10 filmes infantis não recomendados para crianças

Muito complexos ou muito aterrorizantes, uma lista de filmes que chocaram crianças e adultos

Redação Curta Mais
Por Redação Curta Mais

Seja pela temática complexa ou pelas cenas de horror que podem chocar qualquer criança, os 10 filmes a seguir devem ser assistidos apenas com a supervisão de adultos. Mas, um aviso para os grandinhos: cuidado para não ficarem traumatizados também.

 
1. Divertida Mente (2015)

divertidamente
Como funciona a cabeça de uma criança entrando na adolescência? Os sentimentos conflitantes e a necessidade de aprender a lidar com as dificuldades da vida são o tema principal de Divertida Mente – o que, definitivamente, é profundo demais para crianças pequenas.

 

2. A Fantástica Fábrica de Chocolates (2005)

fábrica
Durante a visita à Fábrica de Chocolates de Willy Wonka, as crianças e seus pais tem sua índole testada a todo momento, e quando falham, sofrem com punições terríveis como quase morrer afogados em um rio de chocolate e ser atacados por um exército de esquilos malucos. O próprio Willy Wonka, interpretado por Johnny Depp, é um personagem estranho e bizzaro, e suas memórias de infância são uma tragédia à parte.

 

3. Branca de Neve (1937)


A inveja da rainha faz da vida da Branca de Neve um terror: ela precisa fugir de um caçador que tenta lhe assassinar e termina em uma floresta cheia de olhos que a vigiam por todo lado. E mesmo quando consegue encontrar segurança no lar dos anões, cai no sono eterno ao morder uma maçã envenenada.

 

4. Coraline (2009)

coraline
Quando se muda para uma casa nova, Coraline se sente abandonada pelos pais que lhe dão pouca atenção e, um dia, enquanto passeia pela casa, descobre uma entrada que lhe leva a um mundo paralelo. Nesse novo mundo, tudo é quase idêntico ao mundo real: mas, lá tudo é melhor, inclusive seus outros pais – eles são muito mais interessantes e divertidos que os verdadeiros. Para viver para sempre nesse mundo divertido, Coraline precisa abandonar sua família real e acaba descobrindo que a outra família não é tão legal quanto parece.

 

5. O Estranho Mundo de Jack (1993)

jack
As festas de final de ano são arruinadas quando Jack Skellington, rei da terra do Halloween, decide organizar o Natal mais macabro da história. O filme é recheado de personagens aterrorizantes, como o doutor maluco e o Bicho Papão, que se desfaz em insetos.

 

6. Ponte para Terabítia (2007)

terabitia
Jesse muda para uma nova cidade onde tem dificuldade para encontrar novos amigos, até conhecer Leslie: juntos, eles inventam um “novo” mundo, que chamam de Terabítia. Mas a vida de Jesse e Leslie é cheia de surpresas, e Terabítia não está a salvo de tragédias traumatizantes para qualquer criança.

 

7. Toy Story 3 (2010)

toy
O terceiro da série de filmes que moldou uma geração coloca os brinquedos sob a tirania de um urso de pelúcia maligno em uma creche onde as crianças são um perigo constante. As provações de Woody, Buzz e seus amigos incluem ainda uma experiência de quase morte em um incinerador.

 

8. Convenção das Bruxas (1990)

bruxas
Luke é levado pela avó a um hotel na Inglaterra que sedia uma estranha convenção de mulheres. Ao longo do filme, ele descobre que o evento é, na verdade, um encontro de bruxas, que pretendem transformar todas as crianças do mundo em ratos. O ápice do terror é quando as mulheres, até então aparentemente normais, se revelam como bruxas horrorosas.

 

9. Bambi (1942)

bambi
Bambi é o filho do cervo mais respeitado da floresta onde vivem e é o filhote mais adorado pelos outros animais, com quem faz amizade e aprende a viver. O filme poderia ser uma história meiga e leve, mas a cena na qual a mãe de Bambi é assassinada por caçadores já traumatizou muitas crianças e adultos.

 

10. Rei Leão (1994)

rei
A morte de um dos pais também é o motivo pelo qual O Rei Leão pode ser uma experiência chocante para crianças – e adultos. Simba presencia a morte de seu pai, Mufasa, que é derrubado de um penhasco por seu tio Scar e precisa aprender a lidar com a raiva e o desejo de vingança.

 

por Jéssica Oliveira.