Novo filme da Netflix mostra como seria a revolução tecnológica em um Brasil Cyberpunk

A Netflix estreou recentemente “Biônicos”, um filme brasileiro de ficção científica e ação dirigido por Afonso Poyart, que vem ganhando destaque por sua abordagem inovadora em um cenário nacional carente de produções do gênero. Ambientado em um futuro distópico em 2035, o longa explora a ascensão da tecnologia biônica no esporte, focando na complexa dinâmica entre duas irmãs, Maria e Gabi, cujas vidas são transformadas pela revolução das próteses.

O filme mergulha os espectadores em um mundo onde a tecnologia biônica redefine o esporte, tornando os jogos tradicionais obsoletos. Maria (Jessica Córes), uma atleta dedicada, luta para manter sua relevância em um mundo que cada vez mais valoriza as próteses biônicas, enquanto sua irmã Gabi (Gabz), que teve a perna amputada na infância, se destaca como uma atleta biônica. A rivalidade fraterna e os desafios éticos do uso de próteses biônicas criam um enredo emocionante e repleto de dilemas morais.

Afonso Poyart, conhecido por seu trabalho visualmente impressionante em “2 Coelhos” e “Mais Forte que o Mundo – A História de José Aldo”, traz sua assinatura estilística para “Biônicos”. A direção de Poyart é um dos pontos altos do filme, com uma São Paulo futurista que evoca uma estética cyberpunk vibrante e envolvente. As cenas de ação são bem coreografadas, e os efeitos especiais, embora não inovadores, são integrados de maneira eficiente ao ambiente, contribuindo para uma experiência visualmente rica.

Jessica Córes se destaca com uma atuação intensa e emotiva, capturando a determinação e as complexidades internas de Maria. A evolução da personagem, de uma competidora feroz para alguém questionando os limites éticos da tecnologia, é conduzida com habilidade, fazendo dela uma protagonista cativante. Bruno Gagliasso também entrega uma performance sólida como Heitor, um personagem que personifica as ambiguidades morais que permeiam o enredo.

O roteiro, co-escrito por Josefina Trotta, Cris Cera, Victor Navas e Poyart, aborda temas como ambição, identidade e o custo do progresso tecnológico. A trama se aprofunda nas tensões entre o desejo de superar limites humanos e as implicações éticas dessas melhorias, provocando reflexões sobre o verdadeiro significado da excelência e do sacrifício. No entanto, o filme peca por um ritmo desigual, com algumas cenas que poderiam ser mais concisas para manter a fluidez da narrativa.

“Biônicos” também enfrenta desafios ao equilibrar sua identidade nacional com um apelo global. A ambientação futurista de São Paulo é visualmente marcante, mas a falta de regionalidade específica pode fazer com que o filme perca parte de seu charme autêntico. Além disso, alguns personagens coadjuvantes, como o detetive Guerra (Danton Mello) e Gustavo (Christian Malheiros), não recebem o desenvolvimento necessário, deixando lacunas na construção da história.

Apesar dessas falhas, “Biônicos” representa um passo significativo para o cinema brasileiro, explorando um gênero raramente abordado no país com competência e criatividade. O filme não apenas entretém, mas também instiga discussões sobre o futuro do esporte, a relação entre tecnologia e humanidade, e os limites éticos do avanço científico. Em suma, “Biônicos” é uma obra que, embora imperfeita, merece ser vista por sua audácia e originalidade no panorama cinematográfico nacional.

Confira o trailer abaixo:

 

Com Marcão Britto e Thiago Castanho, turnê 30 anos Charlie Brown Jr. chega a Goiânia

Livro brasileiro para bebês é eleito o melhor do mundo!

“Ainda era dia quando a lua apareceu. Como não precisava iluminar o dia, foi à praia descansar um pouco”, narra o início do livro Dia de Lua. Na sequência, a obra mostra o satélite natural em diversas situações ao longo do dia, sem ser notada, até que há uma reviravolta final.

A publicação brasileira recebeu o prêmio de melhor livro para bebês, que estreou como uma categoria (”Toddler”) do BolognaRagazzi Awards neste ano, promovido pela 61ª Feira do Livro Infantil de Bolonha, a maior do setor. Ao todo, foram 3.355 títulos inscritos por editoras de 65 países e em diversas categorias.

A obra é assinada por Renato Moriconi, autor de cerca de 90 livros, e integra a coleção Literatura de Colo, da Jujuba Editora, de São Paulo — que tem 18 títulos voltados especialmente a esse público e foi indicada a melhor editora da América Latina e Caribe na feira do ano passado.

Voltado a publicações desenvolvidas para crianças de 1 a 3 anos, o prêmio de melhor livro para bebês foi entregue durante a feira italiana, realizada entre os dias 8 e 11, na Itália. O troféu foi recebido com muita comemoração pela editora e fundadora da Jujuba, Daniela Padilha, e por Moriconi.

Na justificativa, o júri do prêmio destacou o cuidado com cada detalhe gráfico, como a capa sem título, os cantos arredondados e a paleta de três cores (azul, branco e preto). Entre os pontos ressaltados, também estavam a criatividade e a mistura de elementos.

Além disso, o júri elogiou a proposta de narrar o dia da lua, a qual exerce funções diferentes para além de iluminar o céu, transformando-se em rede, guarda-chuva, chifre de rinoceronte e outros. “A pureza do design gráfico do livro cativa os leitores nesta jornada diurna/lunar magistralmente executada”, conclui a justificativa oficial.

Livro infantil Dia de Lua (foto: divulgação)

Como é Dia de Lua? O que tem de diferente de outros livros para bebês?

Dia de Lua é um livro voltado para os bebês e aqueles com quem compartilham essa experiência, como os pais e cuidadores. Embora tenha esse público prioritário, igualmente se propõe às demais faixas etárias.

“Tem características que dialogam com o leitor bebê e o adulto de referência, que está lendo com o bebê. E você só consegue essa relação com o livro se surpreender esses dois públicos”, explica a editora, Daniela Padilha. Para ela, a obra já começa com uma provocação, uma quebra de expectativa, por não ter o título exposto na capa frontal, mas apenas na lombada.

Ao longo das páginas, as ilustrações mostram a lua em diferentes situações ao longo do dia, desde o chifre de um rinoceronte até a base de um vaso de flores. Em frases curtas e imagens, narra experiências um tanto poéticas e um certo incômodo do satélite natural com a pouca atenção, até que toma uma decisão final.

Por ser voltado prioritariamente à primeiríssima infância, o livro é de capa dura, com pontas arredondadas e páginas de maior gramatura. Essa proposta permite um melhor manuseio pelo leitor iniciante, ao mesmo tempo que aumenta a durabilidade no caso de puxões mais bruscos, contato com a boca e outras situações esperadas nessa faixa etária.

