Novo Mapa do Turismo de Goiás passa a ter 86 cidades; saiba quais

O novo Mapa do Turismo, de 2024, passa a contar com 86 municípios, distribuídos em 12 regiões turísticas em Goiás. São elas: Ouro, Chapada dos Veadeiros, Chapada das Emas, Estrada de Ferro, Águas Quentes, Encantos do Planalto Central, Negócios e Tradições, Lagos do Paranaíba, Pegadas no Cerrado, Terra Ronca, Serra da Mesa e Vale do Araguaia. As informações são do Governo de Goiás, por meio da Goiás Turismo.

Treze municípios saíram do Mapa porque não cumpriram os requisitos exigidos pelo Ministério do Turismo. São eles: Bonfinópolis, Santa Cruz de Goiás, Goiandira, Novo Gama, Aurilândia, Damianópolis, Divinópolis, Nova Roma, Buriti de Goiás, Jaraguá, Mossâmedes, Mundo Novo e Teresina de Goiás.

Já outras quatro cidades se empenharam e conseguiram entrar para a nova configuração do Mapa do Turismo: Anhanguera, menor município de Goiás, com cerca de mil habitantes, e reconhecido pela festa do Limão Taiti; Catalão, com o turismo de negócios consolidado e as tradicionais Congadas; Cidade Ocidental, reconhecida pela gastronomia com base no doce de marmelo, patrimônio cultural e imaterial de Goiás; e Campinorte, banhado pelo Lago Serra da Mesa.

Conforme os critérios obrigatórios do Ministério do Turismo, para entrar ou permanecer no Mapa, a gestão municipal deve enviar documentação comprovando a existência do órgão ou entidade responsável pela atividade; destinar dotação para o turismo na lei orçamentária anual; possuir Conselho Municipal de Turismo ativo e comprovar a participação em uma Instância de Governança Regional.

Os dados enviados pelos municípios foram validados pela Goiás Turismo e homologados pelo Mtur. Os gestores municipais podem consultar e obter o certificado de adesão no site: mapa.turismo.gov.br

Investimentos Públicos

O Mapa do Turismo Brasileiro é um instrumento no âmbito do Programa de Regionalização do Turismo que define a área a ser trabalhada, prioritariamente, pelo Ministério do Turismo no âmbito do desenvolvimento das políticas públicas. O mapeamento permite uma visão ampla do potencial turístico brasileiro, facilitando a gestão e a distribuição de recursos de forma mais eficaz.

Para o presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, o Mapa do Turismo é um importante instrumento que reúne os municípios com potencial turístico.

“Ele possibilita ao poder público a identificação das necessidades de investimentos e ações de promoção para cada região turística do estado”, completou.

Segundo o coordenador de estruturação de destinos e produtos turísticos da Goiás Turismo e interlocutor do Programa de Regionalização do Ministério do Turismo, Luciano Guimarães, disse que o recorte territorial estimula os municípios a se organizarem através de regiões com características similares, fortalecendo a política pública local.

“Todo município tem que fazer a lição de casa. São critérios obrigatórios a se cumprir. Alguns estão comemorando, seja por entrar pela primeira vez, para o Mapa ou por voltar a fazer parte dele”, informou.

 

 

Veja também:

Adeus escalas: Goiânia terá voo direto para o Rio de Janeiro

A partir de julho, o Aeroporto Internacional de Goiânia voltará a receber uma nova opção de voo direto sazonal para o Rio de Janeiro.

A operação será realizada pela Gol Linhas Aéreas, com início no dia 1º de julho, para a Cidade Maravilhosa, considerada um dos principais destinos nacionais e internacionais procurados por brasileiros e estrangeiros.

Estão previstas para o mês de julho 46 decolagens, com opção de dois voos diários em algumas datas. Em agosto, serão cinco frequências semanais, e em outubro, quatro frequências semanais.

A administração do aeroporto, gerida pela CCR Aeroportos, celebra a retomada desse voo tão desejado e esperado pelos goianos. “Ficamos empenhados em demonstrar a importância desse voo direto para as companhias aéreas. É um destino muito visitado pelos goianos, e encurtar as distâncias, proporcionando uma viagem mais tranquila, vai ao encontro dos objetivos da CCR Aeroportos”, relata Graziella Delicato, Gerente Executiva de Negócios Aéreos.

Confira as informações do voo:

Goiânia (GYN) – Rio de Janeiro (GIG)
20h15
Segunda, quarta e sexta-feira

Goiânia (GYN) – Rio de Janeiro (GIG)
11h
Todos os dias da semana

Agosto a Outubro

Goiânia (GYN) – Rio de Janeiro (GIG)
06h30
Segunda, terça, quarta, quinta e sexta-feira e domingo

Goiânia (GYN) – Rio de Janeiro (GIG)
06h
Sábado

 

 

Veja também:

 

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros em Goiás inicia Temporada de Travessias

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, já inaugurou oficialmente a temporada de travessias. Este período, que geralmente se estende até outubro, atrai aventureiros de todo o mundo em busca de uma conexão profunda com a natureza, oferecendo a oportunidade única de acampar dentro do parque.

O parque conta com duas principais travessias: Sete Quedas, com 23,5 km de extensão, e São Jorge Capela, totalizando 23 km. Os visitantes têm a opção de permanecer até quatro noites no parque, sendo dois pernoites permitidos em cada uma das áreas de camping disponíveis.

A travessia refere-se à caminhada de um ponto a outro sem retorno pelo mesmo caminho, atravessando diferentes paisagens e atrações naturais. Durante a estação seca, o céu claro facilita a observação da fauna e flora locais, e os níveis mais baixos de água em cachoeiras e rios criam piscinas naturais ideais para banho.

O horário de abertura do parque é às 8h, mas durante a temporada de travessias, a entrada é antecipada para as 7h para aqueles que adquirirem ingressos previamente. É recomendado que os visitantes iniciem a travessia até às 10h para melhor aproveitamento do dia.

Planeje sua Visita

No Centro de Visitantes do Parque, uma introdução sobre a travessia e a biodiversidade local é oferecida. A compra dos pernoites deve ser feita com antecedência exclusivamente pelo site oficial do parque. Os visitantes devem trazer suas próprias barracas e suprimentos necessários.

As áreas de camping são:

Camping Sete Quedas: com capacidade para 40 pessoas por noite, oferece dois banheiros secos, um galpão rústico, mesas, bancos e pontos de rede.

Foto: Geraldo Gurgel/ MTur

Camping Boa Sorte: com capacidade para 30 pessoas por noite, está localizado a 8 km do início das travessias São Jorge – Capela e Sete Quedas, contando com banheiro seco e espaços demarcados para barracas.

Itens essenciais para a travessia incluem mochila de ataque, roupas leves e confortáveis, calçados apropriados para caminhada, chapéu ou boné, protetor solar, repelente e garrafa de água. É importante que os participantes estejam em boa condição física para enfrentar os desafios dos trajetos.

 

 

Veja também:

Os 10 melhores destinos de viagens no mundo para aposentados

Já mostramos aqui o ranking das cidades mais cheirosas e as melhores praias do mundo mas já parou pra pensar quais são os principais destinos turísticos para aposentados?

O site de seguros de viagens Paying Too Much analisou uma seleção de cidades populares de todo o mundo e as comparou com base na qualidade do hotel, na qualidade dos cuidados de saúde, no número de passeios, trilhas para caminhada e coisas para fazer, para ver onde é melhor para os aposentados.

O primeiro lugar é Melbourne, na Austrália! A cidade australiana tem muitos hotéis confortáveis , ótimas (e acessíeis) trilhas para caminhada, passeios a pé e passeios pela cidade , além de muitas coisas para fazer – praticamente tudo que você precisa.

As australianas Sydney e Brisbane também ficaram entre os dez primeiros, assim como Auckland, na Nova Zelândia – claramente lá embaixo do globo tem tudo acontecendo quando se trata de férias para aposentados.

Estes são os dez principais destinos de viagens globais para aposentados:

1 – Melbourne, Austrália

2 – Sydney, Austrália

3 – Amsterdão , Países Baixos

4 – Berlim , Alemanha

5 – Auckland, Nova Zelândia

6 – Brisbane, Austrália

7 – Helsinki , Finlândia

8 – Oslo , Noruega

9 – Munique , Alemanha

10 – Cingapura

Monique, Alemanha

Monique, na Alemanha faz parte da lista (Imagem: Pixabay)

Lembrou de alguém aposentado e que precisa curtir mais a vida? Já encaminhe esse conteúdo para essa pessoa agora mesmo!

Receba no seu WhatsApp as melhores dicas da cidade e as notícias mais interessantes em primeira mão!

22 destinos em Goiás que deixam no chinelo muitas viagens internacionais

Goiás tem atraído cada vez mais a atenção de turistas de todos os cantos. Mas como santo de casa nem sempre faz milagres, é comum o próprio goiano valorizar pouco o turismo regional. A boa notícia é que o estado tem verdadeiros tesouros que fazem a alegria de gringos e estão aqui bem perto e, em muitos casos, podem ser uma boa saída em tempos de crise. No roteiro a seguir, incluímos destinos turísticos clássicos e lugares ainda pouco conhecidos para servir de opção a todos os gostos e bolsos. O resultado é uma lista bem democrática e cheios de atrativos que valem a experiência. Agora é com você unir o útil ao agradável. Bom proveito e Curta Mais Goiás!

 

1.Rio Quente – a 179 km de Goiânia

80b099a655157c6effcf41adc155009b.jpg

da6cbfd76bf9512f906d7e5062bc97ad.jpg

Rio

Mergulho em Rio Quente

A cidade de Rio Quente tem grande destaque no turismo de águas termais, abrigando o famoso Rio Quente Resorts.

Considerado um dos maiores complexos de águas termais do Brasil, a propriedade também conta com o Hot Park, ponto turístico de grande destaque no país.

Outro de seus grandes destaques, a Praia do Cerrado é a maior praia artificial com águas naturalmente quentes do mundo e uma das principais atrações do resort, disponível gratuitamente para os hóspedes do Rio Quente Resorts.

Como chegar: Rio Quente fica a 179 km de Goiânia, acesso pela GO-020 até Bela Vista de Goiás, então, entre à esquerda na GO-139; no encontro com a GO-213, vire sentido a Rio Quente e logo vire na GO-507.

