Manhã, tarde ou noite? Especialistas respondem qual é o melhor horário para praticar atividades físicas

A prática de exercícios físicos é fundamental para a saúde do corpo e da mente. No entanto, o momento do dia escolhido para se exercitar pode influenciar os resultados obtidos, de acordo com os objetivos pessoais. Pesquisas indicam que existem horários mais eficazes para maximizar o rendimento e os benefícios dos treinos.

Independentemente do horário, o essencial é manter uma rotina constante de exercícios. Especialistas afirmam que o corpo se adapta ao horário escolhido, levando a resultados mais consistentes ao longo do tempo. Portanto, o melhor momento para se exercitar é aquele que se ajusta à sua rotina diária e que você pode manter regularmente.

Para quem busca prevenir doenças cardíacas e derrames, o período entre 8h e 11h é ideal, conforme orientam profissionais da saúde. Exercitar-se pela manhã pode ajustar o ritmo circadiano, promovendo um sono profundo e, consequentemente, um melhor ganho muscular.

Os benefícios dos exercícios matinais incluem:

  • Queima de gordura (especialmente em jejum);
  • Aumento de energia ao longo do dia;
  • Melhora do humor devido à liberação de endorfinas;
  • Melhora da saúde mental e capacidade de atenção;
  • Melhoria na tomada de decisões.

Um estudo da Skidmore College, nos EUA, mostrou que mulheres que se exercitam pela manhã tendem a perder mais gordura abdominal do que aquelas que se exercitam à noite.

Benefícios de Exercícios à tarde ou noite

Se o objetivo é controlar o açúcar no sangue e melhorar a saúde cardiovascular, a tarde é o período mais recomendado. Exercitar-se nesse horário também é eficaz para controlar a pressão alta e o diabetes. Além disso, o corpo possui mais energia durante a tarde e a noite, o que pode favorecer o fortalecimento muscular e a perda de peso.

De acordo com a mesma pesquisa da Skidmore College, exercícios no final do dia ajudam a reduzir a pressão arterial, o colesterol, a gordura corporal e a sensação de fadiga mais eficazmente do que os realizados pela manhã.

O professor Rafael Casuso, da Universidade Loyola Andaluzia, na Espanha, destacou em seu artigo para o The Conversation, site especializado em divulgação científica, que o melhor horário para treinar depende dos objetivos individuais. O mais importante é manter uma rotina de exercícios que se adapte ao seu estilo de vida. Assim, independentemente do momento escolhido, a constância e a adaptação do corpo garantem os resultados desejados.

 

 

*Com informações portal Olhar Digital

Veja também:

Qual o melhor horário para tomar banho

Tomar banho é uma parte essencial do nosso dia a dia. Ele não só nos ajuda a ficarmos limpos, mas também oferece uma série de benefícios para o nosso corpo e mente. O banho pode reduzir o estresse, melhorar a circulação sanguínea e até mesmo influenciar nosso humor. Mas qual é o melhor horário para tomar banho? Algumas pessoas preferem o banho de manhã para se sentir mais despertas, outras gostam de tomar banho à noite para relaxar antes de dormir e algumas optam por tomar banho à tarde. Vamos te mostrar os benefícios de cada horário para você decidir qual é o melhor para você.

Benefícios do banho de manhã

Muitas pessoas acreditam que tomar banho de manhã é uma ótima maneira de começar o dia. Quando você toma um banho logo ao acordar, especialmente se for com água fria, seu corpo se desperta mais rápido. A água fria pode ajudar a tirar a sonolência e te deixar mais alerta para enfrentar o dia. Isso pode ser especialmente útil se você tem dificuldades para acordar e se sentir disposto logo cedo.

Um estudo da Sleep Foundation mostrou que 81% dos americanos preferem tomar banho de manhã. Além disso, a pesquisa publicada na revista científica PLOS ONE indicou que finalizar o banho matinal com até 90 segundos de água fria pode diminuir a incidência de doenças, deixando você mais saudável e com mais energia. Dermatologistas também dizem que um banho matinal pode ser bom para a pele, pois remove as sujeiras da noite e prepara a pele para receber cremes e produtos de beleza.

No entanto, há quem diga que usar água muito quente pode ressecar a pele e o cabelo, então é importante tomar cuidado com a temperatura da água. Se você tem uma rotina muito corrida, gastar tempo com o banho de manhã pode atrapalhar seus compromissos.

Vantagens do banho noturno

Tomar banho à noite tem seus próprios benefícios. O calor da água pode ajudar a relaxar os músculos e ativar a produção de melatonina, o hormônio do sono. Isso pode facilitar o adormecer e melhorar a qualidade do sono. Além disso, o banho noturno remove as sujeiras e impurezas acumuladas durante o dia, deixando a pele limpa e fresca antes de dormir.

Pesquisadores da Universidade do Texas descobriram que um banho quente pelo menos uma hora antes de dormir ajuda a regular a temperatura corporal, fazendo com que você adormeça mais rápido. Para pessoas com pele seca, tomar banho à noite e usar hidratante pode ser uma boa estratégia para manter a pele hidratada, aproveitando o ciclo natural de reparação da pele durante o sono.

E tomar banho à tarde?

Embora menos comum, tomar banho à tarde pode ser a melhor opção para algumas pessoas. Se você pratica atividades físicas durante o dia ou trabalha em um ambiente quente, um banho à tarde pode ser uma ótima maneira de se refrescar e se sentir renovado. Também pode ser útil para aqueles que têm uma rotina mais flexível ou trabalham em casa, proporcionando um momento de pausa e recarregamento de energias.

Qual é o melhor horário para tomar banho?

A verdade é que não existe um horário certo ou errado para tomar banho. A escolha do melhor horário depende das suas necessidades e preferências pessoais. Alguns especialistas recomendam tomar dois banhos curtos por dia: um de manhã para despertar e outro à noite para relaxar. No entanto, o mais importante é manter uma boa higiene, usando água morna e sabão neutro, e ajustar a frequência dos banhos de acordo com seu nível de atividade física e o clima.

Lembre-se de que tanto a falta quanto o excesso de banhos podem ser prejudiciais para a pele. Encontrar um equilíbrio é fundamental para garantir que você aproveite ao máximo os benefícios do banho sem comprometer sua saúde.

Em resumo, seja de manhã, à tarde ou à noite, o importante é escolher o horário que melhor se adapta à sua rotina e faz você se sentir bem. Experimente diferentes horários e veja qual funciona melhor para você e seu estilo de vida.

Veja também:

Como um simples beijo pode ser um perigo para a sua saúde

Entenda o que é o “divórcio do sono” e como ele pode melhorar a relação do casal

Chega de rolar na cama: pegar no sono rápido não será mais um problema para você com essas dicas

Chega de rolar na cama: pegar no sono rápido não será mais um problema para você com essas dicas

Sabe aquela sensação de cansaço que não passa e você fica contando os segundos para sair do trabalho e ir para casa dormir? Aí você chega em casa, veste aquele pijaminha, se deita e… Cadê o sono?! Isso é muito mais comum do que você imagina. A dificuldade para dormir pode ser motivada por vários fatores, como ansiedade, insônia, estresse, entre outros motivos que cada pessoa pode passar particularmente.

Já parou para pensar que para dormir, temos que antes fingir que estamos dormindo? Não, isso não é uma aula de filosofia ou crise existencial. O nome disso é ‘latência do sono’, que basicamente é o tempo que leva uma pessoa a dormir. Desde o momento que fechamos os olhos até o completo estado de sono.

Segundo especialistas, esse tempo em que a pessoa cai no sono, deve durar no máximo 30 minutos. Esse é um fator muito importante quando se trata da qualidade do sono. Fora que, ao demorar para dormir, você pode desenvolver ou agravar problemas como a ansiedade. Por isso não é recomendável ficar na cama rolando no colchão até o sono aparecer, isso só vai fazer com que ele demore ainda mais.

Pensando nisso, o Guia Curta Mais preparou uma super lista com algumas dicas para você cair no sono rapidinho (valendo para hoje mesmo)!

1. VÁ FAZER OUTRA COISA

Se você já está cansado mas não consegue dormir, é apenas questão de tempo até que o sono venha. Se não consegue dormir, é apenas a ansiedade te atrapalhando. Vá fazer outra coisa, ler um livro, organizar seu quarto ou lavar a louça que tinha deixado para amanhã.

Quando você menos esperar, puft, dormiu. Seu corpo já está cansado, então naturalmente ele irá se render ao sono iminente.

 

2. EVITE COCHILOS

Essa dica é super simples de se entender. Digamos hipoteticamente que cada pessoa tem uma barrinha de sono diária que vai de 0 a 100. Se você cochilar uns 10 minutinhos, sua barrinha vai se encher um pouco, depois mais de 20 minutos, depois 40 minutos. Quando chegar a noite, você já preencheu toda sua barra de sono e simplesmente não tem o que dormir.

Isso não significa que você não pode cochilar. Claro que pode! Às vezes o sono vem muito rápido em ocasiões em que você não pode se dar ao luxo de um sono longo e saudável. Então não tem problema um cochilinho rápido.

Mas se lembre, evite cochilar várias vezes ao dia, e se cochilar, não pode passar de 30 minutos! Na dúvida, coloque o celular para despertar.

3. NADA DE TELAS!

Na falta de sono, é natural que a primeira coisa que você pense seja pegar o celular e rolar a tela do Instagram ou Tik Tok por hoooras. Mas isso não é uma boa ideia.

A razão é simples, a luz artificial do celular, tv ou computador é clara e lembra ao nosso cérebro a luz do dia. Então dificilmente você pegará no sono rapidamente com essas telas. Caso o aparelho tenha a opção de luz noturna (que deixa tudo mais escuro e amarelado), esse problema diminui um pouco.

O mais engraçado de tudo é que isso é um fator evolutivo. Nossos antepassados, homens da caverna, tinham como única luz durante a noite, as fogueiras, grandes e alaranjadas. Se acostumaram a dormir com a vermelhidão e amarelado que o fogo proporciona, logo, nosso cérebro se acostumou a descansar nessas condições. Então, se for usar alguma tela, ative o modo de luz noturna!

4. NÃO OLHE AS HORAS

Essa dica vale não somente para a hora de dormir, mas para quase tudo na sua vida! É prejudicial ficar controlando— ainda que sem querer — obsessivamente o relógio. Isso só vai aumentar a sua ansiedade, dificultando pegar no sono rapidamente.

O mesmo vale para caso você acorde durante a madrugada. Mais uma vez a ansiedade é a vilã da história!

5. MARACUJÁ JÁ!

Muita gente não deposita muita confiança no maracujá, mas esse fruto tem real funcionamento quando o assunto é sono.

O maracujá possui compostos alcaloides e flavonoides, que atuam diretamente no seu cérebro, te deixando relaxo e consequentemente te levando ao sono.

Lembrando que ele não precisa ser tomado quente (como diz o mito). Até porque isso seria impensável durante o calor. Você pode fazer um chá de maracujá, um suco, comer alimentos que utilizam do maracujá, ou até medicamentos como relaxantes que utilizem essa fruta na composição.

Agora é só vestir seu melhor pijama, se jogar no colchão e dormir sossegado e tranquilo!

Veja também:

Esta semente tem potencial contra o câncer e reduz risco de AVC

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Estadual de Oregon, nos Estados Unidos, trouxe promissoras descobertas sobre as sementes de chia, conhecidas por seus inúmeros benefícios à saúde. O avanço na ciência das plantas foi amplamente documentado na revista Frontiers in Plant Science.

O que é bom para prevenir o câncer?

Segundo o estudo, a chia não só é benéfica à saúde por suas características conhecidas, mas também possui propriedades muito procuradas para medicamentos que poderiam tratar diversas condições de saúde, como câncer e hipertensão.

Famosa por ser um superalimento, o pequeno grão, então, teve seu genoma completamente sequenciado no estudo, o que abre portas para novas pesquisas focadas em otimizar suas propriedades nutricionais e terapêuticas.

Quais são os benefícios da chia?

Na pesquisa realizada pela equipe da Universidade Estadual de Oregon, foram identificados genes específicos nas sementes de chia que estão diretamente ligados a melhorias na nutrição humana.

A análise genética detalhada revelou mais de 29 genes associados à produção de ácidos graxos poliinsaturados, essenciais para a saúde cardiovascular e previnem Acidente vascular cerebral (AVC). Esses ácidos também têm propriedades anticancerígenas.

Além disso, os cientistas identificaram 93 genes que contribuem para as propriedades gelificantes da semente. Isso é particularmente interessante para a indústria alimentícia, onde essas propriedades podem acabar sendo exploradas para criar produtos mais saudáveis e com texturas inovadoras.

Além disso, os cientistas identificaram 93 genes que contribuem para as propriedades gelificantes da semente. Isso é particularmente interessante para a indústria alimentícia, onde essas propriedades podem acabar sendo exploradas para criar produtos mais saudáveis e com texturas inovadoras.

 

*Fonte: Catraca Livre

Veja também:

Comer cachorro-quente pode tirar 36 minutos de vida, diz pesquisa

Pesquisadores de saúde da Universidade de Michigan descobriram que comer um único cachorro-quente pode tirar 36 minutos de sua vida. No estudo, publicado na revista “Nature Food”, os pesquisadores examinaram 5.853 alimentos da dieta norte-americana e mediram seus efeitos em minutos de vida saudável ganhos ou perdidos.

“Queríamos fazer uma avaliação dos impactos benéficos e prejudiciais dos alimentos em toda a dieta”, disse Olivier Jolliet à CNN.

A equipe chegou a um índice que calcula a carga líquida benéfica ou prejudicial à saúde em minutos de vida saudável associada a uma porção de alimento.

O índice é baseado em um estudo chamado de Carga Global de Doenças, que mede a morbidez associada com as escolhas alimentares de uma pessoa.

“Por exemplo, 0,45 minutos são perdidos por grama de carne processada, ou 0,1 minutos são ganhos por grama de fruta. Em seguida, analisamos a composição de cada alimento e depois multiplicamos este número pelos perfis alimentares correspondentes que desenvolvemos anteriormente”, disse Jolliet.

Uma das comidas medidas pelos pesquisadores foi um cachorro-quente padrão. Suas 61 gramas de carne processada resultaram na perda de 27 minutos de vida, disse Jolliet. Mas quando ingredientes como sódio e ácidos graxos trans foram levados em consideração, o valor final foi de 36 minutos perdidos.

O consumo de alimentos como nozes, legumes, frutos do mar, frutas e vegetais sem amido, por outro lado, tem efeitos positivos sobre a saúde, constatou o estudo.

Veja também:

Pesquisa mostra uma curiosa (e boa) relação entre a Cerveja e Alzheimer

Você sabia que existe uma relação entre cerveja e Alzheimer? É verdade. Por mais que a busca por soluções para combater esse mal leve a indústria farmacêutica a investir pesadamente em medicamentos inovadores, um novo e surpreendente protagonista entrou em cena: a cerveja. Cientistas da renomada Universidade de Milano-Bicocca, na Itália, revelaram que o consumo moderado dessa bebida pode desempenhar um papel crucial na prevenção dessa doença neurodegenerativa.

Por isso, fizemos questão de elaborar esse artigo que vai abordar a curiosa relação entre cerveja e Alzheimer, de acordo com o estudo mencionado acima. Se você é um apreciador dessa bebida, sugerimos ler até o final.

O Lúpulo como guardião da função cognitiva

O lúpulo, tradicionalmente conhecido por estabilizar diversas variedades de cerveja, revelou-se mais do que um mero coadjuvante na arte da fabricação dessa bebida. A equipe de pesquisadores concentrou seus esforços em quatro distintos tipos de extratos de flores de lúpulo: Cascade, Saaz, Tettnang e Summit. Os resultados revelaram propriedades desses extratos que podem ter um impacto significativo na prevenção da aglomeração de proteínas cerebrais associadas ao Alzheimer.

Esses extratos não apenas impediram a formação de aglomerados de proteínas beta amiloides ao redor das células nervosas, mas também acionaram um processo intrincado de renovação celular conhecido como vias autofágicas. Este processo, essencialmente, permite ao corpo decompor e reutilizar partes de células antigas, otimizando assim a eficiência celular.

O Alzheimer, uma doença neurodegenerativa progressiva e fatal, impacta a memória e a capacidade de realizar atividades diárias. Inicialmente manifestando-se como perda de memória recente, a doença avança para estágios mais graves, afetando a fala, causando irritabilidade e prejudicando a orientação no espaço e no tempo.

A complexidade do desenvolvimento do Alzheimer envolve uma intrincada combinação de fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida, conforme apontado pela Alzheimer’s Association. No complexo contexto da relação entre cerveja e Alzheimer, as proteínas beta amiloides emergem como possíveis vilãs, formando placas que interferem nas funções neurais.

No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento gratuito e abrangente para o Alzheimer, incluindo uma abordagem multidisciplinar e medicamentos que visam desacelerar a progressão dos sintomas.