Autor do livro, Renato Moriconi destaca que ele não foi inicialmente pensado para bebês, mas cujo potencial foi identificado por Daniela, embora não se limite exclusivamente esse público. “É um livro que inclui também o bebê”, diz. “É um exercício gigante conversar com faixa etária muito longe da sua, poder tocar no coração deles, fazê-los se emocionarem e se divertirem”, aponta.

Moriconi aponta que o livro foi bem acolhido e elogiado na feira, o que mostra que trouxe alguns elementos mais universais. Ao mesmo tempo, percebe que há algumas referências regionais, como um trecho sobre a lua ter ficado “cheia”, o qual também se referia a ter esgotado a paciência.

“O livro trabalha com símbolos. Tem um humor que trabalha com códigos e símbolos da nossa cultura, da nossa língua e da nossa visualidade — que, de certa maneira, outras culturas compartilham, mas nem tudo”, avalia.

Editora tem produção voltada à ‘literatura de colo’

A obra faz parte da coleção Literatura de Colo. Criada em 2018, ela é o carro-chefe da produção na Jujuba. Daniela Padilha avalia que a premiação do Dia de Lua mostra a importância também de obras com esse perfil. Dos 18 livros da coleção, três são de Moriconi.

A proposta nasceu da percepção da baixa produção autoral nacional de literatura para os bebês. Como destaca Daniela, as opções no País eram basicamente traduções de obras estrangeiras ou com um perfil distinto — como feitos de pano ou plástico, assemelhando-se a um brinquedo e, por vezes, sem uma narrativa.

Para a editora, embora opções que se assemelham a brinquedos não sejam ruins, a produção para esse público pode ganhar maior pluralidade de propostas. Além disso, destaca que a leitura não precisa ser vista apenas como um instrumento para o desenvolvimento da criança. “O livro para bebês esteve nesse lugar do adulto detentor ensinando. O que a Jujuba propõe é que os dois encontrem coisas novas juntos”, compara Daniela, que também é pesquisadora da relação da literatura entre mães e bebês. “Pensamos na narrativa enquanto experiência literária entre duas pessoas”, completa.

Além disso, ela defende que esse contato deve ser entendido como uma experiência prolongada. No primeiro contato, por exemplo, é normal que a criança não queira prosseguir até o fim. “É importante evitar essa frustração”, diz.

 

*Fonte: Estadão

Veja também:

Filme que conta a história do Clube da Esquina estreia em cinema de Goiânia

Entra em cartaz nesta quinta-feira (28/3) no Cine Cultura, em Goiânia, o documentário ”Nada Será Como Antes”, de Ana Rieper, que explora a criação do álbum Clube da Esquina.

O enredo traz entrevistas com personalidades que formaram o grupo nos anos 1960, em Belo Horizonte, como Milton Nascimento, Lô Borges e músicos do porte de Nivaldo Ornelas, Toninho Horta, Beto Guedes, Robertinho Silva, Flavio Venturini, Wagner Tiso, Marcio Borges.

Também estreia o representante da Turquia para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, Ervas Secas, novo filme do prestigiado diretor Nuri Bilge Ceylan que chega ao Cine Cultura, em Goiânia.

O longa, que recebeu o prêmio de Melhor Atriz para Merve Dizdar no Festival de Cinema de Cannes de 2023, estreia nesta quinta-feira (28/3). Outra novidade da programação é No Submundo de Moscou, um filme russo de investigação, dirigido por Karen Shakhnazarov.

No fim de semana haverá sessões especiais e gratuitas de clássicos. No sábado (30/3), às 14h, será exibido o hilário Victor ou Vitória?, clássica comédia de 1993, dirigida por Blake Edwards. E no domingo (31/3), às 14h, Mulan, em sua encantadora versão original de 1998. A sessão é dublada e a classificação é livre.

E para quem não viu ainda, seguem em exibição no roteiro da sala os filmes Dias Perfeitos, A Menina Silenciosa e As Bestas.

O Cine Cultura é uma unidade da Secretaria de Estado da Cultura (Secult Goiás), e está localizado no Centro Cultural Marietta Telles Machado, na Praça Cívica, com funcionamento inclusive nos fins de semana.

Para os filmes do circuito comercial da sala o ingresso tem valor de R$10 (inteira) e R$ 5(meia). As entradas devem ser adquiridas na bilheteria da unidade, apenas em dinheiro. Lembrando que toda segunda-feira tem ingresso único de meia-entrada.

Sinopses

1º – Ervas Secas (2024, Turquia, 14 anos, 197 min, dir: Nuri Bilge Ceylan)
Samet é um jovem professor em um vilarejo remoto na Anatólia. Enquanto espera sua transferência para Istambul por quatro anos, uma série de acontecimentos o faz perder as esperanças. Até o dia em que conhece Nuray, uma jovem professora como ele.

2º – Dias Perfeitos (2024, Japão/Alemanha, 12 anos, 125 min, dir: Wim Wenders)
Hirayama leva uma vida feliz, conciliando seu trabalho como zelador dos banheiros públicos de Tóquio com sua paixão por música, literatura e fotografia. Sua rotina estruturada é lentamente interrompida por encontros inesperados que o forçam a se reconectar com seu passado.

3º – A Menina Silenciosa (2023, Irlanda, 14 anos, 96 min, dir: Colm Bairéad)
Cáit é uma menina de nove anos que tem uma família enorme, pobre e disfuncional. Com a aproximação de mais um parto de sua mãe, ela é enviada para a casa de parentes distantes, onde a menina silenciosa faz uma dolorosa descoberta.

4º – As Bestas (2024, França/Espanha, 16 anos, 137 min, dir: Rodrigo Sorogoyen)
Um casal francês se muda para uma vila no interior da Galícia. Eles levam vidas sossegadas, mas não têm uma boa relação com os vizinhos. Uma recusa, especificamente, acentua o desentendimento com dois irmãos, levando a situação ao limite.

5º – Monster (2023, Japão, 12 anos, 127 min, dir: Hirozaku Koreeda)
Uma mãe exige respostas do professor quando seu filho começa a agir de forma estranha.

6º – No Submundo de Moscou (2024, Rússia, 14 anos, 129 min, dir: Karen Shakhnazarov)
Moscou, 1902. O famoso diretor de teatro Konstantin Stanislavsky, em busca de inspiração para encenar uma nova peça, decide conhecer a vida “do submundo” da cidade. Ele pede ajuda a Vladimir Gilyarovsky, um reconhecido especialista no submundo de Moscou.

7º – Nada Será Como Antes (2024, Brasil, 10 anos, 79 min, dir: Ana Rieper)
O filme mergulha na musicalidade de um excepcional time de músicos – Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, Toninho Horta e outros – para entender como referências musicais diversas, e influências de paisagens, história e poesia refletiram em cada um deles e na música atemporal que criaram.

8º – Victor ou Vitória? (1982, EUA, 14 anos, 134 min, dir: Blake Edwards)
Paris, 1934. Victoria Grant é uma cantora lírica desempregada que conhece Carroll Todd, um cantor homossexual que foi recentemente demitido. Juntos, eles articulam um plano em que ela se faz passar por um homem, Conde Victor Grezhinski, que é um transformista, com o intuito de conseguir um emprego.

9º – Mulan (1998, EUA, Livre, 87 min, dublado, dir: Tony Bancroft e Barry Cook)
Para salvar seu pai da morte no exército, uma jovem solteira vai secretamente em seu lugar e se torna um dos maiores heróis da China no processo.

Confira a programação de 28/03 a 03/04:

Dias 28/03 e 29/03
14h – Dias Perfeitos (12 anos)
16h30 – No Submundo de Moscou (14 anos)
19h – Ervas Secas (14 anos)

Dia 30/03
14h – Clássico do Cultura: Victor ou Vitória (1982), de Blake Edwards (14 anos) – entrada gratuita
16h30 – Ervas Secas (14 anos)
20h – Dias Perfeitos (12 anos)

Dia 31/03
14h – Clássico Animado: Mulan (Livre) – entrada gratuita
15h45 – Nada Será Como Antes (10 anos)
17h20 – Dias Perfeitos (12 anos)
19h45 – As Bestas (16 anos)

Dia 01/04
14h – Dias Perfeitos (12 anos)
16h30 – No Submundo de Moscou (14 anos)
19h – Nada Será Como Antes (10 anos)
20h40 – A Menina Silenciosa (14 anos)

Dias 02/04 e 03/04
14h – Nada Será Como Antes (10 anos)
15h45 – Monster (12 anos)
18h10 – A Menina Silenciosa (14 anos)
20h – As Bestas (16 anos)

 

Veja também:

Estudantes goianos realizam maior projeto sobre microplásticos do Brasil

A crescente preocupação global com a poluição plástica nos ecossistemas aquáticos ganha contornos inéditos com o Projeto MicroMar, integrado por estudantes goianos e coordenado pelo professor Guilherme Malafaia, do Instituto Federal Goiano (IF Goiano).

Este empreendimento ambicioso conta com a expertise dos grupos dos professores Thiago Lopes Rocha e Boniek Gontijo Vaz, respectivamente do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (Iptsp) e do Instituto de Química (IQ) da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Os microplásticos, partículas com dimensões entre 100 nanômetros e 5 milímetros, constituem uma ameaça silenciosa à vida aquática, penetrando facilmente nos ecossistemas aquáticos.

O MicroMar concentra seus esforços na realização do maior estudo já conduzido no Brasil sobre a poluição por microplásticos nas praias do país, visando fornecer um diagnóstico abrangente e inédito sobre essa problemática.

 

Saiba mais sobre o trabalho pesquisando os microplásticos, realizado por estudantes goianos

 

Levantamento abrangente na Costa Brasileira

A equipe de pesquisa já coletou mais de 6,7 mil amostras de areia e água em 750 praias distribuídas em 300 municípios/distritos, abrangendo estados desde o Amapá até o Rio Grande do Sul.

Com um total de 5.578 km de orla percorridos entre julho de 2023 e fevereiro de 2024, a coleta, que será finalizada até abril de 2024, cobrirá todos os estados litorâneos do Brasil.

Sob a supervisão dos professores Thiago Rocha e Boniek Gontijo, as amostras passarão por rigorosas análises laboratoriais.

Estudantes goianos realizam maior estudo sobre microplásticos do Brasil

Foto: Jornal UFG

O objetivo é quantificar e tipificar os microplásticos, estabelecer valores de background, criar mapas de distribuição da poluição microplástica e determinar índices de risco de polímero e de carga poluidora.

Além disso, o MicroMar contempla uma análise das correlações entre os níveis de poluição por microplásticos nas praias e variáveis oceanográficas, condições ambientais e aspectos do litoral brasileiro.

O professor Thiago enfatiza que o MicroMar marca um marco inovador ao reunir pesquisadores de instituições em todo o Brasil.

A proposta é fornecer subsídios cruciais para decisões locais, regionais e nacionais, visando a prevenção de danos e a minimização de gastos futuros nas esferas ambiental e de saúde pública.

O estudo, que se destaca como uma iniciativa pioneira no enfrentamento da poluição por microplásticos no Brasil, promete impactar positivamente políticas públicas e ações concretas voltadas para a preservação de nossas praias e a proteção da vida marinha.

 

O MicroMar reforça o compromisso da comunidade acadêmica brasileira na busca por soluções eficazes diante dos desafios ambientais contemporâneos.

 

Equipe do projeto MicroMar

A equipe executora do projeto MicroMar engloba, além de pesquisadores da UFG, aqueles vinculados ao IF Goiano, Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Universidade Estadual do Amapá (UEAP), Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Além disso, o projeto conta com a colaboração de pesquisadores do Catalan Institute for Water Research e University of Girona (Espanha), Universidade de Aveiro (Portugal), Jahangirnagar University (Bangladesh), Assiut University (Egito), Universidad Nacional del Sur (Argentina), Begum Rokeya University (Bangladesh), Universiti Teknologi Brunei (Brunei), Periyar University (Índia), University of Virginia (EUA) e Leibniz-Institut für Ostseeforschung Warnemünde (Alemanha).

O projeto MicroMar é um dos projetos apoiados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (chamada CNPQ/MCTI-FNDCT CT-PETRO nº 43/2022), em consonância com o Programa Ciência no Mar (PCMar/MCTI) e com o Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar (PNCLM)

 

Assista aqui ao documentário elaborado no âmbito do projeto MicroMar.

 

Leia Também

3 das mais bonitas praias de água doce do Brasil ficam pertinho de Goiás

Lugares paradisíacos pertinho de Goiás que você precisa conhecer

Goiânia recebe espetáculo de dança “Pressa” com entrada gratuita

Saiba a data do eclipse solar total em 2024

20 filmes indicados ao Oscar 2024 que estão disponíveis no streaming

 

Camisa de clube de futebol brasileiro é eleita a mais bonita do mundo!

É do Verdão! A nova camisa número 1 do Palmeiras foi eleita a mais bonita do mundo em uma votação popular e não só, também ganhou destaque por sua concepção e detalhes.

O uniforme esbanja elegância com a cor verde predominante, a gola e o acabamento das mangas na cor branca.

Porém, um dos principais destaques do uniforme é a cor dourada utilizada para logos, números e nomes dos jogadores, além da frase “110 anos” gravada.

O uniforme representa a campanha “O que nos torna família”, exaltando o sentimento de pertencimento, de luta e de amor compartilhados que unem os palmeirenses em uma única família palestrina.

Camisa do Palmeiras é escolhida a mais bonita do mundo (foto: divulgação)

Parceria de sucesso

O uniforme ainda celebra os troféus conquistados durante a parceria do clube com a atual fornecedora de material esportivo, a Puma.

Desde que Palmeiras e Puma firmaram parceria, o clube venceu 10 títulos, como: Conmebol Libertadores, Paulistão, Brasileirão, Supercopa do Brasil, Copa do Brasil, dentre outros.

Concorrentes

Para conquistar o título de camisa mais bonita do mundo, o uniforme do Palmeiras desbancou a camisa especial de Ano Novo Chinês do Manchester City, que ficou em segundo lugar, e a quarta camisa do Paris Saint-Germain (PSG), que ficou em terceiro na disputa.

Os votos conquistados pelo Verdão mostram o grande reconhecimento e admiração que a camisa palmeirense conquistou no cenário mundial e ajuda a levar o nome do futebol brasileiro por todos os cantos do globo.

 

Veja também:

 

 

O destino mais acolhedor do mundo é brasileiro

Em um universo vasto de destinos turísticos, a hospitalidade dos moradores pode ser um fator decisivo para transformar sua viagem em uma experiência inesquecível.

Anualmente, a Booking reconhece os destinos mais acolhedores do mundo, e, para orgulho do Brasil, Arraial d’Ajuda, na Bahia, conquistou o primeiro lugar na 12ª edição do Traveller Review Awards.

O destino mais acolhedor do mundo é brasileiro

Foto: Melhores Destinos

Essa premiação, que abrange prestadores de serviços de viagens de 221 países, celebra o compromisso com a hospitalidade e a excelência ao longo do ano.

O destaque brasileiro foi moldado pelas mais de 309 milhões de avaliações verificadas de clientes, posicionando Arraial d’Ajuda como o destino mais caloroso do planeta.

 

Conheça o destino mais acolhedor do mundo e saiba quais são os outros 9 que compõem o ranking:

 

1° – Arraial d’Ajuda, Brasil

O destino mais acolhedor do mundo é brasileiro

Foto: Melhores Destinos

Arraial d’Ajuda, no Litoral Sul da Bahia, conquistou merecidamente o primeiro lugar como o destino mais acolhedor do mundo. Inteiramente inserido na rota da Costa do Descobrimento, este distrito de Porto Seguro oferece uma charmosa vila de praia que se destaca por seu encanto natural.

 

Ideal para escapadas rápidas, Arraial d’Ajuda oferece um equilíbrio perfeito entre relaxamento e animação. Longe das obrigações turísticas convencionais, a vila proporciona uma atmosfera descontraída, onde os visitantes podem desfrutar de paisagens incríveis e momentos de tranquilidade.

Neste pedacinho da Bahia, a prioridade é recarregar as energias e desfrutar da felicidade sem preocupações.

 

2° – Ermoupoli, Grécia: Encanto Histórico nas Ilhas Cíclades

3° – Viana do Castelo, Portugal: Acolhimento à Beira do Atlântico

4° – Daylesford, Austrália: Refúgio Relaxante no Coração do País

5° – Grindelwald, Suíça: Aconchego Alpino e Paisagens Deslumbrantes

6° – Moab, Estados Unidos: Aventura e Hospitalidade no Meio do Deserto

7° – Uzes, França: Elegância e Simpatia em Solo Francês

8° – Mazatlán, México: Vibração Mexicana à Beira do Pacífico

9° – Jaisalmer, Índia: Magia e Hospitalidade no Deserto de Thar

10° – Fujikawaguchiko, Japão: Tranquilidade aos Pés do Monte Fuji

 

Leia Também

Praia mais bonita do mundo é brasileira, segundo Washington Post

 

Mais sobre Arraial D’Ajuda

A caminhada de Arraial d’Ajuda a Trancoso é um dos passeios mais populares entre os turistas. A boa notícia é que o passeio é de graça!

Basta passar o protetor solar, consultar a tábua de marés e seguir rumo às praias de Trancoso.

O ponto de partida e o ponto de chegada dependerão do seu pique. Você poderá começar na última praia de Arraial d’Ajuda e ir até a primeira praia de Trancoso ou investir em percursos mais longos. Quanto mais longo, mais praias você verá.

O percurso mais comum tem 13 km de caminhada, com saída da Praia de Mucugê – Arraial d’Ajuda e chegada ao Quadrado de Trancoso.

O destino mais acolhedor do mundo é brasileiro

Foto: Melhores Destinos

No trajeto, você verá a Praia do Parracho, Praia da Pitinga, Praia de Taípe, Praia do Rio da Barra, Praia dos Nativos e, finalmente, a Praia dos Coqueiros. Depois é só subir até o Quadrado. O caminho é todo à beira-mar e é difícil definir qual o trecho mais bonito. Para retornar, pegue o ônibus de Trancoso a Arraial d’Ajuda.

O importante da caminhada é saber que ela deve ser feita durante a maré baixa, para não ter problema de encontrar o mar muito alto nas passagens por rios e pedras. Sendo assim, nunca deixe de consultar a tábua de maré antes de sair para o passeio.

 

Carnaval em Arraial d’Ajuda

Se você programar as suas férias na praia para essa época do ano, não perca o Carnaval em Arraial d’Ajuda. Leve a sua fantasia na mala ou entre em contato com os blocos com antecedência para garantir o seu abadá. O bloco mais tradicional da vila é o Bandeiroza, liderado pela banda de Horácio e Claudinho.

Outro bloco que faz a festa no CarnAjuda é o Afro Oduduwa. Em uma apresentação cheia de axé e empoderamento, é a mulherada quem mostra o talento nos tambores. Já o bloco Ladeira Abaixo tem uma marchinha nova todo ano e acolhe foliões de todas as idades, de bebês de colo a quem tem cabelos brancos.

 

Arraial d’Ajuda Eco Parque

O destino mais acolhedor do mundo é brasileiro

Foto: divulgação

Quem curte parques aquáticos não pode deixar de visitar o Arraial d’Ajuda Eco Park. Localizado na Praia de Mucugê, o Arraial d’Ajuda Eco Park é o destino perfeito para famílias que gostam de emoção. Há atrações para todos os níveis de emoção e o parque aquático oferece piscina de ondas, toboáguas, arvorismo, tirolesa, praça de alimentação, ampla área verde e, de quebra, uma linda praia. Nos meses de alta temporada, o parque aquático oferece ainda shows ao vivo, o que torna a experiência ainda melhor.

Os ingressos para o Arraial d’Ajuda Eco Park têm custo a partir de R$ 70 e o passeio completo, com 8h30 de duração, tem custo a partir de R$ 150.

 

Passeio de barco e mergulho no Parque Marinho de Recife de Fora

O destino mais acolhedor do mundo é brasileiro

Foto: Melhores Destinos

O Parque Marinho de Recife de Fora está entre os passeios prediletos dos turistas que visitam Arraial d’Ajuda e o lugar rende ótimas fotos e um mergulho com muita vida marinha. O tour de escuna tem saída do porto da balsa e o trajeto de 45 minutos até o Parque Marinho de Recife de Fora. Ao chegar às piscinas naturais do Parque Marinho de Recife de Fora, turistas têm entre 1h30 e 2h para curtir o mergulho e praticar snorkeling entre os corais e bancos de areia. O passeio de barco para o Parque Marinho de Recife de Fora pode incluir também uma experiência de mergulho autônomo, com batismo para quem pratica o esporte pela primeira vez.

