores Textos da Bula” (ed. Ex-Machina, 200 páginas, São Paulo) já com a primeira tiragem de 1.000 exemplares totalmente esgotada. Uma nova impressão foi feita para atender a demanda que não para de crescer.

O lançamento oficial do livro será feito em Goiânia, terra natal da Bula, na próxima quinta-feira, 26, às 19h, no cine Lumière, piso 3, Shopping Bougainville, com a presença de vários colaboradores da publicação que também assinam os textos do livro. 

A coletânea traz 60 textos de 19 autores, divididos entre crônicas e ensaios e publicados originalmente entre 2012 e 2016. Participam da obra nomes como Jacques Fux, Euler de França Belém, Rebeca Bedone, Edson Aran, Karen Curi, Eberth Vêncio, Rodrigo Campos, Carolina Mendes, Flávio Paranhos, Lara Brenner, Ademir Luiz, Nei Duclós, Ruth Borges, Valdivino Braz, Marcelo Franco, Edival Lourenço, Carlos Augusto Silva, José Carlos Guimarães e Rafael Theodor Teodoro. 

Com vendas disponível apenas pela internet, a primeira tiragem de “Os Melhores Textos da Bula”, que será lançado oficialmente na quinta-feira, 26, esgotou-se em apenas cinco dias, um prazo raro para os padrões atuais do mercado editorial. Além de Goiânia, o livro também será lançado em Brasília e São Paulo.

Criada em 2003 em Goiânia, a Revista Bula tem uma das maiores audiências do jornalismo cultural brasileiro. O portal, que tem 1,8 milhão de seguidores no Facebook, tem em média 7,5 milhões de acessos mensais, ultrapassando a marca de 80 milhões de pageviews em 2016. É uma das publicações mais populares da internet no Brasil.

Com o sucesso instantâneo da obra, novos projetos devem vir pela frente. “Esta primeira seleção de textos reúne as melhores crônicas e ensaios publicados entre 2012 a 2016. Outras seleções virão, nas quais publicaremos os textos fundadores, as entrevistas e as centenas de listas que  foram produzidas nesse período. Nossa Bula, diferente das outras, pode não indicar a cura para os males do corpo, mas queremos crer que alivia os da alma. Portanto, amigo leitor, automedique-se à vontade com os textos que se seguem, nossa Bula não tem contraindicações nem efeitos colaterais”, conta Carlos Wiliam, editor da revista.

Selecionamos 8 trechos de textos da Bula que bombaram na internet e que agora fazem parte do livro: 

 

1. Eu queria ser Clint Eastwood para dar um tiro na sua cara (Eberth Vêncio)

“O calor que  tem feito esses dias deve estar cozinhando os meus miolos. Um sujeito chegou perto de mim e disse “me passa a carteira”. Mesmo com o trabuco na mão, eu não passei a carteira porque não ando com carteira. Entreguei uma mochila com coisas de pouco valor como livros, um kit de barbear e um pacote de camisinhas. Não leio, não me barbeio e não meto há tempos, desde sábado. O cara montou na garupa de um cavalo, digo, de uma moto na qual um comparsa o aguardava, e ambos vazaram dali mais rápido que o evacuar de um ganso. “Eu queria ser Clint Eastwood para dar um tiro na sua cara”, foi o que eu pensei. Aliás, eu tenho pensado muitas coisas inusitadas ultimamente, como aprender o idioma russo, dar o rabo e comprar uma arma. Porém, tudo não passa de especulações da minha mente cansada com tanta iniquidade. O velho Clint não se deitaria com outro homem, nem fodendo.”

Eberth

Eberth Vêncio: médico, empresário e poeta. (Foto: Divulgação)

 

2. Deus não nos salvará; mas morrerá conosco (Edival Lourenço)

“As condições extremas que nos levarão ao desaparecimento, por certo levarão de eito outras espécies, que se acham vulneráveis como nós. Inclusive desaparecerão os deuses, os santos, os espíritos-luz, os anjos, os avatares e toda plêiade transcendente, vez que são resultantes de nossas lucubrações mentais. Nenhuma outra espécie pensou a existência de Deus. Sejamos menos arrogantes. Façamos alguma coisa por nós mesmos, enquanto é tempo. Porque Deus não virá em socorro de nós e ainda morrerá conosco.”