 

*Fonte: Catraca Livre

Veja também:

Cuidar de um cão melhora a qualidade de vida ao envelhecer, afirma pesquisa

Conviver com um cachorro é uma experiência que combina prazer e responsabilidade. É necessário dedicar tempo para passeios, banhos, alimentação, vacinação, carinho e visitas regulares ao veterinário. No entanto, os benefícios são notáveis, não apenas para o nosso bem-estar emocional, mas também para promover um envelhecimento ativo em todas as áreas.

Ao acompanhar por três anos mais de 11 mil pessoas com idades entre 65 e 84 anos, um estudo japonês concluiu que os idosos que possuíam um cão apresentavam um menor risco de desenvolver deficiências, tanto cognitivas quanto motoras.

Os cientistas apontaram que os cuidados diários com os pets demandam movimento físico, aptidões como memória e raciocínio, também os passeios que devem ser feitos com o cão que beneficia o dono. São funções que dão apoio, nas palavras dos cientistas, a um “envelhecimento bem-sucedido”. 

Os estudiosos afirmam que gatos não geram o mesmo “impacto” que os cães, pois não requerem tantas exigências por parte dos cuidadores.

 Uma amizade vantajosa para os dois 

Ter um cachorro pode ajudar na vida de qualquer um, seja em atividades simples como levar seu animalzinho para passear fora de casa, já conta como uma atividade física principalmente para os idosos. Caminhar se transforma em uma interação social onde é possível conhecer e conversar com outros donos de pets, introduzindo a rotina novos relacionamentos. 

Sendo a solidão um desafio na vida de muitos idoso e a dificuldade de fazer interações, compartilhar o seu tempo com um animal de estimação reduz o sofrimento psicológico com uma companhia valiosa.   

A responsabilidade de cuidar de outro ser vivo estimula o cérebro prevenindo falhas cognitivas e também ajuda a manutenção da própria saúde.

 

Veja também:

Pesquisa explica por que sair com amigas é essencial para o bem-estar das mulheres

As amizades desempenham um papel crucial na vida das mulheres, contudo, muitas vezes, os compromissos diários e as obrigações familiares e profissionais acabam por dificultar os encontros com suas amigas, o que pode afetar diretamente seu bem-estar e saúde, conforme indicado por uma pesquisa recente. É de amplo conhecimento que compartilhar momentos com as amigas traz benefícios significativos, proporcionando momentos de alegria, empatia e conexão.

De acordo com um estudo conduzido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, a socialização com amigas desempenha um papel crucial na saúde e felicidade das mulheres. Apesar das exigências do cotidiano, como trabalho e responsabilidades domésticas, os pesquisadores recomendam que as mulheres reservem um tempo para sair com suas amigas pelo menos duas vezes por semana, considerando isso como fundamental para o bem-estar em todas as áreas de suas vidas.

Robin Dunbar, líder do estudo, entrevistou várias participantes e concluiu que as mulheres experimentam melhorias significativas na saúde e no bem-estar geral quando desfrutam de momentos de qualidade com suas melhores amigas. Além disso, a pesquisa aponta que esses encontros podem fortalecer o sistema imunológico das mulheres, contribuindo para uma recuperação mais rápida de doenças e reduzindo os níveis de estresse e ansiedade.

Dentre as atividades mais apreciadas durante esses encontros, destacam-se conversas descontraídas, fofocas e simplesmente compartilhar momentos de descontração, que promoverem bem-estar emocional, os encontros com as amigas têm impacto positivo na saúde física das mulheres, fortalecendo seu sistema imunológico e auxiliando na recuperação mais rápida de doenças. Além disso, contribuem para a redução dos níveis de estresse e ansiedade.

Embora o estudo se concentre nas mulheres, é evidente que todos nós nos beneficiamos ao compartilhar nossa vida com amigos próximos. Portanto, é fundamental encontrar tempo em meio à agenda atribulada para desfrutar da companhia dos amigos, pois isso não apenas traz alegria, mas também promove a saúde e o bem-estar.

Cochilo de 30 minutos pode melhorar a memória e a produtividade, diz pesquisa

Segundo uma pesquisa realizada pelo Centro de Sono e Cognição da NUS Medicine, nos EUA, tirar cochilos curtos durante o dia, de cerca de 30 minutos, ajudam a melhorar a memória e aumentar a produtividade. O estudo avaliou se existe uma duração recomendada para que as sonecas proporcionem de fato um equilíbrio e tragam um benefício significativo. Os resultados foram publicados na revista Sleep, uma das mais importantes na área de medicina do sono.

Para chegar a conclusão a respeito dos possíveis benefícios desses cochilos no meio do dia, os pesquisadores avaliaram as sonecas em 32 pessoas adultas que após a quantidade de sono habitual noturno foram submetidas a quatro condições experimentais: vigília e cochilos de 10, 30 ou 60 minutos em dias alternados.

Os cientistas compararam o tempo de sono objetivamente por meio da polissonografia (exame realizado para medir as variáveis fisiológicas do sono), o que permitiu saber exatamente a quantidade de tempo que deveria ser destinada para uma soneca de qualidade levando em consideração o tempo médio que a pessoa demorava para adormecer.

O humor, a sonolência objetiva e o desempenho cognitivo dos voluntários foram medidos em intervalos de 5 minutos, 30, 60 e 240 minutos após o despertar do cochilo para avaliar os possíveis efeitos benéficos desse cochilo. Os pesquisadores analisaram ainda os impactos desses minutos de sono na codificação da memória dos participantes.

O estudo aponta que os participantes levaram de 10 a 15 minutos para adormecer. E os resultados mostram que, em comparação com a vigília, todas as durações de soneca tiveram benefícios claros na melhora do humor e no estado de alerta (desde as mais curtas, de 10 minutos, até as mais longas, de 60 minutos).

No entanto, somente as sonecas de 30 minutos tiveram um benefício direto na codificação da memória, o que aponta que é necessário dormir pelo menos meia hora para melhorar a memória.

Veja também:

Pesquisadores indicam hábitos infalíveis para atingir a Felicidade

Dinheiro pode não comprar felicidade, mas alguns hábitos simples ajudam a atingir uma vida mais feliz, segundo cientistas. Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Bristol desenvolveu um curso chamado “Ciência da Felicidade” que mostra que o contentamento pode ser aprendido e conquistado com uma série de práticas que devem ser mantidas a longo prazo.

Em estudo recente, publicado em março deste ano na revista científica Higher Education, os pesquisadores descobriram que os hábitos ensinados no curso podem levar ao aumento do bem-estar, principalmente quando fazem parte do dia a dia das pessoas.

“É como ir à academia – não podemos esperar fazer uma aula e estar em forma para sempre. Tal como acontece com a saúde física, temos que trabalhar continuamente na nossa saúde mental, caso contrário as melhorias serão temporárias”, afirma o autor sênior da pesquisa, Bruce Hood.

Lançado em 2018, o curso “Ciência da Felicidade” foi o primeiro desse tipo no Reino Unido. O objetivo é ensinar aos alunos o que os estudos nas áreas de psicologia e neurociência dizem sobre a felicidade.

Segundo o atual estudo, os alunos que fizeram o curso relataram uma melhoria de 10% a 15% no bem-estar. Além disso, aqueles que mantiveram os hábitos aprendidos no curso mantiveram esse nível de bem-estar dois anos depois.

Quais são as práticas ensinadas pelo curso?

  • Os hábitos que podem levar à felicidade, de acordo com o curso “Ciência da Felicidade”, são:
  • Conversar com estranhos, por mais que muitas pessoas evitem esses tipos de encontros;
  • Dar presentes para outras pessoas, pois isso ativa centros de recompensa no cérebro, proporcionando felicidade;
  • Ter uma boa qualidade de sono;
  • Caminhar na natureza;
  • Praticar atos de bondade;
  • Praticar meditação;
  • Ter atenção aos eventos e aspectos positivos de cada dia;
  • Praticar atividade física;
  • Praticar a gratidão.

“Muito do que ensinamos gira em torno de intervenções de psicologia positiva que desviam sua atenção de si mesmo, ajudando os outros, estando com amigos, agradecendo ou meditando”, afirma Hood. “Isso é o oposto da atual doutrina do ‘autocuidado’, mas inúmeros estudos demonstraram que sair da nossa cabeça ajuda a afastar-nos de ruminações negativas que podem ser a base de tantos problemas de saúde mental.”

Esses aprendizados também estão disponíveis no livro “The Science of Happiness: Seven Lessons for Living Well” (“A Ciência da Felicidade: Sete Lições para Viver Bem”, em tradução literal do inglês), lançado pelo professor Hood em março.

 

*CNN Brasil

Veja também:

 

Explosão de alegria eleva o nível do Brasil no ranking global de felicidade

À medida que o mundo celebra o Dia Internacional da Felicidade, o Brasil emerge como um farol de otimismo, ascendendo cinco posições no prestigiado World Happiness Report, saltando do 49º para o 44º lugar. Este dia, que nos convida a refletir sobre os pilares da qualidade de vida, revela um Brasil que, apesar dos desafios cotidianos, abraça a felicidade com renovado vigor.

A Universidade de Bristol intensifica essa onda de positividade com seu inovador curso “Ciência da Felicidade”, destinado a desvendar os segredos da alegria através de uma abordagem científica. Esse movimento educacional reflete um reconhecimento global crescente sobre a importância da felicidade, não apenas em nossa vida pessoal mas também no ambiente corporativo. Gigantes corporativos como Google e Chilli Beans exemplificam essa tendência ao instituírem departamentos dedicados exclusivamente ao bem-estar dos empregados, sublinhando a conexão entre a felicidade dos funcionários, produtividade e sucesso empresarial.

Rodrigo Lang, da Human SA, enfatiza a felicidade como catalisadora de habilidades humanas vitais, transformando o ambiente de trabalho. Já a especialista Gisele Hedler realça a essência da felicidade nas conexões humanas, ecoando as descobertas do renomado Estudo de Desenvolvimento Adulto de Harvard, que vincula profundamente a felicidade com relacionamentos ricos e significativos.

A busca pela felicidade transcende a materialidade, conforme reitera Lang, apontando para a satisfação encontrada nas experiências e interações humanas. Este ethos é reforçado pelo reconhecimento de que preocupações excessivas e a negligência com a saúde mental podem corroer nossa sensação de contentamento. Em contrapartida, a resiliência, a vivência do presente e a generosidade são identificadas como chaves mestras para uma vida plena e feliz.

À medida que o Brasil avança no ranking da felicidade, emerge uma narrativa inspiradora de um país que, apesar dos desafios, está cada vez mais engajado em cultivar a alegria, o bem-estar e a satisfação entre seus cidadãos. Esta evolução não só enaltece o espírito nacional, mas também serve como um lembrete vital da importância de nutrir e valorizar as nossas conexões humanas, a saúde mental e a generosidade no caminho para uma vida verdadeiramente realizada.

Brincar com Cães ajuda a reduzir o estresse

Se você fica relaxado ao brincar com cães ou ao assistir vídeos dos animais nas redes sociais, pode estar no caminho certo.

Interagir com cães dessa forma pode fortalecer as ondas cerebrais associadas ao descanso e relaxamento, de acordo com um pequeno estudo publicado na última quarta-feira (13/3) no periódico científico Plos One.

Vários estudos têm demonstrado os benefícios emocionais, fisiológicos e cognitivos das interações com animais, especialmente cães – como aumento de energia, aumento de emoções positivas ou redução do risco de perda de memória. Por isso, as intervenções de saúde assistida por animais são cada vez mais utilizadas em diversos campos, afirmaram os autores do estudo.

