Conheça a história por trás do novo filme brasileiro, onde Goiânia teve destaque

Em um país onde dramas aéreos parecem pertencer apenas à tela de cinema, a história que inspirou o novo filme brasileiro, desafia essa perspectiva ao revisitar um evento que ocorreu em solo brasileiro, tendo seu desfecho na cidade de Goiânia. 

Com uma trama bem escrita, ótimas atuações e claro, excelente direção, o longa se baseia em fatos reais ocorridos em 1988, que se tornaram um marco na história do Brasil. O filme, que pode ser considerado tão ousado quanto uma produção de Hollywood, aborda um episódio tenso da aviação brasileira, elevando o cinema brasileiro a um novo nível, e desafiando a noção de que tais acontecimentos são exclusividade do cinema estrangeiro. 

Trailer: Thttps://www.youtube.com/watch?v=-WItUHprYsw

Lançado no dia 7 de dezembro, “O Sequestro do Voo 375” é um filme brasileiro de drama biográfico escrito por Lusa Silvestre e Mikael de Albuquerque com direção de Marcus Baldini e produção de Star Distribution Brasil. O longa estrelado por Danilo Grangheia e Jorge Paz se passa no dia 29 de setembro de 1988, quando o voo 375 da extinta VASP é sequestrado. A história real, posteriormente imortalizada no livro “Caixa-preta” de Ivan Sant’anna, revela um enredo onde o destino de mais de cem passageiros estava nas mãos de um sequestrador desesperado.

Com a viagem programada do Voo 375, partindo de Porto Velho com destino ao Rio de Janeiro, passando por escalas estratégicas em Cuiabá, Brasília, Goiânia e Belo Horizonte. Enquanto o avião cruzava os céus, o inimaginável ocorre: Raimundo ‘Nonato’ (interpretado por Jorge Paz) assume o controle da aeronave, ordenando ao piloto Murilo (Danilo Grangheia) que jogasse o avião no Palácio do Planalto, visando assassinar o presidente do Brasil, José Sarney. É então que Fernando Murilo enfrenta o desafio de evitar uma tragédia iminente. 

E é aqui que Goiânia entra em cena, desempenhando um papel crucial nos eventos que se desdobrariam nos céus brasileiros. O piloto não apenas lida com a ameaça iminente ao Palácio do Planalto, mas também enfrenta a difícil tarefa de convencer o sequestrador a pousar em Goiânia. A cidade, palco de um desfecho épico, torna-se fundamental para a sobrevivência da tripulação e dos passageiros. Durante as negociações entre o piloto e Nonato, o copiloto Evangelista foi assassinado ao tentar responder ao chamado da torre de controle de Brasília. 

Após o assassinato do copiloto, e com o código 7500 (que significa “sequestro”) acionado, e o Cindacta em alerta, Murilo se manteve focado em convencer que Nonato pousasse em Goiânia, no entanto, sem êxito. É então que o piloto trava uma batalha nos céus, vemos Murilo sendo forçado a executar manobras arriscadas. Primeiro, ele fez com que o avião fizesse uma rotação completa em torno do seu eixo longitudinal, e depois colocou o avião em queda livre. O objetivo do piloto foi alcançado quando Nonato ficou desacordado. 

Às 13h45 o Murilo consegue pousar o avião no aeroporto Santa Genoveva, e todos enfim chegam a solo goiano, mas o pesadelo está longe do fim. Ao recobrar a consciência, o sequestrador persiste até às 19h, com ameaças à tripulação, negociações tensas e após sua rendição, usou Fernando Murilo como escudo humano. 

Ao dirigir-se à aeronave providenciada pelos policiais, o sequestrador foi atingido por disparos. Nonato foi então hospitalizado na capital goiana, falecendo alguns dias depois, supostamente em decorrência de anemia falciforme. 

“O Sequestro do Voo 375” não é apenas um filme, mas um testemunho da coragem e da resiliência dos brasileiros diante do ocorrido. O filme está disponível nos cinemas e além de proporcionar uma experiência cinematográfica envolvente, destaca a incrível coragem de Fernando Murilo e a resiliência diante do inesperado. Uma história épica que, mesmo décadas depois, continua a cativar e surpreender o público brasileiro.

 

>Veja Também<

 

Clássico da dramaturgia brasileira vai virar filme em 2024!

Relembre lugares em Goiás que foram cenário de novelas e séries

De Goiás para o mundo: filme que se passa em Aparecida de Goiânia será exibido em importante festival de cinema dos Estados Unidos

‘Árvores da Paz’: novo drama da Netflix vai fazer você chorar muito

 

Árvores da Paz (Trees of Peace) é um dos novos filmes do catálogo da Netflix. Duro, forte, pesado e emocionante, o roteiro retrata um período em que ocorrreu o  genocídio de mais de um milhão de pessoas em Ruanda. É um filme com muito sofrimento e que mostra o quão desumano e cruel o ser humano pode ser.

 

O longa é inspirado em fatos reais, mas não quer dizer que seja de uma história em específico. Acredita-se que o roteiro reúna história de diversas mulheres para dar voz ao mundo todo o sofrimento que passaram.  Fora isso, a escolha das mulheres para contar esse fato, não foi ao acaso: foram mulheres às  responsáveis pela reconstrução do país começando um movimento político de cura e perdão.E isso que  elevou Ruanda a ter o maior percentual de mulheres em cargos governamentais entre todos os países do mundo. Assim conseguiram punir alguns responsáveis, mas não dá para condenar milhões de pessoas. 

 O filme se passa durante os anos, entre 1990 e 1994, em que  Ruanda entrou em uma sangrenta Guerra Civil que resultou no genocídio de mais de 1 milhão de civis. Para quem não sabe, essa tragédia não é tão distância. Ocorreu nos anos 90. Naquele país,  existem duas etnias majoritárias: os hutus e os tutsis. O estopim para a  tragédia humanitária foi a morte do presidente de etnia hutu em abril de 1994. Mesmo sem ter a confirmação do nome do mandante do assassinato até hoje, os hutus colocaram a culpa nos tutsis. A partir deste momento, a mensagem viralizou e  pessoas passaram a matar amigos e vizinhos.

 

Enquanto Tutsis perseguiam os Hutus e Hutus moderados pelo país, massacrando homens, mulheres e crianças, algumas pessoas tentaram desesperadamente se esconder e sobreviver à incabível guerra. É nesse momento  que o roteiro traz  casal François (Tongayi Chirisa) e Annick (Eliane Umuhire). Enquanto ela está escondida  no sótão da cozinha por ser uma hutu moderada. Ele, como professor de hutus e tutsis, tenta articular meios de sobrevivência na escola. 

 

Grávida, Annick se esconde no sótão achando que ficaria por ali por uns dois ou três dias, na esperança da chegada da ONU, que prometeu libertar o país. Na espera, acabam se juntando a ela a freira Jeanette (Charmaine Bingwa), a voluntária estadunidense Peyton (Ella Cannon) e a jovem irritadiça Mutesi (Bola Koleosho). Com o passar do tempo, as quatro terão que racionar a comida e sobreviver no silêncio pelo período de quase três meses. Dentro do pequeno espaço elas são obrigadas a  criar laços para sobreviver à cruel realidade. 

Confira o trailer:

13 filmes de terror baseado em histórias reais só para quem tem coragem

Muitas produções cinematográficas sempre se encarregaram de explorar nossos maiores medos, e nada mais ”gela tanto a espinha” do que terminar um filme e ler os dizeres: ”Baseado em Fatos Reais”. Várias obras trouxeram inspirações em eventos verdadeiros ou até mesmo se inspiraram vagamente na vida de serial killers, exorcistas ou de lugares assombrados.

Pensando nisso, o Curta Mais separou 13 filmes de terror baseado em histórias de verdade para testar se você é corajoso mesmo! Confira:

 

O Exorcista (1973)

Em 1949, nos Estados Unidos, um menino chamado Roland Doe chocou o país por ser o centro de um suposto caso de exorcismo. Na época, jornais locais espalharam terror com as notícias de uma possessão demoníaca na cidade, todas baseadas em fontes anônimas. O autor do livro que deu origem ao filmeWilliam Peter Blatty, decidiu ficcionalizar esses eventos para propor um questionamento sobre a fé.



 

O Exorciso de Emily Rose (2005)

O filme mostra o caso real da jovem Anneliese Michel, que morreu em 1973, após passar um ano sendo exorcizada devido à suposição de que estava possuída por uma legião de demônios. A história gerou uma grande confusão midiática, e os dois padres responsáveis pelo ritual foram condenados por negligência e maus-tratos, já que a menina faleceu devido a complicações envolvendo inanição e anemia. 


 

 

Invocação do Mal (2013)

A saga de filmes dessa farnquia é conhecida por se inspirar na vida de Ed e Lorraine Warren, um casal de demonologistas e investigadores paranormais que ficaram mundialmente conhecidos por seu envolvimento em mais de cem exorcismos. O primeiro filme, dirigido por James Wan, traz à tona um caso muito famoso do casal, envolvendo a investigação na casa da Família Perron, que era assombrada por um espírito maligno e vingativo.


 

Annabelle (2014)

O longa é inspirado em uma história de real e em uma boneca de verdade. Com a diferença que a boneca real é de pano e ”menos” assustadora do que a do filme. Na história real, uma mãe dá de presente uma boneca Raggedy Ann para a filha, que é uma enfermeira. O nome foi dado por causa de uma menina morta chamada Annabelle Higgins.

 

Terror em Amityville (1979)

Essa história inspirou não só um, como vários filmes cinematógraficos. Esse clássico dos anos 70, conta a história de um casal que se muda para uma nova casa – que foi palco de assassinatos tenebrosos – e foge depois de poucos meses, assombrados pelas presenças no local.


 

O Massacre da Serra Elétrica (1974)

O personagem ”Leatherface” teve como inspiração o assassino serial Ed Gein, (1906-1984), que deu origem a outros vilões em outros livros e filmes, mas o caso real do assassino é bem mais monstruoso do que qualquer ficção. Sua primeira vítima foi seu irmão Henry, morto em 1944, embora nada tenha sido provado na época.

 

Evocando Espíritos (2009)

O filme conta a história da família Campbell, que após se mudar para uma antiga funerária com a intenção de ficar mais perto do hospital onde o filho mais velho passa por um tratamento contra o câncer, começa a sofrer com uma série de eventos paranormais. Na obra, Matt é o mais suscetível aos ataques sobrenaturais, justamente por ter câncer e estar “entre a vida e a morte”.


 

A Última Profecia (2002)

A história é inspiarada nas investigações do amedrontador ”Homem-Mariposa”, uma criatura lendária que sempre surge como um presságio de morte, caos e destruição. Essa figura é muito conhecida nas áreas rurais dos Estados Unidos. E o filme baseado no livro homônimo de John Keel, um investigador psíquico que alega ter ficado cara a cara com essa criatura terrível. No longa, Gere interpreta uma versão fictícia do autor, chamado John Klein, que investiga o Homem-Mariposa após a morte de sua esposa.

 

O Ritual (2011)

É o caso de dois padres que passam pelo inferno em suas vidas, conforme um deles começa a questionar sua própria fé e se vê possuído pelo demônio Baal. A história que originou o filme foi tirada do livro The Rite: The Making of a Modern Exorcist, escrito por Matt Baglio. O livro trazia relatos supostamente verdadeiros envolvendo dois padres exorcistas do Vaticano, que passaram por uma grande provação após uma série de ataques diabólicos. O filme é estrelado por Anthony Hopkins e a brasileira Alice Braga.


 

A Hora do Pesadelo (1984)

A ideia para o filme surgiu a partir de um artigo do Los Angeles Times, sobre uma família que sobreviveu aos campos de extermínio no Camboja. Eles conseguiram ir aos EUA, mas um jovem na família ainda tinha terríveis pesadelos quando dormia. A história é trágica e aterrorizante, mas esse não é o primeiro relato de vítimas profundamente traumatizadas que faleceram enquanto dormiam, em decorrência de pesadelos.


 

Psicose (1960)

Considerado um clássico do cinema e um dos pioneiros para o gênero de terror e suspense. O filme surgiu de um livro escrito por Robert Bloch, que se inspirou na história de Edward Gein. Julgado em 1957 pela morte de, pelo menos, duas jovens. Edward foi criado apenas pela mãe, Augusta, uma mulher religiosa e dominadora que desprezava o marido e acreditava que todas as mulheres (com exceção dela) eram prostitutas. Após a morte da mãe, ele começou a roubar corpos no cemitério com o objetivo de desmembrá-los, utilizando a pele para fazer máscaras e revestimento de cadeiras, ossos e crânios como enfeites, e partes do corpo como acessórios de roupa.


 

Brinquedo Assassino (1988)

Annabelle não é a única boneca assustadora baseada em um brinquedo de verdade. ”Chucky” é inspirado em um brinquedo que pertenceu ao pintor e escritor Robert Eugene Otto. O boneco foi um presente de uma enfermeira, que estaria ligada a magia negra e vodoo.

 

A Maldição da Casa Winchester (2018)

Sarah Winchester de fato existiu, ela era a viúva de William Wirt Winchester, filho de um fundador de uma companhia que fabricava armas. A filha de Sarah e WilliamAnne, morreu ainda criança, no mesmo ano da criação da primeira arma Winchester. Já William faleceu quinze anos depois, de tuberculose. Sarah, então, se mudou para uma mansão na Califórnia que estava constantemente passando por reformas, e levou 38 anos ininterruptos para ser construída e tem uma quantidade um tanto surreal de cômodos, como 161 quartos, dois porões e três elevadores. O imóvel se tornou uma atração turística depois que Sarah morreu. Isso porque a casa é bem diferente, com corredores e escadas que dão em lugar nenhum. Muitas pessoas acreditavam que Sarah prendia espíritos na casa e é a partir daí a inspiração para o filme.


10 filmes na Netflix baseados em fatos reais com histórias inacreditáveis

Sabemos que a Netflix possui um vasto catálogo de filmes de todos os gêneros, mas quando aparece aquela frase “baseado em fatos reais”, a emoção vem mais forte e dá até um arrepio no corpo. Pensando nisso, resolvemos fazer uma lista de 10 longas baseados em histórias reais que vão te despertar várias emoções. 

Confira!

 

Radioactive

Movida por uma mente brilhante e uma grande paixão, Marie Curie embarca em uma jornada científica com o marido, Pierre, para explicar elementos radioativos até então desconhecidos

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

A Escavação

Às vésperas da Segunda Guerra Mundial, uma viúva faz uma descoberta histórica ao contratar um arqueólogo para escavar suas terras.

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

18 Presentes

Grávida e com câncer terminal, ela deixa 18 presentes emocionantes para a filha que vai nascer.

Link do filme na Netflix

 

 

 

O menino que descobriu o vento

Inspirado por um livro de ciências, um garoto constrói uma turbina eólica para salvar seu vilarejo da fome.

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

O primeiro Homem

O astronauta norte-americano Neil Armstrong embarca em uma jornada histórica para se tornar o primeiro homem a pisar na Lua, em 1969.

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

Sully: o herói do Rio Hudson

Em 2009, o mundo entrou em estado de choque e admiração quando o Capitão Chesley “Sully” Sullenberger conseguiu pousar um avião em pane no Rio Hudson. 

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

Os 7 de Chicago

Um protesto pacífico contra a guerra do Vietnã em Chicago, no ano de 1968, se transformou em um confronto violento com a polícia.

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

Dunkirk

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha avança rumo à França e cerca as tropas aliadas nas praias de Dunkirk. Sob cobertura aérea e terrestre das forças britânicas e francesas, as tropas são lentamente evacuadas da praia.

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

Mary Shelley

Mary é uma aspirante a escritora de 16 anos que conhece e se apaixona pelo poeta Percy Bysshe Shelley, de 21 anos, durante uma viagem à Escócia.

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

O Impossível

O casal Maria e Henry está aproveitando as férias de inverno na Tailândia junto com os três filhos pequenos. Mas em uma manhã, um tsunami de proporções devastadoras atinge o local, arrastando tudo o que encontra pela frente.

 

Link do filme na Netflix

 

 

 

O Roubo do Século; um filme baseado em fatos reais de deixar qualquer “La Casa de Papel” no chinelo

O longa retrata uma das melhores comédias policiais dos últimos tempos. Baseado em fatos reais, ‘O Roubo do Século’ espelha o roubo ‘sem armas de fogo’ mais famoso do século na Argentina, que se passou em 2006; e muito vivo na história do país. O roubo (real) foi tão bem bolado que levou os argentinos a montarem uma mega operação policial, com 300 agentes, fuzis e escudos, e somente após 5 horas de negociação o Banco Río em Acassuso, na província de Buenos Aires, foi invadido, com 23 reféns, 15 milhões de dólares roubados, e 147 cofres abandonados após pegarem um voo. 

Mas, claro que os bandidos conseguiram fugir, e advinha utilizando o que? Botes infláveis. Lembrou de alguma série familiar? Claro! O longa contém partes que lembram a famosa série “La Casa de Papel”. Mas o incrível da trama ‘O Roubo do Século’, é que além de conseguir, em um roteiro muito bem alinhado, contar uma história muito parecida em 1h57 minutos, o que a série contou em 4 temporadas. Com um jeito bem argentino, o filme narra de uma forma cômica, e de chama a atenção de quem assiste com muita facilidade, fazendo você querer ler até as notícias reais do próprio roubo, mais famoso da história do hemisfério Sul.

O longa dirigido por ninguém menos que Ariel Winograd, levou quase um ano de filmagens, com uma trama muito bem encaixada, com direito a trajes especiais e tudo mais, em um cenário de deixar qualquer produção espanhola com inveja. Na história do filme, roubar, fugir ou mudar o próprio rosto fazem parte da trama, que sinuosamente esconde alguns detalhes, que só quem tem olhos bem apurados conseguira capturar.

Duas curiosidade sobre o roubo real em 2006: uma mensagem foi deixada dentro de um dos cofres, e dizia: “Em bairro de ricaços, sem armas nem rancores, é só grana e não amores”. E adivinha só? Os seis membros da quadrilha, obviamente foram presos, mas passaram apenas cinco anos na cadeia, e o motivo vocês nem acreditam, armas de brinquedo. Mas o dinheiro nada se sabe até os dias de hoje.

Serviço
Filme “O Roubo do Século” – disponível até dia 23 no Drive Gyn
Cinema Drive in: (40 por carro + 1kg de alimento) e Assinantes Premium do Clube Curta Mais pagam R$20 por carro + 1kg de alimento por pessoa. Válido de segunda a domingo.
Informações: (62) 99952-0608 / (62) 99608-9001 (WhatsApp)

 

 

____________________________________________________________________________________________

Receba notícias do Curta Mais diretamente no seu WhatsApp (clique aqui)

SIGA O CURTA MAIS NAS REDES SOCIAIS

Facebook | Instagram | Twitter

Rafa Kalimann interpreta mãe que perdeu filho no massacre de Suzano

A ex-BBB Rafa Kalimann interpreta uma mãe que perdeu o filho no massacre de Suzano, no clipe gospel do grupo Vocal Livre. A mineira ficou emocionada ao ver o resultado nesta quinta-feira (14). “Esse trabalho é mais do que o clipe de uma música incrivelmente especial pra mim. Samuel morreu no atentado de Suzano e nos deixou uma lição linda.”, disse.

O clipe da música “A Começar em Mim” é baseada em fatos reais, contando a história de uma das vítimas do massacre, o jovem Samuel Melquíades, que perdeu a vida tentando salvar os colegas dos assassinos que invadiram na escola em Suzano, em março de 2019.

Assista o clipe: