Cidade goiana tem tesouros perdidos às margens do Rio Araguaia

Localizada a 418km de Goiânia e a 630km de Brasília, Goiás abriga uma série de cidades que guardam verdadeiros tesouros da natureza, e uma delas se destaca pela sua riqueza histórica e ambiental. Com apenas cerca de 5 mil habitantes, segundo dados do IBGE de 2020, a cidade de Baliza encanta com sua atmosfera tranquila e seus atrativos únicos, que vão desde paisagens naturais exuberantes até monumentos históricos preservados.

A proximidade com o Rio Araguaia, a apenas 1km de distância, confere à cidade uma beleza natural incomparável. Suas margens são repletas de biodiversidade, oferecendo oportunidades para atividades como pesca, passeios de barco e observação da fauna e flora locais. Os entusiastas da natureza encontrarão neste cenário um verdadeiro paraíso intocado, onde a tranquilidade e a beleza se unem de forma harmoniosa.

Além de sua exuberante natureza, a cidade também possui um passado marcado por momentos históricos significativos. Durante o auge do Garimpo, foi um importante centro de atividade econômica na região, contribuindo para a sua relevância no cenário estadual. Personalidades ilustres, como o Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon em 1930 e a família real brasileira em 1936, deixaram suas marcas na história local, evidenciando a importância e o prestígio da cidade.

Outro marco histórico que ressoa até os dias atuais é a visita do interventor federal Dr. Pedro Ludovico em 1940, que trouxe consigo um legado de desenvolvimento e progresso para a região. Esses episódios históricos não apenas enriquecem o patrimônio cultural da cidade, mas também proporcionam aos visitantes uma oportunidade única de mergulhar na história do Brasil e compreender sua evolução ao longo do tempo.

Entre os pontos turísticos mais destacados da cidade, destacam-se os monumentos históricos que remontam aos tempos coloniais, como igrejas centenárias e casarões preservados, que transportam os visitantes para uma época de grandeza e elegância. Além disso, trilhas ecológicas, cachoeiras e mirantes oferecem aos aventureiros a chance de explorar a natureza intocada da região, revelando paisagens de tirar o fôlego e experiências únicas de contato com o meio ambiente.

Em suma, essa pequena cidade esconde uma riqueza incomparável, tanto em termos de patrimônio natural quanto histórico. Conhecer seus tesouros é embarcar em uma jornada de descoberta e encantamento, onde cada experiência revela um novo aspecto da sua singularidade e beleza.

História

Pequena cidade com cerca de 4 mil habitantes, banhada pelo Rio Araguaia, cercada por lendas, mitos e histórias, Baliza, foi descoberta e povoada através de uma expedição garimpeira em 1924, que trouxe os garimpeiros Cosme e Borges pela existência de uma jazida de diamantes às margens do Ribeirão João Velhão. Já foram extraídas mais de 2000 (duas mil) toneladas de pedras preciosas que foram exportadas para o país inteiro.

Hoje, com a exploração do garimpo reduzida, sua economia baseia-se na prestação de serviços à prefeitura, agropecuária e turismo.

Mesmo com suas limitações, esta pequena cidade do noroeste goiano, de povo humilde e acolhedor, não perde sua essência e nem deixa morrer sua história. Lendas como a misteriosa construção da Capela Bom Jesus da Lapa e os caminhos deixados dentro do morro, por onde os garimpeiros passavam, se houve muitos relatos de sons e de fatos que ali ocorreram.

Por estes e muitos outros motivos, vale a pena conhecer essa terra envolta por mistérios e encantos, cujas belezas naturais são de encher os olhos e o caminhar por suas ruas estreitas cercadas de antigos casarões é uma verdadeira viagem ao passado.

Turismo

Baliza esconde vários espetáculos naturais, alguns deles quase intocáveis. Regiões turísticas pouco exploradas, mas que são verdadeiros paraísos de Goiás. Cânions, cachoeiras, corredeiras, construções histórias e ruas de pedras fazem parte deste cenário incrível.

Confira os principais pontos turísticos da cidade:

Capela Bom Jesus da Lapa

Construída na época do garimpo no meio da passagem dos garimpeiros, para evitar que destruíssem mais as terras por onde passavam. Há uma lenda que diz ser “mal assombrada”.

11de4419bf6143a8b02537faf7b86883.png

Imagem: Reprodução/Jhonatas Barbosa

a16bb3744125c25cf33ca032a86cc746.png
Capela depois da reforma. (Imagem: IvanTv/Pinterest)

Igreja Matriz São Sebastião

d289b367260e8f5a1721e6df98100f98.jpg

Imagem: Reprodução/Jhonatas Barbosa

Ruas de Pedras e Casarões Antigos

1fe4fe42c96571db194db2c7f2b87fe9.jpeg

2b06bf519114d1528476aa21ae45a349.jpegImagem: Conheça Goiás/Youtube

Festa Filhos de Baliza

7c25d9f3c6ede3a95d55279e7c224d70.jpg(Imagem: Prefeitura)

Procissão luminosa da Festa em Louvor à Bom Jesus da Lapa

ebdc87a2713344ca6df78f8b31bc6cc4.jpg

ff91e2b4434ff41bf065c7049fc6f00a.jpgImagens: Niratan Fotografia

Cachoeira do encantado

c0695ece0c9bbfd565451c759d991a28.jpgImagem: Niratan Fotografia

36329500a25b89e1e3e21242abd671ba.jpgImagem: Roncador Expedições

Córrego das Perdizes

e856cc2421773c3b9bfa8fba4fc4c67c.jpg
2759ffd0cd46a2c19a0949ebdccee8c1.jpg
Imagens: Niratan Fotografias

Córrego da Pedra Branca

0393b512874edfe614b51f5614b704f8.jpgImagem: Tracajá Ecoaventuras

Pontos Turísticos do Rio Araguaia

Várias corredeiras e correntesas fazem deste espetáculo um espaço ótimo para práticas de esporte em barco.

5e001917511445e0ff85ac9d0c72b7ed.jpegImagem: Conheça Goiás/Youtube

Pedra da Baliza

O nome Baliza, presta homenagem a uma rocha de 5m de altura situada no meio do Araguaia.

09e535f91e702e147f6ac238d597cc19.jpgImagem: Prefeitura

Piscinas naturais e quedas d’água do Rio Araguaia

ed6f0a461642747b2186686fe310468e.jpg
3ba89ff75e4c82fba0476e8bef6cb017.jpeg
Imagens: Niratan Fotografia

Cânions do Rio Araguaia

Estrutura rochosa formada milenarmente pelos ventos e águas, os cânions de Baliza desenvolvem-se em paredões de aproximadamente 6 metros de altura, podendo chegar a 50m, delineando caminhos estreitos para a passagem do rio.

3106f74199b612f26ed57fd2eb6a6b19.jpgImagem: Conheça Goiás/Youtubbe

608c8e3c7b379eaf1847a326a4db2b9a.jpgImagens: Niratan Fotografia

Salto do Paraguassú

Cachoeira com queda livre de 94 metros em meio à pedras rochosas, formando um lindo arco-íris ao refletir o sol.

6f03a69c8beca9de49253af2996d58fe.jpegImagem: Caiaques e Trilhas Antonio

42a65b51bbe7edc467d420a0242dbb32.jpgImagem: Internet/Reprodução

572fc662da7e0429170318ce15bc04ea.jpgImagem: Marcos Lemos

Localização:

Quer receber nossas dicas e notícias em primeira mão? É só entrar em um dos grupos do Curta Mais. Basta clicar AQUI e escolher.

Foto de capa: Reprodução/Caiaques e Trilhas Antonio

Leia também:

Cidade goiana ganha primeiro lugar em empreendedorismo com destaque para gastronomia

Cidade goiana com o maior número de motéis da América Latina é um verdadeiro refúgio do pecado

Divisa do Tocantins e Goiás tem um paraíso apaixonante e intocado chamado de Serras Gerais

Em um país repleto de destinos turísticos renomados, as Serras Gerais, situadas no estado do Tocantins, emergem como uma jóia ainda pouco explorada. Distante dos holofotes do turismo de massa, esta região fascina com suas paisagens naturais de tirar o fôlego, uma biodiversidade exuberante e um rico patrimônio cultural.

As Serras Gerais, situadas no sudeste do Tocantins, são uma verdadeira joia natural e cultural. Suas imponentes formações de arenito desenham um cenário deslumbrante, repleto de cânions, grutas e escarpas únicas. Destacam-se a Serra do Espírito Santo, no Parque Estadual do Jalapão, como um dos principais cartões-postais da região.

A diversidade biológica das Serras Gerais é notável, com uma flora adaptada ao clima semiárido, destacando-se espécies como buriti, pequi e caju, típicas do cerrado. A fauna é igualmente rica, abrigando desde o majestoso lobo-guará até aves de rapina e répteis. O local é um paraíso para observadores de aves, com espécies únicas do ecossistema cerrado.

A herança cultural das Serras Gerais remonta aos povos indígenas como os Karajá e Xerente, que habitavam a região antes da colonização europeia. Com a chegada dos colonizadores, surgiram comunidades quilombolas, mantendo vivas suas tradições até hoje. As festas religiosas, como a Festa do Senhor do Bonfim, são um exemplo da riqueza cultural local, combinando elementos religiosos com manifestações artísticas e culinárias típicas.

A região das Serras Gerais é composta por diversos municípios, incluindo Arraias, Almas, Aurora do Tocantins, Dianópolis, Natividade, Lavandeira, Rio da Conceição, Combinado e Taguatinga. O turismo na região está crescendo, com atividades variadas como trilhas, rapel, escalada, observação de aves, passeios de 4×4 e visitas às comunidades quilombolas. Há um esforço contínuo para promover o turismo sustentável e conscientizar sobre a importância da conservação ambiental, garantindo que as futuras gerações possam desfrutar dessas maravilhas naturais e culturais.

  1. Atrações Turísticas Principais:

As águas cristalinas das cachoeiras, como a Cachoeira do Soninho e o Rio Azuis, são convites à aventura e relaxamento. Estas áreas naturais, de acesso variável, oferecem atividades como banhos refrescantes, mergulho e canoagem. As trilhas nas Serras Gerais são um paraíso para caminhantes e observadores de aves. Percursos como a Trilha do Mirante proporcionam uma imersão na natureza e vistas espetaculares.

A riqueza cultural da região se manifesta em suas festas tradicionais, como a Festa do Divino Espírito Santo, além da culinária local, que mistura sabores indígenas e sertanejos, e um artesanato rico em cores e formas.

  1. Turismo Sustentável e Desafios:

No contexto do turismo sustentável nas Serras Gerais, Tocantins, há uma série de desafios e oportunidades que estão sendo abordados para impulsionar a região como um destino turístico promissor, ao mesmo tempo em que se preserva sua riqueza natural e cultural.

Desafios de Infraestrutura e Acessibilidade:

A infraestrutura turística nas Serras Gerais é uma área que precisa de atenção significativa. Os desafios incluem a melhoria das condições das estradas de acesso aos atrativos turísticos, aprimoramento da sinalização turística, e desenvolvimento de rotas integradas que conectem as diversas atrações da região. Há um esforço coletivo, envolvendo entidades como o Sebrae, para promover o turismo sustentável e fortalecer a economia regional, focando na melhoria da infraestrutura e acessibilidade​​.

Preservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Econômico Local:

A preservação da biodiversidade local é uma prioridade nas Serras Gerais, dada a riqueza de sua fauna e flora. Paralelamente, o turismo é visto como um catalisador para o desenvolvimento econômico local, trazendo benefícios para as comunidades. No entanto, é fundamental que esse desenvolvimento ocorra de maneira participativa, envolvendo as comunidades locais para garantir que os benefícios do turismo sejam compartilhados de forma justa e sustentável.

Políticas Públicas e Planejamento Participativo:

O Programa de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável (PDTIS) é uma iniciativa governamental que visa orientar o crescimento do turismo nas Serras Gerais com base em práticas sustentáveis. Este programa engloba ações de planejamento e organização do turismo, políticas públicas em turismo e estratégias de desenvolvimento do turismo, com um enfoque especial na participação comunitária. A ideia é contribuir para o desenvolvimento dos municípios da região das Serras Gerais, aproveitando suas potencialidades e promovendo uma nova realidade social, econômica e cultural​​.

A região das Serras Gerais, com seu vasto potencial turístico, enfrenta o desafio de desenvolver uma infraestrutura turística adequada e acessível, ao mesmo tempo em que se esforça para preservar seu ambiente natural e promover o desenvolvimento econômico local de forma sustentável. O envolvimento da comunidade local e a implementação de políticas públicas eficazes são essenciais para alcançar esses objetivos. A região se apresenta como um exemplo notável de como o turismo pode ser um aliado do desenvolvimento sustentável

  1. Futuro do Turismo na Região:

O futuro do turismo nas Serras Gerais, no Tocantins, é promissor, com diversos planos e projetos governamentais em andamento para promover o turismo sustentável e valorizar a cultura local. Uma dessas iniciativas é o projeto “Tocantins + Turismo”, lançado pelo Sebrae em parceria com o Governo do Estado. Este projeto visa beneficiar 600 empreendedores diretamente e mais de mil indiretamente, abrangendo setores como agro, logística, além do turismo. A transversalidade e a integração de diferentes secretarias e sistemas são fundamentais nesse processo de desenvolvimento socioeconômico​​.

Além disso, um plano de retomada do turismo foi elaborado para a região das Serras Gerais, com foco em estabelecer diretrizes de enfrentamento à Covid-19. Este plano inclui protocolos criteriosos de higiene pessoal, segurança sanitária, distanciamento social e sanitização de ambientes, visando garantir a qualidade e segurança nos atendimentos aos turistas. O plano envolve a participação de prefeituras, parceiros como a Universidade Federal do Tocantins (UFT), Sebrae e Adetuc, e é fundamental para a retomada segura das atividades turísticas na região​​.

Outra ação importante é a entrega da sinalização turística das Serras Gerais pelo Governo do Tocantins, que contribui para a integração da região ao maior corredor de ecoturismo do Brasil, abrangendo destinos como Chapada dos Veadeiros, Jalapão e Chapada das Mesas. Essa integração visa ampliar a permanência do turista no destino e gerar mais renda para a comunidade local através da atividade turística​​.

Especialistas e stakeholders locais, como o diretor técnico do Sebrae, destacam a importância da parceria entre o Sebrae e o Governo do Estado, enfatizando que essa colaboração aumenta as chances de resultados expressivos no desenvolvimento do turismo na região. A atuação conjunta é vista como um meio de multiplicar recursos e benefícios para empresários, turistas e potenciais investidores​​.

Em suma, o futuro do turismo nas Serras Gerais se apresenta com grande potencial, combinando esforços governamentais, expertise do Sebrae e a participação ativa da comunidade local. Essas iniciativas são fundamentais para promover um turismo responsável e sustentável, preservando o patrimônio natural e cultural dessa região única do Brasil.

