A importância da música para idosos com demência

A música para idosos com demência se revela uma estratégia terapêutica promissora que pode trazer mais qualidade de vida para quem sofre dessa doença, segundo estudos recentes.

rodrigosouza
Por rodrigosouza
bigstock Man Listening to Music 70294591 1
Foto: webstudy

A demência, um desafio crescente na sociedade contemporânea, é marcada pelo declínio cognitivo e funcional, afetando a vida diária dos afetados. No entanto, uma estratégia alternativa de tratamento está ganhando destaque: a música para idosos com demência.

Além de proporcionar momentos de prazer, a música oferece uma série de benefícios que vão desde a redução do estresse até o estímulo da memória. Não deixe de ler até o final e amplie os seus conhecimentos a respeito deste assunto.

Estatísticas alarmantes e um alerta para o futuro

Segundo estudos da Global Burden of Disease publicados no Lancet Public Health, o Brasil enfrentará um aumento significativo no número de casos de demência até 2050, projetando um aumento de 206%. Isso coloca em evidência a urgência de explorar abordagens terapêuticas alternativas, como a música para idosos com demência, para enfrentar esse desafio de saúde pública.

Nessa abordagem, ela serve como uma importante ferramenta de resgate de memórias.
O poder da música em evocar memórias é um dos seus aspectos mais fascinantes. Para os idosos com demência, isso pode ser especialmente significativo. Através das melodias, é possível reacender lembranças preciosas do passado, estabelecendo uma conexão profunda com a própria identidade e emoções.

Mas como incorporar a música na rotina de quem tem demência?

Pequenas mudanças na rotina podem ter um impacto significativo na qualidade de vida dos idosos com demência. Especialistas recomendam reservar alguns minutos do dia para desfrutar de uma boa música. Esses momentos não só proporcionam prazer, mas também estimulam a saúde mental e, quando combinados com a dança, até mesmo a saúde física. Por isso, a música para idosos com demência é importantíssima, já que ela pode transformar comportamentos.

Os efeitos positivos da música são visíveis no dia a dia dos idosos. A prática regular de ouvir música permite uma expressão emocional mais fluida, auxiliando na gestão de sentimentos muitas vezes reprimidos. Além disso, os níveis de estresse tendem a diminuir, e o humor pode ser transformado, oferecendo uma resposta mais serena aos estímulos externos. E tudo isso deixa a convivência familiar menos penosa.

A música como aliada na jornada com demência

Em suma, a música para idosos com demência não é apenas um passatempo agradável, mas uma poderosa ferramenta terapêutica na jornada dos idosos portadores dessa doença. Seja evocando memórias preciosas, proporcionando momentos de prazer ou auxiliando na expressão emocional, uma boa música se destaca como uma aliada valiosa na busca por uma melhor qualidade de vida para aqueles que enfrentam essa condição desafiadora.

Confira também: 

Conheça os amigos de quatro patas que são grandes companheiros na terceira idade

Quanto custa viajar? Descubra como planejar os gastos com a sua viagem

8 aromas que podem te trazer bem-estar

Trabalhar sentado se revela um perigo para a saúde, segundo estudo

Quer receber nossas dicas e notícias em primeira mão? É só entrar em um dos grupos do Curta Mais. Basta clicar aqui e escolher.