O passeio de barco para o Parque Marinho de Recife de Fora tem custo a partir de R$ 110 por pessoa e duração de 4h, com horário de saída sempre pela manhã e de acordo com a maré. O custo médio do passeio para mergulho autônomo é de R$ 200 por pessoa.

 

Centro Histórico de Arraial d’ Ajuda

Depois de passar o dia na praia, vale a pena conhecer o Centro Histórico de Arraial d’Ajuda. O centrinho é repleto de casas antigas e coloridas, enquanto que na Broadway, que só leva mesmo o nome da rua xará em Nova York, você pode conferir artigos para praia e o artesanato da região.

A construção mais famosa é a Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, que começou com uma capelinha erguida por 5 jesuítas que acompanhavam Tomé de Souza em 1549. A estrutura atual, com interior bem simples, é de 1722.

Não perca a oportunidade de fazer um pedido e amarrar uma fitinha do Senhor do Bonfim no mirante que fica atrás da igreja, com uma vista linda para a praia.

 

Localização: R. Bela Vista, 81 – Arraial d’Ajuda, Porto Seguro – BA

O que fazer em Arraial d’Ajuda

As praias são a principal atração em Arraial d’Ajuda, mas vale a pena se divertir também com outros passeios. Para curtir uma caminhada despretensiosa, a Praça Caminho do Mar tem de tudo um pouco, com lojas de marcas conhecidas, feirinha de artesanato e restaurantes com mesinhas sob as copas das árvores.

A criançada vai adorar a Ilha dos Aquários, que fica entre Arraial e Porto Seguro. Esse centro de lazer cercado pela vegetação local conta com aquários, teatro, museu do mar e restaurante.

Já quem tem uma vibe mais espiritual vai gostar da Fonte Nossa Senhora d’Ajuda. Diz a lenda que a água cura doenças e começou a brotar ali quando os moradores rezaram para a santinha em uma época de seca.

Como funciona o prêmio?

A Booking é uma das maiores plataformas de hospedagens do mundo e tem esse prêmio como parte da pesquisa de Previsões de Viagem para 2024.

Os destinos do ranking foram selecionados conforme a proporção total dos vencedores do Traveller Review Awards 2024, em comparação ao número total de propriedades elegíveis naquela cidade ou região (apenas acomodação).

Os destinos também precisavam ter um número de vencedores superior à média para serem incluídos na lista (200 ganhadores ou mais para cidades e regiões) e foram selecionados de acordo com sua localização geográfica.

Conforme a plataforma, a pesquisa em questão foi realizada com um grupo de adultos que planeja viajar a lazer ou a negócios nos próximos 12 a 24 meses. Ao todo, 27.730 pessoas em 33 países e territórios participaram. Os participantes responderam a uma pesquisa on-line em julho de 2023.

 

Esses destinos não apenas oferecem cenários deslumbrantes, mas também acolhem os visitantes com calor humano e hospitalidade autêntica. Descubra a magia de cada lugar, permitindo que a simpatia local torne sua viagem única e memorável.

O mundo está repleto de destinos incríveis, e essas cidades são a prova de que a experiência do viajante vai além das paisagens, é também uma jornada de interações e acolhimento caloroso.

Arraial d’Ajuda, com seu charme na Costa do Descobrimento, conquistou o título principal, mostrando que a hospitalidade brasileira é um diferencial marcante.

Assim, ao escolher um destino para sua próxima jornada, considere não apenas as atrações turísticas, mas também o calor humano que cada lugar oferece.

Afinal, a verdadeira riqueza de uma viagem está na experiência compartilhada, nos sorrisos trocados e na sensação acolhedora que permanece mesmo após o retorno para casa.

Viajar é mais do que descobrir lugares; é vivenciar a hospitalidade que torna cada destino único.

Nosso Lar 2: filme brasileiro conquista topo das bilheterias do cinema

Desde o lançamento do primeiro filme em 2010, baseado na obra do renomado médium espírita Chico Xavier, os fãs aguardavam ansiosamente pela sequência de “Nosso Lar“.

Agora, com a estreia de “Nosso Lar 2: Os Mensageiros”, a produção conquistou não apenas a atenção do público, mas também fez história ao alcançar o topo das bilheteiras brasileiras.

Há catorze anos, o primeiro filme já se destacava como uma das melhores estreias da história do cinema nacional, marcando o segundo melhor final de semana desde 1995, com uma audiência de mais de 580.000 espectadores.

Em 2024, “Os Mensageiros” não apenas manteve a tradição, mas superou as expectativas, tornando-se a sexta melhor estreia de um filme brasileiro desde 2002.

 

Assista ao trailer do filme Nosso Lar 2:

 

O sucesso estrondoso do filme reflete-se nos números impressionantes: 546.800 espectadores e uma arrecadação superior a 11,8 milhões de reais.

Essa conquista coloca “Nosso Lar 2” no topo do ranking da Comscore, tornando-se a primeira produção brasileira a liderar a lista de arrecadação desde o início da pandemia.

Além de “Nosso Lar 2”, outro filme que contribui para o excelente desempenho do cinema nacional em 2024 é “Minha Irmã e Eu”, que já atraiu mais de 1,8 milhão de espectadores.

Esses resultados consolidam o ano como um período excepcional para o cinema brasileiro, superando até mesmo produções hollywoodianas como “Wish: O Poder dos Desejos” e “Meninas Malvadas”.

Na trama de “Nosso Lar 2”, um grupo de “espíritos mensageiros” é incumbido da missão divina de resgatar três protegidos que estão prestes a falhar em suas tarefas terrenas. Essa narrativa envolvente, aliada à qualidade da produção, contribuiu significativamente para o sucesso do filme.

Na classificação semanal, “Todos Menos Você”, uma comédia romântica estrelada por Sydney Sweeney e Glen Powell, ficou em segundo lugar, atraindo aproximadamente 155 mil espectadores. Em terceiro, “Aquaman 2: O Reino Perdido” completou o pódio com um público de 153,28 mil.

 

Confira a lista completa dos filmes que mais arrecadaram no Brasil entre 25 e 28 de janeiro:

 

  1. Nosso Lar 2: Os Mensageiros
  2. Todos Menos Você
  3. Aquaman 2: O Reino Perdido
  4. Minha Irmã e Eu
  5. Wish: O Poder dos Desejos
  6. Patos
  7. Príncipe Lu e a Lenda do Dragão
  8. Anatomia de Uma Queda
  9. Meninas Malvadas
  10. Mergulho Noturno

 

Nosso Lar 2: Filme brasileiro ganhará continuação?

No final de janeiro, chegou às salas escuras nacionais, Nosso Lar 2: Os Mensageiros, um longa-metragem assinado por Wagner de Assis. Sequência do drama de 2010, o filme dá continuidade à jornada de André Luiz, um espírito em busca de luz em sua caminhada.

Levando em consideração o sucesso que a produção vem fazendo, uma pergunta reside: afinal, Nosso Lar 2 terá continuação? Pois a resposta vem das palavras do próprio diretor.

Durante uma entrevista para a Coluna do Sandro Nascimento, Assis afirmou que sua vontade é de tirar do papel mais sequências para a franquia. Apesar de ainda não haver confirmação, o cineasta deseja comandar inúmeros outros episódios para a saga, ajudando, assim, a difundir a religião espírita para a pluralidade de culturas que é o Brasil.

“Então, a gente espera que essa temática espiritualista, que tem isso em sua base, em sua essência, porque isso vem das essências do cristianismo, da essência das éticas e morais boas do ser humano, possa estar cada vez mais de volta aos cinemas, e possa ser vista e entendida como algo que seja um gênero genuinamente brasileiro”, colocou Assis.

“Eu vou trabalhar para isso, faz parte das minhas escolhas profissionais e espero que a gente possa continuar fazendo o Nosso Lar 3, 4 e 5. Assim como outros filmes que tenham esse tema presente e que o público gosta muito e já provou isso tantas vez”, continua.

 

O domínio nacional nas bilheteiras evidencia não apenas o sucesso de produções brasileiras, mas também a resiliência e o engajamento do público mesmo diante das opções internacionais.

O cinema brasileiro, mais uma vez, prova sua relevância e capacidade de atrair o público.

Espírito Santo: o destino brasileiro que tem calor de praia e frio europeu num raio de 45 km

O Espírito Santo é um estado que encanta com seu litoral deslumbrante, repleto de sol e uma infraestrutura hoteleira promissora. No entanto, o que o torna verdadeiramente único é a transição rápida para uma região serrana, oferecendo o clima frio e aconchegante das montanhas, em um raio de apenas 45 km.

10 charmosas cidades com chalés e construções tipicamente europeias, onde as ruas estreitas calçadas com pedra nos transportam para as montanhas capixabas. O ambiente remete à descendência italiana e alemã de seus habitantes.

Ao adentrar a região serrana do Espírito Santo, a sensação imediata é a de estar em outro país, onde o frio e as influências europeias se fazem presentes.

Essa área também é palco do desenvolvimento do Agroturismo, emergindo como uma alternativa sustentável que não apenas atrai turistas, mas contribui para a disseminação da educação ambiental e a preservação dos ecossistemas locais.

 

Rotas Turísticas do Espírito Santo

Rota do Sol e da Moqueca

A “Rota do Sol e da Moqueca” desvenda o litoral sul capixaba.

Lindas praias, tradições folclóricas e religiosas, e uma gastronomia única, fazem da Rota do Sol e da Moqueca uma das mais conhecidas e procuradas do Espírito Santo.

Formada pelos municípios de Serra, Vitória, Vila Velha, Guarapari e Anchieta, reúne características ideais para quem aprecia turismo náutico, religioso e histórico, além de frutos do mar.

Espírito Santo: o destino brasileiro que tem calor de praia e frio europeu num raio de 45 km

Convento da Penha em Vila Velha. Foto: Unitur ES

A Rota do Sol e da Moqueca conta com uma excelente infraestrutura. Além das atrações naturais, é rica em manifestações culturais como o congo, expressão máxima do folclore do Espírito Santo.

catedral metropolitana de vitória

Catedral Metropolitana, no centro histórico de Vitória. Foto: Unitur

A culinária capixaba é reconhecida internacionalmente, e tem como pratos principais a moqueca e a torta capixaba, além de outros pratos típicos à base de frutos do mar, servidos em panelas de barro, uma herança do artesanato indígena.

Espírito Santo: destino brasileiro reúne calor de praia e frio europeu em um raio de 45 km

Torta Capixaba. Foto: A Gazeta

 

Rota do Mar e das Montanhas

Outra opção, a “Rota do Mar e das Montanhas,” consolida uma parceria entre os municípios de Vitória, Domingos Martins, Venda Nova do Imigrante e Santa Teresa.

Espírito Santo: destino brasileiro reúne calor de praia e frio europeu em um raio de 45 km

Montanhas Capixabas, Pedra Azul. Foto: Viagens Cinematográficas

Já escrevemos uma matéria sobre esse lugar incrível. Clique AQUI para ler.

O foco no ecoturismo e esportes radicais se destaca como uma alternativa diferenciada para os amantes da natureza nesta rota.

As cidades da rota são ligadas pela BR 262 e por uma recém-inaugurada linha de trem exclusivamente turística (o Trem das Montanhas Capixabas), a distância entre os pontos mais distantes (Vitória-Venda Nova) é de apenas 105 km.

Espírito Santo: destino brasileiro reúne calor de praia e frio europeu em um raio de 45 km

Palácio Anchietta. Foto: Guia Viagens Brasil

É isso o que faz do roteiro uma alternativa viável de passeio para capixabas e turistas: são apenas 40 minutos que separam as praias ensolaradas de Vitória do clima frio das montanhas capixabas. Se você gosta de contrastes, essa é, sem dúvida, a melhor rota a ser seguida.

A Rota do Mar e das Montanhas se destaca pelo clima agradável, belas paisagens, natureza exuberante e, principalmente, pelos traços marcantes da colonização européia.

Espírito Santo: destino brasileiro reúne calor de praia e frio europeu em um raio de 45 km

Praia da Costa. Foto: Guia Viagens Brasil

Afinal, Viana, Marechal Floriano, Domingos Martins e Venda Nova tem tradição e cultura profundamente influenciada pelos imigrantes portugueses, italianos e alemães que aí chegaram, no início do século XX, atraídos pela possibilidade de prosseguirem com as atividades agrícolas típicas de seus países.

 

Potencial Turístico: Um Tesouro Capixaba em Crescimento

Com um território de 46.407,60 km² e uma população de 3.103.685 habitantes, o Espírito Santo, embora seja o segundo menor estado da região Sudeste, destaca-se pela diversidade de cenários.

Suas rodovias federais, como a BR-101 e a BR-262, conectam o estado às regiões Nordeste e Sul, facilitando o acesso aos encantos que se desdobram entre o litoral e as montanhas.

O clima tropical que rege o litoral, contrastando com o temperado da região serrana, delineia a variedade de experiências disponíveis.

Seja aproveitando as praias e manguezais do litoral, ricos em infraestrutura e esportes, ou explorando a influência étnica miscigenada em atrativos arquitetônicos, o Espírito Santo oferece uma paleta de opções para os viajantes.

 

Investimentos e Crescimento Sustentável

O Espírito Santo vive um momento histórico para o turismo, impulsionado por investimentos significativos tanto do setor público quanto privado. A retomada do crescimento econômico e a ampliação da infraestrutura de transporte, hospedagem e serviços turísticos apontam para um futuro promissor.

Nesse contexto, o estado se destaca como um dos destinos com maior vocação para a gestão sustentável do turismo. Além de oferecer uma experiência única aos visitantes, essa perspectiva representa uma alternativa valiosa para impulsionar a economia local, gerando empregos e contribuindo para a redução de desigualdades sociais.

 

 

O Espírito Santo emerge como um destino completo, onde a diversidade de climas e paisagens proporciona uma jornada única aos visitantes.

Seja sob o sol radiante das praias, nas charmosas cidades serranas ou explorando rotas turísticas cuidadosamente elaboradas, cada experiência revela uma faceta especial desse tesouro capixaba.

Com um olhar voltado para o futuro e investimentos substanciais, o estado se apresenta não apenas como um local de passagem, mas como um destino que merece ser descoberto em sua totalidade, oferecendo calor de praia e aconchego europeu em um curto espaço de tempo.

Comédia vampiresca com Leandro Hassum lidera ranking mundial da Netflix

Desafiando todas as barreiras culturais, a comédia brasileira “Meu Cunhado É Um Vampiro” não apenas conquistou o coração do público nacional, mas também do público mundial, alcançando o primeiro lugar entre os filmes mais assistidos na Netflix em língua não inglesa.

De acordo com dados divulgados pela Netflix, o filme atingiu impressionantes 11,4 milhões de horas assistidas em uma única semana, e aparece no top 10 mais assistidos em 27 países, se revelando um verdadeiro fenômeno. A narrativa é cheia de referências à cultura popular brasileira, fazendo com que o espectador se sinta parte desse universo. 

O longa é protagonizado por Leandro Hassum que dá vida a Fernandinho, um pai de família, ex-jogador de futebol e atual comentarista de podcasts. Ele é surpreendido com a visita de Gregório, seu cunhado inconveniente e preguiçoso, que decide ficar hospedado na casa da família por um tempo. 

As reviravoltas começam a acontecer quando Fernandinho descobre que seu cunhado não é apenas folgado, mas um verdadeiro vampiro que traz consigo vários outros vampiros para o Rio de Janeiro. A história segue seu desenvolvimento à medida que Fernandinho decide bolar um plano com a ajuda de dois adolescentes para desmascarar o vampiro. 

Ao liderar o ranking global da Netflix, “Meu Cunhado É Um Vampiro” não apenas se tornou um sucesso de público, mas também um embaixador cultural, levando a essência única do Brasil para lares ao redor do mundo. Seja pelo enredo cativante, pelos personagens inesquecíveis ou pela reviravolta épica, essa comédia conquista não só as horas assistidas, mas também o coração do público.

 

>Veja Também<

30 filmes brasileiros para assistir antes de dizer que o cinema nacional é ruim

Filmes brasileiros que prometem fazer sucesso em 2024

Filmes e séries que estreiam na Netflix em janeiro de 2024

Resort brasileiro foi eleito o segundo melhor do mundo

Sol radiante, mar cristalino e um merecido descanso à sombra das palmeiras. O Brasil acaba de se destacar no cenário internacional, ocupando o segundo lugar na lista dos melhores resorts do mundo. A notícia foi revelada na 36ª edição do prestigiado prêmio Reader’s Choice Awards, promovido pela renomada revista de viagens Condé Nast Traveller.

O representante brasileiro que brilhou no ranking é o deslumbrante UXUA Casa Hotel & Spa, localizado em Trancoso, na paradisíaca Bahia.

Projetado pelo talentoso holandês Wilbert Das, este resort é uma obra-prima arquitetônica que combina casas rústicas, chalés encantadores e uma atmosfera inspirada em tribos locais. Entre seus encantos, destacam-se os diversos jardins tropicais repletos de beija-flores e piscinas de águas cristalinas, criando um cenário de pura magia.

7e94f1d838493884d169081f6f0d95ad.png

Na lista seleta dos melhores dos melhores, o Condé Nast Traveller contou com a opinião de mais de 500 mil usuários do site, garantindo que apenas os destinos mais excepcionais recebessem esse reconhecimento.

 

A Experiência no UXUA Casa Hotel & Spa

Preview

Adentrar o UXUA é como mergulhar em um oásis de luxo e tranquilidade. Seus interiores são espaços amplos e arejados, com salas de estar que convidam ao relaxamento.

Paredes brancas e camas adornadas com tecidos de uma maciez sublime criam uma sensação de dormir entre as nuvens. Por todo o espaço, árvores majestosas e pássaros coloridos proporcionam uma atmosfera única. Esculturas vibrantes da Virgem Maria adicionam um toque de cor e espiritualidade ao ambiente, elevando ainda mais a experiência dos hóspedes.

Além do charme natural, o UXUA apresenta 13 casas exclusivas, cada uma mais encantadora que a outra. Uma localização privilegiada em uma vila de pescadores no litoral da Bahia oferece aos visitantes acesso direto às maravilhas da natureza local.

 

Valores

As diárias no UXUA variam de R$ 2,8 mil a R$ 5,3 mil, proporcionando aos hóspedes uma estadia inigualável em um verdadeiro paraíso tropical. Este resort transcende as expectativas, oferecendo uma experiência única, onde o luxo encontra a autenticidade e a natureza se funde com o conforto.

Diante deste cenário idílico, o UXUA Casa Hotel & Spa conquista seu merecido lugar entre os melhores resorts do mundo, destacando-se como uma joia rara no cenário internacional de turismo de luxo. Uma visita a este refúgio é não apenas uma viagem, mas uma jornada para o coração do paraíso tropical brasileiro.

 

Mais Informações

UXUA Casa Hotel & Spa

Telefone: (73) 3668-2277

Endereço: Praça São João Batista – Trancoso, Porto Seguro – BA

Instagram: @uxua 

Site: uxua.com 

 

Quer receber nossas dicas e notícias em primeira mão? É só entrar em um dos grupos do Curta Mais. Basta clicar AQUI e escolher.

Foto de Capa: Divulgação/UXUA Casa Hotel & Spa

Conheça o restaurante brasileiro que é considerado o 2º melhor do mundo

De acordo com votação popular do site de turismo TripAdvisor, o carioca Oro Restaurante, é o segundo melhor do mundo.  Ele fica no Leblon, que é o bairro mais caro e visado da zona sul do Rio de Janeiro.

O Oro Restaurante é comandado  pelo chef Felipe Bronze. O serviço tem um cardápio que agrada gostos variados.

7cbfe6026c7f78959797911f81d6a259.jpeg

 

0b32a1a25d1e02a933e6239e76257586.jpeg

A grande aposta do chef é centrar fogo na conhecida cozinha brasileira de vanguarda. A grande estrela é uma enorme churrasqueira, onde as preparações na brasa são alçadas ao patamar de protagonistas do menu. São dois diferentes cardápios servidos pela casa simultaneamente.

Ele tem pratos produzidos todos os dias, muito frescos, com o que há de melhor entre os produtos de mercado. Este menu respeita a sazonalidade inerente aos ingredientes e faz parte de um passeio bem comprido pela cozinha.

Com apenas 5 anos, menino é o mais novo brasileiro a entrar para sociedade das pessoas de QI alto

Theo Costa Ribeiro, de 5 anos, é o mais novo brasileiro a integrar a importante sociedade das pessoas de QI alto, conhecida como Mensa Internacional. Os pais do pequeno Theo foram buscar testes internacionais para que houvesse a validação do QI do brasileiro.

 

O garoto foi submetido a 6 dias de testes – um dos mais completos do mundo – e fez 146 pontos, o que equivale a 99,8% do percentual total.  O fato comprova que aos 5 anos, Theo tem a capacidade intelectual de uma pessoa de 15 anos. 

 

Anteriormente, o brasileiro Gustavo Saldanha, de apenas 8 anos, tinha sido o mais novo aprovado no teste, com o percentual de 99,6, com total de 140 pontos.

 

Com as confirmações obtidas, os pais do garoto estudam uma mudança para os Estados Unidos, onde o garoto poderá pular todas as etapas do ensino tradicional fundamental e pular para os vestibulares, com chances reais de já ingressar em uma faculdade, mesmo que ainda seja novo. Coisa que no Brasil, o Ministério da Educação (MEC), não aprova avanço de duas séries ou mais, apesar de existirem comprovações de capacidade, como os realizados no caso de Costa.

 

O pai do menino, Ygor Tazinaffo, contou para a CNN como o filho se comportou ao avançar na escola.

 

“Existia a possibilidade de adiantar mais que um ano, mas optamos por ir aos poucos, pois o emocional é importante também. O Theo foi muito bem e não nos surpreendeu em ter feito amizade rapidamente com os novos colegas”, disse Tazinaffo.

 

O menino já conseguiu uma bolsa de estudos para a “Logos University”, na Flórida, Estados Unidos. O plano da família e do neurocientista é conseguir bolsas em universidades  como “Harvard” e “Oxford”.

 

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Andor Stern: Morre aos 94 anos único brasileiro sobrevivente do holocausto

Andor Stern, o único brasileiro sobrevivente do Holocausto, morreu nesta quinta-feira (07), em São Paulo. O comunicado foi feito por familiares através de sua conta no Instagram. Stern faleceu em casa aos 94 anos de idade e havia dedicado parte de sua vida a relembrar e ensinar os horrores cometidos pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. 

 

“Nossa família agradece desde já por todas as mensagens de apoio e palavras de carinho”, diz a mensagem. 

 

Andor era judeu e nascido brasileiro, se mudou para a Hungria quando era criança e vivenciou toda a época de antissemitismo enquanto crescia, sendo levado para o campo de concentração de Auschwitz anos depois.

 

A história de Andor Stern

 

No auge da segunda guerra, Andor Stern viu uma verdadeira transformação na sua vida. Aos 13 anos de idade, o brasileiro se viu obrigado a escapar da terrível perseguição que se iniciava aos judeus na Hungria — a terra natal de seus pais.

 

Algum tempo depois, acabou sendo capturado e chegou a viver um ano inteiro de sua vida dentro do maior campo de concentração nazista no período de guerra: Auschwitz, na Polônia. Nesse momento, Stern foi separado de seus pais e nunca mais conseguiu reencontrá-los em vida. O número “83892” que foi usado para identificá-lo continuou marcado em sua pele até a sua morte.

 

Estima-se que pelo menos 1,1 milhão de pessoas — sendo judeus em sua grande maioria —  tenham morrido de fome, doenças ou em câmaras de gás no complexo de 40 campos de concentração de Auschwitz. A história completa de Andor foi contada no livro biográfico Uma Estrela na Escuridão (2018), escrito por Gabriel Davi Pierin e André Bernardino.

 

Retorno ao Brasil 

 

Quando retornou ao Brasil, Andor, então com 20 anos de idade, não tinha qualquer lembrança de como falar português, ele decidiu voltar para São Paulo, cidade onde nasceu. No Brasil, precisou reaprender a língua, estudou engenharia, trabalhou na empresa de tecnologia IBM e conseguiu abrir sua própria empresa.

 

Foi aqui que também conseguiu um reencontro tardio com o pai — que ele achava estar morto, mas havia formado nova família na Espanha. Em 1954, casou-se com Terezinha e teve cinco filhos. Ao total da guerra, Andor perdeu 94 membros de sua família no Holocausto, somando o lado de sua mãe e do seu pai. 

 

Sua história de sobrevivência tornou-se um símbolo de resistência e uma eterna lembrança sobre os tempos obscuros que tomaram conta do planeta entre 1939 e 1945. 

Foto: Reprodução/Gshow

Professor brasileiro da rede pública vence prêmio internacional e se classifica como um dos melhores do mundo

No último dia 24 de Outubro, aconteceu o Global Teacher Prize 2021, premiação internacional que recebeu mais de 200 mil inscrições de 110 países. O evento, que acontece na Índia, existe há uma década com o objetivo de reconhecer mestres que, com iniciativas fora da sala de aula formal, tenham contribuído para o desenvolvimento de alunos e da comunidade. Na ocasião, o professor brasileiro da rede pública, Paulo Magalhães, foi premiado e entrou para o seleto grupo de melhores professores do mundo.

O professor foi reconhecido pelo projeto ”Aula Pública”, que realiza na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Duque de Caxias, no bairro da Liberdade, região central de São Paulo. Ele leva as turmas para conhecerem as ruas e a história do local: ”O maior prêmio é ver a transformação que consegui fazer na região que trabalho, extremamente vulnerável, onde existem cortiços e ocupações irregulares. A violência era muito intensa na escola”, disse Paulo em entrevista para o Portal Metrópoles.

O projeto ”Aula Pública” foi criado em 2010 e foi uma forma que Paulo encontrou de diminuir o abandono escolar, que era muito comum entre os jovens que ensinava. Além de levar os alunos para fora da escola, Paulo ainda trouxe mais livros para dentro da sala de aula. Ele comprava os exemplares com o próprio dinheiro. A cada 15 dias, eram cinco novas obras distribuídas para que os estudantes lesse e trocassem entre os colegas. Agora, ele consegue mais livros a partir de doações de moradores e outros projetos sociais. 

Em dois cargos na Emef, o professor ministra aulas de Geografia pela manhã, e de orientador de informática educativa na parte da tarde e noite. ”Eu dou aula para a escola toda, do primeiro ano do fundamental até a educação de jovens adultos”, contou. Licenciado em Geografia pela Universidade Católica de Santos, Paulo também se formou em Ciências Sociais, na área de Ciências Políticas pela Unesp, é especialista em Globalização e Economia, também pela Unesp, mestre em Arquitetura e Urbanismo, pela PUC Campinas, e pedagogo habilitado em Administração e Supervisão Escolar.

 

*Com informações Portal Metrópoles

Imagem: Divulgação

Veja também:

Professor de Goiás é único brasileiro entre finalistas do ”Nobel da Educação”