Projeto de lei quer proibir alunos de cantar Atirei o pau no gato

Ideia é combater o maltrato de animais

Marcelo Albuquerque
Por Marcelo Albuquerque

O projeto inusitado foi protocolado na Câmara Municipal de Sertãozinho, no interior de São Paulo. Mas a notícia ganhou repercussão nacional pelo fato de tentar proibir uma das tradições mais antigas no país: a cantiga “Atire o Pau no Gato”. A proposta é de autoria do vereador Rogério Magrini (PTB), que também é humorista e conhecido como “Zezinho Atrapalhado”. Ele afirma que o projeto é coisa séria e visa impedir a cantiga popular que, em sua visão, estimula o maltrato de animais desde a fase infantil. Diz ainda ter um abaixo-assinado com 300 assinaturas favoráveis à proibição. A ideia, por enquanto, não ganhou a simpatia dos demais vereadores.

O projeto está tramitando há seis meses e ainda não tem data para ir à votação. O autor defende que a tradicional cantiga seja substituída por uma nova versão desenvolvida por entidades de defesa dos animais. Essa canção é parecida com a original, mas tem um texto diferente e cuja letra diz, entre outras coisas, “Não atire o pau no gato-to”.

O projeto tem entre os defensores uma ONG de Sertãozinho que cuida de cães e gatos. Diz o vereador Zezinho Atrapalhado que ideia de proibir a música surgiu após crianças de uma creche serem vistas jogando pedras em um gato. Uma pessoa ligada à entidade teria então sugerido a lei visando combater a cultura de maltrato ao animal.

Alunos

Alunos de escolas de Sertãozinho podem ser proibidos de cantar “Atirei o pau no gato”

 

 

PublicidadePublicidade
PublicidadePublicidade