Estudos anteriores frequentemente adotavam “uma abordagem holística, comparando o humor ou os níveis hormonais das pessoas antes e depois de passarem tempo com um cachorro”, disse o primeiro autor do estudo, Onyoo Yoo, estudante de doutorado na escola de pós-graduação da Universidade Konkuk em Seul, por e-mail.

Neste novo estudo, Yoo e seus colegas buscaram descobrir como o humor era afetado por atividades específicas – em vez de apenas interação geral com um cachorro – medindo objetivamente a atividade cerebral e perguntando aos participantes sobre suas emoções subjetivas.

Como o estudo foi realizado?

O estudo envolveu 30 adultos saudáveis com idade média de cerca de 28 anos que foram recrutados em salões de pet e em uma escola de banho e tosa de cães em Seongnam, Coreia do Sul, entre maio e junho de 2022.

Em uma sala monótona e tranquila em uma academia de banho local, cada participante realizou oito atividades com um poodle padrão fêmea de 4 anos de idade, bem treinada, pertencente ao autor principal do estudo. As atividades incluíam conhecer, brincar, alimentar, massagear, cuidar, fotografar, abraçar e passear com o cachorro.

Participante do estudo faz carinho no poodle envolvido na pesquisa / EurekAlert/PLoS One Journal/Konk via CNN Newsource

Antes do início das atividades, os participantes sentaram e olharam para a parede por três minutos para minimizar qualquer estimulação que pudesse influenciar os resultados. Os autores mediram as ondas cerebrais dos participantes, usando testes de eletroencefalograma, ou EEG, por três minutos durante cada atividade.

Um EEG é um teste não invasivo que mede a atividade elétrica no cérebro usando pequenos discos de metal chamados eletrodos, que são fixados no couro cabeludo. Esses testes fornecem “informações rápidas e precisas sobre processos inconscientes que a auto-avaliação pode não revelar”, disse Yoo.

Após cada tarefa, os autores deram aos participantes alguns minutos para responder a questionários sobre seus estados emocionais. Todo o processo levou cerca de uma hora.

Diferentes atividades tiveram efeitos variados nas ondas cerebrais dos participantes. Brincar e passear com um cachorro aumentou a força das oscilações da banda alfa, descobriram os autores, o que geralmente indica estabilidade e relaxamento. A atividade de ondas alfa tem sido associada a uma melhoria na memória e redução do estresse mental, de acordo com o estudo.

Cuidar, brincar e massagear gentilmente o cachorro foi associado ao fortalecimento da oscilação da banda beta, que está associada a uma atenção e concentração elevadas. Os participantes também se sentiram significativamente menos deprimidos, estressados e fatigados após interagir com o poodle.

Embora muitas das pesquisas nesse campo tenham sido anedóticas ou subjetivas, “não é surpreendente” que o novo estudo forneça mais insights sobre exatamente como os benefícios conhecidos podem estar ocorrendo, disse a Dra. Colleen Dell, professora e presidente de pesquisa em One Health & Wellness na Universidade de Saskatchewan, no Canadá, por e-mail.

“Estudar a área de várias maneiras – como o EEG e escalas subjetivas – é realmente importante”, disse Dell, que não esteve envolvida no estudo.

Como o envolvimento com cães afeta o cérebro

Embora nem todos os participantes tivessem animais de estimação próprios, “o carinho por animais provavelmente motivou sua disposição em participar do experimento, potencialmente enviesando os resultados”, disse Yoo. “A terapia assistida por animais pode ser muito benéfica para pessoas que gostam de estar perto de animais.”

Além das mudanças na atividade cerebral observadas na pesquisa, “este estudo não foi projetado para determinar quais mecanismos podem ligar as interações com animais aos observados mudanças na atividade cerebral”, disse a Dra. Tiffany Braley, professora da Cátedra Holtom-Garrett de Neurologia da Universidade de Michigan, que não participou do estudo.

No entanto, o córtex pré-frontal, uma das regiões examinadas neste estudo, “é pensado para estar envolvido no processamento emocional e social, oferecendo a possibilidade de que o vínculo emocional ou social com os animais possa afetar a atividade nesta região”, acrescentou Braley por e-mail. “Além disso, estudos anteriores sugeriram que a redução dos níveis de cortisol e o aumento da ocitocina podem desempenhar um papel nas mudanças fisiológicas associadas às interações humano-animal.”

O estudo teve algumas fraquezas, afirmaram os especialistas – como o baixo número de participantes do estudo e o fato de eles não terem condições mentais, médicas ou neurológicas, que poderiam se beneficiar mais desses tipos de intervenções, disse Braley. Além disso, o estudo não teve um grupo de controle para ver se as ações, quando feitas com um humano em vez de um cachorro, teriam benefícios semelhantes.

“Será importante confirmar a validade desses resultados em estudos futuros”, disse Yoo.

Aplicando a pesquisa canina em sua vida

Embora mais estudos sejam necessários, se você já tem um cachorro, agora há mais evidências apoiando interações com seu animal de estimação, afirmaram os especialistas.

A maioria dessas atividades provavelmente é apreciada pelo seu cachorro, disse Dell, mas preste atenção ao que eles não gostam – alguns cachorros não gostam de ser abraçados, por exemplo.

Se você quiser adotar um cachorro, há várias coisas que você deve considerar. Você precisaria de dinheiro extra para pelo menos suprimentos para animais de estimação, cuidados de saúde, brinquedos, comida e cuidados com animais, que podem somar centenas ou milhares de dólares anualmente. Se você adotar um filhote, ele precisará ser treinado, e qualquer novo animal de estimação precisaria ser aclimatado a um novo ambiente, independentemente da idade. Depois, há o tempo de qualidade que um cachorro precisa regularmente.

Se você não estiver pronto para ter um animal de estimação, mas ainda quiser obter os benefícios para a saúde emocional, pode querer experimentar brincar com o animal de estimação de um ente querido ou visitar um abrigo local ou loja de animais que permita brincar com os cachorros, mesmo que você não vá adotá-los. Fazer isso é especialmente encorajado em lugares com muitos filhotes, pois o tempo de qualidade ajuda a socializá-los.

O reconhecimento do bem-estar do cachorro é importante, disse Dell, “porque se o cachorro não estiver saudável e feliz, então ele (também) não pode participar plenamente da intervenção”.

 

*CNN Brasil

Veja também:

 

Saiba quais são os benefícios para a saúde de tirar um cochilo depois do almoço

Se tem uma coisa que muita gente gosta é de tirar um cochilo depois do almoço. Não só é algo prazeroso de se fazer, como é uma excelente alternativa de repor as energias e relaxar, em especial, quando não foi possível dormir bem durante a noite, ou caso tenha um estilo de vida mais agitado.

Contudo, é importante lembrar que os cochilos realmente precisam ser curtos. O ideal é que seja de no máximo 20 a 25 minutos logo após o almoço para ser possível descansar um pouco e aumentar a energia para a jornada na parte da tarde, seja para trabalhar ou estudar.

Se você está se perguntando porque a média de sono depois do almoço deve ser de 20 a 25 minutos, o motivo é simples, é que dormir por mais de 30 minutos favorece a insônia e aumento do cansaço, além de afetar a saúde, conforme já apresentado por diversos estudos.

Benefícios do cochilo depois do almoço

Reservar um momento para uma breve soneca após o almoço pode trazer uma série de vantagens para o bem-estar, incluindo:

  • Aperfeiçoar a capacidade de concentração e a produtividade;
  • Diminuir os níveis de estresse, favorecendo um estado de maior relaxamento;
  • Aliviar a fadiga, tanto física quanto mental;
  • Aprimorar a memória e agilizar a resposta a estímulos.

Assim, uma pausa para descanso é recomendada, especialmente nos momentos de grande cansaço ou sonolência súbita ao longo do dia. É também uma estratégia útil para quem antecipa longas horas de vigília, como em jornadas noturnas de trabalho, fornecendo um impulso de energia adicional necessário.

No entanto, se a necessidade de dormir durante o dia se tornar uma constante ou se repetir mais de uma vez ao dia, é prudente buscar orientação médica. Um profissional especializado em distúrbios do sono pode avaliar a situação para determinar se há algum problema de saúde subjacente que requeira intervenção, como o uso de medicamentos, por exemplo.

Cochilo após o almoço não é para todos

Embora uma soneca diurna possa oferecer vários benefícios à saúde, não é uma prática que se adapta a todos, principalmente porque há quem enfrente dificuldades para dormir fora de seu ambiente habitual de descanso, como a própria cama.

Essa limitação pode resultar em alguns inconvenientes, tais como:

Aumento do cansaço: Indivíduos que lutam para adormecer fora de seu ambiente de sono usual podem levar mais tempo para cair no sono, diminuindo efetivamente o período de descanso. Como resultado, muitos despertam apenas alguns minutos depois, sem se sentirem verdadeiramente descansados e com uma maior necessidade de sono;

Aumento do sentimento de frustração e estresse: A dificuldade em conseguir dormir durante o dia pode gerar frustração, contribuindo para um aumento nos níveis de estresse, o que acaba por anular os benefícios relaxantes esperados da soneca;

Risco de insônia: Cochilar muito próximo ao horário habitual de ir para a cama à noite pode resultar em dificuldades para iniciar o sono noturno;

Associação com diabetes: De acordo com uma pesquisa realizada no Japão, dormir por mais de 40 minutos durante o dia pode elevar em 45% o risco de desenvolver diabetes.

Portanto, é aconselhável que cada pessoa teste individualmente como se comportará com os cochilos após o almoço, adaptando-os conforme sua necessidade, observando atentamente como se sente ao despertar e o impacto que esse hábito pode ter sobre seu sono noturno.

 

 

*Meu Valor Digital

Veja também:

 

 

4 hábitos matinais para ter uma rotina perfeita

Iniciar o dia com o pé direito é mais do que uma expressão clichê – é uma estratégia comprovada para moldar as próximas horas de forma produtiva e energética. A ciência respalda a importância de adotar hábitos matinais saudáveis logo após o despertar. Para cultivar uma rotina matinal impecável, é essencial adotar quatro hábitos simples, porém impactantes, em seu dia a dia. Confira quais são eles e fique no lucro.

1. Desconecte-se do mundo virtual

Começar o dia sem se perder nas redes sociais ou nas notícias online pode ser o primeiro passo para uma manhã mais tranquila e focada. Estudos da Universidade de Gotemburgo destacam os efeitos negativos do uso excessivo do celular logo pela manhã, associando-o ao aumento do estresse, ansiedade e fadiga. Reserve esse tempo para atividades mais tranquilas, como ouvir um podcast ou música relaxante enquanto se prepara para enfrentar os desafios do dia.

2. Mantenha uma rotina de sono consistente

Outro dos hábitos matinais da nossa lista. Estabelecer horários regulares de sono, auxiliados por despertadores, é fundamental para sincronizar seu relógio biológico. Pesquisas, como as conduzidas pela Universidade de Estocolmo, enfatizam os benefícios de um sono regular na melhoria da produtividade, humor e saúde cognitiva.

Evite cair na armadilha do botão soneca, pois interromper o ciclo de sono pode prejudicar sua disposição ao longo do dia. Manter uma rotina de sono consistente também pode ajudar a melhorar a qualidade do sono, resultando em uma sensação de descanso bem mais revigorante pela manhã.

3. Pratique breves momentos de meditação para nutrir a mente

Dedicar alguns minutos à meditação logo pela manhã pode ser um poderoso antídoto contra o estresse e a ansiedade, como indicado por estudos da Universidade de Cambridge. A prática não apenas reduz os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, mas também pode aliviar sintomas de depressão e dores crônicas.

Comece com sessões curtas de meditação, concentrando-se na respiração ou utilizando guias de meditação disponíveis online. Incorporar a meditação em sua rotina matinal pode não só acalmar sua mente, mas também prepará-lo para enfrentar os desafios do dia com maior clareza e foco.

4. Organize o dia de forma produtiva

O último dos hábitos matinais da nossa lista também é crucial. Escrever uma lista de tarefas para o dia não só organiza suas prioridades, mas também aumenta significativamente suas chances de realizá-las, conforme descobertas do professor Gail Matthews, da Universidade Dominicana.

Esse simples hábito reduz o estresse associado às atividades, proporcionando uma visão clara das metas a serem alcançadas. Além disso, ter uma lista de tarefas escrita pode ajudá-lo a manter o foco e a motivação ao longo do dia, garantindo que você faça um progresso constante em direção aos seus objetivos.

Por que os hábitos matinais são cruciais?

A maneira como você se prepara pela manhã estabelece o tom para o restante do dia. Investir em hábitos matinais saudáveis não apenas impulsiona sua energia, mas também promove bem-estar mental e físico ao longo do dia. Além disso, ter uma rotina matinal bem estruturada pode reduzir o estresse e aumentar a eficácia nas atividades diárias.

Por isso, cultivar hábitos matinais saudáveis não se trata apenas de acordar cedo, mas sim de adotar práticas que nutrem tanto o corpo quanto a mente. Ao priorizar o desligamento digital, manter uma rotina de sono consistente, reservar tempo para a meditação e planejar suas tarefas, você estará no caminho para uma rotina matinal perfeita, repleta de energia e produtividade. Incorporando esses quatro hábitos simples em sua vida diária, você pode transformar suas manhãs e, consequentemente, sua qualidade de vida.

Confira também: 

Explorando a Energia Natural: O Poder dos Óleos Essenciais

8 aromas que podem te trazer bem-estar

Conheça as desvantagens de ser inteligente demais

Ciência afirma que dormir pelado faz bem à saúde!

Nesse calor, você é daqueles que não aguenta dormir com nada encostando na pele? Ou, ao contrário, liga o ar-condicionado no máximo para dormir com pijama e meias?

Dormir sem roupa faz bem a saúde?

Especialistas defendem que, para a saúde e bem-estar, o ideal é mesmo dormir nu, pelado mesmo.

A autora de “The Good Sleep Guide” (O guia para dormir bem, em tradução livre), Sammy Margo, defende que dormir sem nenhuma roupa é o melhor, independentemente das questões climáticas.

“Embora muitas pessoas possam pensar que agasalhar-se no inverno é a melhor maneira de se manter aquecido, dormir nu pode, na verdade, ajudar a regular a temperatura corporal e melhorar a qualidade do sono”, disse ela o jornal Metro do Reino Unido.

Quais são os benefícios de dormir sem roupa?

A fisioterapeuta e especialista em sono lista alguns benefícios para se tirar a roupa da hora de ir para a cama:

Dormir mais rápido:

Como a temperatura corporal está muito ligada ao relógio biológico, e seu ciclo circadiano, o resfriamento do corpo está naturalmente ligado a um sono profundo. Assim, se você estiver mais fresquinho sinaliza a todo o organismo que é hora de dormir, adormecendo mais rapidamente;

Melhora da pele:

Dormir sem roupa melhora a ventilação da pele, reduzindo a chance de problemas de pele como erupções cutâneas;

Aumento da autoconfiança:

Dormir nu pode aumentar sua autoestima e imagem corporal, pois incentiva você a abraçar seu corpo de maneira mais natural;

Saúde ginecológica:

A região mais quente do corpo é a genital, também propensa à umidade natural. Por isso, dormir sem roupa íntima permite que os órgãos genitais sejam arejados, mantendo-os secos e mais limpos. A dica é válida especialmente para mulheres que sofrem com recorrentes infecções vulvovaginais, como candidíase, ao diminuir a proliferação de fungos e bactérias que preferem locais quentes e úmidos.

Combater a diabetes:

Quando a gordura marrom está ativa, além de queimar calorias, o corpo também se torna mais sensível à insulina, que é a substância que ajuda a utilizar o açúcar, evitando que se acumule no organismo. Assim, como o ambiente em que se dorme é mais fresco, fica mais fácil regular os níveis de açúcar no sangue, prevenindo o surgimento de diabetes.

Reduzir o estresse e a ansiedade:

O estresse e a ansiedade são causas comuns de insônia e da má qualidade do sono, podendo afetar negativamente a qualidade de vida.

Desta forma, dormir pelado pode ajudar a melhorar a qualidade do sono, regular os níveis do hormônio cortisol que está relacionado com o estresse, e, assim, ajudar a reduzir estresse e a ansiedade.

Prevenir o ganho de peso:

Dormir pelado ajuda a adormecer mais rápido e a melhorar a qualidade do sono, o que pode ajudar a prevenir o ganho de peso.

Isto porque alguns estudos mostraram dormir não dormir o suficiente pode afetar a produção de hormônios, levando a uma redução do hormônio leptina e aumento do hormônio grelina, que estão relacionados com o controle do apetite, saciedade e fome.

Desta forma, dormir pelado pode ajudar a prevenir o ganho de peso, por favorecer uma melhor qualidade do sono e um melhor controle hormonal.

Melhorar a vida sexual do casal:

Dormir pelado com o parceiro pode contribuir para o aumento do desejo para ter o contato íntimo com mais frequência, o que também ajuda a reduzir o estresse e a ansiedade, e a melhorar a relação do casal.

Além disso, o contato pele a pele com o parceiro estimula a produção de ocitocina pelo corpo, que ajuda melhorar a libido e o desempenho sexual, a sensação de prazer, melhorar as relações íntimas e o afeto, além de intensificar a ereção e favorecer a ejaculação em homens.

 

*Agência O Globo

Veja também: