7 restaurantes em Goiânia com almoço executivo bom e barato

Se você não sabe onde almoçar hoje, preparamos uma lista com restaurantes que servem almoço executivo, bom e barato. Afinal, quem não gosta de um PF de qualidade sem gastar muito.

 

1- Rio Bahia

 

rio

 

Endereço: Rua 15, N 712 74150020 Goiânia, GO Setor Marista

Telefone: (62) 99845-4342

*Assinantes do Clube Curta Mais possuem benefícios nesse estabelecimento*

 

2- Galpão

23232

Funcionamento: Segunda á Sexta. Das 11h às 14h30. Sábado de 12h às 16h.

Endereço: R. 83, s/n — Sala 2 — St. Sul, Goiânia — GO, 74083-195

 

3- Restaurante Pizzarella 

 

pizzarella

Endereço: R. 15, 2208 – St. Marista, Goiânia.

Abre às 11h

Telefone: 62 3281-7763

 

*Assinantes do Clube Curta Mais possuem benefícios nesse estabelecimento*

 

4-  Mourão Chopp e Restaurante

mourão

Endereço: Av. C, 231 – s/n – Jardim América, Goiânia – GO, 74270-060

Horário: 11h á 00h

Telefone: (62) 3285-2288

 

5- Simbora 24 horas 

simbora

Endereço: Av Rio Branco nº 62 Urias Magalhães 74565019 Goiânia, GO

Telefone: (62) 3210-9090

 

6- Moony Restaurante

 

moony

 

Endereço: Alameda Ricardo Paranhos 928, Goiânia, Goiás 74180-050 Brasil

Telefone: +55 62 3624-9329

 

*Assinantes do Clube Curta Mais possuem benefícios nesse estabelecimento*

 

7- Chão Nativo 

 

*self-service*

comida

Endereço: Avenida T-11, 299 Setor Bueno, Goiânia, Goiás 74223-070 Brasil

Telefone: (62) 3241-2266

 

*Assinantes do Clube Curta Mais possuem benefícios nesse estabelecimento*

Fotos: Divulgação

Delegado Alexandre Ramagem é o novo diretor da Polícia Federal

Após a tumultuada demissão de Sérgio Moro, o presidente Jair Bolsonaro escolheu o nome do diretor da Abin como novo diretor-geral da Polícia Federal.

Alexandre Ramagem comandou a segurança de sua campanha eleitoral depois que Bolsonaro, então candidato a presidente da República, foi vítima de uma facada. É delegado da Polícia Federal desde 2005.

Pode ser definido ainda hoje o nome do novo ministro da Justiça e Segurança Pública.

Urgente! Moro deixa o Ministério da Justiça

É oficial! Sérgio Moro não é mais ministro da Justiça e Segurança Pública.

O anúncio foi feito em coletiva à imprensa na manhã desta sexta-feira (24). No comunicado, Moro diz que a decisão foi tomada após entender que o compromisso assumido no convite por Jair Bolsonaro de garantir autonomia da Polícia Federal e liberdade na escolha dos quadros da pasta não foi honrado. “Me prometeram carta branca para nomear”, afirmou.

Visilmente abatido e sem esconder a decepção com Bolsonaro, Sérgio Moro diz que foi pego de surpresa com a exoneração do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, nesta sexta, e deixou claro a interlocutores que deixaria o cargo, o que foi oficializado na coletiva à imprensa.

Ex-juiz da Lava Jato foi anunciado como ministro de Bolsonaro em novembro de 2018. Moro é o nono ministro a sair do governo.

Confira trechos da coletiva à imprensa:

“A única condição que eu coloquei é que em caso de sair do ministério por algum motivo, minha família teria garantia de pensão uma vez que estava abandonado 22 anos de magistrado para aceitar o cargo”, disse Moro.

“Durante todo o período tive o apoio do presidente em vários projetos e outros nem tanto. A partir do ano passado o presidente começou a insistir na troca do diretor da Polícia Federal que foi uma escolha pessoal minha.”

“Conversei com o presidente que poderia trocar o diretor da Polícia Federal mas precisaria de uma causa, o que não aconteceu. Houve uma interferência política no órgão o que compromete a credibilidade do governo e o descumprimeto do nosso acordo de autonomia”.

“O presidente deixou claro que não seria só a troca do diretor geral, mas também de superintendetentes da PF do Rio de Janeiro, terra natal dos Bolsonaros e de outros estados”.

“Ontem eu falei com o presidente que a decisão da troca no comando da PF seria uma interferência política e ele disse que seria mesmo. Eu sugeri que a subsituição então fosse técnica e não por preferência pessoal, mas não obtive resposta. O presidente Bolsonaro me falou várias vezes que prefere alguém na PF com quem tenha contato pessoal, a quem pudesse ligar e colher informações, obter relatórios de inteligência, e esse não é o papel da Polícia Federal. As investigações têm de ser preservadas”.

“O Maurício Valeixo chegou a manifestar a vontade de sair por causa de toda pressão política, mas não é verdade que foi ‘à pedido’, uma vez que o cargo de diretor geral do órgão é o ápice de todo policial federal”.

“Fui surpreendido com a exoneração do Valeixo, foi uma ofensa, uma sinalização clara que o presidente me quer fora do cargo”.

“Agradeço ao presidente pelo convite, fui fiel aos compromissos assumidos. Diante de tudo, deixo o cargo, vou descansar com minha família”.

Moro afirmou que sai do ministério para preservar a própria biografia e para não contradizer o compromisso que assumiu com Bolsonaro: de que o governo seria firme no combate à corrupção.

“Tenho que preservar minha biografia, mas acima de tudo tenho que preservar o compromisso com o presidente de que seríamos firmes no combate à corrupção, a autonomia da PF contra interferências políticas”, declarou.

Jair Bolsonaro ainda não nomeou um substituto para o comando da PF.

Filho investigado

Em meio à nova crise no governo, a equipe da PF que investiga as Fake News contra o Supremo Tribunal Federal (STF) chegou ao chamado “Gabinete do Ódio”, comandado pelo vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente. Segundo o Correio Brasiliense, policiais que trabalham na operação garantem que o filho do presidente é o mentor de todos os ataques que foram disparados contra o Supremo e contra o Congresso e é alvo principal das investigações, podendo inclusive ser preso. Há um processo aberto pelo STF para investigar esse movimento de notícias falsas.

Bolsonaro exonera diretor da PF e Moro pode anunciar saída do governo hoje

Mesmo com a ameaça do Ministro da Justiça Sérgio Moro de deixar o cargo, o presidente Jair Bolsonaro manteve a posição e afastou o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, braço direito de Moro. A exoneração ocorreu “a pedido”, segundo decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, e publicado no “Diário Oficial da União” desta sexta-feira (24). Ainda não foi nomeado um substituto para o comando da PF.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, por sua vez tem dito a interlocutores que se houvesse a troca ele deixaria o governo.

Segundo a jornalista Daniela Lima, da CNN Brasil, em conversa com Moro, Bolsonaro teria deixado claro que ele é a autoridade e que Moro, se quiser permanecer no cargo, deve demonstrar alinhamento a temas que sejam do governo federal e não apenas do Ministério da Justiça. 

Segundo o blog do jornalista Vicente Nunes, do Correio Braziliense, a vontade de Bolsonaro de demitir Maurício Valeixo tem relação com a investigação da PF sobre fake news contra o STF estar se aproximando do vereador Carlos Bolsonaro. De acordo com o blog, policiais envolvidos no caso afirmam que Carlos é o mentor dos ataques disparados aos ministros da Corte.

Aliados do ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmaram que ele foi pego de surpresa com a publicação, no “Diário Oficial”, informou o G1. De acordo com interlocutores do ministro, Moro não gostou da decisão do presidente Jair Bolsonaro e vai anunciar sua saída do governo em entrevista coletiva marcada para as 11h na sede do ministério.

Pezão é preso no Rio

A pedido da Prcoruadoria-Geral da República (PGR), o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), foi preso na manhã de hoje (28) no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo fluminense. De acordo com a PGR, são nove os alvos da Operação Boca de Lobo, que, além de Pezão, mira assessores e um sobrinho. As ações são execuradas pela Polícia Federal.

Entre os nomes estão José Iran Peixoto Júnior, secretário de Obras; Affonso Henriques Monnerat Alves da Cruz, secretário de Governo; Luiz Carlos Vidal Barroso, servidor da secretaria da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico, e Marcelo Santos Amorim, sobrinho do governador.

Também estão entre os alvos Cláudio Fernandes Vidal, sócio da J.R.O Pavimentação; Luiz Alberto Gomes Gonçalves, sócio da J.R.O Pavimentação; Luis Fernando Craveiro de Amorim e César Augusto Craveiro de Amorim, ambos sócios da High Control.

“Existe uma verdadeira vocação profissional ao crime, com estrutura complexa, tracejando um estilo de vida criminoso dos investigados, que merece resposta efetiva por parte do sistema de defesa social”, disse a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, no pedido das prisões.

Fato novo

A procuradora Raquel Dodge afirmou que ficou “demonstrado ainda que, apesar de ter sido homem de confiança de Sérgio Cabral e assumido papel fundamental naquela organização criminosa, inclusive sucedendo-o na sua liderança, Luiz Fernando Pezão operou esquema de corrupção próprio, com seus próprios operadores financeiros”. As conclusões se sustentam em informações decorrentes de uma colaboração premiada homologada no Supremo Tribunal Federal e documentos apreendidos na residência de um dos investigados na Operação Calicute.

A partir daí foram realizadas diligências que permitiram aos investigadores complementarem as provas. Foram analisadas provas documentais como dados bancários, telefônicos e fiscais.

Na petição enviada ao STJ, a procuradora-geral explicou que a análise do material revelou que o governador Pezão e assessores integraram a operação da organização criminosa de Sérgio Cabral (preso há mais de dois anos e já condenado judicialmente) e que o atual governador sucedeu Cabral na liderança do esquema criminoso.

Segundo a procuradora, cabia a Pezão dar suporte político aos demais membros da organização que estão abaixo dele na estrutura do poder público. De acordo com Dodge, Pezão  recebeu “valores vultosos, desviados dos cofres públicos e que foram objeto de posterior lavagem”.

Prisões

Além de apresentar a existência de provas, segundo as quais o esquema criminoso estruturado pelo ex-governador Sérgio Cabral continua ativo, o Ministério Público Federal sustentou na petição que, solto, Luiz Fernando Pezão poderia dificultar ainda mais a recuperação dos valores, além de dissipar o patrimônio adquirido em decorrência da prática criminosa.

Há registros documentais, nos autos, do pagamento em espécie a Pezão de mais de R$ 25 milhões no período 2007 e 2015. Valor absolutamente incompatível com o patrimônio declarado pelo emedebista à Receita Federal. Em valores atualizados, o montante equivale a pouco mais de R$ 39 milhões (R$ 39.105.292,42) e corresponde ao total que é objeto de sequestro determinado pelo ministro relator.

Em relação ao sequestro de bens, a procuradora-geral destacou que “é dever do titular da ação penal postular pela indisponibilidade de bens móveis e imóveis para resguardar o interesse público de ressarcimento ao Erário e também aplacar os proventos dos crimes”.

Desdobramentos

De acordo com a PGR, a ação de hoje é mais uma uma operação decorrente dos desdobramentos da Lava Jato. Resultados de petição apresentada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ao relator do caso do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Félix Fisher.

No total são 30 mandados cumpridos pela Polícia Federal nas cidades do Rio de Janeiro, Piraí, Juiz de Fora, Volta Redonda e Niterói. Além das prisões, o ministro Felix Fischer, autorizou buscas e apreensões em endereços ligados a 11 pessoas físicas e jurídicas, bem como o sequestro de bens dos envolvidos até o valor de R$ 39,1 milhões.

Investigações

De acordo com as investigações que embasaram as medidas cautelares, o governador integra o núcleo político de uma organização criminosa que, ao longo dos últimos anos, cometeu vários crimes contra a Administração Pública, com destaque para a corrupção e lavagem de dinheiro.
Ao apresentar os pedidos, a procuradora Raquel Dodge ressaltou que a organização criminosa desviou verbas federais e estaduais, inclusive, com a remessa de vultosas quantias para o exterior –, vem sendo desarticulada de forma progressiva, com o avanço das investigações.

A procuradora enfatizou ainda que Luiz Fernando Pezão foi secretário de Obras e vice- governador de Sergio Cabral, entre 2007 e 2014, período em que já foram comprovadas práticas criminosas como a cobrança de um percentual do valor dos contratos firmados pelo Executivo com grandes construtoras, a título de propina.

Governo na cadeia

Anthony Garotinho, Rosinha Garotinho, Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão: os quatro últimos governadores eleitos do Rio de Janeiro já foram presos. (Com informações da EBC)

Simbora Restaurante 24 horas: o rei do bife acebolado e da galinhada em Goiânia

Com apenas 5 anos desde que abriu a primeira unidade no alto do Setor Urias Magalhães, região norte de Goiânia, o Simbora Restaurante conquistou uma clientela cativa em busca da garfada perfeita com o bom e velho arroz branquinho e soltinho, feijão de caldo, bife acebolado e saladinha para acompanhar. Para harmonizar bem com o pratão, basta pedir um ovo frito na hora, ou o famoso “zoiudo”, como preferir. Aliás, resgatar a memória afetiva é a marca registrada da casa que serve ainda galinhada, costelinha de porco, além de outras generosas porções de batata frita e até caldos (feijão, frango e mocotó). Tudo sempre feito na hora para atender o público a qualquer hora do dia, da noite e da madrugada. Sim, a casa funciona 24 horas e é a salvação dos notívagos e baladeiros da capital.

simbora

Aquela galinhada que vai fazer você lembrar da comida da vovó e da mamãe.

simbora

O sucesso do carro-chefe é tanto que a rede vende mais de uma tonelada de bife por mês.

Atendendo pedidos e a crescente demanda, os jovens empreendedores Cleineomar Lopes (o “Mazim”) e Antonio Vieira, resolveram expandir o negócio e hoje o Simbora conta com três unidades em Goiânia e uma em Caldas Novas. Para comprovar o sucesso dessa mistura de simplicidade e sabor, a mais nova unidade, no Setor Pedro Ludovico (onde funcionava o Raruz 21), mal abriu e já chega a ter fila na porta nos horários de pico como almoço, jantar e madrugadas.

O título de rei do bife acebolado e da galinhada não é por acaso. Mensalmente são consumidos mais de uma tonelada de carne e outras três toneladas de arroz para atender as mais de 20 mil pessoas que passam em um dos endereços da rede.

A receita do sucesso? Comida boa e barata. O tradicional PF (Prato Feito) sai por apenas R$ 15,00 incluindo arroz, feijão, bife e saladinha de alface e tomate. O cliente também pode escolher a porção família a partir de R$ 35,00 que serve até três pessoas.

simbora

O jeito simples e caseiro de servir comida boa, barata e sem frescura acaba de ganhar mais um endereço no Setor Pedro Ludovico.

Simbora Restaurante 24 horas

Unidade 1: Avenida Rio Branco, nº 62, Setor Urias Magalhães. Telefone: 3210-9090

Unidade 2: Avenida C-4 esquina com C-6, nº 974, Jardim América. Telefone: 3088-3131

Unidade 3: Avenida Elias Bufaiçal, Qd. 8 Lt. 12-R, Jardim Belvedere, Caldas Novas. Telefone: (64) 3473-4708

Unidade 4: Avenida Circular, nº 710, Setor Pedro Ludovico. Telefone: 3091-2182

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Simbora Restaurante (@simbora24h) em

Saia justa: filhos de Lula visitam ex-presidente na prisão mas um detalhe na sacola rouba a cena

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu, na manhã desta quinta-feira, a visita de três filhos e um neto na cadeia, na sede da Polícia Federal (PF). Os familiares chegaram acompanhados do advogado Cristiano Zanin por volta das 10h. Dentre os familiares estavam o neto Tiago e os filhos Lurian, Sandro e Fábio Luís.

Mas o que acabou chamando mais atenção durante a visita foi a sacola que Luís Cláudio da Silva, filho caçula de Lula, carregava. Ironicamente estava estampado “Saia Justa”.

sacola

O detalhe não passou batido por alguns internautas.

A PF decidiu que o ex-presidente poderá receber parentes de primeiro e segundo graus sempre às quintas-feiras. Advogados podem visitar diariamente, desde que tenham registro ativo na OAB.

A ideia é que a visita ao petista ocorra em data diferente dos familiares de outros presos da Lava-Jato, e que o delataram na Operação. O ex-ministro Antonio Palocci, o empresário Leo Pinheiro e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque confessaram crimes que envolvem Lula em audiências com o juiz Sergio Moro. Os três tentam fechar acordos de delação premiada, ainda sem sucesso.

Lula está preso na sede da corporação desde a noite de sábado (7), e está cumprindo a pena de 12 anos e um mês de prisão pela condenação no caso do triplex em Guarujá (SP).

Sem dinheiro, Polícia Federal suspende emissão de passaportes

A Polícia Federal anunciou, em nota divulgada na noite desta terça-feira (27), que a confecção de passaportes foi suspensa por tempo indeterminado por falta de verba.

“Sobre o serviço de passaportes, a Polícia Federal informa que está suspensa a confecção de novas cadernetas de passaportes solicitadas a partir de hoje, 27/06, às 22 horas”, diz a nota.

“A medida decorre da insuficiência do orçamento destinado às atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem.

O agendamento online do serviço e o atendimento nos postos da PF continuarão funcionando normalmente. Mas, segundo o órgão, “não há previsão para entrega do passaporte solicitado, enquanto não for normalizada a situação orçamentária”.

“Usuários atendidos nos postos de emissão até o dia 27/06 receberão seus passaportes normalmente. A Polícia Federal acompanha atentamente a situação junto ao Governo Federal para o restabelecimento completo do serviço”, afirma a PF.

Em Nota à Imprensa, a PF divulgou o seguinte comunicado:

A Polícia Federal informa que está suspensa a confecção de novas cadernetas de passaportes solicitadas a partir de hoje, 27/06, às 22 horas.

A medida decorre da insuficiência do orçamento destinado às atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem.

O agendamento online do serviço e o atendimento nos postos da PF continuarão funcionando normalmente. No entanto, não há previsão para entrega do passaporte solicitado, enquanto não for normalizada a situação orçamentária.

Usuários atendidos nos postos de emissão até o dia 27/06 receberão seus passaportes normalmente.

A Polícia Federal acompanha atentamente a situação junto ao Governo Federal para o restabelecimento completo do serviço.

Operação Carne Fraca: confira a lista de empresas investigadas pela PF

 

Com Exame 

Segundo a investigação, da Operação Carne Fraca deflagrada nesta sexta-feira (17) pela Polícia Federal (PF), as práticas ilícitas envolviam o uso de carnes podres com ácido ascórbico para disfarçar o gosto, frango com papelão, pedaços de cabeça e carnes estragadas como recheio de salsichas e linguiças, além de reembalar produtos vencidos.

As frigorificas JBS e BRF consideradas duas das cinco maiores exportadoras do país são alvo da Operação Carne Fraca.

 

Carne Fraca é considerada a maior operação realizada pela PF aponta a própria instituição. Foram mobilizados mais de 1.100 policiais em seis estados (Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás) e no Distrito Federal.

EMPRESAS

ATEFFA

BALABAN & GONÇALVES ADVOGADOS

BG CONSULTORIA EMPRESARIAL

BIG FRANGO INDUSTRIA E COM

BRF – BRASIL FOODS

BIO-TEE SUL AM

BR ORGAN FERTILIZANTES DO BRASIL LTDA

CODAPAR/CLASPAR (EADI/FOZ) 76

DAGRANJA AGROINDUSTRIAL LTDA

DALCHEN GESTÃO EMPRESARIAL LTDA

DINÂMICA IMP

DOGGATO CLINICA VETERINÁRIA LTDA

ESCRITÓRIO CENTRAL SUBWAY BRASIL

FENIX FERTILIZANTES LTDA

FORTESOLO SERVIÇOS INTEGRADOS LTDA

FRANGO A GOSTO

FRATELLI COMERCIO DE MASSAS, FRIOS E

FRIGOBETO FRIGORÍFICOS E COMERCIO DE

FRIGOMAX- FRIGORÍFICO E COMERCIO DE CARNES

FRIGORÍFICO 3D

FRIGORÍFICO ARGUS LTDA

FRIGORIFICO OREGON S

FRIGORÍFICO RAINHA DA PAZ

FRIGORÍFICO SOUZA RAMOS LTDA

INDUSTRIA DE LATICINIOS

JBS S/A

LARA CONSULTORIA EMPRESARIAL

MASTERCARNES

MEDEIROS, EMERICK & ADVOGADOS ASSOCIADOS 10

MORAR ASSESSORIA E EMPREENDIMENTOS 78

NOVILHO NOBRE INDUSTRIA E COMERCIO DE

PAVIN FERTIL INDUSTRIA E TRANSPORTE LTDA

PECCIN AGRO INDUSTRIAL LTDA

PRIMOCAL IND

PRIMOR BEEF – JJZ ALIMENTOS

RADIO CASTRO LTDA

SANTA ANA COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA

SEARA ALIMENTOS LTDA

SIMÃO SOCIEDADE DE ADVOGADOS LTDA

SMARTMEAL COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA

SUB ROYAL COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA

SUPERINTENDENCIA FEDERAL DE AGRICULTURA

SERVIÇO DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA

UNIDADE DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA

UNIDOS COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA

UNIFRANGOS AGROINDUSTRIAL S

BREYER E CIA LTDA

FABRICA DE FARINHA DE CARNE CASTRO LTDA

LOGISITICA DISTRIBUIDORA LTDA

TRANSFRIOS TRANSPORTE LTDA

PECIN AGROINDUSTRIAL LTDA

CENTRAL DE CARNES PARANAENSE

WEGMED – CAMINHOS MEDICINAIS LTDA

ARTACHO CASINGS

INDUSTRIA E COMERCIO DE COUROS BRITAL

MORRETES AGUA MINERAL LTDA

MAPA – Esplanada dos Ministérios (local em que se encontra

Silas Malafaia é alvo de condução coercitiva pela PF

A Operação Timóteo analisa o pagamento de royalties de exploração mineral. O líder religioso, ligado à Assembleia de Deus, é suspeito de lavagem de dinheiro – ele teria emprestado contas da igreja para ocultar a origem de valores usados no esquema de corrupção.

O nome da operação da POLÍCIA FEDERAL hoje é referência a uma passagem do livro Timóteo, da Bíblia:

operação

 

Ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho é preso pela Polícia Federal

O secretário de Governo de Campos e ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, acaba de ser preso pela Polícia Federal de Campos, no apartamento em que ele mora, no Flamengo, no Rio de Janeiro, na Rua Senador Vergueiro. O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Glaucenir Silva de Oliveira.

Segundo informações do jornal O Globo, a prisão seria resultado das investigações da Operação Chequinho que investiga a compra de votos durante a eleição do dia 2 de outubro.

Em outubro passado, a PF já havia prendido dois vereadores em Campos, no Norte Fluminense, suspeitos de fraudar um programa assistencial em troca de votos. A Operação Chequinho teve o objetivo de combater crimes eleitorais no município.

Ozéias Azeredo Martins e Miguel Ribeiro Machado, vulgo Miguelito, ambos reeleitos na última eleição, são suspeitos de praticar, entre outros crimes, corrupção ativa e passiva eleitoral e formação de quadrilha para cometer corrupção eleitoral, de boca de urna e de fornecimento de alimentação ilegal.

Foram cumpridos oito mandados de prisão temporária, oito mandados de busca e apreensão e uma ordem de condução coercitiva. As prisões temporárias serão de cinco dias, prorrogáveis por mais cinco, e os detidos serão conduzidos ao Sistema Penitenciário de Campos.

‘Hipster da Federal’ é afastado do cargo após exposição em redes sociais e programa de TV

O agente da Polícia Federal Lucas Valença, que ganhou fama repentina ao escoltar Eduardo Cunha durante a prisão do ex-deputado, foi afastado do cargo e vai tirar férias forçadas. A informação foi divulgada pelo colunista Ancelmo Góis, do jornal O Globo, e confirmada por Luís Boudens, presidente da Federação Nacional dos Policias Federais.

O motivo da punição teria sido a grande exposição em veículos de comunicação e redes sociais após a prisão de Cunha em Curitiba, na semana passada. O estilo do rapaz chamou atenção e suas fotos na praia com os amigos e com os cachorros de estimação viralizaram na internet. Após o episódio, policiais foram orientados a usar máscaras nas prisões de maior repercussão. 

Nesta segunda-feira (24), o ‘hipster da federal’ foi convidado do programa Encontro com Fátima Bernardes e riu quando a apresentadora perguntou se houve alguma turbulência no voo entre Rio de Janeiro e Curitiba. 

No programa, ele falou sobre a repercussão da fama repentina. “Tinha uns mil amigos e agora tem mais de 200 mil. Não consigo mais responder para todo mundo.”

Assista:

‘Hipster da Federal’ vai responder a processo disciplinar após aparecer no programa ‘Encontro’

Após conceder entrevistas e participar de programas de TV, Lucas Valença, o “hipster da Federal”, vai receber um processo disciplinar da Polícia Federal (PF) por desrespeitar as normas da instituição.  
 
Na manhã desta segunda-feira (25), Valença foi um dos convidados no programa “Encontro com Fátima Bernardes”, da TV Globo. Questionado sobre o trabalho, o policial disse que não poderia falar detalhes sobre sua rotina, no entanto, confirmou com a cabeça que acompanhou Cunha no voo. Segundo a PF, os membros da corporação não têm autorização para dar declarações relacionadas ao trabalho no órgão sem consentimento da própria instituição. 
 
No palco, o agente ainda falou sobre a fama repentina após escoltar o deputado cassado Eduardo Cunha para o embarque no avião da PF, que levou o ex-presidente da Câmara dos Deputados a Curitiba.
 
Natural da cidade de Posse, região Norte de Goiás, Lucas disse que após toda a repercussão “vai dar um tempo” nas redes sociais.
 
Para evitar novas polêmicas, a PF determinou o uso de máscaras dos agentes durantes as operações.
 

Após sucesso na web, ‘hipster da Federal’ manda recado sobre prisão de Eduardo Cunha: ‘honrado’

O goiano Lucas Valença, que ganhou fama instantânea durante a prisão do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, quebrou o silêncio e postou um vídeo comentando a repercussão nas redes sociais. Apelidado de “hipster da Federal”, ele conquistou milhares de fãs e seguidores após escoltar Cunha.

Sem camisa, o policial publicou um vídeo em seu perfil pessoal no Instagram onde revela estar surpreso com a fama: “Bom dia galera, eu nem sei bem por onde começar. Não tinha aparecido até hoje porque estou surpreso com toda essa repercussão e tudo isso que está acontecendo“, explicou. Nas redes sociais, o rapaz já acumula mais de 192 000 de seguidores. 

O post foi feito na manhã deste sábado (22).

Assista:  

Agentes da PF usam máscara após episódio do ‘Lenhador da Federal’

Após a repercussão da aparência de um dos agentes que participaram da prisão de Eduardo Cunha, que ganhou notoriedade na internet como “Lenhador da Federal”, policiais que participam da Lava Jato foram orientados a usar máscaras para evitar a exposição. O acessório já foi usado para a escolta do ex-presidente da Câmara ao IML (Instituto de Medicina-Legal) na quinta (20), onde ele realizou exame de corpo de delito. 

Segundo o jornal Folha de São Paulo, a orientação foi para “evitar exposição” – tal como a do agente que foi apelidado em redes sociais como “Lenhador da PF” e atuou na prisão de Cunha, em Brasília, no dia anterior.

A assessoria da PF nega e diz que é prerrogativa dos policiais usarem ou não a balaclava, como ocorreu em operações anteriores.

Muitos agentes preferem vestir a máscara porque precisam do anonimato, por trabalharem infiltrados ou em regiões de conflito.

Antes do caso do “Lenhador”, outro policial federal havia ganho notoriedade com a exposição em escoltas da Operação Lava Jato.

Newton Ishii, conhecido como “Japonês da Federal”, virou tema de uma marchinha de Carnaval e foi lembrado em protestos.