Edival

Edival Lourenço: o goiano é escritor romancista, poeta, cronista e contista. (Foto: Divulgação)

 

3. Um dia a gente aprende a conviver com os que ficam. E a sobreviver sem os que partiram  (Rebeca Bedone)

“Não é fácil dizer adeus. A despedida é um outono de saudades. É uma tela sendo pintada em tons de cobre, alaranjado e nostalgia: o rio leva folhas caídas de árvores secas; os galhos, outrora carregados de flores em cores vivas, abraçam-se a si mesmos em sua nudez seca e doída. A estação da despedida nos entristece quando partimos. Já era sabida a hora que esse dia chegaria. Os pais dizem adeus ao filho que parte para estudar fora, ou à filha que vai se casar. A república se desfez depois de terminada a faculdade, agora cada amigo tem o seu novo canto. O pai divorciado se despede dos filhos e vai para sua nova casa.”

Rebeca

Rebeca Bedone: Médica endocrinologista e colunista na Revista Bula. (Foto: Divulgação)

 

4. Cadeia, o grande sertão de Graciliano (Nei Duclós)

“Cigarros ordinários  acesos um no outro para economizar fósforo, um restinho de iodo para desinfetar um ferimento no dedo, papel e caneta embrulhados em pijamas e outros trapos numa valise que carrega por todo lado, por mais de cinco prisões para onde foi jogado junto com milhares de outros presos políticos, misturados a vigaristas, ladrões e malandros, acompanham o escritor na sua faina: escrever notas que mais tarde vão continuar a literatura iniciada nos confins do Brasil seco e violento. Os livros que esmerilha na sua rotina brutal são narrados como personagens ocultos, um amontoado de letra miúda, mal alinhavadas e passíveis de todas as correções.”

Nei

Nei Duclós é jornalista, poeta e escritor brasileiro com 17 livros lançados de cronicas, contos, poesias, romance e ensaios (Foto: Divulgação)

 

5. Uma saga de pobreza e infelicidade (Edson Aran)

“Nos éramos muito pobres. Papai teve que vender três de nós para experiências genéticas. Meus irmãos se deram bem e foram viver em algum laboratório chique. Infelizmente, ninguém quis me comprar, mas os vizinhos da casa ao lado aceitaram me alugar por um tempo. O cachorro deles tinha morrido. Eu passava as noites latindo no quintal para afastar ladrões. Aqueles foram dias felizes. Os vizinhos também eram muito pobres e, por isso, os ladrões iam roubar outros vizinhos. De vez em quando, eu tomava um osso dos vira-latas da rua e levava para mamãe fazer sopa.”

Edson

Edson Aran: ex-editor da revista Playboy, o jornalista também é roteirista de muitos humoristas nacionais. (Foto: Divulgação)

 

6. Falta amor no mundo, mas também falta interpretação de texto (Lara Brenner)

“Que me perdoem os analistas de funções, tabelas, números complexos e logaritmos, mas desenvolvi uma teoria baseada em nada além do que meus próprios olhos e ouvidos vêm testemunhando há tempos: considerável parte do desamor que paira hoje no mundo se deve à incapacidade de interpretação de texto. Sim, senhores. A incompreensão da Língua tem deixado as línguas (e os dedos frenéticos que navegam pelos teclados) mais intolerantes, emburrecidos e inacreditavelmente loucos.”

Lara

Lara Brenner: professora de Língua Portuguesa e colunista da Bula. (Foto: Divulgação)

 

7. A sublime arte de dormir de conchinha! (Jacques Fux)

“Freud, conspiro, nunca dormiu de conchinha. Ele imaginava que o gozo, o deleite e a satisfação plena eram apenas impossibilidades. Nem desconfiava que a conchinha, que a verdadeira conchinha dos amantes, seria a realização de toda sua idealização. Lacan, confabulo, também nunca dormiu de conchinha. Ele dizia que a relação sexual perfeita não existia. Jamais concebeu a ideia de que a conchinha, que a autêntica conchinha dos apaixonados, fosse muito mais envolvente, íntima e profunda que o sexo propriamente dito. Tampouco Platão, o grande filósofo, que provou que tudo deveria principiar pelo amor, mas que ele, o Amor, apenas subsistia em um mundo distante, o das Ideias, foi capaz de refletir sobre a metafísica da conchinha. Se tivesse pensado, filosofado ou apenas adormecido carinhosamente nessa posição, teria certamente criado outras filosofias em seu famoso ‘Banquete’.”

Jacques

Jacques Fux: formado em matemática e ciência da computação, é um dos nomes mais promissores da literatura brasileira na atualidade. (Foto: Divulgação)

 

8. Preferência não se discute; gosto, sim (Carlos Augusto Silva)

“A situação da crítica literária junto a leitores, intelectuais, jornalistas, está cada dia mais irrespirável. Ser crítico literário, estudar a literatura de forma acadêmica, está se tornando algo tão complicado quanto apoiar o aborto, a legalização das drogas e a discussão a respeito do casamento gay. Politicamente correto é não se importar com a teoria, lixar-se para a tradição, mandar às favas qualquer crítica ou crítico produzido nos corredores da academia, sejam eles estruturalistas ou formalistas, ligados às teorias do imaginário ou às correntes dos estudos culturais.”

Carlos

Carlos Augusto Silva: crítico literário e colunista da Bula. (Foto: Divulgação)

União Brasileira dos Escritores promove oficinas gratuitas de escrita criativa em Goiânia

Depois do sucesso da primeira edição, a União Brasileira dos Escritores – Seção Goiás (UEB-GO) promoverá a segunda edição do Oficina de Escrita Criativa com uma programação ainda maior. Desta vez, com 11 encontros aos sábados, entre 30 de abril e 16 de julho.

O evento criado para incentivar produção literária de qualidade em Goiás contará com a presença de escritores, críticos literários e tradutores já reconhecidos nacional e internacionalmente. Atuantes nas mais diversas áreas da literatura: de poesia a graphic novels, de ficção a relatos históricos, de literatura “tradicional” a literatura digital, de tradução à crítica, o evento terá uma abrangência ainda maior de conhecimento literário.

A escolha dos palestrantes, segundo o presidente da UBE-GO, Edival Lourenço, se deu pela experiência dos escritores e críticos. “São pessoas que têm um vasto conhecimento da literatura nacional e que ministram cursos nessa área tanto no Brasil quanto fora dele. Eric M. B. Becker, por exemplo, ministra oficinas de escrita criativa também nos Estados Unidos”, destaca.

As oficinas foram pensadas em um modelo já bastante usado na Europa, nos Estados Unidos e mesmo em algumas capitais brasileiras, com uma duração mais longa e que permitem ao palestrante dialogar com os participantes a respeito de técnicas de escrita criativa e ainda oferecer exercícios de prática literária. Vale lembrar que as oficinas não são apenas para quem trabalha com literatura de maneira profissional, mas é justamente para aquelas pessoas que têm interesse em aumentar seus conhecimentos acerca do tema. 

Programação

No sábado, 30 de abril, Marcelo Mirisola, abre a programação com a oficina “Insubmissão, atrito e confronto, literatura de deslocamento” e segue: Claufe Rodrigues — “A poesia brasileira contemporânea e suas aplicações” (7 de maio); Aidenor Aires — “As formas fixas da poesia lírica” (14 de maio); Edson Aran — “Como fazer literatura com as novas mídias” (21 de maio); Fal Azevedo — “As contradições da literatura contemporânea” (28 de maio); Chacal — “Poesia marginal: o corpo invade a cena” (4 de junho); Sérgio Rodrigues — “Ficção, memória e relato histórico: verdades inventadas” (11 de junho); Eric M. B. Becker — “À procura da terceira margem: literatura brasileira em tradução” (18 de junho); Valdivino Braz – “Anarquia poética” (25 de junho); Ademir Luiz — “Literatura contemporânea e Graphic Novel” (2 de julho); e Luiz Ruffato — “Literatura, representação simbólica e formação da identidade” (16 de julho).

As inscrições são gratuitas e as vagas são limitadas. Os interessados devem se inscrever exclusivamente pelo site www.ubeoficinas.com.br. Todas as oficinas acontecerão na sede da UBE-GO, localizada na Rua 21 nº 262, no Centro, ao lado do Colégio Lyceu de Goiânia.

 União

 

Oficina de Escrita Criativa
Quando: 30 de abril a 16 de julho (encontros aos sábados)
Horário: 9h às 12h e 14h às 17h
Onde: União Brasileira dos Escritores – Seção Goiás – Rua 21, 262, Centro
Entrada Franca

Conheça os goianos mais famosos de todos os tempos

Música

Zezé Di Camargo, cantor

Zezé

Nascimento: Pirenópolis, Goiás em 17 de agosto de 1962 (53 anos)

 

Luciano, cantor

Luciano

Nascimento: Pirenópolis, Goiás em 20 de janeiro de 1973 (42 anos)

 

Leonardo, cantor

Leonardo

Nascimento: Goianápolis, Goiás em 25 de julho de 1963 (52 anos).

 

Jorge, da dupla Jorge & Mateus

Jorge

Nascimento: Itumbiara, Goiás em 27 de agosto de 1982 (33 anos)

 

Mateus, da dupla Jorge & Mateus

Mateus

Nascimento: Itumbiara, Goiás em 15 de julho de 1986 (29 anos)

 

Marília Mendonça, a Rainha da “Sofrência”

Marília

Marília Dias Mendonça nasceu em Cristianópolis, no dia 22 de julho de 1995 mas cresceu em Goiânia.

 

Israel & Rodolffo

israel

 Nascimento: Jaraguá, Goiás

 

Lindomar Castilho, cantor

Lindomar

Nascimento: Santa Helena de Goiás, Goiás em 21 de janeiro de 1940 (75 anos)

 

Amado Batista

Amado

Nascimento: Davinópolis, Goiás em 17 de fevereiro de 1951 (64 anos)

 

Chrystian, cantor

Chrystian

Nascimento: Nazário, Goiás em 3 de novembro de 1956 (59 anos).

 

Ralf, cantor

Ralf

Nascimento: Morrinhos, Goiás em 15 de junho de 1961 (54 anos)

 

Léo Jaime, cantor

Leo

Nascimento: Goiânia, Goiás em 23 de abril de 1960 (55 anos)

 

Bruno, da dupla Bruno & Marrone

Bruno

Nascimento: Goiânia, 22 de abril de 1969 (46 anos)

 

Marrone, da dupla Bruno & Marrone

Marrone

Nascimento: Buriti Alegre, Goiás em 9 de novembro de 1964

 

Túlio Dek, rapper

Túlio

Nascimento: Goiânia, Goiás em 6 de abril de 1985 (30 anos)

 

Wanessa, cantora

Wanessa

Nascimento: Goiânia, Goiás em 28 de dezembro de 1982 (33 anos)

 

Zé Felipe, cantor

ze

Nascimento: Goiânia, Goiás em 21 de abril de 1998 (17 anos)

 

Pedro Leonardo, cantor

Pedro

Nascimento: Anápolis, Goiás em 29 de junho de 1987 (28 anos) é um músico e ator brasileiro, ex-membro da dupla Pedro e Thiago.

 

Thiago, cantor

thiago

Nascimento: Goiânia, Goiás em 25 de Janeiro de 1985 (30 anos)

 

Thiago Brava, cantor

 Thiago

Nascimento: Goiânia, 14 de junho de 1986

 

Orlando Morais, cantor

 orlando

Nascimento: Goiânia, Goiás em 22 de janeiro de 1962 (53 anos)

 

Odair José, cantor

 Odair

Nascimento: Morrinhos, Goiás em 16 de agosto de 1948 (67 anos)

 

João Neto, da dupla João Neto & Frederico

 Joao

Nascimento: Goiânia, Goiás em 12 de agosto de 1979 (36 anos)

 

Frederico, da dupla João Neto & Frederico

 Frederico

Nascimento: Goiânia, Goiás em 11 de março de 1982 (33 anos)

 

Guilherme, cantor

 Guilherme

Nascimento: Goiânia, Goiás em 15 de outubro de 1969 (46 anos)

 

Santiago, cantor

Santiago

Nascimento: Goiânia, Goiás em 22 de março de 1976 (39 anos)

 

Humberto, da dupla Humberto & Ronaldo

 Humberto

Nascimento: Goiânia, Goiás em 6 de abril de 1987 (28 anos)

 

Ronaldo, da dupla Humberto & Ronaldo

 Ronaldo

Nascimento: Goiânia, Goiás em 22 de março de 1981 (34 anos)

 

Matheus & Kauan

Matheus

Os irmãos nasceram em Itapuranga, Goiás.

 

Atores

Cláudia Liz, atriz e modelo

Claudia

Nascimento: São Luís de Montes Belos, Goiás em 6 de maio de 1969 (46 anos)

 

Camilla Camargo, atriz

 Camilla

Nascimento: Goiânia, Goiás em 17 de Outubro de 1985 (30 anos)

 

Carolina Ferraz, atriz

Carolina

Nascimento: Morrinhos, Goiás em 25 de janeiro de 1968 (47 anos)

 

Stepan Nercessian, ator

stepan

Nascimento: Cristalina, Goiás em 2 de dezembro de 1953 (61 anos)

 

Bellatrix Serra, atriz

 bellatrix

Nascimento: Goiânia, Goiás em 22 de fevereiro de 1982 (33 anos)

 

Ingrid Guimarães, atriz

Ingrid

Nascimento: Goiânia, Goiás em 5 de julho de 1972 (43 anos)

 

Luciele di Camargo, atriz

 Luciele

Nascimento: Goiânia, Goiás em 25 de outubro de 1977 (38 anos)

 

Nill Marcondes, ator

 Nill

Nascimento: Goiânia, Goiás em 1972 (43 anos)

 

Wolf Maya, ator e diretor

Wolf

Nascimento: Goiânia, Goiás em 10 de setembro de 1953 (62 anos)

 

Artistas plásticos e escritores

Siron Franco, artista plástico

siron

Nascimento: Cidade de Goiás, Goiás em 25 de julho de 1947 (68 anos)

 

Gilberto Mendonça Teles, poeta

Gilberto

Nascimento: Bela Vista de Goiás, Goiás em 30 de junho de 1931 (84 anos)

 

Marcelo Solá, artista plástico

solá

Nascimento: Goiânia, Goiás em 1971 (44 anos)

 

Jornalistas

Lilia Maria Teles, TV Globo

Lilia

Nascimento: Goiânia, Goiás em 25 de agosto de 1961 (54 anos)

 

Hélter Duarte, TV Globo

Hélter

Nascimento: Goiânia, Goiás em 25 de setembro de 1970 (45 anos)

 

Téo José, Narrador

Téo

Nascimento: Goiânia, Goiás em 29 de julho de 1963 (52 anos)

 

Marcos Hummel

Marcos

Nascimento: Catalão, Goiás em 25 de julho de 1947 (68 anos)

 

Valteno de Oliveira, TV Bandeirantes

 Valteno

 

Cleisla Garcia, TV Record

Cleisla

 

Luciano Cabral, Globo News

Luciano 

 

Na economia

Henrique Meirelles (ex-presidente do banco Central)

Henrique

Nascimento: Anápolis, 31 de agosto de 1945

 

Gustavo Loyola (ex-presidente do banco Central)

Gustavo

Nascimento: Goiânia, 19 de dezembro de 1952

 

José Batista Júnior (Júnior Friboi)

José

Nascimento: Anápolis, 12 de fevereiro de 1960

 

João Alves de Queiroz Filho, o Júnior (ex-Arisco e dono da goiana Hypermarcas)

João

 

No esporte

Baltazar “o artilheiro de Deus”, ex-jogador de futebol

Baltazar

Nascimento: Goiânia, Goiás em 17 de julho de 1959 (56 anos)

 

Túlio Maravilha, ex-jogador de futebol

Túlio

Nascimento: Goiânia, Goiás em 2 de junho de 1969 (46 anos)

 

Dante, jogador de vôlei

Dante

Nascimento: Itumbiara, Goiás em 30 de setembro de 1980 (35 anos)

 

Ex-BBBs

Yuri Fernandes, modelo e ex-BBB

Yuri

Nascimento: Goiânia, Goiás em 31 de outubro de 1985

 

Dhomini

Dhomini

Nascimento: Goiânia, Goiás em 27 de setembro de 1972

 

Princy Cavalcante

Princy

Nascimento: Goiânia, Goiás em 30 de abril de 1981

 

Talita Araújo

Talita

Nascimento: Goiânia, Goiás em 25 de março de 1992

 

Léo Rassi (vencedor do programa No Limite da Rede Globo)

Léo

Nascimento: Goiânia, Goiás 

Caio Afiune (participante do BBB 21)

caio

Nascimento: Anápolis, Goiás 

 

Thaís (participante do BBB 21)

thais

Nascimento: Luziânia, Goiás 

Alguns goianos famosos que já nos deixaram…

Cora Coralina, poetisa

Cora

Nascimento: Cidade de Goiás em 20 de agosto de 1889

Falecimento: 10 de abril de 1985

 

Leandro, cantor

leandro

Nascimento: Goianápolis, Goiás em 15 de agosto de 1961

Falecimento: 23 de junho de 1998 em São Paulo

 

Cristiano Araújo

cristiano

Nascimento: Goiânia, Goiás em 24 de janeiro de 1986

Falecimento: 24 de junho de 2015 em Goiânia.