Informações: (64) 3452-7021

 

2. Salto de Corumbá – a 115 km de Goiânia

salto

salto

Exatamente a 115 quilômetros de Goiânia e 95 quilômetros de Brasília. Esse cantinho abençoado por Deus e bonito por natureza reúne tantos atrativos que provavelmente não conseguiremos contar todos aqui. A área de 11 alqueires pertence ao empresário Rodrigo Borges (filho do ex-Governador Mauro Borges e neto de Pedro Ludovico Teixeira, fundador de Goiânia) e foi aberta ao público há quase 30 anos.

Mesmo com várias opções de diversão, são as cachoeiras que atraem tanta gente para o lugar. Sete no total com destaque para a incrível “Salto Corumbá” com 50 metros de queda, que em setembro e outubro fica perfeita para o banho com água na altura do joelho e temperatura média de 28 graus. Num raio de 1,5 km é possível conhecer à pé todas as sete cachoeiras do local por meio das trilhas sinalizadas e de fácil acesso. Outra atração é o “Poço da Gruta” com água geladíssima que chega a temperaturas de 15º em meses menos quentes do estado.

Como chegar: BR 414 – Km 383, Corumbá de Goiás, Goiás (acesso de Goiânia pela BR-060, em Anápolis pega sentido Corumbá de Goiás)

Telefones: (61) 4063-8546 e (62) 9658-7357 (whatsapp)

 

3. Paraúna – a 126km de Goiânia

Cachoeira

Cachoeira do Desengano, em Paraúna.

Foto: Goiás Turismo.

Muitos mistérios cercam Paraúna. A pouco mais de 100km de Goiânia, a cidade abriga histórias e lendas repassadas pelos moradores das redondezas, que afirmam que a região é visitada ou habitada por seres estranhos (alguns até vindos de outros planetas). O misticismo está relacionado às grandes formações rochosas e às construções antigas que a cidade abriga. Realidade ou ficção, o que se pode afirmar é que Paraúna é cheia de belezas naturais. Para os que apreciam bons banhos, vale conhecer a Cachoeira do Cervo, a Cachoeira do Desengano e o Córrego Couro do Cervo, ideais também para a prática de boia-cross, rafting e canoagem. A cidade conta ainda com a incrível Ponte de Pedra, uma formação natural com grutas e cavernas criada pelas águas dos rios Ponte de Pedra e Rio Corrente. Outro ponto muito procurado é a Serra das Galés, com suas formações rochosas rodeadas de mistérios, como a Pedra do Cálice.

PEdra

Pedra do Cálice, na Serra das Galés, em Paraúna. Formação rochosa rodeada de histórias e lendas.

Foto: Aalaorbr

Como chegar: Paraúna fica a 126km de Goiânia, com acesso pela BR-060.

Informações de hospedagem e alimentação: (64) 3957-7045

4. Pirenópolis – a 128 km de Goiânia

Igreja

Igreja Nossa Senhora do Rosário, parte do patrimônio tombado pelo IPHAN (Foto: Goiás Turismo)

onde

Roteiro de charme: entre ruas e prédios históricos, o burburinho dos bares e restaurantes

Entre as beldades de Goiânia e os burocratas de Brasília, surge Pirenópolis (ou só “Piri” para os mais íntimos). Com boa comida, pousadas de charme, compras espertas e um patrimônio arrebatador, não há como não deixar de se encantar com essa pequena joia do interior de Goiás.

Tombada como conjunto arquitetônico, urbanístico, paisagístico e histórico pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1989, Pirenópolis é um registro da história de Goiás, que transpira nos casarões e construções antigas de seu Centro Histórico. Além disso, a cidade é o berço do escultor goiano José Joaquim de Veiga Valle e dos cantores sertanejos Zezé di Camargo e Luciano (a casa onde eles cresceram ainda existe, nos arredores da cidade!). Vale intercalar os passeios pela cidade com visitas às cachoeiras e trilhas do Parque Estadual Serra dos Pireneus. A cidade, que recebe grandes festivais de gastronomia, literatura e cinema, e festas religiosas, é um dos destinos preferidos de fins de semana e feriados prolongados para os moradores de Goiânia e Brasília.

Como chegar: Pirenópolis fica a 128 km de Goiânia, com acesso pela GO-431.

Telefones úteis: Secretaria de Turismo de Pirenópolis: (62) 3331-2416 | CAT – Pirenópolis: (62) 3331-2633

 

383bbd5db9788c1744c7f016d1da8181.jpg

 

5. Cocalzinho de Goiás – a 129km de Goiânia

Gruta

Caverna dos Ecos, em Cocalzinho de Goiás, que abriga o maior lago subterrâneo da América Latina.

Foto: Alexandre Lobo

A quase 130km de Goiânia está a cidade de Cocalzinho de Goiás. Erguida às margens do Rio Corumbá, a cidade é cortada por vários córregos e rios, que criam cachoeiras como a dos Caiapós, do Morrinho dos Pireneus, do Pedro Belo e Sete Grota. Programa obrigatório na cidade é curtir a tirolesa Voo dos Pirineus, com 567 metros de comprimento. Na região também são produzidos vinhos finos e premiados com uvas europeias, na Fazenda Pirineus Vinhos e Vinhedos. Também vale conhecer a Caverna dos Ecos, que abriga o maior lago subterrâneo da América Latina.

Cachoeira

Cachoeira dos Pirineus, em Cocalzinho de Goiás.

Foto: Goiás Turismo.

Vinhedo

Uvas da Fazenda Pirineus Vinhos e Vinhedos, em Cocalzinho de Goiás.

Foto: Geyzon Lenin

Como chegar: Cocalzinho de Goiás fica a 129km de Goiânia, com acesso pela BR-060, BR-153 e BR-414.

Informações de hospedagem e alimentação: (62) 3339-1527

 

6. Cidade de Goiás – a 141 km de Goiânia

cora

empadao

comercial

Entre casarões, ruas de paralelepípedo, empadões goianos e doces caseiros

Localizada há 130 km da Capital, as belezas naturais e arquitetônicas são o maior charme do município que é reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), como Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade desde 2001. As belezas que impressionaram o mundo estão em uma arquitetura preservada que varia entre o barraco, rococó e até gótico. Os Museu de Arte Sacra, o chafariz de Cauda, construído em 1778, ou a Igreja do Rosário são alguns exemplos desta beleza. Não há também como visitar a Cidade sem conhecer a casa da poetiza Cora Coralina, seus pertences, manuscritos, sua bica.

Como chegar: acesso pela GO-070.

CAT (Centro de Atendimento ao Turista): (62) 3331-2633

 

7. Caldas Novas – a 171 km de Goiânia

Águas

Caldas Novas possui mais de 200 piscinas termais…

Parque

… e mais de 20 parques e clubes – é água pra curtir o ano inteiro!

Lago

Pôr do sol no Lago Corumbá, em Caldas Novas

Nacionalmente conhecida por suas águas termais, que compõem o maior manancial hidrotermal do mundo e recebem mais de quatro milhões de turistas por ano, do Brasil e de fora do país. Caldas Novas é a quarta cidade turística não-capital do Brasil, e possui o maior polo hoteleiro de Goiás. A cidade também abriga o Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, com suas trilhas e cachoeiras, abrindo espaço para o ecoturismo e o turismo de aventura, e recebe eventos de porte nacional, como o Caldas Country, um dos maiores festivais de música sertaneja do Brasil.

Como chegar: Caldas Novas fica a 171 km de Goiânia, com acesso pela BR-153 (até o trevo de Piracanjuba) e seguir: GO-217, GO-139 e GO-213. Ou pela GO-020, e depois pela GO-139.

 

8.Santuário Basílica de Trindade – a 18 km de Goiânia

TRINDADE

O Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, templo católico, localizado no município goiano de Trindade, sendo a única basílica no mundo dedicada ao Divino Pai Eterno.

A Festa de Trindade é realizada todo ano, iniciando-se no último sábado do mês de junho e finalizando-se no primeiro domingo do mês de julho em Trindade, no estado de Goiás, onde recebe mais de 3 milhões de fiéis, durante seus 9 dias de duração.

Como chegar: acesso pela GO-060 (rodovia dos Romeiros)

Informações úteis: (62) 3506-7041

 

9. Vila Propício – a 188km de Goiânia

Lago

Lago Azul, em Vila Propício. (Imagem Do Cerrado via Youtube)

Conhecida por ter o segundo maior complexo de cavernas do Centro-Oeste, com mais de 50 cavernas e grutas que atraem turistas do Brasil e do mundo, a cidade de Vila Propício possui ainda outras belezas naturais. Dentre as cavernas mais visitadas estão a Chico Pina, Cearense, Dois Irmãos, Três Marias e a da Samambaia. A cidade abriga ainda a Cachoeira Rio dos Patos e o incrível Lago Azul, de águas azuis e cristalinas, perfeito para banho e mergulho.

Caverna

Caverna da Samambaia, em Vila Propício.

Foto: Goiás Turismo.

Como chegar: Vila Propício fica a 188km de Goiânia, com acesso pela BR-060, BR-153 e GO-338.

Informações de hospedagem e alimentação: (62) 3320-0184

 

10. Formosa – a 281 km de Goiânia

Eleita como a oitava melhor cidade turística do estado de Goiás pelos próprios turistas, a cidade de Formosa é um mundo a ser desbravado pelos espíritos aventureiros: grutas, cachoeiras, quedas livres, trilhas, e rampas de voo livre vão fazer você sentir um gostinho de adrenalina como nunca antes. Além disso, a cidade abriga sítios arqueológicos e recebe importantes festas religiosas ao longo do ano. Com economia baseada na agropecuária, o município tem grande potencial turístico e atrativos que realmente impressionantes.

Cachoeira

Sim, esse paraíso existe e é logo alí.

O Buraco das Araras parece ter saído de um filme de ficção e aventura.

Rampa

Como chegar:

Formosa fica a 281 km de Goiânia, com acesso pela BR-153 e em seguida pela GO-118.

Telefones Úteis:

Secretaria Municipal de Turismo de Formosa: (61) 3981-1234

CAT (Centro de Atendimento ao Turista) de Formosa: (61) 9686-0142

AGeCTUR (Associação de Guias e Condutores de Turismo): (61) 9848-5938

 

11. São João D’Aliança – a 355km de Goiânia

Bocaina

Bocaina do Farias, em São João D’Aliança.

Foto: Goiás Turismo.

Entrada da Chapada dos Veadeiros mais próxima de Brasília, a cidade de São João D’Aliança está repleta de cachoeiras e cânions. Na cidade, vale conhecer o impressionante cânion Buraco do Farias. Entre as cachoeiras, vale visitar a Cachoeira das Andorinhas, a Cachoeira do Label, a Cachoeira do Mingau, a Cachoeira São Cristóvão, a Cachoeira São Pedro e a Cachoeira do Cantinho, com quatro quedas d’água. A cidade abriga ainda a comunidade quilombola Quilombo do Forte.

Cachoeira

Cachoeira do Cantinho, em São João D’Aliança.

Foto: Naty_Chocolate

Como chegar: São João D’Aliança fica a 355km de Goiânia, com acesso pela BR-020 até a DF-345, finalizando pela GO-118.

Informações de hospedagem e alimentação: (62) 3438-1161

 

12. Serranópolis – a 372km de Goiânia

Cachoeira

Cachoeira Canguçu, em Serranópolis.

Foto: Goiás Turismo.

Considerada uma das mais importantes regiões arqueológicas do continente, Serranópolis possui pequenas grutas com vestígios de ocupação, que atraem pesquisadores e turistas interessados nas pinturas rupestres encontradas em suas paredes e sítios arqueológicos. A cidade abriga ainda várias cachoeiras, como a do Corcovado, da Barra do Douradinho, da Ponte de Pedra e do Canguçu.

Sitio

Sítio Arqueológico Pousada das Araras, em Serranópolis, com pinturas rupestres.

Foto: Pegadas no Cerrado

Como chegar: Serranópolis fica a 372km de Goiânia, com acesso pela BR-060.

Informações de hospedagem e alimentação: (64) 3668-1114 | (64) 3668-1457

 

13. Colinas do Sul – a 393 km de Goiânia

Lago

Águas termais em Colinas do Sul (Foto: Goiás Turismo)

Colinas do Sul é a única cidade da Chapada dos Veadeiros banhada pelo Lago Serra da Mesa, e está cercada por atrações naturais com opções de trilhas, cachoeiras, mirantes, vales, serras, rios e lagos. A cidade tem grande potencial para o turismo de pesca e abriga o encontro dos rios São Miguel e Tocantinzinho. Para os que buscam programas mais tranquilos, Colinas do Sul também possui banhos em águas termais.

Como chegar: Colinas do Sul fica a 393 km de Goiânia, com acesso pelas rodovias GO-132 e GO-239.

O que fazer: Banhos nas águas termais; Pesca esportiva e banhos no Lago de Serra da Mesa, o segundo maior lago artificial do Brasil; Camping, tilhas e banhos na Reserva Particular do Patrimônio Natural Cachoeira das Pedras Bonitas; Acesso para o Parque da Chapada dos Veadeiros, unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza, que abriga cachoeiras e belezas naturais, atraindo turistas para trilhas, esportes radicais e banhos de cachoeira; Descobrir o encontro dos rios São Miguel e Tocantinzinho.

Telefones úteis: Prefeitura de Colinas do Sul: (62) 3486-1117 | Allan Kardec, da Secretaria de Turismo: (62) 9627-4477

 

14. Parque Nacional das Emas – a 420 Km de Goiânia

Fenômeno

Fenômeno da bioluminescência no Parque Nacional das Emas, em Goiás.

Carro

Carro Safari no Parque Nacional das Emas. É possível alugar o veículo para passeios pela Unidade de Conservação. (Foto: Prefeitura de Mineiros)

Cupinzeiros naturalmente coloridos, safari, boia-cross, natureza exuberante e muita, muita aventura. Este são alguns dos atrativos que o visitante pode encontrar e curtir no deslumbrante Parque Nacional das Emas, localizado entre os municípios de Serranópolis (GO), Mineiros (GO), Chapadão do Céu (GO) e Costa Rica (MS). Por lá é possível presenciar o fenômeno raro e único da bioluminescência, quando os cupinzeiros ficam cheios de pontos brilhantes durante à noite, criando um cenário mágico e de encher os olhos.

Para os que querem presenciar esse espetáculo natural da bioluminescência, a época ideial de pico, é entre os meses de outubro e novembro. Além da beleza do fenômeno, o Parque Nacional das Emas é um destino sem igual para os que curtem turismo de aventura e esportes radicais.

Para informações de hospedagem e alimentação, entre em contato com as Centrais de Atendimento ao Turista (CAT) de cada município:

CAT Mineiros

Endereço: Avenida Alessandro Marchió, N169, Centro

Telefone: (64) 3661-0006

Email: [email protected]

Agências de turismo

Trekking Turismo – Mineiros (GO)

Telefone: (64) 9611-5259

Trilhas do Cerrado – Mineiros (GO)

Telefone: (64) 9954-4017

CAT Chapadão do Céu

Telefone: (64) 3634-151

 

15. Mineiros – a 420 km de Goiânia

 

Mineiros

Chapada Pinga Fogo, ideal para trekking, hiking e rapel (Foto: Goiás Turismo)

Boia

Boia-cross no Parque Nacional das Emas (Foto: Secretaria de Turismo de Mineiros)

Uma das portas de entrada para o Parque Nacional das Emas, onde se pode observar o efeito da bioluminescência, Mineiros também é a casa de mais de 150 cachoeiras catalogadas e da região mística do Pinga-Fogo, ideal para a prática de trekking, hiking e rapel. A cidade possui grande variedade de fauna, flora, piscinas naturais e grutas, fazendo de Mineiros um destino ideal para o turismo de aventura.

Como chegar: Mineiros fica a 420km de Goiânia, com acesso pela BR -060.

O que fazer: Observar o fenômeno da bioluminescência no Parque Nacional das Emas; Boia-cross, flutução e safári no Parque Nacional das Emas; Trekking, hiking e rapel na região da Chapada do Pinga Fogo; Cachoeirismo e banhos nas mais de 150 cachoeiras catalogadas, como a dos Dois Saltos, do Ribeirão Invernadinha e do Rio Verde.

Informações de hospedagem e alimentação: Secretaria de Cultura e Turismo: (64) 3661-0005 | CAT – Mineiros: (64) 3661-0006

 

16. Chapadão do Céu – a 480km de Goiânia

Boia

Boia-cross no Rio Formoso, em Chapadão do Céu.

Foto: Goiás Turismo.

A apenas 26km do Portão Bandeira, Chapadão do Céu é a cidade mais próxima do Parque Nacional das Emas. Por lá, além de visitar as belezas do Parque e não perder o fenômeno da bioluminescência, vale conhecer os saltos do Rio Sucuriú e fazer flutuação, boia-cross, canoagem e rafting nas corredeiras do Rio Formoso, que possui até uma prainha com areia branca na margem.

Salto

Salto Sucuriu em Chapadão do Céu.

Foto: Goiás Turismo.

Como chegar: Chapadão do Céu fica a 480km de Goiânia, com acesso pela BR-060.

Informações de hospedagem e alimentação: (64) 3636-1517

 

17. Chapada dos Veadeiros – a 444 km de Goiânia

Salto

Salto do Rio Preto, com 120m de queda

balao

Voo panorâmico de balão pela Chapada dos Veadeiros

Vale

O surreal Vale da Lua

Criado em 1961 para proteger mais de 65 mil hectares de natureza típica do cerrado, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros também foi declarado Patrimônio Mundial Natural em 2001 pela UNESCO. Além da conservação natural, o Parque tem grande valor científico e turístico, sendo um dos destinos mais incríveis do estado de Goiás.

Localizado entre os municípios de Alto Paraíso e Cavalcante, a Chapada dos Veadeiros atrai turistas de todos os perfis: aventureiros, tranquilos, esotéricos e céticos se encontram em um local cheio de cachoeiras, trilhas e muitas outras belezas naturais.

Com tantas riquezas, é difícil resumir os atrativos da região. Selecionamos aqui 10 dicas de programas incríveis que você provavelmente não sabia que pode fazer na Chapada dos Veadeiros e arredores. A lista inclui banhos de cachoeira, trilhas, esportes de aventura e até passeio de balão.

Parque Nacional Chapada dos Veadeiros

Como chegar: Atualmente, o único acesso à Chapada dos Veadeiros se dá pela vila de São Jorge, distrito de Alto Paraíso. Alto Paraíso fica a 444km de Goiânia, com acesso pela BR-060 e BR-010. São Jorge fica a 30km de Alto Paraíso, com acesso pela GO-239.  A entrada para a Chapada dos Veadeiros fica a 1km de São Jorge e 36km de Alto Paraíso.

Visitação: A visitação ao Parque acontece a partir das 08h, com entrada liberada até às 12h e saída até às 18h. É permitido o acesso a apenas 500 pessoas por dia, então fica a dica: para períodos de grande visitação, como o carnaval, chegue cedo ao local. Não é necessário ter guias para fazer as trilhas da Chapada dos Veadeiros, mas a visita guiada é recomendada em períodos chuvosos. Os guias cobram R$150 por dia para grupos de até 10 pessoas. O período ideal de visitação do Parque é de junho a novembro, entre os períodos de seca e chuva.

Informações de hospedagem e alimentação: Central de Atendimento ao Turista de Alto Paraíso: (62) 3446-1159 | Central de Atendimento ao Turista de São Jorge: (62) 3455-1090

 

18. Alto Paraíso – a 444 km de Goiânia

bf1496018d900e5fe1812ae6b38c9225.jpg

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Destino com ares místicos e inúmeras belezas naturais, Alto Paraíso é uma das cidades mais significativas para o turismo de Goiás. Abrigando a porta de entrada da Chapada dos Veadeiros, a cidade é célebre por sua vibe alternativa, que atrai muitos místicos: eles acreditam que as vibrações magnéticas do subsolo, geradas por uma grande placa de quartzo, sejam o motivo da cidade ser tão especial, recebendo visitas de alienígenas e fazendo da cidade um chacra do mundo. Por lá, é fácil encontrar locais que oferecem terapias alternativas, como o reike.

Além do esoterismo, Alto Paraíso conta com 120 cachoeiras catalogadas e outras riquezas naturais, que fazem da cidade um destino também procurado pelos fãs de aventuras e esportes radicais.

Como chegar: Alto Paraíso fica a 444km de Goiânia, com acesso pela BR-060 e BR0-10.

Informações de hospedagem e alimentação: Central de Atendimento ao Turista de Alto Paraíso: (62) 3446-1159 | Central de Atendimento ao Turista de São Jorge: (62) 3455-1090

 

19. Rio Araguaia – a cerca de 480 Km de Goiânia

Pôr

Pôr do sol no Rio Araguaia, cenário de tirar o fôlego

Pesca

Pesca esportiva no cartão postal goiano

O pôr do sol visto das margens do rio Araguaia é uma das images mais belas captadas por turistas e veículos de comunicação. Mas não é difícil também ver botos subindo rapidamente para respirar, gaivotas, mergulhões, jacarés e até cardumes de peixes subindo o rio durante a piracema – período em que é proibida a pesca de qualquer espécie.

Destacamos duas opções de cidades ribeirinhas com ótima estrutura para o turista, Aruanã e São Miguel do Araguaia:

Como chegar: São Miguel do Araguaia fica a 475 km de Goiânia, com acesso pela GO–070.

Informações de hospedagem e alimentação: Secretaria de Turismo: (62) 3977-7152 | (62) 3977-7153 | CAT – São Miguel do Araguaia: (62) 3382-3140

Como chegar: Aruanã fica a 315km de Goiânia, com acesso pelas rodovias GO–070, GO–530 e GO-060.

Informações de hospedagem e alimentação: CAT – Aruanã: (62) 3376-1442

 

20. Mambaí – a 508km de Goiânia

Cachoeira

Cachoeira do Poço Azul, em Mambaí.

Foto: Goiás Turismo.

Programa obrigatório na cidade de Mambaí é cruzar o cânion do Córrego das Dores em uma das maiores tirolesas do Brasil – são 102 metros de altura e 320 metros de extensão. A cidade também está cheia de cachoeiras, lagos, cânions e cavernas. Vale conhecer a belíssima Cachoeira do Poço Azul, com águas azuis e cristalinas propícias para o banho; a Cachoeira Paraíso do Cerrado, com três quedas d’água; e a Cachoeira do Funil. A cidade abriga ainda a sexta maior caverna do Brasil e a segunda maior do Estado de Goiás, a incrível Gruna da Tarimba.

Cachoeira

Cachoeira do Funil em Mambaí, Goiás.

Foto: Goiás Turismo.

Tirolesa

Tirolesa do Córrego das Dores, em Mambaí.

Foto: Goiás Turismo.

Como chegar: Mambaí fica a 508km de Goiânia, com acesso pela BR-060 seguindo pela BR-020.

Informações de hospedagem e alimentação: (62) 3484-1251

 

21. Cavalcante – a 510 km de Goiânia

A natureza em seu melhor estado.

Ecoturismo, turismo de aventura e turismo cultural se encontram em Cavalcante, município que abriga quase 70% da área total do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza e Patrimônio Mundial da UNESCO. Cachoeiras, serras, rios e cânions fazem o cenário da cidade, onde o Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga, a maior comunidade quilombola do País, também está abrigado.

Como chegar: Cavalcante fica a 510 km de Goiânia, com acesso pela BR-153.

Informações de hospedagem e alimentação: Prefeitura Municipal de Cavalcante: (62) 3494-1193 | (62) 3494-1399 | Secretaria de Turismo de Cavalcante e CAT – Cavalcante: (62) 3494-1507

 

22. São Domingos – a 641km de Goiânia

Gruta

Grutas e cavernas do Parque Estadual de Terra Ronca, em São Domingos.

Foto: Goiás Turismo.

São Domingos abriga o Parque Estadual de Terra Ronca, constituído por inúmeras grutas de cerca de 620 milhões de anos, banhadas por águas límpidas e mornas. Visitar o complexo cavernícola do Parque Estadual de Terra Ronca é programa obrigatório na cidade. É lá que estão concentradas grutas como a de Terra Ronca (que deu nome ao parque), São Mateus e Angélica, a quinta maior caverna do país. Todas elas possuem galerias quilométricas e grande volume dos cursos d’água, fazendo do Parque Estadual de Terra Ronca um dos maiores complexos espeleológicos da América. O local é ideal para os amantes de esportes radicais como escalada, rapel e mountain bike.

Parque

Parque

Grutas e cavernas do Parque Estadual de Terra Ronca, em São Domingos.

Foto: Goiás Turismo.

Como chegar: São Domingos fica a 641km de Goiânia, com acesso pela BR-060 e BR-020.

Informações de hospedagem e alimentação: (62) 3425-1516

Receba no seu WhatsApp as melhores dicas da cidade e as notícias mais interessantes em primeira mão!

Lei Joca: Câmara aprova projeto que regulamenta transporte de Pets em Avião no Brasil

Em votação simbólica na Câmara dos Deputados, no dia 8 de maio, foi aprovado o projeto de lei que regulamenta o transporte aéreo de gatos e cães de estimação.

A proposta, que ganhou o nome de Lei Joca em homenagem ao golden retriever de cinco anos que morreu durante um transporte aéreo no dia 22 de abril, estabelece que as companhias aéreas ofereçam o serviço de rastreamento e transporte dos animais dentro da cabine dos passageiros. O texto agora vai ao Senado.

O texto aprovado é mais limitado do que o projeto original, que previa a oferta dos mesmos serviços também por empresas de transporte terrestre e fluvial. Até então, não havia legislação nacional que determinasse regras para o transporte animal.

Esta ausência de regulamentação e a morte de Joca motivaram, como mostrou o Estadão, a apresentação de novos projetos tanto na Câmara quanto no Senado, todos eles com o objetivo de promover maior conforto e segurança aos pets.

No último dia 30, a mobilização levou à retomada da apreciação do projeto de 2022 proposto pelos deputados Alencar Santana Braga (PT-SP), Odair Cunha (PT-MG) e Carlos Veras (PT-PE) após o sumiço de uma cadela, a Pandora, durante uma conexão no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, naquele ano.

Além da obrigatoriedade do serviço de rastreamento dos cães e gatos durante todo o voo e a permissão do transporte desses animais na cabine, a medida também determina a presença de médicos-veterinários em aeroportos com transporte anual superior a 600 mil passageiros.

O objetivo é que os animais sejam acompanhados durante o embarque, acomodação e desembarque, além de supervisionados pelo tutor a qualquer momento. Ainda, estabelece que a empresa garanta condições confortáveis para a viagem do animal, assegurando a segurança dele e de todos os demais passageiros.

O texto também resguarda as companhias aéreas, reservando a elas o direito de não realizar o transporte dos animais de estimação caso a viagem ofereça risco à saúde do animal, à segurança ou por quaisquer outras restrições operacionais.

Justificando a proposta, o relator que apresentou o texto substituto, deputado Fred Costa (PRD-MG), ressaltou que “animal de estimação não é bagagem e, portanto, não deve ser transportado no compartimento de carga”. Ainda de acordo com o parlamentar, a legislação pode evitar a recorrência de casos como o de Joca que, segundo ele, “talvez tivesse sido diferentes se um profissional o tivesse avaliado antes do embarque no aeroporto de Fortaleza”.

O golden retriever, transportado pela Gollog, empresa da companhia aérea Gol, morreu após uma falha operacional que o embarcou em um avião diferente do que levava o tutor dele. Em vez de seguir viagem para Sinop, em Mato Grosso, a partir do Aeroporto de Guarulhos, o animal foi embarcado em um voo para Fortaleza, no Ceará, e, ao retornar para São Paulo, não sobreviveu.

A companhia Gol informou que ofereceu todo o suporte necessário ao tutor e à família dele e que “a apuração dos detalhes do ocorrido está sendo conduzida com total prioridade”.

 

 

*Agência Estado

Veja também:

Parque aquático goiano é destaque internacional

Uma pesquisa da Booking.com realizada no ano passado, que entrevistou mais de 27 mil pessoas em 33 países, revelou tendências interessantes para viagens no Brasil, especialmente diante do aumento global de temperatura. Cerca de 70% dos viajantes brasileiros planejam passar suas férias em lugares mais frescos, como destinos com experiências aquáticas, como forma de buscar alívio do calor e aproveitar momentos de relaxamento. Além disso, 86% dos entrevistados brasileiros concordam que estar perto da água proporciona uma sensação imediata de tranquilidade e calma.

Um destino que atende a essa busca por relaxamento e diversão em meio à água é o Hot Park, um parque aquático localizado em Rio Quente, uma cidade no estado de Goiás, a aproximadamente 170 km de Goiânia. O parque é parte do Rio Quente Resorts, conhecido por suas águas naturalmente quentes, tornando-se uma escolha ideal para quem deseja curtir a água com uma temperatura confortável. Essa característica singular, juntamente com a variedade de atrações e atividades oferecidas pelo parque, contribui para a sensação de relaxamento e diversão procurada pelos turistas.

O Hot Park possui uma série de atrações aquáticas para todas as idades, desde toboáguas emocionantes até piscinas com águas quentes e tranquilas. Os visitantes podem desfrutar de atividades como mergulho, tirolesa sobre a água e outros esportes aquáticos, o que torna o parque uma opção de entretenimento diversificada. Além disso, há áreas específicas para famílias com crianças, garantindo segurança e diversão para todos.

O reconhecimento do Hot Park tem crescido nacional e internacionalmente, destacando seu compromisso com a experiência do cliente e a qualidade de suas instalações. Em 2023, o parque recebeu seis prêmios em várias categorias, atestando sua popularidade e qualidade. Esses prêmios refletem não apenas a satisfação dos visitantes, mas também o empenho do parque em fornecer uma experiência única e relaxante.

Hot Park, parque aquático goiano, acumula reconhecimentos e premiações nacionais e internacionais em 2023

O parque aquático recebeu seis premiações durante o ano passado, que reconhecem a qualidade dos serviços ofertados, o destaque para o entretenimento e as atividades disponíveis. Uma das mais recentes foi a conquista do Turbilhados do Top 3 na categoria “Atração” do Prêmio Maurício de Sousa, da Adibra (Orlando), que avalia as atrações de parques brasileiros, levando em consideração seus aspectos criativos-construtivos como storytelling, tematização e qualidade de execução.

“As atrações do Hot Park têm narrativas contadas por meio do entretenimento e são destaque na nossa operação. O Turbilhados, inaugurado em janeiro de 2023, foi reconhecido pela Adibra. Além deste, nosso parque teve outros reconhecimentos internacionais que reafirmam a qualidade do nosso serviço, a relevância de ter o Entretenimento Total no centro do nosso negócio e nossa solidez no mercado de turismo”, salienta Paulo Schneider, diretor de Operações da Aviva, plataforma de entretenimento detentora do Hot Park, Rio Quente Resorts e Costa do Sauípe.

Ainda em 2023, a campanha “Inverno Hot”, realizada entre julho e agosto, contou com inúmeras iniciativas de marketing, incluindo parceria com influenciadores e ações de responsabilidade social e foi premiada na categoria “Marketing” do prêmio LASOS 2023 (Cancun), promovido pela RCI, líder mundial na indústria de intercâmbio de férias e propriedade compartilhada.

A Praia do Cerrado é um dos principais atrativos do parque aquático

A Praia do Cerrado é um dos principais atrativos do parque aquático

O parque também é reconhecido internacionalmente há 10 anos no relatório Themed Entertainment Association (TEA) como um dos parques mais visitados do mundo, além de ocupar o 3º lugar na América Latina e 9º lugar no mundo como melhor parque aquático no mesmo relatório. Ainda no âmbito internacional, o destino foi considerado pelo prêmio Travellers’ Choice do Tripadvisor como um dos melhores parques do mundo, pelo 2º ano consecutivo. Nacionalmente, em 2023, ele conquistou o 2º lugar como melhor parque aquático nos prêmios Viagem&Turismo e Melhores Destinos.

O Hot Park diverte famílias há 25 anos e proporciona uma experiência única para pessoas de todas as idades em meio à paisagem do Cerrado Brasileiro. No parque aquático, existem tanto atrações com vivências tranquilas, como o Lazy River, em que adultos e crianças podem seguir a corrente leve do rio lento em uma boia individual e apreciando a natureza do local, quanto atrações mais radicais, como o Turbilhados, que é a primeira atração nacional a ter a manobra Flying Saucer 45, além de poder atender até 1.600 pessoas por hora de atividade, com uma dinâmica que desperta a adrenalina das pessoas.

Além da coleção de prêmios que avaliam a qualidade do parque, o quão visitado ele é e suas campanhas e estratégias de marketing, o Hot Park ainda recebeu em 2023 o prêmio Reclame Aqui, que tangibiliza o cuidado que existe com as pessoas, em todo sua jornada de consumo dos serviços, quando é necessário suporte de alguma maneira, e o êxito de sua atuação nestes momentos cruciais para a satisfação de clientes e reputação da marca.

“Estes reconhecimentos são resultado do investimento que temos feito, ao longo dos últimos anos, para ter o entretenimento em tudo que fazemos, permeando toda a jornada de quem se diverte nos nossos produtos. Nossa missão é fazer famílias felizes e queremos elevar essa experiência para um outro patamar”, afirma Schneider. “Em 2024, retomamos o projeto Hot Park Baía das Tartarugas, na Costa do Sauípe, para enriquecer a experiência do que já é o maior resort do Brasil. E, em Goiás, o Hot Park também está em um projeto de tematização”.

O parque goiano deve ter, futuramente, uma divisão em lands temáticas que reunirá, individualmente: atrações para famílias, atrações mais radicais, e uma terá temática inspirada nas ilhas havaianas. A nova atração Turbilhados e os mais recentes restaurantes do parque, Maraé e Rangará, já chegam dentro dessas temáticas, um em cada nova área.

Leia também:

Cidade de Goiás é um verdadeiro tesouro que guarda a coração do tempo, ouro e fé

Cidade de Goiás é um refúgio surpreendente no coração do Cerrado e você não conhecia

Os 10 destinos de viagem mais baratos do mundo em 2024

Planejar férias nem sempre parece a coisa mais sensata quando a grana está curta, mas viajar não precisa ser tão caro assim. Existem muitos destinos em todo o mundo onde você não precisa estourar muito o orçamento e, felizmente, temos todas as informações para tornar a pesquisa um pouco mais fácil.

A marca de comércio eletrônico WeThrift fez algumas pesquisas e avaliou a acessibilidade dos transportes, atrações turísticas e acomodações, bem como o custo das iguarias e refeições locais, para determinar quais destinos ao redor do mundo são mais acessíveis.

Com pontuação de 69,2 de 80 em seu índice, ocupando o primeiro lugar está Nova Delhi, capital da Índia. Frango com manteiga e chaat, um prato local, custaria apenas £ 1,90 (€ 2,22, US$ 2,40) por refeição aqui e o transporte também é super barato.

Além do mais, o custo da acomodação para um fim de semana era de apenas cerca de £ 39 (€ 45,60, $ 49,40).

Hanói, no Vietnã, ficou em segundo lugar, onde o preço médio de uma viagem em transporte público foi de apenas £ 0,23 (€ 0,27, US$ 0,29). Em terceiro lugar, ficou o Cairo, onde o preço médio de uma bebida gira em torno de £ 1,06 (€ 1,25, US$ 1,34) e os ingressos para atrações custam cerca de £ 38 (€ 44,40, US$ 48,15), que é o mais barato da lista.

Um destino brasileiro aparece na lista da WeThift. Trata-se do Rio de Janeiro que ocupa a décima colocação.

Estes são os 10 destinos de viagem mais acessíveis para 2024, de acordo com a WeThift.

  1. Nova Deli, Índia
  2. Hanói, Vietnã
  3. Cairo, Egito
  4. Istambul, Turquia
  5. Hurghada, Egito
  6. Bali, Indonésia
  7. Bangkok, Tailândia
  8. Marraquexe, Marrocos
  9. Phuket, Tailândia
  10. Rio de Janeiro, Brasil

Vale lembrar que o custo do voo para todos esses lugares varia, dependendo de onde você está voando. Você pode dar uma olhada no estudo da WeThrift com mais detalhes aqui ou navegar nesta lista dos destinos de viagem com melhor valor de acordo com o Skyscanner aqui .

Descubra os países que todo brasileiro pode visitar sem visto

Você sabia que existem diversos países ao redor do mundo em que é possível viajar apenas com o seu passaporte brasileiro, sem a necessidade de visto? De acordo com o índice Henley Passport Index, o Brasil ocupa uma posição privilegiada, sendo aceito em aproximadamente 168 países.

Então, se você está pensando em fazer uma viagem internacional, continue lendo para descobrir quais são esses destinos incríveis!

Confira os países que não exigem visto dos brasileiros, por continente:

América do Sul

Argentina

Peru

Chile

Paraguai

Venezuela

Colômbia

Equador

Uruguai

Guiana

Suriname

Bolívia

Nestes países você pode ingressar até mesmo sem passaporte, porém com a estadia máxima de 90 dias, com exceção da Colômbia que é de até 180 dias e da Bolívia que é de apenas 30 dias.

América Central e do Norte, com os respectivos dias que o turista pode permanecer:

Antígua e Barbuda: 180 dias

Bahamas: 90 dias

Barbados: 180 dias

Belize: 90 dias

Costa Rica: 90 dias

Dominica: 90 dias

El Salvador: 90 dias

Honduras: 30 dias

Guatemala: 90 dias

Haiti: 90 dias

Jamaica: 90 dias

Nicarágua: 90 dias

Panamá: 90 dias

República Dominicana: 90 dias

Santa Lúcia: 90 dias

São Cristóvão e Nevis: 90 dias

São Vicente e Granadinas: 90 dias

Trinidad e Tobago: 90 dias

Saindo da América e indo para a Europa, você pode passar até 90 dias de forma legal em mais de 30 países europeus:

Alemanha

Andorra

Áustria

Bélgica

Bósnia

Bulgária

Croácia

Dinamarca

Eslováquia

Eslovênia

Espanha

Finlândia

França

Geórgia

Grécia

Holanda

Hungria

Irlanda

Islândia

Itália

Liechtenstein

Luxemburgo

Mônaco

Noruega

Polônia

Portugal

Reino Unido

República Tcheca

Romênia

San Marino

Sérvia

Suécia

Suíça

Turquia

Ucrânia

Vaticano

Países da África que brasileiros podem entrar sem visto, e seus respectivos tempos que o turista pode permanecer:

África do Sul: 90 dias

Botsuana: 90 dias

Ilhas Seychelles: 30 dias

Marrocos: 90 dias

Namíbia: 90 dias

Senegal: 30 dias

Tunísia: 90 dias

Na Ásia, a maioria com permanência de 90 dias para turistas:

Armênia

Cazaquistão: 30 dias

Chipre

Emirados Árabes Unidos

Filipinas: 60 dias

Geórgia

Hong Kong

Indonésia: 30 dias

Ilhas Maldivas: 30 dias

Israel

Macau

Malásia

Mongólia

Rússia

Singapura: 30 dias

Tailândia

Turquia

Ainda temos alguns países da Oceania, confira:

Ilhas Fiji: 90 dias

Micronésia: 30 dias

Nauru: 30 dias

Nova Zelândia: 90 dias

República do Palau: 30 dias

Samoa: 60 dias

Tonga: 30 dias

Tuvalu: 90 dias

Veja também:

5 motivos para você viajar sozinho e sem medo!

Uma pesquisa realizada pelo Booking.com revelou que o maior desejo dos brasileiros pós-pandemia, é a realização de uma viagem. O estudo contou com a participação de 28 mil voluntários de 28 países distintos, dentre os mil do Brasil, viajar ficou à frente de compras, materiais, família ou novos romances.

Todo mundo deveria viajar sozinho ao menos uma vez na vida. Afinal, muito mais do que conhecer um lugar diferente, essa experiência promove uma série de aprendizados e também a oportunidade de autoconhecimento, além de autonomia para que você tome suas próprias decisões.

E o melhor de tudo, você terá ao seu lado a melhor companhia: você mesmo!

Por isso, confira 5 motivos e 5 dicas para fazer uma viagem sozinho.

Motivos

1. O seu calendário é só seu

Sem precisar comparar sua agenda com a de familiares e amigos, é mais fácil de se planejar e manter uma viagem que cabe nos seus dias disponíveis.

Você poderá aproveitar os seus dias livres, em temporadas ou não, da forma e no lugar que mais deseja. A disponibilidade é exclusivamente sua.

2. Você encara a viagem com seu próprio ritmo

Muitas vezes, viajar com outras companhias pode mudar frequentemente o roteiro. Em momentos em que a animação está alta, outra pessoa pode não sintonizar no mesmo tom e vice-versa.

Também não é preciso escolher lugares que todo grupo goste ou fazer votações, a única escolha é a sua! Você pode definir os passeios, os pontos turísticos, a hora de ida e volta. Liberdade.

3. É mais fácil de sentir a cultura do ambiente

Ao estar sozinho, poderá se enturmar melhor com as pessoas da região. Se preferir vivenciar companhias passageiras, um hostel é uma excelente pedida. Viajar só te desinibe e exige que estabeleça maior comunicação com outros viajantes e moradores. Desde tirar uma dúvida até cair na diversão.

Por isso, opte por conhecer lugares não tão turísticos em alguns dias da sua viagem.

4. Um tempo dedicado para autoconhecimento

Viajar sozinho abre portas para novos rumos até você. Cada minuto que você se encantar pelo lugar, rir, passar por perrengues e aventuras será favorável para um crescimento pessoal.

Um tempo sozinho longe é ideal para organizar pensamentos, criar novas perspectivas do mundo e dedicar somente às suas vontades, para entender quais são elas. Viajar sozinho é transformador.

5. Melhora a sua comunicação e confiança 

Como citado na 3º dica, suas habilidades de comunicação serão altamente exploradas e poderão garantir maior segurança em si mesmo. Decidir todos os seus passos farão você se orgulhar de uma viagem bem realizada e vivida. Isso te motivará a ir cada vez mais longe e também confiante em ambientes já conhecidos.

Dicas

1. Se prepare com antecedência

Seja emocional ou fisicamente, tenha a clareza que algumas coisas precisam ser pré-estabelecidas. Caso vá para lugares com trilhas, crie uma rotina de exercícios para se preparar. Leia e assista relatos de outras pessoas que viajaram sozinhas em blogs e vídeos, para absorver o que elas têm a dizer.

Defina bem o que levará, quando a viagem é só, todo excesso de bagagem é sentido.

Se não souber falar o idioma do lugar, aprenda frases-chaves que te auxiliem a manter uma viagem fluída.

Busque pelos melhores preços de passagem e hotéis em sites de comparação e não deixe para comprar de última hora.

Verifique se o destino pede que sejam apresentados vistos e carteiras de vacinação e se organize para deixar tudo em mãos no dia do embarque.

2. Pesquise bastante os destinos

Mar, montanhas, cachoeiras, correria das cidades, toda essa imensidão de natureza e cultura que o mundo nos dispõe merece ser vista, mas qual será a primeira? É sempre difícil escolher apenas uma, mas faça com cautela. Verifique o que há de lazer e serviço nas suas possibilidades e escolha aquela que mais gostar naquele momento.

Procure por restaurantes, passeios, transporte, previsão do tempo e trace rotas de antemão, assim quando chegar ao local, um pedacinho dele já será reconhecido por você.

3. Cuide dos seus pertences

Mantenha um seguro viagem atualizado e malas com cadeados que serão somente do seu acesso, saiba que o que você levar deve voltar, então faça listas com tudo que está guardando para conferência.

Ao chegar no local de estadia, verifique se existe um cofre e lembre-se de deixar os pertences de maior valor lá. O celular, também deve ser cuidado, com rastreamento acionado desde a partida.

Nos ambientes, sempre cheque seus documentos antes de ir embora.

4. Saiba como funciona a segurança do lugar que está indo

Quais são as leis, regras e crenças? Os telefones de emergência? Vai se hospedar próximo de uma autoridade local? Tudo isso deve ser pensado para que possa aproveitar o destino. Siga as dicas de segurança do país em questão, caso a viagem seja internacional, e tenha os telefones úteis anotados e de fácil acesso.

5. Administre seu dinheiro 

Estabelecer uma quantia padrão para ser gasta em cada dia de viagem é uma boa forma de não passar sufoco nos dias finais.

Deixe os passeios turísticos previamente pagos e caso vá visitar mais de um lugar, já compre as passagens de avião, ônibus, trem e defina os melhores lugares para aluguel de carros, se necessário.

Aproveite sua viagem com cuidado e de peito aberto!

Veja também:

O maior manancial de água termal do mundo fica em Goiás e você precisa conhecer

A água é um recurso estratégico para a humanidade, pois mantém a vida no planeta Terra, sustenta a biodiversidade e a produção de alimentos e suporta todos os ciclos naturais. Dentre as principais funções da água para o ser humano, em relação ao bom funcionamento do organismo, estão a regulação da temperatura do corpo, transporte de substâncias como sais minerais e nutrientes, eliminação de substâncias para fora do corpo e proteção das estruturas. Para além desses benefícios, o meio aquático é um convite para o lazer e esportes.

Em Goiás, temos tudo isso! A região de Caldas Novas e Rio Quente é conhecida por suas águas termais desde a época dos povos indígenas que habitavam a região. Eles já utilizavam as águas quentes como fonte de cura para diversas enfermidades.

Quando se fala em fontes termais, Goiás já é referência no assunto. Afinal, é neste estado que se encontram águas com temperatura média de 37,5°C. Porém, ao contrário do que se acreditava, esse fenômeno não é resultado do vulcão extinto em Caldas Novas. Na verdade, isso ocorre devido ao calor interno da Terra.

rio
(Foto: Divulgação Aviva)

Origem

Durante o período colonial, no século XVIII, a região passou a ser explorada por bandeirantes que, ao encontrarem as águas quentes, também começaram a utilizá-las com fins terapêuticos.

No século XIX, a cidade de Caldas Novas foi fundada, tornando-se um importante centro de turismo e saúde devido às suas águas termais. A cidade começou a se desenvolver e a atrair visitantes de diversas partes do país em busca dos benefícios das águas quentes.

Já o Rio Quente, que fica a cerca de 30km de Caldas Novas, começou a ser explorado turisticamente na década de 1970, quando a área foi adquirida pelo Grupo Rio Quente, que construiu um complexo turístico com parques aquáticos, hotéis e resorts.

Hoje, a região de Caldas Novas e Rio Quente é um dos principais destinos turísticos do Brasil, atraindo milhões de visitantes todos os anos em busca das águas termais e de uma ampla infraestrutura turística.

águas
(Foto: Reprodução Viagens e Caminhos)

Como se formam as fontes termais?

Quando chove, ao invés das águas escorrerem para rios, oceanos e lagos, elas se infiltram no solo. Conforme elas descem, esquentam com o calor natural do planeta. Em determinado momento, a pressão fica muito forte e todo esse líquido encontra uma forma de voltar para a superfície.

Além de surgirem pelo calor da Terra, essas águas aparecem em regiões vulcânicas. No entanto, as fontes termais no Brasil, como as de Caldas Novas, Chapada dos Veadeiros, Lagoa Santa e Rio Quente, ocorrem pela temperatura do planeta.

Fontes termais fazem bem à saúde?

É bastante comum ouvir falar dos benefícios das águas termais. Porém, será que elas realmente fazem bem para a saúde? A verdade é que, devido ao vapor, essas fontes promovem descongestionamento causados por gripe e rinite alérgica, ajudando o sistema respiratório.

Além disso, elas promovem o relaxamento do corpo, aliviam dores reumáticas, amenizam o cansaço físico e auxiliam na pressão arterial. Desse modo, ao ir visitar um local com fontes aquecidas, você recebe os benefícios necessários para a saúde física e mental.

Rio Quente

Assim como Caldas Novas, a cidade de Rio Quente é uma das mais reconhecidas quando o assunto são fontes termais. Afinal, ela abriga o único rio aquecido do mundo, com temperatura que vai de 26°C a 47°C.

Foi nesse município que toda a paixão pelas águas termais se iniciou. Quem descobriu essa riqueza do centro do Brasil foi um bandeirante chamado Bartolomeu Bueno Filho, em 1722.

Na cidade, situada na base da Serra de Caldas Novas, fica o Rio Quente Resorts, uma das melhores hospedarias de todo o Brasil, além do incrível Hot Park, que oferece diversão variada. O Rio Quente protege as riquezas naturais do Cerrado e conta com uma infraestrutura capaz de utilizar as águas aquecidas da região para abastecer todas as atrações.

rio
(Foto: reprodução blog Rio Quente Resorts)

Uso sustentável de recursos hídricos

A Aviva, plataforma de entretenimento detentora do parque aquático Hot Park e dos destinos Rio Quente Resorts (GO), têm, há muitos anos, programas e ações para minimizar seu impacto no meio ambiente e, a partir de 2022, reuniu as iniciativas em uma agenda ESG programática que tem o tema material “Aquíferos e Mananciais” como um dos primeiros a serem aprofundados.

Por fazer gestão de destinos completamente integrados à natureza, o trabalho que a Aviva vem consistentemente desenvolvendo ao longo dos últimos anos – sob a liderança da CEO Alessandro Cunha – é bastante amplo, indo de reabilitação de animais selvagens e manejo de animais domésticos em parceria com entidades como IPEVIS e Tamar à gestão energética e de fornecedores. Só em ações referentes ao Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-RIMA) a empresa já investiu mais de R 2 milhões em compensações ambientais. E já são mais de 7.400 pessoas diretamente impactadas por suas ações socioambientais.

No Rio Quente Resorts e no Hot Park, a água utilizada vem de um sistema próprio alternativo, não dependendo de abastecimento público e, portanto, diminuindo o impacto dos empreendimentos na comunidade em que estão inseridos. E o controle é rigoroso: só em 2022, foram feitas mais de 1.000 análises de água, tanto interna quanto externamente, para garantir sua qualidade. Estas ações são parte do Projeto Águas, que contribui na proteção das nascentes da região e regeneração das que foram degradadas em fazendas do entorno. E, para suprir a demanda de biomassa da lavanderia onde são higienizados os enxovais utilizados no Rio Quente Parques & Resorts, a empresa cultiva, ainda, uma floresta de 52 hectares de plantio de eucalipto.

Ainda no complexo, a água destinada à balneabilidade do Hot Park e potabilidade de todo o complexo é tratada com cloro produzido no local, à base de água, sal e energia, além de reuso de água. No local, desde 2010, há uma Estação de Tratamento de Efluente (E.T.E.), com capacidade para tratar até 1.800 m³/dia de efluente, com eficiência de 90% de remoção da carga orgânica, minimizando o impacto negativo e protegendo os mananciais.

Atrações turísticas e de lazer

Como, infelizmente, Goiás não tem mar, a ideia foi criar Praias Artificias. Para quem ainda não sabe, as praias dos rios são de temporada e só aparecem na época da seca, que normalmente acontece nos meses de maio a setembro.

Para solucionar isso, a engenharia desenvolveu as praias artificiais. No Rio Quente Resorts os goianos e visitantes já tinham essa opção com a Praia do Cerrado há alguns anos. Ela é considerada a maior praia artificial de água quente do mundo!

A Praia do Cerrado tem areia formada com resíduos de cristais encontrados no cerrado e água completamente natural – retirada de rios. Além disso, ela possui ondas artificiais e áreas exclusivas para crianças.

A praia é tão grande que foi dividida em três praias diferentes. A Praia da Marina é ideal para crianças, com águas rasas e ondas que não ultrapassam 50 cm. A Praia do Bikini é a mais agitada, indicada para quem quer muita animação e alto-astral. A Praia dos Sonhos é a escolha certa para quem prefere um lugar mais reservado e tranquilo, pois ela conta com lounge, sofás, restaurante e um deck para apreciar a vista do lugar.

praia
(Foto: Arquivo)

Hospedagens

A praia faz parte do Complexo Rio Quente Resorts, que é formado pelo Hot Park, e por seis hotéis. Cada um deles tem um perfil e um estilo. São eles: Hotel Cristal, que é indicado para quem busca exclusividade e requinte;  Hotel Turismo, indicado para quem busca boa localização e conforto para a família; Hotel Pousada, muita tradição aliada a estrutura moderna;  Hotel Giardino, apresenta excelente custo benefício e um toque de cultura italiana; Hotel Luupi,  perfeito para grandes famílias que buscam conforto; e Eco Chalés, que propicia contato total com a natureza.

O local é ideal para reunir a família em meio a natureza do Cerrado brasileiro para se divertir bastante. E, a verdadeira diversão dica com o Hot Park, que é considerado o sexto melhor parque de diversões do mundo e o parque aquático brasileiro que tem o melhor atendimento. O Park tem 25 anos e busca unir adrenalina e novas emoções, com suas águas naturalmente quentes em um lugar exuberante em meio ao Cerrado. Anualmente, o Hot Park recebe mais de 1,5 milhão de visitantes, o que lhe garante o título de  terceiro parque aquático mais visitado da América do Sul.

 

 

*Fontes: Rio Quente Resorts; Aviva

Veja também:

Alto Paraíso de Goiás passa a cobrar taxa para Turistas

No último dia 29 de março, durante o feriado da Semana Santa, turistas que pretendem desfrutar das belezas naturais e cachoeiras de Alto Paraíso de Goiás se depararam com uma novidade: a instituição da Taxa de Conservação Ambiental (TCA).

Esta taxa, no valor individual de R$ 20,00 por semana de estadia no município goiano, adiciona-se aos custos de entrada em cachoeiras particulares.

A fiscalização do pagamento da TCA será realizada através de QR Code, consulta por CPF ou pelo número gerado pelo sistema do município, facilitando o controle.

Para agilizar o processo e evitar filas, foi desenvolvido um site para o pagamento antecipado da taxa, que pode ser feito via aplicativo ou diretamente na página da internet.

O Decreto Nº 2.224/2024, assinado pelo prefeito Marcos Adilson Rinco em 26 de março, regulamenta a cobrança da taxa de acordo com o artigo 211 do Código Tributário Municipal e estabelece a obrigatoriedade do uso da plataforma de controle de entrada e saída de turistas pelos atrativos turísticos do município, conforme estipulado pela Lei Complementar nº 064/2023.

Contudo, a cobrança da TCA tem gerado descontentamento entre os empresários do setor turístico local, que alegam que isso poderá impactar negativamente o turismo, principal atividade econômica da cidade. As críticas se concentram na forma como a comprovação do pagamento será exigida dos turistas, no valor estipulado, na não cobrança dessa taxa em outros municípios da região e na implementação durante a baixa temporada.

Em resposta às críticas, o vice-prefeito Fernando Cunha minimizou o impacto da taxa, destacando os benefícios que os ganhos financeiros trarão ao município, citando, por exemplo, a possibilidade de resolver problemas como o do lixão.

“A tarifa foi instituída pela Lei Complementar nº 064/2024, datada de 27 de dezembro de 2023, e serve como um mecanismo para promover o desenvolvimento sustentável local, priorizando a proteção de Alto Paraíso de Goiás. O propósito é potencializar o crescimento local sustentável que valoriza a preservação ambiental e o bem-estar dos moradores e turistas, visando minimizar os danos ao meio ambiente”, informou a administração da cidade.

Quem se recusar a pagar a tarifa, terá o débito inscrito em dívida ativa, podendo ser cobrado por meio de protesto e execução fiscal. A multa, nesses casos, pode chegar a R$ 800,00.

A exceção, em forma de isenção, vale para idosos e menores de 12 anos, pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida, residentes locais (que inclui quem vive em São João D’Aliança, Teresina de Goiás, Cavalcante, Colinas do Sul, Monte Alegre, Nova Roma e Campos Belos), pesquisadores e participantes de programas sociais.

 

*Com informações Correio Braziliense

Veja também:

As 10 melhores cidades para viver em Goiás

O Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) divulgou as 15 melhores cidades de Goiás, com destaque para Chapadão do Céu, Itumbiara, Ceres, Quirinópolis, Caldas Novas, Corumbaíba, Cristalina, Edéia, Nova América e Ouvidor.

Goiás, fundado em 1722 e situado na Região Centro-Oeste do Brasil, abriga cerca de 7 milhões de habitantes em seu território de mais de 340 mil km², distribuídos em 246 municípios, com um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,73.

A economia goiana é impulsionada principalmente pela pecuária e agricultura, com robusto mercado de carne e grãos. O turismo também é um setor destacado, com atrativos como a Chapada dos Veadeiros, em Alto Paraíso de Goiás.

Goiânia se destaca com seus espaços arborizados, sendo reconhecida como uma das melhores cidades para se viver no estado. Os parques, aliás, são considerados as “praias” do goiano. No ranking, a capital ficou em 11ª como a melhor cidade para se viver no Estado.

Confira agora o ranking com o Top 10 das melhores cidades para se viver em Goiás:

 

Chapadão do Céu

Localizada ao sul de Goiás, com cerca de 10.486 mil habitantes, Chapadão do Céu é conhecida por abrigar o Parque Nacional das Emas. Com notas sólidas nos indicadores de emprego & renda, educação e saúde, a cidade lidera a pesquisa do FIRJAN, com um IFDM geral de 0,8516.

Foto: Goiás Turismo

Itumbiara

Com mais de 106 mil habitantes, Itumbiara, situada na região sul de Goiás, se destaca também como a cidade mais segura do estado, além de ser uma das principais exportadoras, favorecida pela proximidade com Minas Gerais e São Paulo. Seu IFDM geral é de 0,8514.

Foto: reprodução Expedia

Ceres

Localizada na Mesorregião do Centro Goiano, com aproximadamente 22 mil habitantes, Ceres é reconhecida por sua atividade agropecuária. Com uma nota geral no ranking de 0,8478, a cidade destaca-se pela organização e áreas verdes.

Foto: reprodução Valle Notícias

Quirinópolis

Situada na região sul do estado, com mais de 51 mil habitantes, Quirinópolis conquista a quarta posição no ranking, com sólidos indicadores de qualidade de vida. Seu IFDM geral é de 0,8387.

foto: reprodução

Caldas Novas

Conhecida como a maior estância hidrotermal do mundo, com cerca de 95 mil habitantes, Caldas Novas destaca-se não apenas pelo turismo, mas também pela qualidade de vida. Seu IFDM geral é de 0,8343.

Foto: Secom

Corumbaíba

Com cerca de 10 mil habitantes, Corumbaíba é reconhecida por sua atividade agroindustrial, destacando-se na produção leiteira. Seu IFDM geral é de 0,8271.

Foto: Arquivo / Master Vídeo Filmes e Sdnews

Cristalina

Com uma população de 60 mil habitantes, Cristalina é famosa como a “cidade dos cristais” e destaca-se também como uma das maiores economias do estado. Seu IFDM geral é de 0,8257.

Foto: reprodução Vamos por Aí

Edéia

Com cerca de 13 mil habitantes, Edéia se destaca pela agropecuária, especialmente na produção de soja e cana-de-açúcar. Seu IFDM geral é de 0,8229.

Foto: Goiás Turismo

Nova América

Com cerca de 2.259 habitantes, Nova América, situada no nordeste de Goiás, destaca-se pela economia baseada na agricultura e pecuária. Seu IFDM geral é de 0,8204.

Foto: reprodução Consolide

Ouvidor

Com cerca de 6.340 habitantes, Ouvidor, localizada no interior de Goiás, apresenta sólidos indicadores de qualidade de vida. Seu IFDM geral é de 0,8174.

(Foto: Zap Catalão)

 

Esses resultados reforçam a diversidade e o potencial de desenvolvimento de diversas regiões do estado de Goiás, oferecendo insights valiosos para quem busca qualidade de vida e oportunidades de crescimento.

Confira a programação cultural da Temporada do Araguaia em 2024

O mês de julho é tradicionalmente conhecido pela temporada de férias no Rio Araguaia, a “praia” dos goianos. Outra tradição nasceu e floresceu às suas margens: o projeto Estrelas do Araguaia, que em 2024 completa 21 anos de história.

Os eventos vão movimentar as praças e praias públicas dos municípios de Aruanã, Itacaiú, Cangas, Cidade de Goiás e Bandeirantes durante todo o mês. Além da programação em todo o mês de julho, o Projeto Estrelas do Araguaia vai acontecer em dois dias do mês de setembro, especificamente nos dias 6 (sexta-feira) e 7 (sábado, feriado nacional).

A programação é recheada de apresentações culturais com artistas, escritores, poetas, músicos goianos e recreação para as crianças com temática voltada para a preservação ambiental, além de distribuição de brindes.

Dentre as atrações confirmadas estão: Marcelo Barra, Cejane Verdejo, Maira Lemos, Maria Eugênia, Stereo For, Maluê, Claudia Vieira, Grace Carvalho, Groove Quintal e Zabumba Beach.

O primeiro show da edição acontecerá no dia 6 de julho, a partir das 17h, na Praça Central de Aruanã. O veterano Marcelo Barra comandará o evento inicial.

Cantor Marcelo Barra (Foto: divulgação)

Além da programação de shows, também será realizado um Campeonato de Beach Tênis com a participação de 120 atletas procedentes de 20 acampamentos instalados nas praias do Rio Araguaia nos quatro finais de semana do mês de julho de 2024.

Meio Ambiente

Além de promover diversão aos turistas, o projeto Estrelas do Araguaia busca conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação do Rio Araguaia e seu bioma. Dentro disso, atividades voltadas para a temática ambiental serão oferecidas. Outro destaque é o acampamento em Bandeirantes que é todo abastecido com energia solar. Com um projeto assinado por Silvio de Castro, o acampamento conta com placas solares e zero palha e madeira nos ranchos, além de não utilizar combustíveis fósseis.

Legado

Em 2020, devido à pandemia, o lado social ganhou prioridade. Além da distribuição de máscaras e álcool em gel, foram doadas mais de 10 toneladas de alimentos obtidos com recursos próprios, por meio de patrocinadores e amigos do Araguaia. Tudo isso foi catalogado e doado, por meio da Secretaria de Assistência Social de Aruanã, aos ribeirinhos, que ficaram sem sua principal fonte de renda: o turismo na região.

No ano de 2022, o projeto começou uma parceria com o Projeto Piraíba, para monitorar os peixes dessa espécie, um trabalho inédito na América Latina, que tem como objetivo final a preservação desse peixe, que pertence ao topo da cadeia alimentar do Rio Araguaia.

Já em 2023, o Estrelas do Araguaia mais uma vez foi sucesso com muitas novidades nas atividades e na parte musical. Pela primeira vez, a cantora Maíra e a banda Maluê se apresentarão no projeto, e a recepção do público foi muito boa, então elas retornam em 2024.

Todas as atividades são promovidas sem nenhum custo para os turistas, graças ao apoio de grandes patrocinadores/apoiadores como: Governo de Goiás, Secult – Go, Lei Goyazes, Piracanjuba, Corona e Unimed. Neste ano serão 21 acampamentos participantes.

Agenda Estrelas do Araguaia 2024:

  • Dia 06 de julho – Marcelo Barra – Praça Central de Aruanã – Aruanã – GO
  • Dia 08 de julho – Cejane Verdejo – Acampamento Municipal de Cangas – Itacaiu – GO
  • Dia 09 de julho – Cejane Verdejo – Acampamento Municipal de Itacaiu – Itacaiu – GO
  • Dia 10 de julho – Maira Lemos – Porto de Itacaiu – Itacaiu – GO
  • Dia 11 de julho – Maira Lemos – Acampamento Canoa Virada – Canoas – GO
  • Dia 13 de julho – Maria Eugênia – Praia do Cavalo – Aruanã – GO
  • Dia 14 de julho – Maria Eugênia – Arena livre Tv Record – Aruanã – GO
  • Dia 15 de julho – Banda Stereo For – Praça de Aruanã – Aruanã – GO
  • Dia 16 de julho – Banda Stereo For – Acampamento Mundão Bão – Aruanã – GO
  • Dia 17 de julho – Maluê – Acampamento do Sesc – Aruanã – GO
  • Dia 18 de julho – Maira Lemos – Praça de Bandeirantes – Bandeirantes – GO
  • Dia 18 de julho – Maria Eugênia – Arena livre Tv Record – Aruanã – GO
  • Dia 19 de julho – Claudia Vieira – Acampamento Fubreka – Cangas – GO
  • Dia 20 de julho – Claudia Vieira – Acampamento Ta Danado – Cangas – GO
  • Dia 26 de julho – Grace Carvalho – Acampamento Rabo de Arraia – Itacaiu – GO
  • Dia 27 de julho – Grace de Carvalho – Acampamento Leão – Itacaiu – Go
  • Dia 27 de julho – Marcelo Barra – Espaço Público em frente ao museu Cora Coralina – Cidade de Goiás
  • Dia 30 de julho – Banda Groove Quintal – Acampamento São Thomé – Aruanã – GO
  • Dia 31 de julho – Banda Groove Quintal – Acampamento Ilha do Sol – Aruanã – GO
  • Dia 06 de setembro – Banda Zabumba Beach – Acampamento Jaburu – Aruanã – GO
  • Dia 07 de setembro – Banda Zabumba Beach – Acampamento Manakai – Aruanã – GO

Lista sujeita a alterações de acordo com a agenda dos artistas e interesse da produção.

 

10 países onde brasileiros podem estudar e trabalhar legalmente

Em um mundo cada vez mais conectado e globalizado, a busca por experiências internacionais tem se tornado uma prioridade para muitos brasileiros em busca de crescimento pessoal e profissional.

Felizmente, diversos países ao redor do globo oferecem programas que permitem que estudantes brasileiros possam não apenas aprimorar seus conhecimentos acadêmicos, mas também trabalhar legalmente durante sua estadia.

Essa combinação única de educação e oportunidades de emprego não apenas enriquece a vida dos indivíduos, mas também contribui para uma compreensão mais ampla e inclusiva entre culturas.

Abaixo, exploraremos alguns desses destinos que abrem suas portas para os brasileiros em busca de novas perspectivas e desafios!

1. Argentina

Começando pela América do Sul, temos a Argentina, nosso país vizinho que através de um acordo com o Brasil proporciona um visto especial para que os estudantes brasileiros estudem e trabalhem.

Para trabalhar no país os estudantes brasileiros devem solicitar o Código Único de Identificação do Trabalho (CUIL), um documento especial que pode ser retirado através da apresentação do RG ou passaporte e visto de estudante.

2. Chile

O Chile apenas permite trabalho voluntário ou estágio não remunerado em multinacional e em órgãos do Governo para estudantes universitários e pós-graduados e que tenham bom nível de espanhol.

3. Estados Unidos

A permissão de trabalho nos Estados Unidos vai depender do seu visto de estudante.

Com o visto F-1 adquirido através de programas de estudos promovidos por Universidades ou pelo governo americano, o estudante pode fazer um estágio prático durante ou após o término do programa, desde que seja em sua área.

Dependendo do caso, é permitido que intercambistas com vistos F-1 e J-1 trabalhem no próprio campus (em livrarias e cafés ou como assistentes acadêmicos) por no máximo 20 horas semanais durante o período de aulas e até 40 horas durante as férias.

Já os estudantes com visto M-1 não podem trabalhar durante o curso. No entanto podem trabalhar em sua área após o término do curso por 6 meses, sendo considerado um treinamento prático.

4. Canadá

Os brasileiros devem retirar o visto de estudante canadense se pretendem estudar ou trabalhar no país.

No entanto apenas intercambistas que estejam matriculados em universidades e cursos técnicos podem trabalhar no país, tendo que ter fluência em inglês ou francês, dependendo da cidade onde vá estudar.

É permitido que os estudantes trabalhem até 20 horas semanais durante o período de aulas e 40 horas nas férias.

5. Alemanha

Para tirar visto de estudante para cursos de mais três meses, é necessário iniciar o pedido no consulado alemão no Brasil e receber o visto na hora do desembarque na Alemanha.

Com esse visto o intercambista pode trabalhar por até 20 horas semanais. Estudantes brasileiros ainda podem solicitar um visto de estágio que pode durar por até 90 dias.

Não há limites de horas de trabalho caso o emprego seja como pesquisador ou professor assistente. Alunos de cursos de idiomas podem trabalhar somente durante as férias.

6. Espanha

Para trabalhar na Espanha, os estudantes devem ter o visto de estudante com duração mínima de 6 meses, apresentar o contrato enviado pela empresa autorizado pelo Ministério do Trabalho da Espanha, atestado médico e de antecedentes criminais.

É permitido que os intercambistas trabalhem por até 20 horas semanais.

No entanto o governo apenas autoriza trabalhos que tenham relação com os estudos e o estudante não deve depender apenas do salário para se sustentar no país.

7. França

Para trabalhar na França os estudantes devem retirar o visto e trabalho, sendo necessário a apresentação do contrato de trabalho e outros documentos.

É permitido que os intercambistas trabalhem por até 20 horas semanais no período de aulas e 40 horas durante as férias, desde que não ultrapasse o máximo de horas permitido durante o ano.

O estudante pode ter um emprego tanto no Campus como fora dele. No entanto para isso é necessário um cartão de residência e que estejam estudando em uma instituição de ensino que ofereça acesso à previdência social.

8. Irlanda

Na Irlanda é dada a permissão de trabalho a estudantes que adquiram um curso de no mínimo 25 semanas e 15 horas semanais.

Não somente estudantes de graduação, mas os matriculados em cursos de idiomas também podem trabalhar, desde que seja reconhecido pelo governo. Os intercambistas podem trabalhar 20 horas semanais durante o período de aulas e 40 horas durante as férias.

Se o curso for de seis meses, o estudante ganha direito a permanecer um ano no país e conseguir um emprego remunerado.

9. Itália

Estudantes matriculados em cursos de línguas de curta duração podem participar de programas de estágio não remunerado, conhecidos como INTERSHIP. Esses programas geralmente são oferecidos por cursos matutinos, sendo que o estágio é realizado à tarde. O programa dura cerca de 2 a 3 meses no máximo.

Já os intercambistas com visto de estudante, matriculados em cursos de no mínimo seis meses podem trabalhar até 20 horas semanais durante período de aulas e 40 horas nas férias.

Para isso é preciso pedir autorização ao governo italiano mediante a apresentação de carta do empregador. Porém esse processo costuma demorar, devido à burocracia.

10. África do Sul

Intercambistas que possuam o visto de estudante podem trabalhar por até 20 horas semanais na África do Sul. No entanto há menos ofertas de empregos que em outros países e os salários costumam ser baixos, valendo apenas como uma experiência para aperfeiçoar o inglês.

 

*Com informações portal Guia Viajar

Veja também: