Por que acordamos cada vez mais cedo à medida que envelhecemos

Conforme envelhecemos, é comum notar que nossos padrões de sono mudam. Muitas pessoas mais velhas tendem a acordar mais cedo do que quando eram jovens e isso pode ser intrigante. Por que isso acontece? Este comportamento não é apenas um hábito adquirido, mas resultado de várias mudanças no nosso corpo e na nossa mente. Vamos te mostrar de forma simples e clara por que isso acontece e como podemos melhorar a qualidade do nosso sono.

Mudanças no padrão de sono com a idade

À medida que envelhecemos, nossa qualidade de sono pode piorar. Comparados com jovens adultos, os idosos costumam demorar mais para adormecer, acordam mais vezes durante a noite e tendem a cochilar mais durante o dia, segundo uma pesquisa publicada no jornal acadêmico Neuron. Essa combinação de fatores faz com que acordem mais cedo.

Alterações na estrutura do sono

A forma como dormimos também muda com a idade. Uma das principais alterações é a redução das fases de sono profundo, especialmente a fase N3. O sono se torna mais leve e é mais fácil ser interrompido. A fase REM, onde ocorrem os sonhos mais vívidos, também diminui, contribuindo para um sono menos restaurador e mais fragmentado.

Ritmos circadianos

Os ritmos circadianos são nossos relógios biológicos internos que regulam o ciclo de sono e vigília, funcionando em um ciclo de aproximadamente 24 horas. Com o envelhecimento, esses ritmos podem se adiantar. Isso significa que as pessoas começam a sentir sono mais cedo à noite e, consequentemente, acordam mais cedo pela manhã.

Condições de saúde e uso de medicamentos

A prevalência de condições médicas que afetam o sono, como dor crônica, apneia do sono e refluxo gastroesofágico, por exemplo, aumentam com a idade. Além disso, muitos medicamentos usados por idosos podem interferir na rotina do sono, contribuindo para um despertar precoce.

Com a aposentadoria e menos atividade física, a necessidade de sono pode diminuir. Menos exercícios físicos e uma rotina mais tranquila podem reduzir a necessidade de recuperação durante a noite, influenciando os padrões de sono.

Produção de melatonina

A melatonina é o hormônio que ajuda a regular nosso sono. À medida que envelhecemos, a produção de melatonina diminui. Isso pode dificultar o início do sono e fazer com que acordemos mais cedo. Pessoas mais velhas tendem a ter um sono mais leve e são mais facilmente despertadas por barulhos ou luzes. Isso pode fazer com que acordem mais cedo e tenham dificuldade para voltar a dormir.

Dicas para melhorar a qualidade do sono

Embora as mudanças no sono sejam inevitáveis à medida que envelhecemos, há hábitos que podem ajudar a melhorar a qualidade do sono e o bem-estar geral.

Mantenha uma dieta equilibrada

Alimentar-se bem também é importante. Evitar refeições pesadas à noite e optar por alimentos leves pode ajudar a melhorar a qualidade do sono.

Crie um ambiente de sono confortável

Certifique-se de que seu quarto é um ambiente propício para dormir. Mantenha-o escuro, silencioso e com uma temperatura confortável. Considere usar tampões de ouvido ou máscaras para dormir, se necessário.

Pratique exercícios físicos

Uma rotina regular de exercícios pode fazer maravilhas para o sono. Estudos publicados na Sleep Science mostram que pelo menos 40 minutos de exercício aeróbico quatro vezes por semana ajudam a adormecer mais rápido e a manter o sono por mais tempo.

Estabeleça uma rotina de sono

Tente ir para a cama e acordar no mesmo horário todos os dias, mesmo nos fins de semana. Isso ajuda a regular o relógio biológico.

Limite os cochilos durante o dia

Evitar cochilos longos durante o dia pode ajudar a dormir melhor à noite. Se precisar cochilar, limite o tempo a 20-30 minutos.

Gerencie o estresse

Práticas de relaxamento como meditação, ioga ou leitura antes de dormir podem ajudar a reduzir o estresse e facilitar o sono.

Consulte um profissional de saúde

Se você tem problemas contínuos com o sono, pode ser útil consultar um médico. Eles podem ajudar a identificar problemas subjacentes e sugerir tratamentos apropriados para o seu caso.

Compreender por que acordamos mais cedo à medida que envelhecemos pode ajudar a lidar melhor com essas mudanças. Implementar hábitos saudáveis pode melhorar significativamente a qualidade do sono. Lembre-se de que essas mudanças são normais e, com algumas adaptações, é possível ter uma boa noite de sono em qualquer idade.

Veja também:

Quanto tempo uma pessoa consegue ficar sem dormir

Evite estes 6 erros antes de dormir para uma noite de descanso perfeita

Essa poderosa semente é santo remédio para aliviar dores nas costas

Como dormir pouco pode nos tornar pessoas menos generosas

Quem nunca ficou mal-humorado após uma noite mal dormida que atire a primeira pedra! Alguns dos conhecimentos que temos acerca do nosso bem-estar, nem sempre são verdadeiros. Porém, um estudo recente comprovou que dormir pouco pode afetar nossa generosidade. As informações são da BBC Brasil.

 

O estudo foi feito pela Universidade de Berkeley, nos EUA, e chegou a conclusão de que a privação do sono pode reduzir a generosidade. Tal resultado foi possível após analisar o nível de gentileza em pacientes cansados. Na primeira etapa, 21 voluntários foram privados de sono por 24 horas e, após esse período, lhes perguntaram o quanto estariam dispostos a ajudar outras pessoas em várias situações. Após obter as respostas, foi solicitado que repetissem o questionário após uma boa noite de sono. Além disso, os pacientes foram submetidos a exames de ressonância magnética.

 

Além dos voluntários, mais 171 pessoas foram recrutadas, de forma online, para a pesquisa. Para os participantes remotos, foi solicitado que fizessem um diário do sono, antes de responderem às perguntas. Em ambos os casos, as pessoas que marcaram menos pontos no “questionário da gentileza”, foram as que tiveram seu sono privado.

 

Por fim, os pesquisadores analisaram o número de doações beneficentes nos EUA antes e depois da mudança para o horário de verão, que geralmente leva à perda de uma hora de sono. As doações, que antes totalizaram mais de 3,8 milhões, diminuíram 10% nos dias após a mudança dos relógios em comparação com as semanas anteriores e posteriores à transição.

 

A análise de ressonância magnética mostrou que privação do sono parece estar ligada à atividade reduzida na área do cérebro ligada à cognição social, que regula nossas interações sociais com os outros. A pesquisa analisou a mudança na atividade cerebral quanto a quantidade de sono, não à qualidade. O lado bom, é que esse efeito é de curta duração e desaparece quando retornamos ao nosso padrão normal de sono.

 

Dessa forma, quando se ouve que a falta de sono pode nos deixar irritados e menos sociáveis, não é um mito!

 

 

Foto: Reprodução/ istock