Leia também:

Cidade do interior do Tocantins é reduto dos goianos apaixonados por carnaval de rua

Deserto no Nordeste do brasil tem oásis apaixonantes e dunas que tiram os fôlego dos turistas
Serras Gerais: Um paraíso exuberante bem pertinho de Goiás

Amazônia brasileira guarda um santuário de biodiversidade e beleza inexplorada simplesmente fantástico

O Amapá,  localizado na Amazônia  brasileira, é um dos estados mais preservados do país e abriga verdadeiros tesouros escondidos em seu extremo norte, oferecendo aventuras em locais pouco explorados e uma rica biodiversidade que surpreende até os viajantes mais experientes. Um dos destaques é o Parque Nacional do Cabo Orange, situado na foz do rio Oiapoque e abrangendo os municípios de Calçoene e Oiapoque. Este parque é um santuário da natureza que se estende por 619 mil hectares, protegendo uma variedade de ecossistemas desde mangues, campos inundáveis, cerrados, até florestas de terra firme e ecossistemas marinhos. Esta diversidade torna o parque único, sendo tanto continental quanto marinho, com cerca de 200 mil hectares sob águas oceânicas​​.

O Parque Nacional  Cabo Orange

O Parque Nacional do Cabo Orange, com sua vasta extensão de 657.318 hectares, oferece uma notável diversidade de ecossistemas que vão desde manguezais até campos inundáveis, florestas de terra firme, e áreas marítimas. Situado na foz dos rios Oiapoque e Uaçá, na fronteira com a Guiana Francesa, o parque desempenha um papel crucial na proteção da biodiversidade única da região amazônica, incluindo espécies ameaçadas como o gato-do-mato (Leopardus tigrinus) e a tartaruga-verde (Chelonia mydas)​​​​​​.

Criado em 15 de julho de 1980, o parque não apenas protege uma importante variedade de habitats terrestres e marinhos, mas também serve como área essencial para a pesca, sustentando algumas das pescarias mais importantes do Brasil. Entre as espécies protegidas, encontram-se o tatu-canastra (Priodontes maximus), o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), a onça-pintada (Panthera onca), e várias outras, reforçando o papel do parque na conservação de fauna crítica. Além disso, a região foi designada como um Sítio Ramsar em 2013, reconhecendo-a como uma área úmida de importância internacional​​.

Além de sua importância ecológica, o Cabo Orange é uma região de significativo valor histórico e cultural, marcado pelas ocupações de diversas populações indígenas e disputas coloniais. Este patrimônio histórico-cultural, junto à sua biodiversidade excepcional, faz do parque um local de grande interesse para a conservação, pesquisa científica, educação ambiental e eco-turismo​​​​​​.

O acesso ao parque é desafiador, exigindo uma viagem por barco, mas oferece aos visitantes uma experiência única de imersão na natureza praticamente intocada. A visitação, embora não seja proibida, requer autorização prévia, visando a proteção dos ecossistemas vulneráveis e a promoção do turismo sustentável na região​​.

A flora do parque é marcada pela presença de significativas espécies de manguezal, como a siriúba (Avicenia nitida), o mangue-vermelho (Rhizophora mangle) e o mangue-amarelo (Laguncularia sp.), além de vastas áreas de campos cobertos por gramíneas. A fauna é igualmente diversificada, com destaque para as tartarugas, o peixe-boi (Trichechus inunguis), e uma rica avifauna que inclui espécies como o guará (Eudocimus ruber)​​.

O parque não só possui uma relevância ecológica, devido à proteção de espécies ameaçadas e a conservação dos ecossistemas, mas também uma rica herança cultural e histórica, refletindo o legado das populações indígenas, além das influências dos colonizadores europeus. Em 2013, o PNCO foi designado como um Sítio Ramsar, reconhecendo sua importância como uma área úmida de relevância internacional, o que facilita o acesso a fundos internacionais e apoio para pesquisa e conservação​​.

Embora o parque ofereça uma oportunidade única para a observação da natureza e aventura em uma das áreas mais preservadas da Amazônia, a infraestrutura para turismo ainda está em desenvolvimento. Visitantes interessados devem buscar autorização prévia, especialmente para atividades como o turismo comunitário, que se encontra em fase de experimentação. A melhor época para visitar vai de agosto a dezembro, quando há menos chuvas e as condições dos caminhos são mais favoráveis​​​​.

Leia também:

Duelo cultural faz a Amazônia dançar ao som do Boi-Bumbá

Na Amazônia, extraordinária e rara pérola do Tapajós guarda Caribe da Amazônia

 

Revelamos o segredo da cidade goiana onde as águas contam histórias e levam para a Ilha do Bananal

São Miguel do Araguaia, localizada a aproximadamente 476 km de Goiânia, no noroeste do estado de Goiás, é uma cidade que surpreende pela beleza natural e sua proximidade com a Ilha do Bananal, a maior ilha fluvial do mundo. Este destino é um convite àqueles interessados em explorar paisagens naturais impressionantes, praias de água doce e uma rica biodiversidade.

A cidade serve como ponto de acesso à Ilha do Bananal, um santuário ecológico que se destaca pela sua vasta fauna e flora, situada na confluência entre o Cerrado e a Floresta Amazônica. A ilha é famosa por abrigar parques nacionais e reservas indígenas, proporcionando um cenário ideal para atividades de ecoturismo, como trilhas, canoagem, pesca e observação de aves. Durante os meses de maio a setembro, o período de estiagem forma belas praias fluviais e é considerado o melhor momento para visitação, oferecendo oportunidades para camping e avistamento de animais silvestres​​​​.

Além do ecoturismo, São Miguel do Araguaia é conhecida por suas praias fluviais ao longo do Rio Araguaia, oferecendo locais perfeitos para banho e relaxamento. O distrito de Luiz Alves, em particular, é um destino procurado por barcos-hotéis e pesca esportiva, além de ser um excelente ponto para observação da fauna e flora local. A cidade ainda mantém tradições culturais, como a Cavalgada Ecológica, que permite aos visitantes uma imersão na cultura e nas paisagens da região​​​​.

Com uma infraestrutura voltada para o turismo e a aventura, São Miguel do Araguaia apresenta diversas opções de hospedagem que atendem a diferentes perfis de visitantes, garantindo conforto após um dia inteiro de exploração. Desde hotéis até pousadas, os visitantes podem desfrutar da hospitalidade goiana e de uma gastronomia rica, característica da região​​​​.

Em suma, São Miguel do Araguaia é um destino que promete aventuras inesquecíveis em meio a paisagens naturais de tirar o fôlego. Seja explorando a Ilha do Bananal, relaxando nas praias fluviais do Rio Araguaia ou participando de tradições locais, os visitantes certamente terão experiências memoráveis.

Conheça mais detalhes sobre a cidade na matéria abaixo:

 

Conheça a cidade goiana que tem acesso a maior ilha fluvial do mundo

Foto: Prefeitura de São Miguel do Araguaia

Enquanto muitos associam o estado apenas a paisagens serranas do Cerrado, essa cidade encanta com seu potencial turístico aquático.

 

Praias de Água Doce e Pôr do Sol Deslumbrante

Conheça a cidade goiana que tem acesso a maior ilha fluvial do mundo

Foto: Prefeitura de São Miguel do Araguaia

As praias de São Miguel do Araguaia, localizadas às margens do Rio Araguaia, não apenas proporcionam um refúgio refrescante nos dias quentes, mas também se destacam como cenários magníficos para admirar o pôr do sol. A cidade, situada a cerca de 476 km de Goiânia, tornou-se um destino popular tanto para os habitantes locais quanto para visitantes em busca de tranquilidade, beleza natural e aventuras ao ar livre​​.

Uma das atividades mais emblemáticas da região é a pesca esportiva, especialmente no distrito de Luiz Alves, conhecido por ser um ponto estratégico para essa prática. Os amantes da pesca encontram nas águas do Araguaia uma diversidade de espécies, incluindo o imponente piraíba, peixe que demanda habilidade e paciência para ser capturado. A região abriga uma grande quantidade de pequenos peixes, tornando-se o habitat perfeito para os predadores. Luiz Alves oferece diversas opções de hospedagem que atendem a todos os gostos e orçamentos, muitas das quais incluem na diária serviços como canoa, motor, piloteiro e iscas​​.

Para aqueles interessados em vivenciar a beleza das praias fluviais de São Miguel do Araguaia, o período entre maio e setembro é considerado ideal, graças à estiagem que forma praias encantadoras ao longo do rio. Essas praias são equipadas com quiosques e infraestrutura para garantir o conforto dos visitantes, tornando-as locais perfeitos para relaxar, nadar e apreciar a natureza​​.

Além disso, São Miguel do Araguaia é um ponto de partida para explorar a Ilha do Bananal, a maior ilha fluvial do mundo, que promete aventuras ecológicas em meio a uma rica biodiversidade. A cidade e seus arredores oferecem uma combinação única de atividades culturais e ecológicas, fazendo dela um destino intrigante para todos os tipos de turistas​​.

Quem deseja conhecer essa região encantadora tem como opções de chegada as cidades de Goiânia ou Palmas, de onde é recomendado alugar um veículo para explorar a área com maior liberdade. As estradas e a proximidade de outras cidades turísticas, como Aruanã, tornam São Miguel do Araguaia acessível e convidativo para uma visita​​.

 

Saiba mais sobre o acesso da cidade goiana à maior ilha fluvial do mundo

Conheça a cidade goiana que tem acesso a maior ilha fluvial do mundo

Foto: Prefeitura de São Miguel do Araguaia

São Miguel do Araguaia, situada no noroeste goiano, serve como principal acesso à notável Ilha do Bananal, localizada no território do Tocantins, mas integrada ecologicamente e culturalmente à região de São Miguel. Esta ilha, a maior fluvial do planeta, é um tesouro ecológico que atrai visitantes em busca de contato autêntico com a natureza preservada e a rica cultura indígena​​.

Com a partida de embarcações de São Miguel do Araguaia, turistas têm a oportunidade única de se aventurar por esse santuário natural, que se destaca pela sua biodiversidade extraordinária. A Ilha do Bananal é lar de uma ampla gama de espécies de fauna e flora características das regiões do Centro-Oeste e Norte do Brasil, oferecendo uma janela para a complexidade e beleza dos ecossistemas brasileiros.

A presença de comunidades indígenas, incluindo os povos Javaé, Karajá e Xambioá, acrescenta uma dimensão cultural profunda à experiência na Ilha do Bananal. Com uma população de cerca de 2 mil indígenas, esses grupos conservam tradições e modos de vida que estão intrinsecamente ligados à terra e aos recursos naturais ao seu redor​​.

Explorar a Ilha do Bananal a partir de São Miguel do Araguaia não é apenas uma jornada através de paisagens naturais deslumbrantes; é também um mergulho no coração cultural do Brasil, onde a natureza e a humanidade coexistem de maneira exemplar. Essa interação harmoniosa entre os povos indígenas e o ambiente natural faz da visita à Ilha do Bananal uma experiência inesquecível para quem busca entender e apreciar a riqueza cultural e ambiental do Brasil.

 

Praias do Araguaia: Um Refúgio Natural com Infraestrutura Confortável

Conheça a cidade goiana que tem acesso a maior ilha fluvial do mundo

Foto: Prefeitura de São Miguel do Araguaia

As praias fluviais do Rio Araguaia vão além de ser um convite irresistível para um mergulho refrescante nas águas doces. Estas praias são dotadas de infraestruturas pensadas para o bem-estar dos visitantes, incluindo quiosques bem equipados e diversas comodidades, garantindo que cada momento seja desfrutado com o máximo conforto. Esses espaços são cuidadosamente organizados para atender às necessidades dos turistas, oferecendo desde alimentos e bebidas até espaços para relaxamento​​​​.

A experiência de banhar-se nas águas do Araguaia é enriquecida pela oportunidade de se deleitar com o espetáculo do pôr do sol, um momento em que o céu se pinta de cores vibrantes e a natureza ao redor parece parar para admirar. Os visitantes encontram nas praias do Araguaia o cenário perfeito para momentos de contemplação e apreciação da beleza natural que as rodeia​​​​.

A combinação de belezas naturais, infraestrutura acolhedora e a magia do entardecer transforma as praias do Araguaia em destinos imperdíveis para aqueles que percorrem o turismo na região. Elas representam um dos muitos tesouros escondidos ao longo deste magnífico rio, proporcionando uma parada obrigatória para quem busca experiências turísticas autênticas e memoráveis​​​​.

Portanto, seja para os entusiastas da pesca esportiva, amantes da natureza ou aqueles em busca de um momento de paz e beleza, as praias do Rio Araguaia oferecem um refúgio ideal. Com uma estrutura pensada para o conforto e a satisfação dos visitantes, aliada à beleza cênica do lugar, garantem uma experiência turística enriquecedora e inesquecível.

 

Explorando o Parque Estadual do Cantão

Conheça a cidade goiana que tem acesso a maior ilha fluvial do mundo

Parque Estadual do Cantão, no Tocantins. Foto: To Pensando em Viajar

O Parque Estadual do Cantão, uma imensa reserva natural com 90 mil hectares localizada entre as cidades de Lagoa da Confusão e Pium, é um dos destaques da região Norte do Brasil, marcando-se como um destino imperdível para os amantes da natureza. Com sua impressionante coleção de mais de 1000 lagos, o parque é um convite aberto para aventuras aquáticas, como passeios de canoa ou caiaque, através dos quais é possível mergulhar na diversidade e na beleza da vegetação típica do cerrado, caracterizando-se como um verdadeiro santuário ecológico​​.

Dentro deste contexto natural extraordinário, São Miguel do Araguaia se posiciona como um ponto de interesse turístico singular no estado de Goiás. A cidade não só dá acesso à majestosa Ilha do Bananal, mas também está próxima ao Parque Estadual do Cantão, oferecendo um leque diversificado de atrações naturais que vão além das conhecidas praias litorâneas do país. São Miguel do Araguaia se revela como uma opção de escape para aqueles em busca de tranquilidade e da exploração das maravilhas naturais do Brasil, proporcionando uma experiência de contato íntimo com o ambiente natural​​​​​​.

Seja para desfrutar da calma e das águas refrescantes do Rio Araguaia ou para se aventurar pelos ecossistemas únicos que a região abriga, São Miguel do Araguaia apresenta-se como um tesouro oculto, aguardando ser descoberto por quem valoriza a natureza e a aventura. A cidade oferece uma oportunidade única de vivenciar a beleza preservada do Parque Estadual do Cantão e as peculiaridades de seu entorno, enriquecendo a experiência de turistas em busca de destinos menos convencionais e profundamente conectados à riqueza ambiental brasileira.

São Miguel do Araguaia emerge como um destino turístico único em Goiás, combinando praias fluviais, acesso à Ilha do Bananal e a beleza preservada do Parque Estadual do Cantão.

Essa cidade surpreendente oferece uma escapada tranquila para aqueles que buscam explorar as maravilhas naturais do Brasil além das praias tradicionais.

Seja para relaxar nas águas do Araguaia ou explorar ecossistemas únicos, São Miguel do Araguaia revela-se como um tesouro escondido pronto para ser descoberto pelos amantes da natureza e da aventura.

Mais sobre São Miguel do Araguaia

A região teve sua primeira exploração em 1952 com a chegada dos colonizadores: José Pereira do Nascimento, Lozorik Belém e Ovídio Martins de Souza, que ali adquiriram uma extensa área de terras dedicando-se à lavoura e criação de gado.

Um dos fatores que despertou a formação do povoado foi o ‘curandeirismo’ implantado por um dos pioneiros, que atraiu numerosas pessoas vindas em busca de cura para seus males físicos e espirituais.

Construíram-se as primeiras casas de adobe e pau-a-pique, em lugar dos ranchos primitivos, nas margens do ribeirão São Miguel, denominando-se o povoado Nascente de São Miguel.

Tempos depois, o Governo Estadual determinou a medição e divisão das terras adjacentes ao povoado, que, em lotes iguais, foram adquiridos por fazendeiros do sul do estado de Minas Gerais.

O maior impulso ao município foi dado no período de 1960 a 1963, quando milhares de colonos, das mais distantes regiões do país, chegaram para desbravar as matas, formando extensas lavouras e pastagens, incrementando, sobretudo, a pecuária, suporte econômico do município.

O topônimo é em homenagem ao santo padroeiro e ao rio pelo qual é banhado.

Leia também:

Conheça a cidade goiana onde o tempo sussurra histórias, poesias e sonhos

Cidade goiana de clima exótico e passado misterioso surpreende visitantes

Cidade goiana é um refugio apaixonante com águas quentes e muita beleza natural

Ninho de águas quentes e belezas naturais, Rio Quente se destaca como uma joia turística no coração de Goiás, Brasil. Este oásis termal não é apenas um destino para relaxamento e aventura, mas também um local repleto de histórias fascinantes e peculiaridades que encantam todos os visitantes. Ampliemos nossa exploração para descobrir as curiosidades que tornam Rio Quente uma escolha inesquecível para viajantes de todos os cantos.

Uma das principais maravilhas de Rio Quente são suas fontes de águas termais, que brotam do solo a temperaturas que variam entre 37ºC e 58ºC. Essas águas são conhecidas por suas propriedades terapêuticas, ricas em minerais que podem ajudar no tratamento de diversas condições de saúde, além de serem um convite irresistível para o relaxamento profundo.

Além de suas águas, Rio Quente é cercado por uma biodiversidade exuberante. A região é um verdadeiro santuário para diversas espécies de fauna e flora, algumas das quais são endêmicas e não podem ser encontradas em nenhum outro lugar do mundo. Os visitantes têm a chance de se conectar com a natureza, observando aves, macacos e uma variedade de vida selvagem em seu habitat natural.

Proximidade estratégica: acesso facilitado

Rio Quente é um município reconhecido por seu forte apelo turístico, situado no estado de Goiás. A cidade é famosa por abrigar o maior resort de águas termais do país, além de ser banhada pelo Rio Quente, conhecido por suas águas quentes naturais. Anualmente, atrai mais de um milhão e meio de turistas, incluindo visitantes estrangeiros, contribuindo significativamente para a economia local. A proximidade com grandes centros urbanos como Goiânia e Brasília, respectivamente a aproximadamente 170 km e 310 km de distância, facilita o acesso e intensifica o fluxo turístico, sendo crucial para o desenvolvimento econômico da região​​.

O município de Rio Quente está estrategicamente localizado próximo a Caldas Novas, formando juntas a maior estância hidrotermal do mundo. Com uma economia fortemente baseada no turismo, a cidade recebe um crescente número de visitantes internacionais e ostenta uma das maiores rendas per capita do Brasil. A região é caracterizada por seu clima tropical quente e úmido, propício para o turismo durante todo o ano, com uma temperatura média anual de 28°C. O acesso ao município é facilitado por rodovias bem conectadas, e a cidade oferece uma infraestrutura turística robusta, incluindo grandes hotéis, resorts, e parques aquáticos​​.

Além das famosas fontes termais, Rio Quente oferece uma variedade de atrações turísticas. O Hot Park, por exemplo, é um dos parques aquáticos mais conhecidos da região, com atividades para todas as idades, incluindo piscinas, toboáguas e rios de corredeiras. O Parque das Fontes é outro destaque, oferecendo aos visitantes banhos termais relaxantes em meio a uma paisagem natural exuberante. Para os aventureiros, o Eko Aventura Park propõe atividades como rafting, tirolesa e passeios de quadriciclo. Além disso, o município é cercado por uma bela paisagem natural, possibilitando aos visitantes explorar cachoeiras, rios e trilhas ecológicas​​.

A combinação desses fatores faz de Rio Quente um destino turístico altamente valorizado, tanto para relaxamento quanto para aventura, impulsionando a economia local através do turismo e reforçando a conexão com importantes cidades próximas, como Goiânia e Brasíl

Imersa no coração de Goiás, Rio Quente emerge como um santuário natural, onde as águas termais encontram a vasta biodiversidade, criando um cenário idílico para relaxamento e conexão com a naturez

Imersa no coração de Goiás, Rio Quente emerge como um santuário natural, onde as águas termais encontram a vasta biodiversidade, criando um cenário idílico para relaxamento e conexão com a naturez

Atrações que Encantam

Rio Quente é verdadeiramente um destino que sinônimo de lazer e diversão, destacando-se principalmente pelo Parque das Fontes e o Hot Park, que são as principais atrações turísticas da cidade.

O Parque das Fontes é uma experiência relaxante e rejuvenescedora, onde os visitantes podem desfrutar de piscinas, duchas, saunas, e ofurôs com águas quentes naturais, atingindo temperaturas de até 37,5ºC. Essas águas não só oferecem relaxamento mas também são conhecidas por suas propriedades terapêuticas. O parque, cercado pela exuberante Mata do Cerrado, é acessível 24 horas por dia, proporcionando uma experiência única tanto de dia quanto à noite, com bares molhados construídos dentro da água, permitindo que os visitantes desfrutem de petiscos e bebidas refrescantes sem sair das piscinas​​.

Já o Hot Park é um vibrante parque aquático que oferece mais de 15 atrações variadas, adequadas para todas as idades. Entre as atrações estão a Praia do Cerrado com ondas artificiais, piscinas interativas, toboáguas emocionantes, além de atividades como aulas de surf e espaços dedicados especialmente para as crianças. O parque é conhecido por estar em harmonia com a natureza, proporcionando não só diversão mas também a oportunidade de relaxar em meio à bela paisagem do cerrado. A compra de ingressos online oferece várias vantagens, como descontos significativos, e o parque opera de sexta a quarta-feira, das 10h às 17h​​​​.

Ambos, o Parque das Fontes e o Hot Park, complementam-se perfeitamente, oferecendo uma combinação de relaxamento nas águas termais e adrenalina nas atrações aquáticas. Eles representam o coração da oferta turística de Rio Quente, atraindo visitantes em busca de bem-estar, aventura, e contato com a natureza.

Natureza e Aventura

Além das famosas águas termais, a região de Rio Quente e Caldas Novas é um refúgio para os amantes da natureza, oferecendo uma variedade de atividades ao ar livre que destacam a beleza natural da área. O Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, situado entre os municípios de Caldas Novas e Rio Quente, é um exemplo notável, protegendo uma área significativa de vegetação do cerrado e desempenhando um papel crucial na recarga dos aquíferos que alimentam as nascentes de água mineral quente da região.

Este parque é ideal para quem busca experiências de ecoturismo, oferecendo trilhas que conduzem a cachoeiras deslumbrantes e mirantes com vistas panorâmicas da cidade de Caldas Novas. As trilhas são relativamente fáceis, mas podem ser quentes, então é recomendável fazê-las pela manhã. O contato com a rica biodiversidade local, especialmente para observação de aves (birdwatching), torna a visita uma experiência única para os entusiastas da natureza.

O Parque está aberto para visitação de terça a domingo, das 8h às 17h, cobrando uma pequena taxa de entrada. Além das trilhas, o parque oferece uma experiência educativa através da exploração da vegetação do cerrado e a oportunidade de relaxar nas cachoeiras após uma caminhada​​​​​​.

Explorar a Serra de Caldas Novas é, portanto, uma excelente maneira de complementar a experiência das águas termais da região, combinando relaxamento com aventura e conexão com a natureza.

 

Experiências Memoráveis

Em Rio Quente, os visitantes podem desfrutar de uma gastronomia rica, com pratos típicos da culinária goiana, além de uma variedade de hospedagens que vão desde hotéis luxuosos a pousadas aconchegantes. As noites na cidade são tranquilas, ideais para quem busca repouso após um dia repleto de atividades.

Um Destino Imperdível

Rio Quente é mais do que um destino turístico; é uma experiência de vida. Sua mistura única de relaxamento, aventura e beleza natural faz dela um lugar especial no mapa turístico brasileiro. Planeje sua visita e descubra por si mesmo por que esta cidade continua a cativar e encantar todos que passam por suas águas mornas e paisagens inesquecíveis.

Prepare-se para mergulhar em um mundo de águas quentes, natureza abundante e momentos inesquecíveis em Rio Quente, onde cada visita deixa uma marca eterna no coração dos viajantes

Leia também:

Saiba como aproveitar a Chapada dos Veadeiros com desconto de até 50%

Praia natural recém inaugurada fica na cidade goiana que tem a maior reserva de cristal do mundo

Caldas Novas além das águas quentes: Descubra serras, cachoeiras e uma Cultura apaixonante

Tesouro escondido no coração do Brasil transforma viajantes em exploradores da natureza selvagem

Dono da maior biodiversidade do planeta, o Brasil abriga destinos que se destacam pela exuberância de suas belezas naturais. No entanto, a tarefa de combinar a imersão na natureza preservada – por meio de trilhas, cachoeiras e paisagens encantadoras – com hospedagens acolhedoras, deslocamento eficiente entre os atrativos, infraestrutura turística, segurança e proximidade de uma capital com uma ampla oferta de voos, nem sempre é simples. Nesse cenário, destaca-se a Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, localizada a apenas 70 km de Cuiabá (MG). Este destino tem o poder de cativar diversos tipos de viajantes, desde os mais aventureiros até casais e famílias em busca de uma experiência tranquila em meio à natureza.

 

O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães é um tesouro nacional. Criado em 1989, protege uma imensa área de Cerrado com mais de mil espécies de plantas e animais, dez tipos de vegetação e diferentes formações geológicas, incluindo áreas de origem desértica e marinha. A região é de grande importância geológica, pois já foi mar e deserto ao longo de milhões de anos, formando paisagens únicas, além de possuir cavernas, paredões, morros e cachoeiras a serem conhecidos.

“A Chapada dos Guimarães é um destino que me surpreendeu muito. É possível ver uma grande diversidade do Cerrado, que vai desde vegetações rasteiras até grandes árvores – essa variação é algo que achei muito curioso e bonito. As paisagens formadas pelos gigantescos paredões de arenito te transportam no tempo, levando a pensar como era a região há milhões de anos atrás, quando o mar ainda tomava conta. Conhecer o complexo de Cavernas Aroe Jari também foi uma experiência marcante, é possível sentir uma energia muito forte naquele local, e se conectar com a história do povo indígena Bororo”, destaca Letícia Silva, produtora de experiências da Vivalá, organização especializada em Turismo Sustentável no Brasil que conta com um roteiro de Ecoturismo na região.

O roteiro

A disponibilidade de roteiro para esse destino é de quatro e  cinco dias, sendo que o primeiro inicia-se com a chegada a Cuiabá, com o check-in do hotel Intercity liberado a partir das 14 horas. Até a manhã seguinte os viajantes ficam liberados para descobrirem a capital mato-grossense. Já no segundo dia, o grupo segue rumo à Chapada dos Guimarães. Lá, visitam o cartão-postal da Chapada, – o Véu de Noiva -, além de outras quatro incríveis cachoeiras.

A partir do segundo dia, a hospedagem será na Vento Sul, uma pousada local, para onde o grupo irá se dirigir após o banho nas cachoeiras. As noites contam com programação livre para que os viajantes aproveitem à sua maneira. Há um dia dedicado a apreciar as lindas paisagens do Parque Nacional, iniciando pela Cidade da Pedra, onde há mirantes com vistas de tirar o fôlego. Após essa incrível experiência, é hora de partir para a Crista do Galo, uma formação única na Chapada, e finalizar a vivência com um banho relaxante no Poço das Antas.

Outro destaque é a ida à fazenda onde localiza-se o Complexo de Cavernas Aroe Jari. Lá, o grupo irá fazer uma trilha para conhecer a Caverna Aloe Jari, – a maior caverna de arenito do Brasil -, a Caverna Kyogo Brado; Pobe Jari e a Caverna Lagoa Azul, além da Ponte de Pedra. A Caverna Aroe Jari se destaca pelo seu lado místico, em relação à energia diferenciada que lá existe, por ter sido um território ocupado pelo povo indígena Bororo e utilizado para depósito dos restos mortais de seus integrantes. Ao final do trajeto, um delicioso almoço regional aguarda o grupo. Para fechar o dia, é possível tomar um banho refrescante na Cachoeira do Almíscar.

A lista de vivências também inclui a Cachoeira da Geladeira e uma visita às Bordadeiras da Chapada. O retorno para Cuiabá está previsto para às 14 horas do último dia do itinerário.

Descobrimos o calçado perfeito para quem vai aproveitar os 5 dias de carnaval

10 lojas na região da 44 para brilhar no carnaval gastando pouco

“Oferecemos roteiros de profunda conexão com a natureza nas Chapadas brasileiras, cada uma com um tipo diferente de experiência: na Chapada dos Veadeiros, além das belezas do Cerrado, há uma imersão muito autêntica na cultura das comunidades locais; na Chapada Diamantina, o foco é na adrenalina e desafios, com a travessia pelo Vale do Pati; por fim, na Chapada dos Guimarães, temos um roteiro bastante democrático, que agrada a todos os apaixonados por natureza, desde os mais aventureiros até as famílias, casais ou aqueles que buscam só relaxar e curtir trilhas leves, cachoeiras e paisagens incríveis”, explica Daniel Cabrera, cofundador e diretor-executivo da Vivalá.

 

Parque extraordinário no sul do Brasil é destino perfeito para quem gosta de aventura

O Salto do Yucumã, situado no Parque Estadual do Turvo, em Derrubadas, no Rio Grande do Sul, é uma maravilha natural que se destaca por ser a maior cachoeira longitudinal do mundo. Com cerca de 1.800 metros de extensão, o Salto do Yucumã oferece uma paisagem de tirar o fôlego, caracterizada pelas águas do Rio Uruguai que se despenham em quedas que podem atingir de 12 a 15 metros de altura.

O Parque Estadual do Turvo, criado em 1954, é um dos mais importantes refúgios para a biodiversidade gaúcha, abrigando espécies ameaçadas como a onça-pintada e a anta. A área protegida, que ocupa cerca de 17.500 hectares, é considerada uma das últimas áreas de floresta subtropical contínua do país.

O Parque Estadual do Turvo, criado em 1947 e situado no município de Derrubadas, no Rio Grande do Sul, é uma área de conservação de importância crítica para a biodiversidade brasileira. Com 17.491,40 hectares, o parque se encontra no bioma da Mata Atlântica e é reconhecido como um dos últimos redutos de floresta subtropical contínua do Brasil. Ele é o lar de uma biodiversidade rica, incluindo espécies ameaçadas como a onça-pintada e a anta.

O parque faz parte do proposto Corredor Trinacional de Biodiversidade, um projeto que visa conectar unidades de conservação no Brasil, Paraguai e Argentina na ecorregião do Alto Paraná. Esta área é essencial para a preservação de habitats naturais e a manutenção da diversidade de espécies.

Dentro do parque, a altitude varia de 100 a 400 metros acima do nível do mar, e o terreno inclui encostas íngremes que drenam para vales abertos ao norte e oeste. O solo é argiloso, vermelho escuro, raso e muito suscetível à erosão. O clima subtropical temperado úmido favorece a formação de nevoeiros frequentes e a precipitação anual pode chegar a 1.900 milímetros.

A vegetação é composta principalmente por árvores decíduas, com um dossel de cerca de 20 metros de altura e indivíduos emergentes que podem alcançar 30 metros. Abaixo deste dossel, há uma camada de árvores perenes mais densas. O parque também abriga espécies de plantas importantes, como cincho, canela, canjerana, embirão e grápia. Há quase 290 espécies de aves e mais de 30 espécies de mamíferos de médio e grande porte no parque, incluindo o puma, pecari, anta, veado, ocelote, tamanduá, capivara, macaco bugio e lontra.

Para os visitantes, o Parque Estadual do Turvo oferece diversas atrações. As trilhas são um destaque, com a Trilha do Salto do Yucumã, Trilha das Lagoas e Trilha das Onças oferecendo experiências únicas de contato com a natureza. A Trilha do Salto do Yucumã, em particular, é uma caminhada imperdível, permitindo aos turistas explorar a mata nativa e apreciar a vista da cachoeira. Esta trilha é bem sinalizada e considerada de dificuldade moderada. A Trilha das Lagoas e a Trilha das Onças variam em dificuldade de fácil a médio e médio a difícil, respectivamente.

É importante ressaltar que o parque está aberto para visitação de quinta a segunda-feira, com horários específicos para entrada e permanência. Além disso, existem regras estritas para preservar o ecossistema, incluindo a proibição de entrar com animais de estimação, bebidas alcoólicas, fumar dentro do parque e coletar qualquer material sem autorização.

A melhor época para visitar o Parque Estadual do Turvo é entre novembro e abril, durante o verão, quando o nível das águas do rio está mais baixo, proporcionando uma visão clara das quedas. No entanto, o Salto do Yucumã está atualmente ameaçado pela construção da barragem hidrelétrica do Roncador, um projeto que enfrenta resistência de ambientalistas, pois inundaria cerca de 25% do parque.

Para os interessados em explorar esta maravilha natural, é recomendável chegar cedo e estar preparado para caminhar, levando vestuário adequado para o clima da região, além de lanche e água, já que não há opções de alimentação dentro do parque.

Quanto à hospedagem, não há opções dentro do parque, mas existem diversas alternativas nos municípios da região, como em Derrubadas e Tenente Portela, RS, além de Itapiranga, Santa Catarina.

É importante mencionar que a melhor época para visitar o Salto do Yucumã é entre novembro e abril, período de menor incidência de chuvas, o que aumenta a probabilidade de uma boa visibilidade das quedas. Durante o inverno, o aumento do nível do Rio Uruguai pode ocultar as quedas d’água.

Para a visitação, é recomendável levar lanches e água, pois não há restaurantes ou lanchonetes dentro do parque. Além disso, é essencial respeitar as regras do parque, como não danificar a flora, não alimentar os animais e não sair das trilhas.

O acesso ao parque é feito por uma estrada asfaltada até a entrada, seguida por uma estrada de chão interna de 15 km, que deve ser percorrida com veículo próprio. A entrada no parque é paga, com tarifas variáveis para diferentes serviços e descontos para determinados grupos, como crianças, idosos e estudantes.

Leia também:

Capital do Nordeste é considerada a capital mundial do carnaval

Você precisa conhecer essa praia paradisíaca que fica bem pertinho de Goiás

Santuário ecológico que já foi colônia penal e presídio político é um verdadeiro paraíso ecológico

O Parque Estadual da Ilha Anchieta, situado em Ubatuba, é um verdadeiro santuário ecológico e histórico. Esta ilha, conhecida anteriormente como Ilha dos Porcos, tem um passado marcante, tendo sido habitada por indígenas Tupinambás e servido como colônia penal e local de presídio político. Hoje, o parque, criado em 1977, é reconhecido por sua rica biodiversidade e esforços de preservação ambiental.

A biodiversidade da Ilha Anchieta é um de seus principais atrativos. Abrigando uma ampla gama de ecossistemas, como a floresta ombrófila densa da Mata Atlântica, costões rochosos, manguezais e vegetação de restinga, o parque é um ponto chave para a conservação de espécies marinhas e terrestres. A fauna marinha inclui peixes, crustáceos, moluscos, corais e diversas espécies de aves marinhas, enquanto a fauna terrestre conta com animais como saguis, preguiças, tatus e gambás.

Além da sua importância ecológica, o Parque Estadual da Ilha Anchieta possui um rico patrimônio histórico-cultural, incluindo mais de 2.000 m² de edificações conservadas e as ruínas do antigo presídio, quartel e vila civil, que são patrimônios tombados pelo CONDEPHAAT. O turismo ecológico é uma das principais atividades na ilha, oferecendo opções de lazer como caminhadas ecológicas, mergulho em águas cristalinas, e a contemplação da exuberante paisagem natural e histórica.

O acesso ao Parque Estadual da Ilha Anchieta, localizado em Ubatuba, é feito predominantemente por meio de embarcações, como escunas e lanchas, saindo de diferentes locais da região. Os passeios partem de pontos como a Praia da Enseada, Praia do Lázaro, e Saco da Ribeira, oferecendo uma travessia rápida e cênica até a ilha. As águas dessas praias são seguras e ideais para famílias, incluindo crianças. Além disso, a Praia da Enseada, por exemplo, é conhecida por sua boa infraestrutura e proximidade a outros atrativos turísticos, tornando-a uma escolha popular para quem deseja explorar a região e realizar passeios de barco

Os passeios de lancha pela ilha Anchieta, oferecidos por diversas operadoras de turismo, incluem visitas a praias como a Praia do Presídio e Praia do Engenho, onde os visitantes podem desfrutar de belas paisagens e águas cristalinas. Além disso, há trilhas autoguiadas que levam a locais como a Praia das Palmas, oferecendo aos turistas a oportunidade de explorar a rica biodiversidade e o patrimônio natural da ilha. Estes passeios de lancha costumam ter duração aproximada de 6 horas e 30 minutos, proporcionando uma experiência completa e enriquecedora.

Para quem busca uma experiência mais detalhada e personalizada, os passeios de escuna são uma ótima opção, incluindo paradas em praias paradisíacas e oportunidades para atividades como snorkel e mergulho, aproveitando a diversidade marinha da região. Estes passeios oferecem vistas panorâmicas de praias como o Flamengo e o Flamenguinho, além de outras praias deslumbrantes ao redor da ilha

O Parque Estadual da Ilha Anchieta, localizado em Ubatuba, é um exemplo de preservação ambiental e ecoturismo. Esta ilha possui uma história rica, já tendo sido conhecida como Ilha dos Porcos e servido como colônia penal. Hoje, destaca-se como um refúgio para diversas espécies e um importante destino de ecoturismo.

Biodiversidade e Ecossistemas A ilha abriga ecossistemas variados, incluindo a floresta ombrófila densa da Mata Atlântica, costões rochosos, manguezais e vegetação de restinga, que são essenciais para a conservação da biodiversidade marinha e terrestre. A fauna marinha inclui espécies como peixes-palhaço, raias, polvos, tartarugas marinhas, além de ser um local importante de reprodução de aves marinhas. A fauna terrestre inclui saguis, preguiças, tatus, gambás e quatis, e a flora é composta principalmente por Mata Atlântica, com árvores como jequitibá-rosa, canela e pau-brasil, além de bromélias, orquídeas e samambaias​​.

Patrimônio Histórico O Parque possui mais de 2.000 m² de edificações conservadas, incluindo as ruínas do antigo presídio e instalações militares. Esta parte histórica é tombada pelo CONDEPHAAT, refletindo a importância histórica e cultural da ilha​​.

Turismo e Atividades O turismo na Ilha Anchieta oferece diversas opções de lazer, incluindo caminhadas ecológicas, mergulho em águas claras e exploração do rico patrimônio histórico cultural. O acesso à ilha é feito principalmente por barco, com várias opções de embarque disponíveis em Ubatuba​​.

Conservação e Sustentabilidade O Parque Estadual da Ilha Anchieta tem como objetivos a proteção e conservação dos ecossistemas naturais, o desenvolvimento de pesquisas científicas, a realização de atividades de educação ambiental e recreação em contato com a natureza. A ilha é gerida pela Fundação Florestal em parceria com a iniciativa privada, seguindo padrões de sustentabilidade para preservar o patrimônio natural e valorizar a cultura local​​​​.

Biodiversidade e Sustentabilidade
O parque, integrante do bioma da Mata Atlântica, abriga uma variedade de ecossistemas como floresta ombrófila densa, costão rochoso, manguezais e restingas. Estes ecossistemas são vitais para a manutenção da diversidade marinha e terrestre, incluindo espécies ameaçadas. A introdução de espécies não nativas no passado, como macacos-prego e quatis, trouxe desafios, mas a gestão atual se dedica ao monitoramento dessas populações.

Turismo Ecológico e Cultura Local
Sob a administração da Fundação Florestal e do Green Haven, a ilha prioriza a sustentabilidade e a educação ambiental. Os visitantes podem explorar a ilha através de trilhas e atividades de mergulho, apreciando a fauna marinha rica, como tartarugas e diversas espécies de peixes. Além disso, a ilha preserva importantes ruínas históricas, como as do antigo presídio, oferecendo uma viagem pela história brasileira.

Gestão e Infraestrutura
A parceria público-privada tem se mostrado eficaz na preservação do patrimônio natural e cultural do parque. As operações turísticas são planejadas para minimizar impactos ambientais, com ênfase na energia renovável e tratamento sustentável de resíduos. O projeto também busca valorizar a cultura local, com a oferta de pratos típicos da culinária caiçara e quilombola e atividades que refletem a história da ilha.

Importância Educacional

A Ilha Anchieta serve não apenas como um destino turístico, mas também como uma oportunidade educativa. Programas de visitação pública e atividades de educação ambiental são oferecidos, destacando a importância da conservação e do respeito à natureza.

Visitação
O parque oferece diversas trilhas e atividades, com foco na sustentabilidade e na preservação ambiental. Para mais informações sobre visitas e reservas, os interessados podem acessar o site oficial [Green Haven Anchieta](https://greenhavenilhaanchieta.com.br/) ou entrar em contato pelo telefone (12) 3842-1231.

Em resumo, o Parque Estadual da Ilha Anchieta é um exemplo de como o turismo ecológico e a conservação ambiental podem caminhar juntos, oferecendo aos visitantes uma experiência única de contato com a natureza e a história.

Leia também:

10 praias maravilhosas do Sudeste brasileiro para o goiano ir de carro e aproveitar o final de ano

5 destinos imperdíveis para conhecer no sul da Bahia

Cidade paradisíaca no sul da Bahia atrai goianos que querem sol e mar no Réveillon

Divisa de Goiás e Tocantins tem um paraíso do ecoturismo que deixa turistas apaixonados

Em um país repleto de destinos turísticos renomados, as Serras Gerais, situadas no estado do Tocantins, emergem como uma jóia ainda pouco explorada. Distante dos holofotes do turismo de massa, esta região fascina com suas paisagens naturais de tirar o fôlego, uma biodiversidade exuberante e um rico patrimônio cultural.

As Serras Gerais, localizadas no sudeste do Tocantins, representam uma combinação fascinante de características naturais e culturais. Esta região é conhecida por suas impressionantes formações de arenito, que dão origem a cânions, grutas, cavernas e escarpas únicas, oferecendo um cenário espetacular para os visitantes. Entre suas formações rochosas mais famosas está a Serra do Espírito Santo, parte do Parque Estadual do Jalapão, conhecida por ser um dos principais pontos turísticos da área.

A biodiversidade das Serras Gerais é notável, adaptada a um ambiente predominantemente árido e semiárido. A flora inclui espécies únicas como o buriti, o pequi e o caju, que prosperam no cerrado. A fauna é igualmente diversificada, abrangendo desde o lobo-guará e o tamanduá-bandeira até veados, aves de rapina e uma variedade de répteis. A região é também um destino popular para observação de aves, com espécies únicas e raras que fazem parte do ecossistema do cerrado.

A riqueza cultural das Serras Gerais é profundamente influenciada por sua história. Antes da chegada dos europeus, a região era habitada por povos indígenas como os Karajá, Xerente e Xavante. Com a colonização, comunidades quilombolas se estabeleceram, preservando suas tradições culturais até os dias atuais. As festas religiosas, como a Festa do Senhor do Bonfim, são uma fusão de elementos religiosos com tradições culturais locais, incluindo música, dança e pratos típicos.

A região das Serras Gerais é composta por diversos municípios, incluindo Arraias, Almas, Aurora do Tocantins, Dianópolis, Natividade, Lavandeira, Rio da Conceição, Combinado e Taguatinga. O turismo na região está crescendo, com atividades variadas como trilhas, rapel, escalada, observação de aves, passeios de 4×4 e visitas às comunidades quilombolas. Há um esforço contínuo para promover o turismo sustentável e conscientizar sobre a importância da conservação ambiental, garantindo que as futuras gerações possam desfrutar dessas maravilhas naturais e culturais.

  1. Atrações Turísticas Principais:

As águas cristalinas das cachoeiras, como a Cachoeira do Soninho e o Rio Azuis, são convites à aventura e relaxamento. Estas áreas naturais, de acesso variável, oferecem atividades como banhos refrescantes, mergulho e canoagem. As trilhas nas Serras Gerais são um paraíso para caminhantes e observadores de aves. Percursos como a Trilha do Mirante proporcionam uma imersão na natureza e vistas espetaculares.

A riqueza cultural da região se manifesta em suas festas tradicionais, como a Festa do Divino Espírito Santo, além da culinária local, que mistura sabores indígenas e sertanejos, e um artesanato rico em cores e formas.

  1. Turismo Sustentável e Desafios:

No contexto do turismo sustentável nas Serras Gerais, Tocantins, há uma série de desafios e oportunidades que estão sendo abordados para impulsionar a região como um destino turístico promissor, ao mesmo tempo em que se preserva sua riqueza natural e cultural.

Desafios de Infraestrutura e Acessibilidade:

A infraestrutura turística nas Serras Gerais é uma área que precisa de atenção significativa. Os desafios incluem a melhoria das condições das estradas de acesso aos atrativos turísticos, aprimoramento da sinalização turística, e desenvolvimento de rotas integradas que conectem as diversas atrações da região. Há um esforço coletivo, envolvendo entidades como o Sebrae, para promover o turismo sustentável e fortalecer a economia regional, focando na melhoria da infraestrutura e acessibilidade​​.

Preservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Econômico Local:

A preservação da biodiversidade local é uma prioridade nas Serras Gerais, dada a riqueza de sua fauna e flora. Paralelamente, o turismo é visto como um catalisador para o desenvolvimento econômico local, trazendo benefícios para as comunidades. No entanto, é fundamental que esse desenvolvimento ocorra de maneira participativa, envolvendo as comunidades locais para garantir que os benefícios do turismo sejam compartilhados de forma justa e sustentável.

Políticas Públicas e Planejamento Participativo:

O Programa de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável (PDTIS) é uma iniciativa governamental que visa orientar o crescimento do turismo nas Serras Gerais com base em práticas sustentáveis. Este programa engloba ações de planejamento e organização do turismo, políticas públicas em turismo e estratégias de desenvolvimento do turismo, com um enfoque especial na participação comunitária. A ideia é contribuir para o desenvolvimento dos municípios da região das Serras Gerais, aproveitando suas potencialidades e promovendo uma nova realidade social, econômica e cultural​​.

A região das Serras Gerais, com seu vasto potencial turístico, enfrenta o desafio de desenvolver uma infraestrutura turística adequada e acessível, ao mesmo tempo em que se esforça para preservar seu ambiente natural e promover o desenvolvimento econômico local de forma sustentável. O envolvimento da comunidade local e a implementação de políticas públicas eficazes são essenciais para alcançar esses objetivos. A região se apresenta como um exemplo notável de como o turismo pode ser um aliado do desenvolvimento sustentável

  1. Futuro do Turismo na Região:

O futuro do turismo nas Serras Gerais, no Tocantins, é promissor, com diversos planos e projetos governamentais em andamento para promover o turismo sustentável e valorizar a cultura local. Uma dessas iniciativas é o projeto “Tocantins + Turismo”, lançado pelo Sebrae em parceria com o Governo do Estado. Este projeto visa beneficiar 600 empreendedores diretamente e mais de mil indiretamente, abrangendo setores como agro, logística, além do turismo. A transversalidade e a integração de diferentes secretarias e sistemas são fundamentais nesse processo de desenvolvimento socioeconômico​​.

Além disso, um plano de retomada do turismo foi elaborado para a região das Serras Gerais, com foco em estabelecer diretrizes de enfrentamento à Covid-19. Este plano inclui protocolos criteriosos de higiene pessoal, segurança sanitária, distanciamento social e sanitização de ambientes, visando garantir a qualidade e segurança nos atendimentos aos turistas. O plano envolve a participação de prefeituras, parceiros como a Universidade Federal do Tocantins (UFT), Sebrae e Adetuc, e é fundamental para a retomada segura das atividades turísticas na região​​.

Outra ação importante é a entrega da sinalização turística das Serras Gerais pelo Governo do Tocantins, que contribui para a integração da região ao maior corredor de ecoturismo do Brasil, abrangendo destinos como Chapada dos Veadeiros, Jalapão e Chapada das Mesas. Essa integração visa ampliar a permanência do turista no destino e gerar mais renda para a comunidade local através da atividade turística​​.

Especialistas e stakeholders locais, como o diretor técnico do Sebrae, destacam a importância da parceria entre o Sebrae e o Governo do Estado, enfatizando que essa colaboração aumenta as chances de resultados expressivos no desenvolvimento do turismo na região. A atuação conjunta é vista como um meio de multiplicar recursos e benefícios para empresários, turistas e potenciais investidores​​.

Em suma, o futuro do turismo nas Serras Gerais se apresenta com grande potencial, combinando esforços governamentais, expertise do Sebrae e a participação ativa da comunidade local. Essas iniciativas são fundamentais para promover um turismo responsável e sustentável, preservando o patrimônio natural e cultural dessa região única do Brasil.

Leia também:

Cidade do interior do Tocantins é reduto dos goianos apaixonados por carnaval de rua

Deserto no Nordeste do brasil tem oásis apaixonantes e dunas que tiram os fôlego dos turistas
Serras Gerais: Um paraíso exuberante bem pertinho de Goiás

Cidade do Nordeste brasileiro encanta com as águas do Velho Chico que moldam cultura e progresso

Petrolina, situada no sudoeste de Pernambuco, é um destino que encanta os visitantes pela sua riqueza histórica e cultural. Conhecida por sua localização estratégica às margens do Rio São Francisco,  conhecido carinhosamente ‘Velho Chico’, a cidade oferece uma fusão única de patrimônio histórico, gastronomia singular e paisagens naturais deslumbrantes.

Ao passear por Petrolina, um dos primeiros pontos de parada é o Parque Municipal Josepha Coelho. Este espaço verde não só proporciona lazer, mas também é um exemplo de sustentabilidade, com mais de 800 mudas nativas da caatinga plantadas para revitalizar a área. O parque, que passou por reformas significativas em 2003, 2016 e 2020, é um local ideal para quem busca contato com a natureza e tranquilidade.

Um dos símbolos da cidade é o Bodódromo, um complexo de restaurantes especializado em pratos à base de carne de caprino e ovino. Inaugurado em 2000, o local oferece uma experiência gastronômica autêntica, destacando-se por pratos como linguiça, buchada, sarapatel e, claro, o famoso filé de bode. O Bodódromo é mais do que um local para comer; é um ponto de encontro cultural que atrai mais de 300 mil pessoas por ano.

Outro local imperdível é o Museu do Sertão. Inaugurado em 1973, este museu abriga uma coleção de cerca de 3.500 peças que narram a história da região e seu povo. Com três salões distintos, o museu oferece um olhar sobre a flora e fauna local, peças arqueológicas, objetos do cangaço e uma rica coleção fotográfica que retrata a evolução de Petrolina.

Petrolina também é um destino gastronômico notável. O Rubacão e os peixes do Rio São Francisco são pratos típicos facilmente encontrados na cidade, especialmente ao longo da sua orla. A região é um convite para saborear a comida regional de qualidade, em um cenário que combina beleza natural e cultura.

Para os amantes de vinho, um passeio imperdível é o Vapor do São Francisco. Este tour explora o enoturismo da região, permitindo aos visitantes degustar vinhos e espumantes locais de alta qualidade, enquanto navegam pelo majestoso Rio São Francisco.

Além disso, a Catedral do Sagrado Coração de Jesus Cristo Rei é um marco da arquitetura religiosa da cidade. Com vitrais coloridos e uma estrutura imponente, a Catedral é um ponto de referência para os visitantes.

Por fim, a orla do Rio São Francisco é um excelente lugar para caminhadas ao fim do dia. Com diversos bares e restaurantes, oferece um ambiente tranquilo para relaxar e apreciar a vista da cidade de Juazeiro, na Bahia, que pode ser alcançada por um rápido passeio de barco ou pela Ponte Presidente Dutra.

Petrolina é uma cidade que surpreende por sua diversidade e riqueza. Cada cantinho revela um pouco mais sobre a história, a cultura e as tradições do sertão pernambucano, tornando-se um destino imperdível para aqueles que desejam explorar o Nordeste brasileiro

A importância do Velho Chico

O Rio São Francisco, conhecido popularmente como “Velho Chico”, tem uma importância fundamental para a cidade de Petrolina, em Pernambuco. Sua influência na cidade pode ser observada em diversos aspectos, que incluem a economia, turismo, cultura e meio ambiente.

1. Economia e Agricultura

  • Irrigação e Fruticultura: O Velho Chico é essencial para a economia de Petrolina, principalmente na irrigação para a fruticultura. A cidade é reconhecida como uma das maiores produtoras de uvas do Brasil, com uma produção diversificada que inclui variedades sem sementes, e exporta frutas tropicais para o mundo inteiro, especialmente para a Europa​​.
  • Pesca e Atividades Relacionadas ao Rio: A pesca é outra atividade econômica importante impulsionada pelo rio, além de outras atividades relacionadas à água, como a navegação.

2. Turismo

  • Passeios e Atividades Recreativas: O Rio São Francisco oferece diversas opções de lazer e turismo, como passeios de barco, incluindo o famoso “Vapor do Vinho” que combina a experiência do enoturismo com a beleza do rio​​.
  • Ilhas e Balneários: Existem várias ilhas fluviais em Petrolina, como a Ilha do Rodeador e a Ilha do Massangano, que são populares entre turistas e locais para lazer e entretenimento​​.

3. Cultura e História

  • Influência Histórica: O Velho Chico tem um papel significativo na história e no desenvolvimento cultural de Petrolina, moldando as tradições e o modo de vida local.
  • Festividades e Eventos Culturais: O rio também é palco de diversas festividades culturais, incluindo celebrações religiosas e festivais locais que atraem visitantes de diversas regiões.

4. Meio Ambiente e Ecossistema

  • Diversidade Biológica: O rio contribui para a biodiversidade da região, suportando uma variedade de espécies de flora e fauna.
  • Conservação Ambiental: A preservação do Rio São Francisco é crucial para a manutenção dos ecossistemas locais e para a sustentabilidade das atividades econômicas e turísticas da cidade.

5. Impacto Social

  • Vida das Comunidades Ribeirosas: Para as comunidades ribeirinhas, o Velho Chico é uma fonte de vida e subsistência, sendo central para a identidade cultural e social desses grupos.

Em conclusão, o Rio São Francisco é mais do que um recurso natural para Petrolina; é um elemento vital que permeia todos os aspectos da vida na cidade, desde a economia até a cultura. Sua preservação e gestão sustentável

 

Chapada do nordeste brasileiro tem poço azul apaixonante

O Parque Nacional da Chapada das Mesas, uma joia escondida no sul do Maranhão, é um destino turístico que merece atenção especial. Criado em 2005, este parque abrange uma área de 160 mil hectares, preservando a biodiversidade dos biomas do Cerrado, Caatinga e Amazônia. A região é acessível pelas rodovias BR-010 e BR-230, com entradas pelos municípios de Estreito, Riachão, Carolina e Imperatriz. O cenário deslumbrante da Chapada das Mesas é composto por formações rochosas que se assemelham a mesas, uma vegetação típica do sul do Maranhão, cânions e rios. Um dos locais mais emblemáticos é a Torre da Lua, em Carolina, que oferece uma vista panorâmica do parque​​.

A Chapada das Mesas, com seus atrativos naturais e culturais, oferece uma experiência singular para os visitantes. Entre seus principais pontos de interesse, destaca-se o Morro das Figuras, uma verdadeira cápsula do tempo gravada nas pedras. Este local abriga pinturas rupestres em seus paredões, testemunhos silenciosos da presença humana que remonta a eras ancestrais. A preservação destas pinturas proporciona aos visitantes uma janela para o passado, permitindo um vislumbre da história e cultura dos povos antigos que habitaram a região.

Junto ao aspecto histórico, a Chapada das Mesas é um refúgio para a biodiversidade. Os buritizais são ecossistemas ricos que servem de lar para uma vasta gama de espécies animais. Neste ambiente natural, visitantes podem observar macacos saltando entre as árvores, sucuris deslizando silenciosamente pelas águas, araras coloridas voando no céu e corujas vigilantes à espreita. A observação de vida selvagem nos buritizais oferece uma conexão íntima com a natureza, destacando a importância da preservação ambiental.

Além da riqueza histórica e biológica, as cachoeiras são um espetáculo à parte. A Cachoeira do Santuário, com suas impressionantes quedas d’água de 50 metros, é um espetáculo de força e beleza natural. A sonoridade das águas em queda livre e a névoa que se forma ao seu redor criam uma atmosfera mágica e revitalizante.

A Cachoeira de São Romão, conhecida como a maior do Maranhão em volume de água, oferece um cenário majestoso. A força e o volume das águas desta cachoeira ressaltam a grandiosidade da natureza, proporcionando um espetáculo visual e sonoro inesquecível para quem a visita.

Por fim, a Cachoeira de Santa Bárbara, com mais de 70 metros de altura, é outra joia da Chapada das Mesas. Esta cachoeira é particularmente notável pela formação rochosa que lembra a imagem da santa, combinando aspectos religiosos e naturais em um mesmo local. A queda d’água, cercada por essa formação rochosa única, oferece uma experiência visual única e é um local perfeito para reflexão e apreciação da natureza.

Cada um destes pontos turísticos na Chapada das Mesas oferece uma experiência única, combinando a beleza natural com aspectos culturais e históricos, tornando a visita a esta região uma jornada memorável através de paisagens naturais deslumbrantes e rica herança cultural.

Além disso, a Chapada das Mesas é conhecida pela prática de turismo de aventura, com atividades como rapel, trilhas, canionismo e observação de aves. A região é uma das preferidas dos turistas que buscam aventura, conforme estudo da Demanda Turística Internacional do Ministério do Turismo​​.

O Complexo Eco Turístico Poço Azul é um dos destaques, oferecendo cachoeiras, riachos, grutas, piscinas naturais e artificiais, além de uma infraestrutura impressionante para ecoturismo, com hospedagem em chalés, apartamentos, área de camping e um amplo restaurante self-service. O complexo proporciona atividades como tirolesa e rapel na Cachoeira de Santa Bárbara, mergulho com snorkel para observação de peixes coloridos e vegetação aquática, além de trilhas por entre penhascos e matas​​.

Outro local de interesse é o Complexo Turístico Pedra Caída, situado a aproximadamente 35 km da cidade de Carolina. Este complexo é um eco resort de primeira linha, com uma infraestrutura completa, incluindo heliporto, restaurante moderno, piscina e teleférico. Na entrada, há um centro de lazer com piscinas, toboáguas, vestiário, lanchonete e estacionamento. O complexo oferece uma variedade de atividades como tirolesa, arvorismo, trekking e mountain bike, tornando-o um destino perfeito para os aventureiros​​.

A Chapada das Mesas, portanto, é um destino fascinante que oferece uma combinação única de beleza natural, atividades de aventura e infraestrutura turística de alto nível. É um local que encanta não só pela sua riqueza natural e cultural, mas também pela variedade de experiências que proporciona aos visitantes.

Leia Mais:

Deserto no Nordeste do brasil tem oásis apaixonantes e dunas que tiram os fôlego dos turistas

Praia do nordeste consagrada pelo Washington Post como uma das mais bonitas do mundo é apaixonante e você precisa conhecer

Paraíso no Nordeste brasileiro encanta turistas com mar azul e cristalino

Deserto no Nordeste do brasil tem oásis apaixonantes e dunas que tiram os fôlego dos turistas

Em uma combinação única de um deserto com dunas deslumbrantes e lagoas cristalinas, os Lençóis Maranhenses representam um dos mais fascinantes ecossistemas do Brasil. Localizado no nordeste do Maranhão, este Parque Nacional atrai turistas de todo o mundo, ansiosos por vivenciar suas paisagens únicas e biodiversidade rica.

Os Lençóis Maranhenses foram destacados em um ranking mundial da revista norte-americana de turismo Condé Nast Traveller, figurando entre os 28 destinos turísticos recomendados para visitas com planejamento de um ano de antecedência​​. Isso ressalta a crescente popularidade e o reconhecimento internacional deste destino.

Quanto à logística de visita, Barreirinhas é conhecida como a porta de entrada do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, situando-se a 255 km de São Luís, a capital maranhense. O acesso pode ser feito de carro, ônibus ou van fretada, e há uma variedade de opções de hospedagem e alimentação na cidade, com 34 pousadas e hostels e 21 bares e restaurantes cadastrados no Sistema de Cadastro de Pessoas Físicas e Jurídicas (Cadastur) do Ministério do Turismo​​.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é notável por sua diversidade ecológica, estando inserido numa zona de transição entre os biomas Cerrado, Caatinga e Amazônia. O parque abrange uma área de 155 mil hectares, oferecendo paisagens deslumbrantes de dunas e lagoas interdunares, formando um ecossistema único e biodiverso. As atividades oferecidas incluem caminhadas pelas dunas, banhos em lagoas de água cristalina e a possibilidade de atravessar o campo de dunas, com opções de pernoite nos oásis do “deserto brasileiro”​​.

Em 2022, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses recebeu 367 mil visitantes, ocupando a sexta posição no ranking de frequência de turistas entre os parques nacionais brasileiros. Este dado sublinha a importância do parque como um destino turístico relevante no Brasil​​.

O Que São os Lençóis Maranhenses?:

Os Lençóis Maranhenses são uma maravilha geológica e ecológica única, situados no nordeste do Brasil, no estado do Maranhão. Este deslumbrante ecossistema, que se estende por mais de 1.500 km², é famoso por suas dunas de areia branca e lagoas de água doce.

Geografia e Formação

  • Dunas de Areia: As dunas, que podem atingir até 40 metros de altura, são formadas por areia rica em quartzo, dando-lhes uma cor branca brilhante. Estas são constantemente remodeladas pelos ventos fortes que sopram do Oceano Atlântico, criando uma paisagem em constante mudança​​.
  • Lagoas Sazonais: O parque se destaca pelas lagoas temporárias formadas entre as dunas durante a estação chuvosa, de janeiro a junho. Estas lagoas, de águas límpidas e tons vibrantes de azul e verde, oferecem um contraste marcante com as dunas circundantes​​​​.

Ecologia

  • Biodiversidade: A região abriga uma variedade de espécies de aves, mamíferos, peixes e insetos, muitos dos quais apresentam baixa especificidade de habitat e baixo grau de vulnerabilidade à extinção. Entre as espécies ameaçadas estão o guará, a lontra-neotropical, o gato-do-mato e o peixe-boi-marinho​​​​.
  • Flora: A flora dos Lençóis Maranhenses é diversificada, com espécies úteis para medicina, têxteis, e outras finalidades. Entre as mais comuns estão o capim-da-areia, alecrim-da-praia e pimenteira​​.

Atrações Turísticas

  • Santo Amaro do Maranhão: Localizado praticamente dentro do Parque Nacional, oferece lagoas e oásis, como o de Betânia, e a possibilidade de se hospedar em pousadas locais​​.
  • Atins: Conhecido por sua oportunidade de kitesurf e culinária local, especialmente o Camarão da Luzia. Atins também possui praia e um belo pôr do sol​​.
  • Canto dos Lençóis: Um povoado formado por pescadores tradicionais, oferece uma bela vista do campo de dunas e é um ponto de apoio para trekking​​.

Importância Global

  • Patrimônio Mundial: O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é reconhecido pelo valor universal excepcional, abrangendo dunas de até 30 metros de altura e diversas atrações naturais, incluindo lagoas e uma rica biodiversidade​​.

Quando Visitar: A melhor época para visitar os Lençóis Maranhenses é entre maio e setembro, quando as lagoas estão cheias. Durante este período, a temperatura é agradável, e as lagoas, como a famosa Lagoa Azul e a Lagoa Bonita, estão em seu ápice.

Como Chegar: O acesso ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é feito principalmente pela cidade de Barreirinhas, a cerca de 250 km de São Luís, capital do Maranhão. Existem opções de transporte terrestre e aéreo para Barreirinhas, com diversos tours organizados partindo da cidade.

O Que Fazer no deserto encantador; Além de explorar as dunas e lagoas, os visitantes podem desfrutar de passeios de barco pelo Rio Preguiças, visitar comunidades locais como Atins e Mandacaru, e praticar esportes como kitesurf. A gastronomia local é um destaque à parte, com pratos à base de frutos do mar e ingredientes típicos da região.

Acomodações no deserto brasileiro: Para quem planeja visitar os Lençóis Maranhenses, as opções de hospedagem variam amplamente, atendendo a todos os gostos e orçamentos. Aqui está um resumo das alternativas disponíveis:

Em Barreirinhas:

  • Gran Lençóis Flat Residence: Oferece acomodações confortáveis com preços variando entre R$ 400 e R$ 600 por noite. É uma das opções mais populares na cidade​​.
  • Pousada do Buriti: Conhecida pela sua estrutura e localização central, essa pousada combina quartos aconchegantes com facilidades como piscina e sala de jogos​​​​.
  • Porto Preguiças Resort: Embora o nome sugira um resort, trata-se de um hotel bem-estruturado com piscinas e um restaurante eficiente​​.
  • Pousada Encantes do Nordeste: Localizada fora do centro, essa pousada oferece uma experiência mais tranquila e acesso à natureza, com quartos agradáveis e preços entre R$ 200 e R$ 400 por noite​​​​.

Em Santo Amaro do Maranhão:

  • Vila Capininga, Vila do Junco e Rancho das Dunas: Estas pousadas oferecem uma experiência mais próxima das lagoas e são ideais para quem busca tranquilidade​​.

Em Atins:

  • Casa Acquamarina: Próxima à Praia de Atins, essa pousada é uma ótima opção para quem deseja combinar a visita aos Lençóis com a experiência praiana​​.
  • Camping Ponta do Mangue: Para os aventureiros, há a opção de camping, com preços variando entre R$ 20 e R$ 60. Atins é conhecida por sua atmosfera mais rústica e tranquila, sendo também um local popular para a prática de kitesurf​​.

Outras opções:

  • Além das pousadas, há opções de hospedagem em estilo camping para quem busca uma experiência mais conectada à natureza​​.

Independentemente da sua escolha, é recomendável reservar com antecedência, principalmente durante a alta temporada, para garantir disponibilidade e melhores preços. A região dos Lençóis Maranhenses oferece uma gama de atividades, desde passeios pelas lagoas até observação de estrelas e visitas a comunidades tradicionais. A culinária local também é um destaque, com pratos típicos maranhenses que merecem ser experimentados​​​​.

Cada uma dessas opções de hospedagem oferece uma experiência única na região dos Lençóis Maranhenses, garantindo conforto e acesso às maravilhas naturais do local

Opiniões de quem já foi ao deserto nordestino

Considerado uma das maravilhas naturais mais espetaculares do Brasil, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses oferece uma experiência única aos seus visitantes. Este vasto território de cerca de 155 mil hectares é um espetáculo da natureza com seu cenário de dunas intermináveis e lagoas de água doce.

A experiência única dos visitantes no deserto: Visitantes descrevem os Lençóis Maranhenses como um lugar de beleza surreal e deslumbrante. “É uma das paisagens naturais mais espetaculares do país”, comentam. As atividades oferecidas são variadas, desde passeios pelas famosas Lagoas Azul e Bonita até aventuras de quadriciclo e passeios de barco pelo Rio Preguiças, proporcionando experiências incríveis para todos os gostos​​​​.

Melhor época para visitar o deserto: A melhor época para visitar os Lençóis Maranhenses é entre junho e agosto, quando as lagoas estão cheias e as chuvas são raras. Durante este período, os visitantes podem desfrutar de dias ensolarados e lagoas repletas de água​​.

O contraste natural do deserto: Os visitantes ficam fascinados pelo contraste entre as dunas de areia branca e as lagoas de água doce. “Os Lençóis Maranhenses são um local quase surreal e uma das maravilhas naturais mais fascinantes do Brasil”, diz um turista, destacando a singularidade da paisagem​​.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é mais do que apenas um destino turístico; é uma experiência de imersão na natureza e na beleza. Com suas paisagens únicas e variedade de atividades, continua a ser um dos destinos mais desejados do Brasil, oferecendo momentos inesquecíveis para quem o visita.

Leia também:

Praia do nordeste consagrada pelo Washington Post como uma das mais bonitas do mundo é apaixonante e você precisa conhecer

Paraíso no Nordeste brasileiro encanta turistas com mar azul e cristalino

Capital do nordeste fundada por holandeses é o destino preferido dos brasileiros para o réveillon

Maior ilha fluvial do mundo fica no cerrado e já deixou o britânico Rei Charles encantado

A Ilha do Bananal, localizada no estado do Tocantins, Brasil, é um ecossistema único e fascinante, tanto do ponto de vista geológico quanto biológico. Vamos explorar mais profundamente suas características. Como a maior ilha fluvial do mundo, a Ilha do Bananal foi formada pela dinâmica dos rios Araguaia e Javaés. A ilha, com cerca de 25 mil km², é um produto da sedimentação fluvial e dos processos de erosão ao longo de milhares de anos.

A região apresenta uma variedade de formações geológicas, que incluem vastas planícies aluviais e áreas de vegetação densa. Estas características tornam a ilha um lugar de interesse para estudos geológicos, especialmente relacionados à formação de ilhas fluviais.

A Ilha do Bananal representa um exemplo fascinante de um ecótono, conceito essencial em ecologia. Um ecótono é uma região de transição entre dois ou mais ecossistemas distintos, onde ocorre uma mistura de características de cada ecossistema. Neste espaço, geralmente há uma maior diversidade de espécies e uma complexa interação ecológica.

Na Ilha do Bananal, o ecótono é formado pela convergência de três importantes biomas: a Floresta Amazônica, o Cerrado e o Pantanal. Esta confluência resulta em uma biodiversidade excepcional e uma variedade de habitats, desde florestas densas até áreas alagadas e savanas. O conceito de ecótono é crucial para entender a riqueza ecológica e a importância da conservação de áreas como a Ilha do Bananal.

Biodiversidade e Ecossistema

  • Diversidade de Biomas: A ilha é um ponto de encontro de três importantes biomas brasileiros: o Cerrado, a Floresta Amazônica e o Pantanal. Esta convergência cria uma biodiversidade excepcional.
  • Fauna e Flora: A fauna inclui uma variedade de espécies, como pássaros raros, peixes e tartarugas. A flora é igualmente diversa, com uma mistura de vegetação típica do Cerrado e da Floresta Amazônica.
  • Áreas de Conservação: Parte da ilha é protegida por unidades de conservação, como o Parque Nacional do Araguaia e o Parque Indígena do Araguaia, garantindo a preservação da sua rica biodiversidade.

Aspectos Naturais

  • Paisagens Naturais: A ilha oferece paisagens espetaculares, desde vastas planícies inundadas até florestas densas. Durante a estação das chuvas, grandes áreas da ilha ficam submersas, criando um ambiente similar ao Pantanal.
  • Clima: O clima da Ilha do Bananal é tipicamente tropical, com uma estação seca e outra chuvosa. A variação climática influencia diretamente os ecossistemas da ilha.

Importância ecológica e cultural

  • Preservação Ambiental: A ilha tem um papel crucial na preservação de espécies ameaçadas e na manutenção da biodiversidade regional. Seus ecossistemas são vitais para estudos ambientais e conservacionistas.
  • Herança Cultural: A presença de povos indígenas, como os Karajá e Javaés, acrescenta uma dimensão cultural única à ilha. A interação entre a cultura indígena e o ambiente natural é um aspecto essencial da identidade da Ilha do Bananal.

A Ilha do Bananal é, portanto, um tesouro tanto para o Brasil quanto para o mundo, combinando características geológicas únicas, uma biodiversidade incrível e uma rica herança cultural. Ela representa um exemplo notável de como diferentes ecossistemas e culturas podem coexistir e prosperar em harmonia.

 

Atrações Imperdíveis

  • Parque Estadual do Cantão: O Parque Estadual do Cantão, situado no Tocantins, é uma unidade de conservação de proteção integral que se estende por aproximadamente 90 mil hectares, abrangendo os municípios de Caseara e Pium. Este parque é um santuário ecológico de vital importância, abrigando uma rica biodiversidade em um ecossistema único onde se encontram mais de 1000 lagos, tornando-o ideal para passeios de canoas ou caiaques.
  • A flora do parque inclui a floresta estacional semidecidual, conhecida localmente como “mata de turrão”, que cresce em terrenos mais altos e só é inundada em anos de cheias excepcionais. Esta floresta é caracterizada por uma alta diversidade florística, incluindo abundantes epífitas como bromélias e orquídeas. Durante as secas, as árvores da floresta estacional perdem suas folhas, e há um alto risco de incêndios.
  • Outro elemento importante do ecossistema do Cantão são os varjões, áreas inundáveis que na estação seca têm características de cerrado aberto, mas durante as cheias se transformam em pradarias de vegetação flutuante. Esta vegetação é fundamental para a alimentação de peixes e outros animais aquáticos.
  • O parque também é lar de uma variedade de espécies animais, incluindo a onça-pintada, a suçuarana, e diversas aves como o jaó e o mutum-de-penacho. Durante as enchentes anuais, as matas de turrão se tornam áreas de alimentação essenciais para essas espécies.
  • A visitação ao Parque Estadual do Cantão é controlada, com a entrada gratuita, mas é necessário contratar um guia cadastrado para explorar seu interior. As atrações incluem um centro de visitantes com painéis e vídeos interpretativos sobre o ecossistema do Cantão, trilhas para caminhadas e canoagem, e a possibilidade de observar a diversidade de fauna e flora.
  • O Parque do Cantão é particularmente interessante por estar localizado no ecótono entre o Cerrado, a Amazônia e o Pantanal, criando uma biodiversidade riquíssima e uma variedade de paisagens naturais que vão de praias e ilhas desertas a lagos remodelados anualmente pelas águas.
  • Em termos de biodiversidade, o parque é essencial para preservar os peixes da bacia do Araguaia e abriga as maiores populações protegidas no Brasil de várias espécies ameaçadas.
  • Praias Fluviais: As praias fluviais da Ilha do Bananal, como a Praia do Sol, do Avião e Paredão, são verdadeiros refúgios naturais de beleza e tranquilidade. Situadas ao longo dos rios Araguaia, Coco e Caiapó, essas praias se formam durante o período de estiagem, que ocorre entre maio e setembro, quando as águas dos rios baixam e revelam extensas faixas de areia.
  • Estas praias são conhecidas por suas águas calmas, criando o ambiente perfeito para um mergulho relaxante e terapêutico. Além dos mergulhos, as praias fluviais também são locais ideais para atividades como banho de sol e passeios à beira do rio, oferecendo uma experiência tranquila e conectada com a natureza.
  • A Ilha do Bananal, sendo a maior ilha fluvial do mundo, é cercada por um ecossistema rico e diversificado. A região abrange municípios como Pium, Caseara, Lagoa da Confusão e Formoso do Araguaia, e é considerada um dos maiores santuários ecológicos do Brasil, graças à sua localização na faixa de transição entre a Floresta Amazônica e o cerrado. Além da beleza natural das praias, a ilha oferece a oportunidade de explorar a diversificada flora e fauna da região, além de ser um importante centro de habitação indígena e pesquisas científicas.
  • Portanto, uma visita às praias fluviais da Ilha do Bananal, como a Praia do Sol, do Avião e Paredão, não é apenas uma chance de desfrutar de momentos de descanso e lazer, mas também uma oportunidade de se conectar com um ambiente natural único e de grande importância ecológica e cultural.
  • Projeto Quelônio:  O Projeto Quelônio, localizado na Ilha do Bananal, é uma iniciativa de conservação ambiental de grande importância, focada na proteção e preservação de diferentes espécies de tartarugas da Amazônia. Este projeto é especialmente significativo devido ao papel vital que as tartarugas desempenham nos ecossistemas aquáticos, além de sua importância cultural e ecológica.

Objetivos e Atividades do Projeto

  • Conservação das Espécies: O principal objetivo do Projeto Quelônio é proteger as espécies de tartarugas da região, algumas das quais estão ameaçadas de extinção. Isso é feito através de várias ações de conservação, como monitoramento, pesquisa e gestão de habitats.
  • Educação Ambiental: Uma parte crucial do projeto envolve a educação ambiental. Os visitantes e as comunidades locais são sensibilizados sobre a importância das tartarugas para os ecossistemas e a necessidade de proteger esses animais.
  • Observação de Tartarugas: O projeto oferece aos visitantes a chance única de observar as tartarugas em seu habitat natural. Essas experiências não só proporcionam um contato direto com a natureza, mas também ajudam a aumentar a conscientização sobre a conservação desses animais.
  • Pesquisa e Monitoramento: O Projeto Quelônio também desempenha um papel importante na pesquisa científica. O monitoramento contínuo das populações de tartarugas ajuda a entender melhor suas dinâmicas populacionais e necessidades de conservação.

Impacto e Importância

  • Impacto Ecológico: As tartarugas são espécies-chave em seus ecossistemas, contribuindo para a saúde dos ambientes aquáticos. Protegê-las tem um impacto positivo na biodiversidade da região.
  • Engajamento Comunitário: O projeto também envolve as comunidades locais, promovendo a conservação e a sustentabilidade ambiental.

Experiência para Visitantes

Para os visitantes, o Projeto Quelônio oferece uma experiência educacional e inspiradora. Observar esses incríveis animais em seu ambiente natural é uma oportunidade que destaca a importância da conservação da vida selvagem e a beleza única dos ecossistemas da Amazônia.

A visita ao Projeto Quelônio é uma atividade imperdível para quem visita a Ilha do Bananal, proporcionando uma conexão profunda com a natureza e uma compreensão maior da necessidade de preservar a biodiversidade do planeta

  • Parque Nacional do Araguaia: Ao norte da ilha, este parque divide sua área com aldeias indígenas e abriga uma rica biodiversidade, incluindo espécies ameaçadas de extinção. É um local propício para pesca esportiva e atividades ao ar livre (Desviantes).
  • Observação de Aves e Fauna Diversificada: A ilha, com seus três diferentes biomas (cerrado, floresta amazônica e pantanal), oferece uma avifauna diversificada, sendo um local ideal para a observação de pássaros e outros animais silvestres (Desviantes, Melhores Destinos do Brasil).

Aspectos Culturais e Históricos

A Ilha do Bananal é também um território significativo para os povos indígenas, incluindo os Javaé, Karajá e Xambioá. A visita às aldeias indígenas permite uma imersão na cultura e tradições desses povos, uma experiência enriquecedora para os visitantes interessados na cultura indígena brasileira (Viajali).

Hospedagem e Melhor Época para Visitar

Para uma estadia confortável, há opções como a Pousada Cantinho do Sul e Pousada Praia Alta em Lagoa da Confusão. A melhor época para visitar a Ilha do Bananal é entre maio e setembro, durante a estiagem, quando o clima é mais favorável para atividades ao ar livre e a observação da vida selvagem (Viajali).

A Ilha do Bananal não é apenas um destino de beleza estonteante, mas também um lugar de importância ecológica e cultural. Com sua fauna e flora preservadas, praias fluviais deslumbrantes e rica cultura indígena, a ilha oferece uma experiência única para os amantes da natureza e da cultura. É um destino que merece ser explorado e apreciado por todos que buscam um contato mais profundo com as belezas naturais e a diversidade cultural do Brasil.

Visita do Rei Charles a Ilha do Bananal 

Rei Charles ainda era príncipe quando visitou a Ilha do Bananal. Ele foi recebido pelo então governador Siqueira Campos

Rei Charles ainda era príncipe quando visitou a Ilha do Bananal. Ele foi recebido pelo então governador Siqueira Campos

A visita do Rei Charles, que na época era apenas príncipe,  à Ilha do Bananal em 2002 foi um evento marcante, especialmente no que se refere ao seu envolvimento com projetos ambientais. Durante sua estadia no Brasil, o príncipe, então com 53 anos, desembarcou inicialmente no Rio de Janeiro antes de seguir para o Tocantins.

Após chegar em Palmas, capital do Tocantins, Charles viajou para a Fazenda Javaés, na Ilha do Bananal. Lá, ele teve a oportunidade de realizar um passeio de barco pelo Rio Araguaia e visitar o Centro de Pesquisas Ecológicas Cangaçu, localizado no Parque Estadual do Cantão.

Um dos principais focos da visita de  Charles foi o projeto de preservação das tartarugas amazônicas, parte do Projeto Quelônio. Este projeto é crucial para a conservação de diversas espécies de tartarugas, algumas das quais estão sob ameaça de extinção.

Durante a visita, o Rei também se engajou em atividades culturais, sendo recebido com festividades por povos indígenas locais. Ele mostrou interesse pelas danças tradicionais e foi apresentado a diversos aspectos da cultura local, embora tenha recusado gentilmente a oferta de alimentos típicos.

A visita de Charles foi acompanhada de um protocolo rígido, refletindo a importância de sua posição na realeza britânica. Ele passou um total de sete horas no Tocantins, um período significativo que demonstrou seu interesse e compromisso com questões ambientais e culturais na região.

Essa visita não só destacou a importância dos esforços de conservação na Ilha do Bananal, mas também ajudou a trazer atenção internacional para os desafios ambientais e culturais enfrentados pela região. O  então Príncipe Charles, conhecido por seu ativismo ambiental, contribuiu para enfatizar a relevância global do trabalho realizado no Projeto Quelônio e outras iniciativas de conservação na área.

 

Leia também: 

Visitantes flutuam em extraordinários oásis azuis no coração do Cerrado

Versão brasileira do Deserto do Saara fica no Cerrado e é apaixonante

Lagoa exuberante na cor azul turquesa é um verdadeiro oásis no coração do Cerrado

Extraordinária lagoa de água doce é considerada o Caribe do Cerrado



Lagoa exuberante na cor azul turquesa é um verdadeiro oásis no coração do Cerrado

A Lagoa do Japonês, situada em Pindorama do Tocantins é um refúgio paradisíaco, que se destaca nos roteiros de ecoturismo, está relativamente acessível a partir dos grandes centros urbanos da região Centro-Oeste, mesmo estando localizada na região norte do Brasil.

Para os viajantes partindo de Goiânia, a lagoa encontra-se a aproximadamente 540 quilômetros de distância, uma jornada que revela a diversidade e a beleza do cerrado brasileiro. Já para aqueles que partem de Brasília, a distância é de cerca de 620 quilômetros, oferecendo uma oportunidade única de se desconectar da agitação da capital e mergulhar na tranquilidade e nas cores vibrantes da natureza.

Lagoa do Japonês em Pindorama do Tocantins é um oásis azul turquesa no coração do Cerrado

Lagoa do Japonês em Pindorama do Tocantins é um oásis azul turquesa no coração do Cerrado. Foto: Instagram @tayanne_ribeiroo compartilhado pelo instagram @lagoadojapones

Conhecida por suas águas de um cristalino impressionante, que oscilam entre tons de verde esmeralda e azul turquesa, a Lagoa do Japonês é um convite irrecusável para os amantes da natureza e da aventura.

Características Únicas

Estendendo-se por aproximadamente 1 hectare, a Lagoa do Japonês é um espetáculo de cores e formas naturais. Suas águas límpidas, abrangendo uma ampla paleta de cores que varia do verde esmeralda ao azul turquesa, criam um cenário de rara beleza e serenidade. Este oásis natural é circundado por uma vegetação luxuriante, que adiciona um contraste verdejante às suas águas translúcidas, criando uma harmonia visual deslumbrante.

O ponto mais icônico e fotografado da lagoa é, sem dúvida, a gruta localizada em um de seus extremos. Esta caverna natural, um santuário de sombra e água fresca, se revela como um mundo à parte. As águas aqui adquirem uma intensidade de azul hipnotizante, refletindo a luz de maneira mágica e criando um ambiente quase etéreo. Esta gruta não é apenas um local de beleza excepcional, mas também um convite à exploração e à contemplação, oferecendo aos visitantes a chance de vivenciar momentos de paz e introspecção em meio a um cenário que parece desafiar a própria realidade.

No local, há opção de mergulho. Foto: lincolnvaladare

No local, há opção de mergulho. Foto: lincolnvaladare

Além de ser um paraíso para os fotógrafos, que encontrarão ângulos e perspectivas únicas, a gruta é um local ideal para momentos de relaxamento e conexão com a natureza. Seus recantos e nuances de luz proporcionam uma experiência visual inigualável, tornando cada visita uma jornada memorável e cheia de descobertas

Infraestrutura e Acesso

O local oferece petiscos e bebidas

O local oferece petiscos e bebidas

Além de sua água cristalina e vegetação exuberante, a lagoa dispõe de uma infraestrutura pensada para proporcionar conforto e segurança aos visitantes. Entre as facilidades oferecidas, encontram-se banheiros e vestiários limpos e bem cuidados, garantindo conveniência para os que passam o dia explorando a área.

Para os apreciadores da gastronomia local, há um restaurante que serve pratos típicos da região, oferecendo uma experiência culinária autêntica com alimentos frescos e saborosos. O cardápio inclui uma variedade de bebidas e petiscos, ideais para recarregar as energias após um dia de atividades.

Pensando na segurança e no conforto durante as atividades aquáticas, a lagoa oferece aluguel de sapatilhas próprias para água, coletes salva-vidas e canoas de apoio. Estes equipamentos são essenciais para explorar com segurança a gruta da lagoa, uma das principais atrações do local. Além disso, para os aventureiros, há opções de passeios de caiaque e stand up paddle, permitindo uma interação ainda mais intensa com a natureza.

Horários, Valores e Serviços Adicionais

A lagoa está aberta diariamente das 8h às 18h. A entrada custa R$40, com equipamentos adicionais disponíveis para aluguel por R$10. Para os aventureiros, há a opção de acampar no local, permitindo uma experiência mais imersiva.

Localização e Rotas de Acesso

Situada a 35 km ao sul de Pindorama, o aeroporto mais próximo é o de Palmas, a 236 km de distância. O acesso é pavimentado até Pindorama, seguido de uma estrada de terra e areia. Recomenda-se veículos com tração 4×4 para os últimos 14 km, especialmente devido a uma serrinha no trajeto.

Época Ideal para Visita

A melhor época para visitar é de maio a setembro, período de pouca chuva que deixa as águas ainda mais claras e o acesso mais fácil. Com um limite diário de 150 pessoas, é aconselhável evitar feriados e o mês de julho para assegurar a entrada.

Opções de Hospedagem

Os visitantes podem optar pelo camping na lagoa ou por acomodações em hotéis e pousadas nas cidades vizinhas, como Ponte Alta do Tocantins, que oferecem mais conforto.

Atividades e Aventuras

A Lagoa do Japonês é perfeita para mergulho, observação de peixes e exploração da gruta. A área oferece também trilhas e uma tirolesa de 300 metros. Para uma experiência completa, recomenda-se calçados adequados para água e atenção especial ao acessar a estrada na serrinha.

A Lagoa do Japonês não é apenas um destino turístico, mas um convite à aventura e ao contato profundo com a natureza, apresentando-se como um dos mais belos e tranquilos refúgios naturais do Tocantins.

Cidade do interior do Tocantins é reduto dos goianos apaixonados por carnaval de rua

Praia de água doce cristalina na divisa de Goiás e Tocantins é um oásis que está atraindo turistas do mundo inteiro

Conheça um paraíso inexplorado na divisa entre Goiás e Tocantins

Cidade goiana tem águas a 40 graus, destaque na produção rural, cachoeira apaixonante e forte relação com as abelhas

Jataí, cidade  no sudoeste goiano, é conhecida por sua economia robusta, clima tropical e uma rica história cultural. O nome tem origem indígena e significa “abelha pequena”. Ele  foi escolhido devido à grande quantidade de abelhas encontradas na região, refletindo a biodiversidade e as áreas de preservação ambiental da cidade. 

Jataí, localizada a 320 km de Goiânia e 528 km de Brasília  é conhecida por sua rica biodiversidade, que se manifesta em suas áreas de preservação e na abundância de espécies de abelhas​​​​. A cidade se destaca como um importante centro econômico e turístico da região​​​​.

A cidade figura como uma das principais economias de Goiás, com um PIB per capita de 21.767,73 reais. As receitas orçamentárias realizadas atingem 14.031.054.018 reais, enquanto as despesas orçamentárias empenhadas somam 11.168.413.348 reais. O município conta com 2.678 empresas e um total de 17.790 pessoas empregadas. Sua economia é fortemente impulsionada pela agropecuária, destacando-se na produção de milho e soja, além de possuir significativa atuação no segmento industrial, especialmente na produção de alimentos, bebidas, etanol e açúcar​​​​.

Clima

O clima de Jataí é classificado como tropical mesotérmico, com duas estações bem definidas: um período chuvoso de outubro a abril e um período de seca de maio a setembro. As temperaturas médias variam entre 10 °C e 29 °C no inverno, podendo ocasionalmente descer abaixo de 5 °C, e entre 18 °C e 35 °C no verão​​.

História e Cultura

A história de Jataí remonta aos índios caiapós e à colonização luso-brasileira no séculos XVIII e XIX. A cidade, originalmente chamada Paraíso, foi fundamental no desbravamento dos sertões de Goiás e se desenvolveu significativamente com a chegada de colonizadores incentivados por Dom Pedro II. Hoje, Jataí mantém viva sua história através de locais como o Museu Histórico e Cultural, que oferece uma visão abrangente da arte, religião e arquitetura da região​​​​.

A história de Jataí começa com os índios caiapós, que habitavam a região no séculos XVIII e XIX. Durante o reinado de Dom Pedro II, diversos incentivos foram oferecidos para promover a colonização do interior do país, atraindo famílias de várias partes do Brasil para o sudoeste goiano. Este período marcou o início de vários arraiais, que mais tarde se desenvolveriam em cidades, incluindo Jataí​​. Personagens como José Manoel Vilella e Francisco Joaquim Vilela desempenharam papéis significativos no desenvolvimento inicial da cidade, com a construção de uma capela em homenagem ao Divino Espírito Santo, que mais tarde evoluiu para a criação do distrito de Paraíso, eventualmente se tornando a cidade de Jataí em 1885​​.

Economia

Jataí é um município de grande importância econômica para o estado de Goiás e para o Brasil. A cidade é conhecida como a capital da produção de grãos e leite de Goiás e é o maior produtor nacional de milho. Além disso, a cidade  está entre as principais economias do estado de Goiás, ocupando o 6º lugar em termos de PIB entre os municípios goianos.

A economia de Jataí é fortemente baseada na agropecuária, com destaque para a produção de grãos. A cidade também tem uma forte presença industrial, especialmente no segmento de alimentos, bebidas, etanol e açúcar. Empresas como a Raízen Energia e a Louis Dreyfus têm uma presença significativa na região, contribuindo para a economia local.

A construção civil e o comércio atacadista e varejista também são setores importantes na economia de Jataí, refletindo o dinamismo da economia local. De acordo com os dados mais recentes, o município tem uma população estimada de 105.729 habitantes

 Cultura e lazer 

No quesito turismo e entretenimento, Jataí oferece várias opções, Entre elas destacam-se: o Parque Ecológico Diacuí: que é um espaço verde exuberante que oferece uma grande variedade de atividades ao ar livre, como trilhas para caminhadas, ciclismo, piqueniques e muito mais. O parque também abriga uma grande variedade de animais selvagens, como macacos, pássaros e peixes, que podem ser observados em seu habitat natural.

 A Cachoeira do Salto que é uma bela queda d’água que atrai muitos visitantes durante todo o ano. Com suas águas cristalinas e ambiente tranquilo, a cachoeira é um ótimo lugar para relaxar e se reconectar com a natureza e o  Museu Histórico e Cultural de Jataí que  oferece uma visão fascinante da história e cultura da região, com exposições sobre a arte, a religião, a arquitetura e muito mais. O museu tem como objetivos a preservação e difusão da história e da memória de Jataí e do Sudoeste Goiano.

A cidade é famosa por sua deliciosa gastronomia, com uma grande variedade de pratos típicos da culinária goiana, como pequi, arroz com suã, empadão goiano e muito mais. Os visitantes também podem saborear a cachaça artesanal da região, que é produzida localmente e tem um sabor único e autêntico.

Além disso, Jataí possui uma variedade de restaurantes que oferecem uma ampla gama de opções culinárias. Alguns dos restaurantes mais populares incluem Mama Victoria, que serve pratos italianos e brasileiros, Crema e Gusto Gelateria e Waffle, que oferece delícias italianas, e Bangallo, que serve pratos brasileiros.

Além disso tudo,  a cidade é conhecida por suas águas termais, que atraem visitantes de todo o país. O Thermas Park Jatahy  é um clube de águas termais rodeado pela exuberante vegetação do Cerrado e pelo canto dos pássaros locais1. As águas quentes brotam naturalmente do lençol freático a 40ºC. O clube oferece uma estrutura confortável, com um amplo complexo de piscinas, toboáguas, parque aquático infantil, sauna, bares e restaurante. Além disso, há uma praia de areias brancas banhada pelas águas do Lago Bonsucesso.

 Já o Hotel Thermas Bonsucesso: Este hotel-fazenda rural oferece um complexo de parque aquático com 7 piscinas, bar,  restaurantes e quadras esportivas. O hotel também oferece várias opções de entretenimento, incluindo passeios a cavalo e esportes aquáticos no lago. Os quartos apresentam uma decoração simples e clássica, e dispõem de varanda, ar-condicionado, TV, frigobar e banheiro privativo com secador de cabelo.

Essas atrações oferecem uma combinação perfeita de relaxamento e diversão, tornando Jataí um destino ideal para quem busca uma experiência termal única.


 

O que fazer na cidade? 

Parque Ecológico JK

9c5cd9ed798503d0ddf55d32ceefed6a.jpgFoto: Prefeitura de Jataí

89c4c2121f9256ace7aa6b20a6281b3d.jpgFoto: Site Conheça Jataí 

Para quem curte esportes radicais, a pedida é o Lago Bom Sucesso, que atrai praticantes de jet ski, canoagem, escalada e tirolesa. O lago também tem espaço para programas mais tranquilos, com praias e área de camping, ideal para assistir o pôr do sol.

Endereço: Vila Sao Pedro, Jataí – GO, 75800-035

Telefone: (64) 3632-8800

 

Lago Diacuí

ca119e3a40e82a9da12afc24cda93a18.jpgFoto: Site Conheça Jataí 

bace3885caf0fbf8ef15e3415e57efce.jpgFoto: Site Conheça Jataí 

Endereço: Vila Fátima Jataí – GO 75800-035

Telefone: (64) 3632-8800

 

Memorial JK em Jataí

55d466bca8433718a9c513cb044d949e.jpgFoto: Prefeitura de Jataí

39c6a6c41d148ddcb232ae766d1d7cf1.jpgFoto: Prefeitura de Jataí

Inaugurado em 2003, o Parque conta com grande área verde, um grande lago e um prédio modernista que faz homenagem à Brasília e ao Presidente Juscelino Kubitschek, o Memorial JK.

Como chegar: Alameda das Primaveras, acesso pela Br 060, saída para Goiânia – Jataí Goiás (endereço do memorial na cidade – 713, R. Valeriano do Prado, 659 – St. Central – Parte Baixa, Jataí – GO, 75800-003)

Mais informações: prefeitura de Jataí – (64) 3632-8800

 

Thermas Park Jatahy

Jataí

8793c0a03334d7a97a064cdccf41025a.jpg

Clube de águas termais às margens do Lago Bom Sucesso, o Thermas Park Jatahy faz parte do Polo Turístico Vale do Paraíso e atrai turistas o ano inteiro. No espaço, piscinas termais para adultos e crianças, parque aquático, toboáguas, praia privativa, sauna, salão de jogos e restaurante.

Como chegar: Polo Turístico Vale do Paraíso, BR-158 a 12 km de Jataí, às margens do Lago Bonsucesso.

Telefone: (64) 3632-8896 | 3632-8897 | Plantão: (64) 9612-5147

Horário de funcionamento: de sexta a domingo das 9h às 21h

Entrada por pessoa: Sexta: R$15 / Sábado e domingo: R$30 (inteira) R$15 a (meia) / Crianças menores de 10 anos não pagam

Mais informações: clique aqui

 

Hotel Thermas Bonsucesso

7e6cf4c5cdaa4cd80f4f1c7aa4678320.jpg

2f7e8d1d86eb5d9d0f61581a31db3522.jpg

Mais um destino para quem quiser relaxar nas águas termais de Jataí. O Hotel Thermas Bonsucesso também faz parte do Polo Turístico Vale do Paraíso, e além de opções de hospedagem possui área de lazer, restaurante, bar molhado, salão de jogos e até cinema.

Como chegar: Polo Turístico Vale do Paraíso, BR-158  a 4 quilômetros do centro da cidade de Jataí, ao lado do Thermas Park Jataí

Mais informações: (64)3632-3600 / (64)9-9910-3212

 

Cachoeira Bom sucesso – Cachoeira integrada ao Parque Bom Sucesso

46bda07bc446b056bac056095e3f1e4e.jpegFoto: Prefeitura de Jataí

14cdc5bf9684322ee5cd5ec5b9345bab.JPGFoto: Prefeitura de Jataí

ec69afad3193794b3de682de0c5e91af.jpgFoto: Prefeitura de Jataí

Lugar magnífico para quem gosta de um contato direto com a natureza, uma visão incrível. Quando for em Jataí, precisa conhecer sem falta este lugar maravilhoso

Como chegar: Km 5, BR-158, Jataí – GO, 75800-000

Telefone: (64) 3632-3600

 

Cachoeira do Lajeado – propriedade privada

853d1d6a1f75d49426630bf56af848e5.JPGFoto: Jataí News

9e364fbc7e6c572a703b34f48d203795.jpgFoto: Prefeitura de Jataí

Localizada próxima a Jataí, a cachoeira tem 46 metros de queda d’água e um paredão ideal para a prática do rapel, mas, a descida até o leito é indicada aos mais experientes em trilhas. Para visitar a Cachoeira do Lajeado, é preciso ter autorização dos proprietários do espaço e estar acompanhado de guias de turismo.

Localização: Saindo de Jataí a partir do trevo da Br–060 e Br–364, sentido Jataí – Caçu percorre-se 8.79 km, daí a direita mais 700 m

 

Cachoeira Ponte de Pedra

450ba1cc5d93d31eafdf09ed6dc018a0.jpgFoto: Site conheça jataí

5433cceda823517adfff3f9b5a680f27.jpgFoto: Prefeitura de Jataí

Ideal para banhos de cachoeira, passeios a cavalo e trilhas, a Cachoeira Ponte de Pedra é um clibe com área de camping, chalé, restaurante, piscina natural, cachoeira de 30m de queda e até uma caverna! Para visitar, é cobrada uma taxa de R$5, e o local funciona das  08h até ás 17h, com visita guiada e autorização para visitação por telefone.

Localização: Clube de Campo Ponte de Pedra / Rod.GO-184 Km 30 à esquerda.

Telefone: (64) 9612-5147 /

Mais infirmações – Prefeitura da cidade:  (64) 3632-8800

 

Cachoeira do Rio Claro

b14782f18248b8951c1c971dd300cc57.jpgFoto: Site conheça jataí

791c70f1e1a5cf28bce4a8a3b7d633c9.jpgFoto: Site Mapio

Rafting, canoagem e descidas de boias são atrativos do Rio Claro, que também possui cachoeiras, praias e locais de pesca. O período de visitação ideal do Rio Claro é entre maio e novembro.

Como chegar: Margeando o perímetro urbano, sentido Mineiros sendo cortado pela Br-364  / endereço cachoeira: R. Almeida Zéca Viléla, 355-489 – Vila Fátima, Jataí – GO, 75803-090, Brasil

 

Kayak no Ribeirão Ariranha, em Jataí

Ideal para a prática de rafting, acqua-ride, boia-cross e druck, o Ribeirão Ariranha é ideal para os que procuram adrenalina. Para visitar, é preciso possuir autorização dos proprietários do espaço e entrar em contato com guias turísticos da cidade.

RaftingFoto: Prefeitura de Jataí

5be1ba4eb0ba0d1db4a130c0f30e0fb3.jpgFoto: You Tube

Rafting no Ribeirão Ariranha em Jataí

Localização: Saindo do entroncamento da GO-184 (Jataí – Serranópolis), finalizando na ponte da GO-184. O trajeto tem início na antiga estrada da EMGOPA (próximo a Fazenda Ouro).

 

Museu de Arte Contemporânea de Jataí
20b51a3b07d21a9509e307c2716b92ce.jpg

18db8b6a49969407faa7e0a5a249e3aa.jpgFoto: Site conheça jataí

O Museu de Arte Contemporânea está localizado em importante edifício do século XIX (1893) construído pelo libanês Alexandre Gabriel Alfaix, representante comercial da época (o conhecido mascate), que instalou ali uma das primeiras “lojas” para atender aos fazendeiros da região. Em 1958 foi instalada ali uma escola, tendo como professoras as filhas de Alexandre Alfaix: Dallel, Anita e Helena. Magide Alfaix, que não possuía herdeiros diretos, negociou com o poder público a restauração do edifício, com a condição de se instalar no saguão do imóvel um monumento em memória aos seus pais, os construtores da casa. Em 1995, foi inaugurado ali o Museu de Arte Contemporânea, que realiza inúmeras exposições, oficinas e lança desde 2001 o Salão Nacional de Artes, o único do gênero no estado de Goiás.

Endereço: Rua Castro Alves nº: 468

Telefone: 64 3632-4048

Fotos e informações: Site Conheça Jataí

 

Jatahy Shopping

baafa8167a3ecf7917e1af2da7b4c3a3.jpgFoto: Site conheça jataí

c5940bfc186d7b41ad0cf7d4ec8226b4.jpgFoto: Site conheça jataí

 

Igreja Matriz da cidade

c71c43dbf50c395b6b0fadf146906283.jpgFoto: Site conheça jataí

2cd5f84c5d0e489203866341fda17ec6.jpgFoto: Site conheça jataí

Endereço: Rua Benjamin Constant, 561-639 – St. Central – Parte Baixa, Jataí – GO

Observação: Igreja MATRIZ de Jataí

Telefone: (64) 3631-1740

 

Igreja Catedral Divino Espirito Santo

0c55dfc3a1f8b1e0a3077da69c833aea.JPGFoto: Site conheça jataí

cfe16ff4552afee53fa944299a3149f7.jpgFoto: Site conheça jataí

A Catedral de Jataí nos chama a atenção por sua imponência e arquitetura moderna. O prédio começou a ser construído em 1984, a obra levou nove anos para ficar pronta. Foi dedicada em 2 de outubro de 1993 ao Divino Espírito Santo, com a presença do então núncio apostólico no Brasil, Dom Alfio Rapisarda. Vista do alto, a igreja lembra o formato de um favo de mel. Sua fachada possui doze colunas que simbolizam os apóstolos de Cristo.
Em seu interior, possui um imenso painel de arte sacra, pintado pelo famoso artista Cláudio Pastro, com pinturas retratando passagens importantes do Novo e do Velho Testamento. Possui ainda uma cripta, onde estão enterrados os bispos.

Endereço: R. Minas Gerais, 955 – Vila Santa Maria, Jataí – GO, 75800-970

Observação: A Catedral Divino Espírito Santo é o monumento símbolo da cidade de Jataí, no estado de Goiás.

Telefone: (64) 3631-2490

 

ZooFlora

d58d57ab55e09205d2e13090894301be.jpgFoto: Site conheça jataí

a28d2ba406ed7b9cb59e596558c481b2.jpgFoto: Site conheça jataí

A Chácara Zooflora fica à 03 km do centro da cidade, associada a ACASP – Associação dos Criadores de Animais Silvestres e Peixes do Sudoeste Goiano. Com uma área de floreta nativa, estão averbados como Reserva Legal, de tipologia vegetal cerrado denso e mata de galeria de plantação experimental de árvores destinadas a reflorestamento de áreas de preservação permanente e reserva, formados em pastagens cultivadas com lavouras de banana, mandioca, milho, cana, capim elefante e pomar, destinados a alimentação dos animais silvestres. A área de floresta nativa está sub-dividida em 22 recintos para criação de animais. Os animais silvestres ali criados, em regime semi-extensivo, possuem quase as mesmas condições de seu habitat, sendo eles: Queixada, Cateto e Capivara, Paca, Cutia, Anta, Veado, Ema, Psitacídeos, etc.

Endereço: R. Benjamin Constant, sentido Fazenda Guadalupe – 03 Km do Centro

Valores e Informações – Telefone: (64) 9 96066361 / (64) 9 9994-8182

5738f2eff0700921444d9916d5a6fa59.jpgFoto: Site conheça jataí

 

SERVIÇO

Jataí

Informações de hospedagem e alimentação

Como chegar: Jataí fica a 327 km de Goiânia, acesso pela BR-060. 

CAT – Jataí: (64) 3632-4004 | Plantão: (64) 9612-5147

Endereço: Rua Minas Gerais, 623, Quadra 32, Lote 18, Setor Santa Maria 2, CEP 75.800-087

E-mail: [email protected]

Prefeitura de Jataí: (64) 3632-8800

Endereço: Rua Itarumã, N° 355, Setor Santa Maria

Site: www.jatai.go.gov.br

Fotos e informações: Site Conheça Jataí / Prefeitura de Jataí